Version classiqueVersion mobile

Contos tradicionais do povo português (I)

 | 
Teófilo Braga

Parte I Contos de fadas e casos da tradição popular

Secção II. Casos e facécias da tradição popular

Texte intégral

O boi Cardil

1Um rei tinha um criado, em quem depositava a maior confiança, porque era homem que nunca em sua vida tinha dito uma mentira. Recebeu o rei um presente de um boi muito formoso, a que chamavam o boi Cardil; o rei tinha-o em tanta estimação que o mandou para uma das suas tapadas, acompanhado do criado fiel para tratar dele. Teve uma ocasião uma conversa com um fidalgo, e falou da grande confiança que tinha na fidelidade do seu criado. O fidalgo riu-se:

– Porque te ris? – perguntou o rei.

– É porque ele é como os outros todos, que enganam os amos.

– Este não!

– Pois eu aposto a minha cabeça como ele é capaz de mentir até ao rei.

2Ficou apostado. Foi o fidalgo para casa, mas não sabia como fazer cair o criado na esparrela, e andava muito triste. Uma filha nova e muito formosa quando soube a causa da aflição do pai, disse:

– Descanse, meu pai, que eu hei-de fazer com que ele há-de mentir por força ao rei.

3O pai deu licença. Ela vestiu-se de veludo carmesim, mangas e saia curta, toda decotada, e cabelos pelos ombros e foi passear para a tapada; até que se encontrou com o rapaz que guardava o boi Cardil. O rapaz era rapaz, e ela começou logo:

– Há muito tempo que trago uma paixão, e nunca te pude dizer nada.

4O rapaz ficou atrapalhado, e não queria acreditar naquilo, mas ela tais coisas disse e jeitinhos deu que ele ficou pelo beiço. Quando o rapaz já estava rendido, ela exigiu-lhe que em paga do seu amor matasse o boi Cardil. Ele assim fez e deu-se por bem pago todo o santíssimo dia.

5A filha do fidalgo foi-se embora, e contou ao pai como o rapaz tinha matado o boi Cardil; o fidalgo foi contá-lo ao rei, fiado em que o rapaz havia de explicar a morte do boi com alguma mentira. O rei ficou furioso quando soube que o criado lhe tinha matado o boi Cardil, em que punha tanta estimação. Mandou chamar o criado.

6Veio o criado, e o rei fingiu que nada sabia; perguntou-lhe

– Então como vai o boi?

7O criado julgou ver ali o fim da sua vida, e disse:

Senhor! pernas alvas
E corpo gentil,
Matar me fizeram
Nosso boi Cardil.

8O rei mandou que se explicasse melhor; o moço contou tudo. O rei ficou satisfeito por ganhar a aposta, e disse para o fidalgo:

– Não te mando cortar a cabeça, como tinhas apostado, porque te basta a desonra de tua filha. E a ele não o castigo, porque a sua fidelidade é maior do que o meu desgosto.

9(Algarve)

10NOTA–Este conto acha-se na tradição oral da ilha da Madeira ainda em forma métrica, com o título de Boi Bragado. (Romanceiro do Arquipélago da Madeira, p. 273). Nos Contos Populares Portugueses, n.° lvi, traz o nome de O Rabil, versão de Coimbra, com o estribilho poético:–Senhor meu amo! / Pernas altas e cara gentil / Me fizeram matar o boi Rabil.

11Esta facécia tem raízes tradicionais muito profundas; Schmidt determina-lhe um paradigma nas Gesta Romanorum, cap. iii, no qual se vêem ainda os elementos míticos de Io mudada em vaca, e Argus, o pastor, fazendo um discurso ao seu barrete espetado na aguilhada, da mesma forma que Travaillin faz em um conto semelhante das Piaccevole Notte de Straparola, Noite iii, Fábula v. (Les Facetieuses nuits, t.i, p.223. Ed. Janet). Na versão francesa das Gesta, Le Violier des histoires romaines, cap. xcviii, p. 265, não traz a sedução amorosa. Nesta edição indicam-se novas fontes; acha-se também nos Contos Turcos, que Loiseleur des Longchamps juntou à sua edição das Mil e Uma Noites, p. 315. Vide a Histoire du grand ecuyer Saddyk. Nos Quarenta Vizires, vem este conto com o título Scheikk Chehabeddin, donde passou para outras colecções europeias. O Dr. Schmidt, nas notas à sua versão de Straparola, cita este mesmo conto em alemão do século xvi, que se acha nos Volkssagen de Otmar (Nachtigall) Breme 1800. O abade Blanchet nos Contes et apologues orientaux trá-lo também sob o título de Doyen de Badajoz. (Vide Loiseleur des Longchamps, Essai sur les fables indiennes p. 173). No conto viii dos Contos Sicilianos de Laura Gonzenbach é uma cabra que serve para pôr à prova a fidelidade do aldeão. (Vide Gubematis, Myth. zoologique, t.i, p.442, nota). Nos Contos de Pomigliano coligidos por Vittorio Imbrianni acha-se esta anedota em que o herói se chama José Verdade. (Rev. des deux mondes Nov. 1877, p. 145).

O Camareiro do rei

12Era uma vez um rei que era muito amigo dos seus camaristas, e prometeu a cada um um dote para se casarem. Um deles quis ir viajar para escolher mulher que fosse linda, esperta e honrada. Chegou a uma grande quinta, e logo nos primeiros degraus que davam para a casa encontrou uma menina linda a mais não ser. Pediu pousada, e veio um velho lavrador que o recebeu com boas maneiras e foi-lhe mostrar a casa:

– Que tal lhe parece?

– Acho-a excelente; mas só o frontispício é que está muito baixo.

13Foi o velho lavrador mostrar-lhe os campos e sementeiras.

– Então que tal as acha?

– Muito boas, se não estiverem já comidas.

14O lavrador nada percebia do que ouvia; porque a fachada da casa era alta, e tinha ainda as tulhas cheias de grão. À noite apareceu à mesa uma magnífica galinha, que a filha do lavrador trinchou, dando a cabeça ao pai, as asas à mãe, os pés para o hóspede e ficou com o peito para si. O lavrador não quis perguntar à filha porque é que fazia aquilo; mas de noite, no seu quarto, contou à mulher a conversa com o camareiro, e notou como a filha tinha trinchado a galinha.

15A filha que ouviu tudo do seu quarto, disse de lá:

– Eu sei o que queria dizer o nosso hóspede; o frontispício da casa que era muito baixo dizia-o por mim, porque me encontrou no patamar da escada; a seara já comida referia-se ao caso de meu pai ter dívidas, porque o que colhesse era tudo para as pagar.

– Muito bem, disse o pai; e agora me dirás, porque me deste à ceia a cabeça da galinha para mim, as asas a tua mãe, e os pés ao nosso hóspede?

– Dei a meu pai a cabeça, porque a si lhe compete o governo da casa; a minha mãe, as asas, para agasalhar a família; ao hóspede as pernas, porque ele anda em viagem; para mim o peito, para ser forte contra as desgraças que por amor dele me vierem.

16O camarista ouviu tudo, e já gostava da menina porque era formosa, e ainda ficou mais encantado com a sua esperteza. No outro dia resolveu pedi-la ao pai, que lhe deu consentimento. Veio com ela viver para a corte, mas não quis apresentar a mulher ao rei. O rei andava desconfiado que não seria bonita, e jurou de a ver, desse por onde desse. Rondava-lhe a rua, mas as janelas estavam sempre com as cortinas corridas; por fim sempre comprou uma criada, que o deixou entrar no quarto da senhora quando ela estava dormindo e tinha o marido fora da terra. O rei jurou-lhe que não lhe poria a mão, e que era só para vê-la. Entrou no quarto de dormir pé ante pé, e viu uma bela camilha com cortinas de damasco verde, cerradas; abriu-as, e viu a cara mais linda do mundo. Nisto vem a criada de repente dizer para que fugisse, porque chegava o amo. O rei com a pressa deixou cair uma luva. O camareiro veio para o seu quarto e a primeira coisa que viu foi a luva; ficou desconfiado, e nunca mais tratou bem a mulher. Era um inferno em casa. A criada com remorsos de ter feito aquilo àqueles bem-casados, foi contá-lo ao rei. O rei lembrou-se de que tinha perdido a luva, e mandou chamar o camareiro, e disse-lhe:

– Tendes-me feito uma grande desfeita em nunca me terdes apresentado a vossa mulher para a conhecer.

– Senhor, é que ela é muito doente.

– Pois sim, amanhã vou jantar à vossa casa.

17No dia seguinte foi. A mulher do camareiro foi a última a sentar-se à mesa, e assim que se sentou, como havia mais de um ano que não comia com o marido desatou a chorar. O rei perguntou-lhe porque é que ela chorava tanto? Ela respondeu:

Eu era amada bem do coração.
Hoje não o sou, nem sei porque não.

18Replicou o camareiro:

Quando em minha vinha entrei,
Rasto de ladrão achei.

19Declarou o rei:

Eu fui esse tal ladrão
Que na tua vinha entrei;
Verdes parras arredei,
Lindos cachos de uvas vi;
Mas juro-te a fé de Rei
Que eu nas uvas não buli.

20O rei explicou como as verdes parras eram os cortinados de damasco; como vira os braços descobertos; como se fora embora, tendo-lhe caído uma luva com a pressa. O camareiro ficou muito contente, percebeu os perigos da grande curiosidade, e nunca mais fechou a mulher, que na corte era conhecida por todos como a mais linda, esperta e honrada.

21(Algarve)

22Na versão de Loulé A Mulher do Mercador, quando o príncipe janta em casa do mercador, diz à mesa a esposa:

Eu já fui querida, amada,
Agora sou desprezada,
Sem contudo fazer nada.

23Responde o marido:

Eu à minha vinha fui,
Rastos de ladrão achei;
Se comeu uvas ou não
Isso não vi nem cá sei.

24Então observou o príncipe:

Eu à tua vinha fui,
Parras verdes eu abri;
Como príncipe te juro
Que das uvas não comi.

25Congraçaram-se os esposos dadas as mútuas explicações.

26NOTA–Sobre este conto escreveu o Dr. Stanislao Prato uma monografia excelente, L’Orma del Leone nella tradizione orientale, Parigi, 1883. (Romania, t.xii, pp. 515 a 565). Aparece como episódio do Syntipas redacção grega do Livro de Sindibad, que com o título de O Anel do Rei publicou Loiseleur des Longchamps no Essai sur les fables indiennes pp. 96 e 97. Aparece como ii exemplo no Libro de los Engames et per Asayamientos de las Mujeres; também na versão turca de Sindibad, Os Sete Vizires, no conto A Mulher do Vizir (Ed. Panthéon littéraire, p. 289); no Pantufo do Sultão (Mélanges de littérature orientale), outro de Cardonc, vol. i, pp. 8-16. Matheus de Vendôme, o conto de Milo (Ed. Haupt, de1834); dessa fonte medieval, passou para o Chronicon Imaginis Mundi de Fr. Jacopo de d’Acqui, narrado como anedota: De Petro de Vineis notario Imperatoris. Carducci observa que Jacopo d’Acqui viveu nos fins do século xiii menos de um século depois de Petro delle Vigna, é que a imagem poética da vinha se personificou na tradição popular; e não existiam os nomes históricos.

27Este conto tem uma referência histórica, sendo os personagens Frederico II e Pedro de Vignes. Esta anedota teve larga vulgarização, porque acha-se não só nas Dames galantes de Brantôme, De la veuë en amour, pp. 172-4. Ed. 1848. Aqui a esposa é que se compara à Vinha, e alude à frieza do marido: Vigna era, vigna son, / Era pedata, ora hia non son; / E non so per qual cogion / Non mi poda il mio patron.

28Nas tradições populares italianas também está vigoroso, e acha-se em duas versões nos Contos de Pomigliano de Vittorio Imbrianni, em Viterbo sob o título La trampa del leone, nos Abruzzes, Lu princej e la cambrjere, e em Livorno, La granfia del Leone. Cesar Cantu, História dos Italianos, e Fauriel ignoraram a origem oriental. Por esta versão, em que há alguns estribilhos poéticos, se vê o sentido das referências à vinha, da versão do Algarve. Também se repete na Sicília e em Veneza. (Vid. Rev. des deux mondes, Nov. 1877, p. 144). Eis a adivinha do conto italiano, .tal como vem no texto latino da crónica:

29Petrus de Vineis loquitur stilo materno: Una vigna no piantà. / Per travers è intrà / Chi la vigna m’ha goastà. / An fait gran peccà / Di far ains che tant mal.

30Diz a esposa: (Domina loquitur concordia verborum): Vigna sum, vigna sarai, / La mia vigna non fali mal.

31Responde Pedro: (Consolatus Petrus respondit concordita): Se cossi è como è narrà / Plu amo la vigna che fis mai.

32«Et sic facta est pax inter dominam et Petrum…»

33No conto veneziano vêm as seguintes estrofes, que condizem com o diálogo rimado de Pedro de Vignes:

34A esposa: Vinha era, e vinha sou, / Fui amada, e já o não sou. / E não sei por que razão / A vinha perdeu a estimação.

35O camareiro: Vinha eras, vinhas ficarás, / Amada eras, e já o não serás; / Pela pata do leão / A vinha perdeu a estimação.

36O rei (compreendendo e explicando tudo): Naquela vinha eu entrei, / Em parra alguma toquei; / Pelo ceptro que tenho aqui / Nenhum bago lá comi.

37Há variantes numerosas; a veneziana, de Bernoni; a de Messina, de Blasiis; e a siciliana de Pittré.

O Palmeiriz de Oliva

38Um lavrador e a sua mulher tinham mui grande desgosto por lhes morrer o único filho; quando o lavrador ia caminho da cidade, passando ao pé de uma palmeira que estava perto de uma oliveira, viu um caixote com uma chave pendurada, abriu e encontrou dentro um menino muito asseado, com uma bolsa de dinheiro, e duas cartas, uma sem sobrescrito e outra que dizia:

39Para quem achar este menino. O lavrador leu a carta e soube que era para tomar conta da criança e dá-la a criar à sua mulher, e que quando ele fosse homem, lhe dessem a outra carta para só a abrir em ocasião que se visse em grande aflição. O lavrador e a mulher ficaram muito contentes por aquele achado, e puseram ao menino o nome de Palmeiriz de Oliva, por ter sido trazido do pé da palmeira da estrada perto da oliveira. Ao fim de um ano vieram três cavaleiros à porta do lavrador, já fora de horas, e entregaram-lhe uma trouxa.

– Tome conta dessa menina, que já vem baptizada; chama-se Rosa. E aí fica bastante dinheiro para a sua criação. – E partiram à pressa.

40As duas crianças foram crescendo, e tinham muito amor um ao outro e julgavam que eram filhos dos lavradores. Um belo dia parou uma carruagem à porta do lavrador; eram os cavaleiros que vinham buscar a menina, que já estava senhora. O lavrador sentiu aquela separação, e Palmeiriz chorou a mais não poder; Rosa ainda lhe pôde dizer que nunca o esqueceria, e já que agora sabia que não era irmã dele, não que casaria com mais ninguém a não ser com Palmeiriz.

41O pobre rapaz andava triste e queria ir pelo mundo procurar aquela que tantos anos julgara sua irmã; o lavrador deu-lhe dinheiro mais a carta, e ele foi à ventura, e passou muitos trabalhos até que chegou ao palácio do rei, que gostou tanto dele que o tomou para seu criado, e não saía da sua companhia. Palmeiriz andava sempre triste por não ter sabido mais de Rosa.

42O rei resolveu a casar-se e mandou vir retratos de muitas princesas; escolheu um, e avisou para a corte donde essa princesa era. Quando mostrou o retrato a Palmeiriz, ele conheceu logo Rosa e desmaiou; o rei fê-lo voltar a si, e então ele contou como o retrato se parecia com uma irmã de criação que nunca mais tinha visto, e que ele muito amava. O rei mandou pedir a princesa, mas o pai escreveu-lhe, que ela não queria casar com ninguém e só se o rei fosse à sua corte pessoalmente, ou se lhe mandasse também o seu retrato.

43O rei não pôde ir, mas mandou o seu retrato por Palmeiriz de Oliva. Chegando à corte o pai de Rosa chamou-a para vir receber a mensagem e o retrato; mas a princesa assim que viu o seu irmão de criação deu um grande grito, e botou-se ao pescoço do pai, dizendo:

– Meu pai, este é que Deus destinou para meu marido. E contou tudo ao pai, como tinha vivido com Palmeiriz até o dia em que a foram buscar. O rei escreveu então uma carta ao seu amigo, contando-lhe o caso, e como Rosa só queria casar com Palmeiriz.

– Eu podia mandar-te matar, disse o amo de Palmeiriz, mas como sempre tive por ti muita estima é que o não faço. Quero ter contigo um duelo, sem que ninguém o saiba, mas em que um de nós há-de morrer.

44Palmeiriz opôs-se àquela prova, porque não podia levantar mão para o seu benfeitor, e quando estava no seu quarto muito aflito, encontrou a carta destinada a ser aberta quando se visse em alguma grande aflição. Abriu a carta, e por ela soube que estava em casa de seu próprio pai; correu a contar ao rei tudo, e este abraçou-o, dizendo que ele mesmo é que tinha escrito aquela carta para o tornar a achar, quando como seu filho natural o deu a criar em segredo, para o salvar do ódio da rainha, que não tinha filhos. O próprio rei partiu com Palmeiriz para a corte do pai de Rosa e lá se fez o casamento, que ia sendo causa de tanta desgraça e que se tomou de felicidade.

45(Algarve)

O Bolo Refolhado

46Era uma mulher casada com um homem muito ruim, que lhe batia todos os dias por qualquer coisa. Uma vez, ao levantar-se para o trabalho, de madrugada, disse ele para a mulher:

– A noite quando vier, quero para a ceia bolo refolhado. Olha lá, toma cuidado no que digo.

47A mulher não sabia o que era bolo refolhado, e foi ter com uma vizinha, para ver se ela lhe ensinava. A vizinha, que tinha muita pena da vida que ela levava, disse:

– Deixe estar, que eu cá lhe arranjo isso; com certeza que o seu homem se enganou; há-de ser bolo folhado. E levou-lhe à tardinha o bolo.

48Quando veio o homem do trabalho, pediu a ceia, e como não achou o bolo refolhado, berrou, ralhou, deu muitas pancadas na mulher; ao outro dia a mesma coisa. A mulher, coitada, foi ter com a vizinha, e ela disse-lhe:

– Arranje-lhe vocemecê uma galinha guisada, que pode ser isso o que ele talvez queira.

49Volta o homem à noite, e mais pancadaria na mulher, por não lhe ter feito para a ceia o bolo refolhado, como mandara. Ao ir para o trabalho, outra vez a mesma recomendação. A desgraçada da mulher não sabia como acabar aquele fadário, e foi ter com a vizinha a chorar.

– Deixe estar, vizinha, tudo se arranja! Venha cá ter comigo à tardinha, vestida com as calças e o jaquetão do seu homem. A pobre mulher foi. Assim que chegou a casa da vizinha, também a achou vestida com as calças e casaco do marido dela; e partiram ambas com os seus varapaus para o sítio por onde o homem ruim havia de vir do trabalho. Puseram-se cada uma de um e outro lado do caminho. Quando o homem vinha a passar, diz uma:

– Bate-lhe, São Pedro!
Porquê, São Paulo?
– Porque pede à mulher
O bolo refolhado.

50Moeram ao som desta cantiga o homem com pancadas e depois de bem moído fugiram. O homem lá se arrastou para casa como pôde e assim que viu a mulher, pediu-lhe perdão de tê-la maltratado tanto tempo, e contou como lhe tinha aparecido no caminho S. Pedro e S. Paulo, que o desancaram em castigo de pedir o bolo refolhado, que era uma coisa que ele não sabia o que era.

51(AlgarveLagos)

A Mirra (Múmia)

52Um rapaz muito folgazão quis dar uma grande festa no dia dos seus anos; foi por casa de todos os amigos convidá-los para virem jantar e cear com ele. Quando recolhia para casa, encontrou ainda um amigo em frente do cemitério e depois de convidá-lo ficou a conversar muito satisfeito. Estando nisto deu com os olhos em uma mirra, ou esqueleto ainda revestido de carne, que estava junto de uma parede, e disse-lhe mofando:

– Se quiseres vir também ao banquete dos meus anos...

– Lá irei, respondeu-lhe a mirra.

53O rapaz ficou espantado, e perguntou ao amigo se tinha ouvido alguma voz. Como este lhe dissesse que nada tinha ouvido, ele também não se atreveu a revelar-lhe o caso. Dali se foi cheio de susto, e ao passar por casa do prior, fez confissão do que lhe acontecera:

– O que foste fazer, homem! Não sabes que não se brinca com os mortos?

– E agora?

– Agora não tens remédio senão sujeitares-te ao que acontecer. Manda pôr na mesa mais um talher, ainda que não seja senão como satisfação.

54A noite correu no meio de danças, até que os convidados foram para a mesa; ao soar a primeira badalada da meia-noite, bateu-se à porta; o rapaz tremendo foi ver quem era e recuou, abrindo. A mirra entrou vagarosamente, e dirigiu-se para a mesa, e sentou-se no lugar que estava desocupado. Comeu, comeu, comeu, e depois levantou-se e disse para o mancebo:

– Pois bem, já que fizeste o favor de me convidares para o banquete dos teus anos, também te peço que amanhã à mesma hora vás cear comigo.

55Ditas estas palavras partiu.

56O rapaz ficou ainda mais aterrado do que de antes; não pôde dormir, até que ao outro dia foi ter com o confessor para lhe contar o sucedido.

– Não tens outro remédio senão ires; sai-te mais mal se faltares. O que te posso fazer é emprestar-te a capa com que digo missa para te defenderes.

57Lá por alta noite o rapaz foi para o adro da igreja, a tremer como varas verdes; e ao dar da meia-noite em ponto, o rapaz bateu à porta, e a mirra apareceu e levou-o consigo para dentro.

– Vês estas duas covas aqui?

– Vejo.

– Pois uma é a minha e a outra seria para ti; mas o que te vale é vires vestido como Cristo. Mas sempre te digo que nunca mais brinques com os mortos.

58O rapaz, sem saber como, achou-se fora da igreja, como se acordasse de um pesadelo, teve uma grande doença, e em toda a sua vida nunca mais brincou com os mortos.

59(Algarve)

A mulher curiosa

60Havia numa terra uma mulher muito curiosa; não se passava coisa na rua de que não desse fé. A qualquer hora da noite estava sempre por detrás da gelosia a espreitar e a escutar o que ia. Uma noite estava ela já deitada, quando ouviu passos pela rua; a curiosidade fê-la saltar fora da cama, e mesmo em camisa foi pôr-se ao postigo. Era uma procissão que passava, e de que ela nunca ouvira falar. A procissão era muito comprida, e o que mais a fazia pasmar é que ninguém fazia barulho, nem se ouviam as passadas daquele tropel de gente. A mulher estava pasmada; eis senão quando passa um homem que ela conhecia. Era o seu compadre, que havia já tempo que morrera. Para certificar-se da sua curiosidade usou de uma aramanha:

– Ó meu compadre! disse ela, quando o vulto passou rente ao postigo; você empresta-me a sua tocha para acender a candeia que se me apagou?

61O vulto deu-lhe a tocha e foi andando; acabada a procissão, a mulher foi para a cama, e não podia dormir; quando alvoreceu, e se levantou, é que notou que o quarto estava alumiado com uma luz acesa. Vai para certificar-se, era o braço de um defunto. A mulher ficou trespassada de medo, e foi confessar o caso a um padre.

– É castigo da curiosidade; agora é esperar que a procissão tome a passar daqui a oito dias, para entregar ao seu compadre o braço de defunto.

62Chegado o dia, a mulher curiosa pôs-se ao postigo, e das duas para as três horas da madrugada passou a procissão dos defuntos do mesmo feitio, sem fazer barulho. Quando ela viu aproximar-se o vulto do compadre, estendeu o braço e entregou-lho. A procissão desapareceu ao cabo da ma, e quando amanheceu foram dar com a mulher morta debruçada ao postigo. Todos os que a conheciam disseram pela mesma boca:–Foi castigo, foi castigo.

63(Algarve)

64NOTA–Acha-se nos Cornos Ptiputares da Grã-Bretanha, trad. de Brueyre, p. 273.

As favas

65Era uma vez um rei que tinha por costume andar de noite escutando pelas portas para saber o que se passava. Viu luzir por um buraco da fechadura, chegou o ouvido à escuta, e estavam uns sujeitos conversando. Dizia um:

– Eu antes queria uma noite dormir com a rainha, do que ter muitos contos de réis.

66O rei ouviu aquilo e tomou-o de olho. No dia seguinte mandou-o vir ao palácio. O rapaz ia muito atrapalhado da sua vida. O rei tinha dado ordem ao seu cozinheiro de fazer uma jantar com favas cozidas em água e sal, favas com presunto, enfim, favas de todos os feitios. Assim que o rapaz apareceu na presença do rei, este levou-o para a mesa, e disse-lhe que era para lhe oferecer de jantar.

67O rapaz obedeceu; vieram as favas cozidas, comeu. Vieram as favas guisadas, comeu; vieram as favas ensopadas, comeu. Por fim já não podia mais, e o cozinheiro sempre a trazer-lhe favas de todos os feitios. O rapaz já estava tão enjoado de favas, que pediu aos criados que lhe não trouxessem mais.

68Veio o rei à sala de jantar, e perguntou-lhe:

– Então, porque é que não comes mais?

– Oh, senhor! Isto tudo são favas; comi bastante no princípio, mas agora estou já farto de favas.

– Sim, tudo são favas, quer sejam cozidas ou ensopadas. Pois vá-se você embora, e não torne a dizer que dava toda a riqueza do mundo para dormir uma noite com a rainha; e lembre-se do que lhe aconteceu, porque:

69«Favas, todas são favas; e mulheres todas são mulheres.»

70Assim ficou curado de tolo.

71(Algarve)

72NOTA–O sentido fálico primitivo ligado à fava, aparece em todo o vigor aqui; o sentido funerário explica-se pela ameaça de morte que pesa sobre o rapaz que faltou ao respeito à rainha. (Vid. Gubernatis, Mythologie des plantes, t.ii, p. 132.) Nos costumes populares da Itália, a fava branca que aparece no bolo é a rainha e a fêmea.

A velha das galinhas

73Havia uma velha, que estava sempre ao postigo até que horas. As filhas perguntavam-lhe:

– O que é que a mãe faz aí ao postigo por essa noite adiante?

– Deixem-se lá, filhas, que é do postigo que vos hei-de casar.

74Passado tempo foi a velha ao palácio falar à rainha:

– Venho aqui saber se Vossa Majestade quer mandar ensinar algumas galinhas a falar?

– Há-de ter graça! disse a rainha. Quero, quero.

75E mandou-lhe entregar uma dúzia de galinhas. A velha foi para casa, e uns poucos de dias viveram à tripa-forra ela e mais as filhas, comendo galinha cozida e assada, frita e fritangada. Quando se acabaram, tomou a velha ao palácio, e disse à rainha:

– Ai, minha rica rainha, tenho uma paixão de estalar; as galinhas já estavam falando tão claro, que hoje tencionava vir entregá-las. Quando as estava ajuntando, elas que começam numa cantarolada:

Cocorocó, cacaracá,
A nossa Rainha com o Cabra está.

– Eu ainda as quis calar, mas as galinhas disseram-me, que do poleiro bem viram o conde Cabra entrar para o palácio; eu desesperada fechei-as, e venho saber o que quer Vossa Majestade que se faça.

76A rainha ficou muito desesperada, e deu-lhe ordem que fosse logo para casa, e que as matasse, sem ficar nenhuma, e que não queria mais galinhas que falassem. E deu-lhe muito dinheiro, para que a velha não dissesse a ninguém o que tinha acontecido, e que quando tivesse alguma necessidade viesse ao palácio, que a ajudaria. Foi assim que a velha conseguiu arranjar meio de casar as suas filhas, a quem a rainha deu muito bons dotes.

77(Algarve)

78NOTA–O tema deste conto acha-se no Violier des histoires romaines, cap. 56, p. 168. São três galos que revelam, segundo a interpretação da camareira, a infidelidade da senhora. Este conto acha-se, segundo Gustave Brunet, no Dialogus creaturarum moralisatus e porventura generalizou-se na Europa a título de Exemplo de pregadores.

A Riqueza e a Fortuna

79Um pobre homem estava a trabalhar no mato, a cortar lenha para ir vender pela vila e assim sustentar mulher e filhos. De repente viu ao pé de si dois sujeitos, bem vestidos, que lhe disseram:

– Nós somos a Fortuna e a Riqueza. Vimos-te ajudar. Cada um queria acudir de preferência ao pobre homem, e altercavam entre si. Dizia a Riqueza:

– Eu só por mim o faço feliz; sendo ele rico tem tudo.

– Pois mesmo sem ser rico, eu dando-lhe fortuna, faço-lhe maior benefício. Senão experimentemos.

80A Riqueza virou-se para o pobre do homem e disse:–Toma lá este cruzado novo; amanhã compra carne, pão e vinho e não trabalhes nesse dia.

81O homem foi-se embora contentíssimo para casa; no outro dia foi ao açougue. Deu ao magarefe o dinheiro adiantado, mas como estava um grande barulho de gente no açougue, o carniceiro negou que lhe tivesse dado o dinheiro, e o pobre homem resignou-se e foi outra vez trabalhar para o mato.

82A Riqueza tornou a chegar ao pé dele e quando soube de que lhe servira o cruzado novo, ficou zangada e deu-lhe uma bolsa cheia de dobrões. o homem voltou para casa; mas como a bolsa era de marroquim vermelho, uma ave de rapina caiu de repente sobre ele e arrebatou nas garras o saco, e voou. O homem contou a sua tristeza à mulher, e no outro dia foi trabalhar para o mato. Tornou-lhe a aparecer a Riqueza; ficou mais desesperada quando soube do acontecido à bolsa dos dobrões.

– Pois desta vez dou-te um saco de peças tão grande que não podes com ele; mas aqui tens um cavalo, que to vai levar a casa.

83O homem agradeceu aquele favor da Riqueza e pôs-se a caminho para casa. Quando ia por um atalho, estava num campo uma égua, e o cavalo botou a fugir atrás dela de tal forma que o homem não foi capaz de o agarrar, e por mais que andou não pôde achar o cavalo.

84Quando a Riqueza não esperava tornar mais a encontrar o homem no mato, foi ao sítio costumado com a Fortuna, e qual não foi o seu pasmo quando viu o pobre do homem a trabalhar como dantes. Disse então a Fortuna:

– Agora é a minha vez de o fazer feliz; vou-lhe dar apenas um vintém. Olhe lá, ó homem, tome esse vintém, e assim que chegar à vila compre a primeira coisa que lhe aparecer.

85O homem em caminho para casa encontrou quem lhe ofereceu uma vara de andar à azeitona pelo preço de um vintém, e comprou-a. No outro dia, foi para a apanha, e quando ia varejar uma oliveira, caiu-lhe de um galho uma bolsa de marroquim cheia de dobrões. Agarrou nela e levou-a para casa, contou à mulher donde suspeitava que lhe vinha aquele tesouro. A mulher combinou ir fazer uma romaria, e puseram-se a caminho. Quando chegaram a um escampado acharam pegadas de cavalo, foram andando por elas e chegaram a um sítio onde estava um cavalo deitado ainda com um saco cheio de peças. Voltaram logo para casa muito contentes, e mudaram de vida, que até àquele tempo tinha sido amargurada pelos poucos ganhos e muitos filhos.

86A Riqueza e a Fortuna foram ao sítio onde o homem costumava cortar lenha e esperaram por ele bastante tempo. Por fim a Fortuna declarou-se vencedora, dizendo:

– Que te dizia eu? Não é com muito dinheiro que se é feliz.

87(Algarve)

Março Marçagào

88Era um homem, que casou com uma mulher desmazelada, e depois dizia o homem:

Ó mulher, ó mulher,
Eu mercara-te uma roca…

89A mulher:

– Isso não, marido, não,
Que me fá-la cara torta;
C’o dinheiro e co’a roca
Compraremos um burrinho,
O burrinho leva os odres
E os odres levam o vinho.

90O marido:

–Ó mulher, ó mulher,
Eu mercara-te umas meias...

91A mulher:

– Isso não, marido, não,
Que me fá-las pernas cheias.
Antes com esse dinheiro
Compraremos um burrinho,
O burrinho leva os odres
E os odres levam o vinho.

Outra versão

92Di-lo o homem:

– Ó mulher, tu não fias? tu não trabalhas?

– É um dia santo muito grande; não se pode hoje trabalhar.

93Ao outro dia ele perguntou o mesmo, e ela o mesmo respondeu, e ele disse assim:

– Deixa, que aí vem o Março Marçagão que ele to dirá.

– E eu pego numas poucas de esteiras, e boto-as no primeiro de Março a corar.

– Ele não quer esteiras, quer antes meadas.

94O marido na véspera do primeiro de Março pegou num capote muito velho, cobriu-se para fingir um velho muito corcovado, e a mulher pela manhã cedo levantou-se e foi pôr muitas esteiras a corar; então ele apareceu-lhe ali em velho e disse assim:

– Essas são as meadas que tu tens para corar?

– São.

– Pois teu marido bem te dizia: Espera, que eu te falo?

95Pega num pau, bateu, bateu até não poder mais e deixou-a por morta. Assim que ela se pôde erguer foi para casa. A primeira coisa foi comprar roca e fiar. Depois já dizia o homem:

– Então era o que te eu dizia ou não?

Março. Marçagão.
Cura meadas,
Esteiras nâo.

96NOTA–Publicado na Vanguarda, n.° 75 e 76. O Março é mitificado nos anexins populares portugueses. Em uma versão que coligimos o estribilho era: Eu sou o Março Marão, / Que curo meadas e esteiras não.

Alegria da viúva

97Era uma vez um homem casado; a mulher dizia que morria por ele, e que Deus nunca dera a ninguém um marido assim. O homem fiava-se naquelas palavras, e quando andava no campo a trabalhar dizia para o criado:

– Não há ninguém que tenha uma mulher como a minha.

98O criado disse que não era bom experimentar, porque podia ficar enganado. Disse o patrão:

– Agora é que desafio todo o mundo para me mostrarem uma mulher melhor do que a minha.

– Pois eu estou pronto para uma experiência. À noite, quando formos para casa, vai o patrão atravessado na palha fingindo que morreu, e o resto fica por minha conta.

99Assim aconteceu, o criado chegou mais tarde do que o costume, bateu à porta, e com grande pranto contou como o patrão tinha morrido de repente. Quando a mulher ia começar a fazer grandes choros, disse-lhe o criado:

– Ó minha patroa; é melhor não dar a saber isto à vizinhança, porque se enche logo a casa de gente, e tudo quanto lhe vier fazer companhia quer de comer e grandes esmolas, e assim nós dois podemos passar a noite ao pé do corpo.

– Dizes bem, Valentim; pela manhã logo, se dirá que morreu.

100Pegaram ambos no corpo e foram deitá-lo em cima de uma cama; passado algum tempo, diz o criado:

– Ó minha ama, a gente não ceia nada? Isto morto como morto, e vivo como vivo.

– Pois dizes bem; vou fazer folar e tu vai lá abaixo buscar uma infusa de vinho.

101Passado mais algum tempo, diz outra vez o criado:

– Ó minha ama, deixe-me deitar um bocadinho no seu colo, ando tão moído do trabalho.

– Pois sim, Valentim.

102Tornou, depois o criado:

– O meu amo quando era vivo
Dizia-me, que casasse contigo.

103Respondeu a mulher:

– Também ele me dizia a mim
Que casasse contigo, meu Valentim.

104O marido não quis esperar por mais para certificar-se, e nunca mais fez caso dela em toda a sua vida.

105(Algarve)

106NOTA–É uma forma popular da antiga tradição da Matrona de Éfeso, tão frequentemente citada nos escritores clássicos. Nas Horas de Recreio, do padre João Baptista de Castro, vem uma redacção portuguesa da Matrona de Éfeso formada sobre elementos eruditos. Esta história acha-se na colecção dos Sete Sábios; Loiseleur des Longchamps, no Essai sur les fables indiennes, p. 161, indica as fontes deste conto mais conhecido pelo Satiricon de Petrónio. Há um estudo especial por M. Dacier, nas Mem. de l’Academie des inscriptions, t.xli; no Policraticus sive de Nugis Curialium, de João de Salisbúria, de1183, vem esta lenda donde se vulgarizou na Idade Média, e para a colecção das Cento Novelle antiche. As imitações literárias são numerosíssimas. No Novellino traz o n.° lix. Na ii parte: Contos com forma literária, vem uma versão portuguesa do século xv.

A Carpideira e a viúva

107Como diz o outro: A viúva rica, por um olho chora e pelo outro repenica. Uma viúva chamou uma mulher para vir fazer o pranto do costume pela morte do marido. A carpideira começou a dar ais, e a arrepelar-se, e dizia na sua caramunha:

Ai, ai, ai,
Quem lá vai, lá vai.

108Passou uma mulher e perguntou-lhe o que é que ela estava a fazer; respondeu a carpideira:

Estou a chorar
O marido alheio,
Por um alqueire
De centeio;
Não sei se mo dão
Meiado ou cheio.

109A anojada, que já não podia encobrir a satisfação de se achar livre do que a tocava, começou aos saltos e a responder-lhe:

Há-de ser calcado
E acuculado,
E ainda por cima
Mais um punhado;
Contanto que fique
Bem depenado.
(Airão, Terra da Feira, Coimbra e Loulé)

110A viúva depois ia para a igreja, e ajoelhava-se em cima da sepultura do marido, e rezava, rezava; de uma vez puseram-se à escuta do que ela dizia, e ouviram esta encomendação:

Aqui jazes e hás-de jazer;
Padre-Nosso meu, nunca tu hás-de ter.
E a água benta que te eu botar
Hei-de-t’a mijar.
(Foz do Douro)

111NOTA–Pertence ao ciclo do conto antecedente, um dos mais abundantes do nosso Decâmeron popular.

Frei Joâo sem Cuidados

112O rei ouvia sempre falar em Frei João Sem Cuidados como um homem que não se afligia com coisa nenhuma deste mundo:

– Deixa-te estar, que eu é que te hei-de meter em trabalhos.

113Mandou-o chamar à sua presença, e disse-lhe:

– Vou dar-te uma adivinha, e se dentro em três dias me não souberes responder, mando-te matar. Quero que me digas:

114Quanto pesa a Lua?

115Quanta água tem o mar?

116O que é que eu penso?

117Frei João Sem Cuidados saiu do palácio bastante atrapalhado, pensando na resposta que havia de dar aquelas perguntas. O seu moleiro encontrou-o no caminho, e lá estranhou de ver Frei João Sem Cuidados, de cabeça baixa e macambúzio.

– Olá, Senhor Frei João Sem Cuidados, então o que é isso, que o vejo tão triste?

– É que o rei disse-me que me mandava matar, se dentro em três dias eu lhe não respondesse a estas perguntas:–Quanto pesa a Lua? Quanta água tem o mar? E o que é que ele pensa?

118O moleiro pôs-se a rir, e disse-lhe que não tivesse cuidado, que lhe emprestasse o hábito de frade, que ele iria disfarçado e havia de dar boas respostas ao rei.

119Passados os três dias, o moleiro vestido de frade, foi pedir audiência ao rei. O rei perguntou-lhe:

– Então, quanto pesa a Lua?

– Saberá Vossa Majestade que não pode pesar mais do que um arrátel, porque todos dizem que ela tem quatro quartos.

– É verdade. E agora: Quanta água tem o mar?

120Respondeu o moleiro:

– Isso é muito fácil de saber; mas como Vossa Majestade só quis saber da água do mar, é preciso que primeiro mande tapar todos os rios, porque sem isso nada feito.

121O rei achou bem respondido; mas zangado por ver que Frei João se escapava das dificuldades, tornou:

– Agora, se não souberes o que é que eu penso, mando-te matar!

122O moleiro respondeu:

– Ora, Vossa Majestade pensa que está falando com Frei João Sem Cuidados, e está mas é falando com o seu moleiro.

123Deixou cair o hábito de frade, e o rei ficou pasmado com a esperteza do ladino.

124(Coimbra)

125NOTA–Merece comparar-se a versão oral com a redacção literária de Gonçalo Fernandes Trancoso, do século xvi, em que figura um fidalgo Dom Simão. Há uma forma espanhola também do século xvi, no Patranuelo de Timoneda, n.° xv. (Col. de Autores espanoles, de Ribadaneyra, p. 154). A forma mais antiga que conhecemos é a italiana de Franco Sacchetti, contemporâneo de Dante, nas Novellas, t.i, n.°iv. A primeira versão oral portuguesa foi publicada o Almanaque de Lembranças, para 1861, p.323.

126Referindo-se ao Conto de Dom Simão Sem Cuidados:

127«Quando me ponho a cuidar nas vossas cousas, cuido que vos chamais D. Simão: que fazia cair o fuso à outra que cuidava nele, segundo afirma o Auto de António Prestes, meu amigo.» (Cartas Familiares de D. Franc. Manuel, p. 532). Este conto pertence ao ciclo do Doutor Sabe Tudo. (Contos dos Irmãos Grimm, n.°98) e das Três Perguntas (Benfey, Orient und Occident, ii, 687.)

João Ratão (ou Grilo)

128Havia um homem que era carvoeiro, e não gostando daquela vida, meteu-se a ser adivinhão. Foi ter à corte do rei, e disse que tinha ofício de adivinhar. Ora na corte tinha-se feito por aqueles dias um grande roubo, e o rei queria descobrir os criminosos: mandou vir João Ratão à sua presença, e perguntou-lhe quanto queria para adivinhar quem eram os ladrões. Respondeu o João Ratão, que queria que o rei lhe desse três jantares primeiramente. O rei mandou pôr uma mesa com bastantes iguarias, e os criados do palácio começaram a servir o adivinhão. Assim que João Ratão acabou de comer o primeiro jantar, pôs-se a tocar rufo com o garfo e a faca no prato, dizendo muito contente:

– O primeiro já cá está! O primeiro já cá está!

129Um dos criados que o servira, ouvindo o que João Ratão dizia, entendeu que era consigo, e que ele tinha adivinhado que estava ali um dos ladrões. Ao outro dia João Ratão comeu um segundo jantar, e tornou a bater com o garfo e faca, cantando:

– O segundo já cá está! O segundo já cá está!

130O criado teria pedido a um companheiro que fosse servir o adivinhão em lugar dele, e este outro percebendo que estava tudo descoberto botou-se de joelhos aos pés de João Ratão confessando tudo, e dizendo-lhe quem eram os outros companheiros, mas que só ele é que podia fazer com que o rei lhes perdoasse. João Ratão descobriu ao rei quem eram os ladrões, e ficou muito acreditado na corte. O rei não o quis mais deixar ir embora, e disse que lhe ia propor uma adivinha; se ele a soubesse explicar, lhe daria a mão da princesa, e se não aceitasse o mandaria matar.

131João Ratão ficou triste como quem via já o fim da sua vida; comeu à mesa com o rei. No fim do jantar trouxeram-lhe um copo cheio de mijo de porca, e ele bebeu. Perguntou-lhe então o rei:

– Adivinha o que é que agora bebeste!

132João Ratão ficou todo atrapalhado, porque sabia que desta não escapava, e disse:

– Aqui é que a porca torce o rabo.

133O rei ficou muito admirado de ele ter adivinhado, e cumpriu a palavra dando-lhe a princesa em casamento. Foi o que ganhou o João Ratão, deixando-se de carvoeiro para ser adivinhão.

134(Coimbra)

135NOTA–Publicado pela primeira vez na Era Nova, p. 243. Em uma versão popular de Vila Real, o objecto da adivinha é um grilo, e por isso o adivinho acerta na resposta, dizendo: Ai, grilo, grilo! / Em que mão tu estás metido.

136No livrinho dos Contos Nacionais para Crianças, p. 47, n.° xvii, vem uma outra redacção sob o título O Doutor Grilo, formando um ciclo de aventuras. Diz Gubernatis: «Na Itália, quando se propõe um enigma para ser adivinhado, ajunta-se ordinariamente como conclusão as palavras–Indovinala, grillo! (adivinha grilo!) Esta expressão liga-se ao idiota fingido dos contos populares, que acaba sempre por dar prova de tino. O Sol envolvido na nuvem e na obscuridade da noite, é em geral o idiota, mas o idiota que vê tudo, etc.» (Mit.Zoológ., t.ii, p. 50).

Os três irmãos

137Um homem tinha três filhos, um seu e dois que a mulher lhe metera em casa. O pai puxava para o seu filho, e a mulher puxava para os outros dois, e cada um prometera que havia de deixar os bens àquele a quem mais amava. É certo que morreram sem testamento, e os três irmãos não sabendo para quem ficariam os bens da casa, resolveram ir à cidade consultar um letrado. Quando iam pelo caminho, encontraram um homem muito azafamado, que lhes perguntou:

– Ó patrõezinhos, viram passar por aqui a minha burra?

138Os três irmãos disseram que não tinham visto, e puseram-se a rir entre si, dizendo:

– Ele não era burra, era uma mula, e por sinal que tinha o rabo torto; e ainda para mais era cega de um olho.

139O homem pescou o que eles diziam, e como era possante, gritou:

– Ah, grandes birbantes, que me hão-de dar já para aqui conta da minha mula. Era essa mesma, que vocês dizem que não viram.

140Travaram-se de razões e lá foram todos para a cidade à presença do juiz. O homem fez a sua queixa, e o juiz certo de que os homens sabiam onde estava a mula, disse-lhes que o declarassem.

– Saberá, Senhor Juiz, que não vimos mula nenhuma; este homem perguntou-nos se tínhamos visto passar por ali uma burra, e dissemos que não, porque o que tinha passado era uma mula.

141Disse o juiz:

– Então como sabeis isso, se a não vistes?

– É porque no chão estavam umas pegadas, em que os pés se botavam adiante das mãos, e assim é que andam as mulas, e isso era sinal de ter por ali passado uma.

– E como sabeis que tinha o rabo torto, se é que a não vistes?

– Saberá o Senhor Juiz que era por um campo de cevada, que ainda estava orvalhado, e para a banda para onde a mula tinha o rabo torto já o orvalho estava sacudido.

– Está bem; mas como sabeis que a mula era cega de um olho?

– É porque pelo trilho que ela levava estava a cevada comida só de um lado; sinal de que ela via só por um olho.

142O juiz mandou os três irmãos embora, e condenou nas custas o dono da mula.

143Nisto os três irmãos requereram ao juiz sobre o caso que os trazia à cidade para a partilha da herança. O juiz vendo que eram tão espertos e que não se entendiam, disse-lhes:

– Vinde amanhã a minha casa, que vos quero dar uma lebre guisada para o almoço, e então darei a sentença.

144Os três irmãos foram ao outro dia muito contentes; o juiz mandou-os sentar à mesa, e veio a lebre guisada; eles comeram e lamberam o beiço.

– Então que tal é a lebre?

145Diz-lhe dali um dos irmãos:

– Ela não é lebre, é cão.

– Então como sabeis isso?

– É porque botei um osso ao cão cá da casa, e ele não o quis roer, porque é certo que os cães não se comem uns aos outros.

146O juiz confessou que era verdade, e disse:

– Pois dou por sentença que há-de ficar com a herança o que for capaz de ir à sepultura do pai cravar-lhe uma faca nos peitos.

147Disseram os dois mais novos:

– Vou eu, vou eu!

148O mais velho, espantado, exclamou:

– Já não quero os bens: eu sou lá capaz disso?

149Então o juiz disse que aquele é que era o verdadeiro filho, e escreveu a sentença a favor dele.

150(A irão)

As barras de ouro

151Três irmãos estavam num monte fazendo carvão, e cada um guardava a borralheira, para que se não apagasse enquanto os outros dormiam. Coube a vez ao mais moço; mas não sei lá porquê, ele descuidou-se e apagou-se a borralheira. Ficou muito apoquentado, e antes que os irmãos acordassem procurou modo de tomar a acender o fogo; viu lá longe uma luzinha, e lembrou-se de ir lá pedir lume. Foi; andou, andou, até que chegou ao pé de uma grande borralheira em que estavam uns homens muito negros a fazer carvão. Pediu se lhe davam algumas brasas, que era para acender a sua borralheira, que se lhe tinha apagado, e logo eles disseram com má cara:

– Tire daí um tição e leve-o.

152O rapaz tirou o tição e botou a correr; ia para acender a sua borralheira, mas o tição apagou-se, e deitou-o para a banda. Tornou outra vez lá a pedir outro tição; disseram-lhe com a mesma catadura:

– Tire daí um tição e leve-o.

153Aconteceu o mesmo, apagou-se; teve coragem de tornar outra vez a ir pedir aos carvoeiros, e eles sempre lhe deram um tição, que se apagou como os outros dois. Nisto ia amanhecendo, os irmãos acordaram, e o rapaz contou-lhes tudo, e quando os irmãos olharam para os tições apagados, viram três grossas barras de ouro. Pularam de cpntentes, e disseram:

– Deixa estar, que esta noite um de nós há-de ir lá pedir mais tições.

154Assim fizeram, e o irmão do meio trouxe de lá três tições que eram, como já se sabe, três barras de ouro. À terceira noite foi lá o irmão mais velho, e também pediu os tições, e quando foi dia viram que eram das mesmas barras de ouro. Ficaram muito ricos e foram viver para a cidade; disse o mais velho:

– Havemos de mandar fazer um palácio para morarmos juntos.

155Fez-se o palácio, que era muito rico, e depois de pronto meteram-se dentro. Passou um dia pela porta um mendigo e pediu-lhes esmola; mandaram-no entrar e deram-lhe de comer. Vai o velho assim que acaba de comer benzeu-se e começou a dar graças a Deus, e de repente todo o palácio se desfez como num sonho, e os três irmãos e todos os que estavam com eles à mesa acharam-se no meio da rua, como se naquele lugar nunca tivesse sido senão um monte de entulho.

156(Arredores do Porto)

Pedro de Malas-Artes

157Uma pobre mulher tinha um filho, que era assim atolado, e porque nunca fazia nem dizia nada acertado, chamavam-lhe o Pedro de Malas-Artes. A mulher não tinha senão aquele filho, e por isso estimava-o. Um dia trouxe a mulher para casa uma teia de linho, que tinha deitado, e disse:

– Este pano é para nós taparmos os nossos buraquinhos.

158Assim que a mulher saiu, e se demorou na missa, o filho foi à teia de linho, cortou-a em bocadinhos e começou a metê-los pelos buracos das paredes do casebre. Quando a mãe chegou, ele disse-lhe muito contente:

– Mãe, olhe como estão tapados os nossos buraquinhos.

159A mãe conheceu a tolice, lamentou os seus pecados, e fê-lo prometer que nunca mais tornaria. No dia seguinte disse ao filho que fosse à feira comprar um bácoro e o trouxesse para casa. Esperou, esperou, e como o filho não acabava de vir, foi a ver se o encontrava; achou-o caído no chão com o porco em cima de si, porque tinha entendido que o havia de trazer às costas, e ele era bastante pesado. A mulher chorou, afligiu-se, e explicou:

– Isto traz-se para casa, com um cordelzinho amarrado pelo pé, e toca-se para diante com uma varinha.

160Pedro de Malas-Artes ouviu aquilo para seu governo; passados dias a mãe mandou-o que fosse à feira comprar um cântaro. Quando ele chegou a casa, trazia só a asa.

– Que é isto, Pedro? Onde está o cântaro que te mandei buscar.

161Disse ele à mãe.

– Amarrei-lhe um cordelzinho pela asa, e toquei-o para diante com uma varinha; fiz como minha mãe me disse no outro dia.

162A mãe tornou a lamentar-se, e disse-lhe:

– Se tu tivesses juízo trazias o cântaro na mão, ou então entre palha, nalgum carro que viesse para as nossas bandas.

163Vai nisto mandou-o a uma loja comprar um vintém de agulhas; Pedro de Malas-Artes trouxe as agulhas, e como ia passando um carro de palha aproveitou a ocasião e despejou as agulhas entre a palha. Chega a casa, e pergunta-lhe a mãe pelas agulhas:

– Vêm aí no carro da palha do nosso vizinho; botei-as lá, como minha mãe me disse no outro dia.

164A mãe já estava cansada de tanta tolice, e já tinha medo de o mandar a algum recado. Um dia comprou tripas para guisar para o jantar e disse a Pedro de Malas-Artes:

– Vai ali à beira do rio lavar essas tripas, e não mas tragas cá sem que estejam bem limpas.

– Mas eu como é que hei-de saber que as tripas estão bem limpas?

– Pergunta a alguém, que te diga.

165Foi Pedro de Malas-Artes lavar as tripas; lavou, tornou a lavar, e como não passava ninguém, lavava que lavava. Até que lá ao longe viu vir um barco à vela e a remos, porque havia calmaria, e pôs-se a acenar e a chamar. A gente do barco pensando que era algum passageiro abicou à praia, lutando contra a corrente; quando Pedro de Malas-Artes perguntou:

– Olhem lá; os senhores dizem-me se estas tripas já estão bem lavadas?

166A gente do barco ficou desesperada, saltaram em terra, deram-lhe. muita pancada e disseram por fim:

– O que tu deves dizer, é que sopre muito vento.

167Foram-se embora. Pedro de Malas-Artes ia para casa, e aconteceu passar por um campo onde se andava ceifando trigo e armando as paveias, e começou a dizer:

– O que é preciso é que sopre muito vento; que sopre muito vento.

168A gente que andava ceifando ficou desesperada, e vieram bater-lhe, dizendo:

– Ó estuporado, não sabes que o muito vento nos espalhava o trigo todo? O que é preciso é que não caia nenhum.

169E deixaram-no ir embora. Foi-se Pedro e passou por um campo onde estavam uns homens armando uma rede para apanhar pássaros, e começou a dizer:

– O que é preciso é que não caia nenhum; que não caia nenhum.

170Vêm os homens da rede, bateram-lhe muitas, e clamaram:

– O que tu deves dizer, é que assim haja muito sangue.

171Passa Pedro por um caminho onde estavam dois homens engalfinhados brigando, e outros também querendo apartá-los, e entra a dizer em altos gritos:

– Assim haja muito sangue, assim haja muito sangue.

172Já se sabe, vieram ter com ele e deram-lhe muitas pancadas, e disseram-lhe:

– O que tu deves dizer é que Deus os desaparte, Deus os desaparte.

173Vai-se Pedro de Malas-Artes por ali adiante, quando vinha um grande acompanhamento com um noivo e noiva que acabavam de se casar. Começa ele:

– Assim Deus os desaparte, assim Deus os desaparte.

174Os convidados deram-lhe muita pancada e disseram:

– Ó homem, o que tu deves dizer é que destes cada dia um.

175Indo mais para diante encontra um enterro de um homem muito estimado na terra, e entra a bradar:

176Destes cada dia um, cada dia um.

177A gente que seguia o enterro não teve mão que lhe não batesse muita pancada, e disseram-lhe:

– O que você deve dizer é que Nosso Senhor o leve direitinho para o Céu.

178Vai mais para diante, e vinha passando um baptizado, e começa Pedro de Malas-Artes:

– Nosso Senhor o leve direitinho para o Céu.

179Os padrinhos da criança tomaram aquilo por mau agoiro, e desancaram Pedro de Malas-Artes, que botou a fugir e se não chegasse a casa ainda andava a levar pancadas por esse mundo.

180(Porto)

181NOTA–Na colecção dos Contos Sicilianos, de Pittré, há este mesmo tema. (Rev. des deux mondes, 1875. Agosto, 15, p. 883. Consiglieri Pedroso encontrou-o com o título de Manel Tolo, correspondente ao Giufa dos contos sicilianos (Fiabe, vol.iii, p.353 da colecção de Pittré), e às Molbohistorie da Dinamarca. (Ap. Romania, t.ix, p.138 a 140). O Positivismo, t.ii, p.450.–Nos Relógios Falantes, D. Francisco Manuel de Melo alude a esta tradição corrente em Portugal no século xvii: «Que me puderam levantar estátuas como a Pedro de Malas-Artes...» (Apólogos Dialogais, p. 23). Nesta mesma obra vem o conto da mulher que nas dores do parto mandou acender uma vela benta, tendo em seguida o bom cuidado de a mandar apagar para outra vez. (Ibid., p.196).

182Cremos que é a esta mesma tradição que se refere o tipo de Pedro de Urde-Malas, citado na Lozana Andaluza, da literatura espanhola do século xvi. No Cancioneiro da Vaticana vem uma alusão a este tipo: «Chegou Paio de más Artes.» (Canc. 1132.)

183No Cancioneiro Geral, de Garcia de Resende (t.iii, 650) alude-se a este tipo: Pareceis Pêro de Espanha, / homenzinho da patranha, / de má feição e má peles.

184Na comédia de António José, Os Encantos de Merlin, há uma referência ao tipo tradicional: «me fez a mim Pedro de Malas-Artes ensinando-me em paga de o ouvir em Paris de mágica branca, ou negra mágica.» Nos Contos Populares do Brasil, n.° v, versão de Sergipe, Uma das de Pedro de Malas-Artes, terminando com este estribilho: Entrei por uma porta / Saí por outra, / Manda el-rei / Que me contem outra.

185Na fábula xv, da mesma colecção, O Macaco e o Moleque de Cera, análoga a um conto de Cabeceiras de Basto sobre Pedro de Malas-Artes (Tradições Populares de Portugal, p. 294).

Santa Helena

186Havia um rei que era casado com uma senhora chamada D. Helena, que era muito boa de coração. Tinha o rei por costume ir passar o Verão para uma vila, que se ia para lá por mar, mas era na mesma terra. Vai um fidalgo e apostou com o rei que, quando viesse da viagem lhe havia de dizer os sinais da rainha, e se não os dissesse que perdia todos os seus bens.

187Estava o rei quase a chegar, mas o fidalgo não tinha ainda podido ver os sinais que a rainha tinha no corpo, e andava muito aflito porque perdia a aposta. Chegou-se uma velha a pedir-lhe esmola, e ele muito arrenegado disse que o deixasse. A velha insistiu mais:

– Conte-me o senhor o que tem, que eu arranjarei remédio para o seu mal.

188O fidalgo contou-lhe tudo, e ela ofereceu-se para ir ao palácio e ver os sinais da rainha. Foi e levou um cartucho cheio de pulgas; chegou-se perto da rainha a pedir-lhe uma esmola; a rainha mandou-a entrar e como era muito caridosa, disse que dormisse ali aquela noite. A velha, quando todos estavam dormindo, foi à cama da rainha e despejou o canudo das pulgas, e foi para o quarto que lhe deram. Cheia de comichão a rainha tocou uma sineta e logo vieram todas as damas e aias do palácio, e no meio do barulho veio também a velha, e viu enquanto catavam a rainha, que ela tinha um sinal no peito. Pela manhã cedo foi ter com o fidalgo e contou-lhe tudo, e recebeu uma grande esmola. O fidalgo foi ao encontro do rei e lhe declarou o sinal de D. Helena; o rei ficou muito furioso, e quando chegou ao palácio, veio a rainha abraçá-lo, mas ele afastou-a, dizendo:

– Traidora, que me foste infiel!

189Ela caiu logo com um flato para nunca mais falar; e o rei mandou fazer uma redoma de vidro, meteu-a dentro e foram-na deitar ao mar. A redoma foi ter à terra onde o rei costumava passar o Verão, e os pescadores de lá a encontraram e trouxeram-na para a terra. Na palma da mão tinha escrito: Santa Helena. Fizeram-lhe uma ermida, onde guardaram a redoma. Vindo o rei àquele lugar, pediu para lhe contarem de quem era aquela redoma, e quando se chegou mais perto, conheceu logo que era sua esposa, e muito arrependido ali morreu deixando em lembrança que ninguém fizesse apostas.

190(Ilha de S. Miguel–Açores)

191NOTA–A peripécia deste conto, o sinal no peito da rainha, acha-se na Cimbelina de Shakespeare, em um conto de Boccaccio, e no poema da Idade Média Gerart de Nevers.

O guardador dos porcos

192Era um homem casado, que tinha um rapaz que lhe guardava os porcos. Indo o rapaz uma vez para o pasto, chegou-se um homem a ele dizendo:

– Vendes-me esses sete porcos?

– Não vendo senãos seis; mas o tio há-de dar-me já os rabos e orelhas deles.

193Ficou o contrato feito; o rapaz recebeu o dinheiro, e logo ali cortou as orelhas e os rabos dos seis porcos. Chegando a um charco, espetou no lodo as orelhas e os rabos dos seis porcos, e enterrou o sétimo porco até meio do corpo. E foi logo a gritar ter com o amo, para o vir ajudar a tirar os porcos, que tinham caído no charco. Veio o amo, e assim que puxou vieram-lhe os rabos na mão; com medo de perder os porcos todos, disse ao criado:

– Vai a casa e diz à minha mulher que te dê duas pás, para puxarmos os porcos cá para fora.

194O criado que sabia que o amo tinha duas sacas de dinheiro, chegou a casa e disse à mulher:

– O patrão manda dizer que me entregue as duas sacas de dinheiro.

195A mulher desconfiou; mas o criado disse que ela chegasse ao balcão, e perguntasse se eram ou não as duas. Pergunta a mulher de cá:

– Ambas de duas?

– Sim, dá-lhe ambas de duas.

196A mulher não sabia que eram as duas pás, e entregou-lhe as sacas de dinheiro.

197O rapaz agarrou-as e foi-se por outro caminho, e encontrando um veado, matou-o e tirou-lhe as tripas, que meteu por dentro da camisa. Chegando perto de um homem que conhecia o patrão dele, começou a dizer:

– Deixa-me retalhar as tripas.

198E pôs-se a cortar as que tinha do veado: o patrão quando chegou a casa e soube da ladroeira do criado, correu atrás dele, e encontrou no caminho o seu conhecido, a quem perguntou se tinha visto passa por ali o moço.

199Ele respondeu:

– Vi, e ele fez uma coisa; tirou as tripas e cortou-as para correr mais depressa.

– Também eu vou fazer o mesmo para o apanhar.

200E cortando as tripas caiu morto. O moço quando soube isto voltou para trás e foi ter com a patroa, que estava viúva, e casou com ela.

201(Ilha de S. Miguel–Açores)

202NOTA–Aparece nos Contos Populares da Rússia, na Colecção de Afanasieff, liv. v, n.° 8. Além da tradução de alguns contos russos por G. Ralston, Gubernatis vulgarizou mais uns cem, para elemento dos estudos comparativos. Na tradição italiana do Piemonte também se repete esta facécia: «Um rapaz que guardava porcos, corta-lhes os rabos, que lançou num lameiro, e foge com eles. O patrão, vendo os rabos, cuida que os porcos se enterraram na lama. Puxa-os, mas só lhe vêm na mão os rabos sem os corpos a que andavam pegados.» (Mythologie zoologique, ti, p. 252.) O ilustre filólogo liga este conto a outros elementos tradicionais para a reconstrução popular do mito de Hércules e Caco.

Nascer para ser rico

203Havia um sapateiro que trabalhava noite e dia, mas nunca passava da cepa torta; um vizinho muito rico ouvia-o cantar sempre esta cantiga:

Sou um pobre sapateiro,
Que estou sempre a dar, a dar;
Quem nasceu para ser pobre
Que lhe serve o trabalhar?

204Ao som desta cantiga batia sola; o vizinho lembrou-se de lhe fazer uma surpresa, e mandou-lhe uma grande rosca cheia de dinheiro por dentro, que era para ele comer com sua mulher e filhos, e quando a partisse já não ter que se queixar da sorte. O sapateiro assim que recebeu a rosca deu muitos agradecimentos ao vizinho, mas como tinha tido uma doença em casa lembrou-se de ir levar de presente a rosca ao médico a quem estava em dívida. A mulher ficou muito contente com a lembrança e foi ela mesmo levá-la a casa do médico. Passados dias passou o vizinho rico pela porta do sapateiro, e ouviu-lhe a mesma cantiga, e perguntou-lhe:

– Ó homem! pois você não comeu a rosca com a sua família?

205O sapateiro contou o motivo por que se tinha visto obrigado a levá-la de presente ao médico. O rico foi-se embora, e passados dias mandou-lhe uns toros de pinheiro, também cheios de dinheiro por dentro, dizendo que era para fazer o seu lume. Ora o sapateiro era vizinho de um padeiro, de quem comia fiado, e para lhe ser agradecido levou-lhe os toros de presente para queimar no forno. De outra vez passou o vizinho rico pela porta do sapateiro e perguntou-lhe se já tinha rachado a lenha que lhe mandara; o homenzinho contou como se vira obrigado a levar os toros de presente ao seu vizinho padeiro, que lhe dava pão fiado. Vai o rico e disse-lhe:

– Você parece que tem razão em se queixar de que nasceu para ser pobre, porque a rosca de pão e os toros de pinheiro vinham por dentro recheadinhos de dinheiro. Agora ainda que lhe queira fazer bem já não posso, nem trago nada comigo. O mais que lhe posso dar é esse padaço de chumbo que achei ali no caminho.

206O sapateiro pegou no bocadinho de chumbo, e como de nada lhe servia deitou-o ali para um canto, e continuou a trabalhar ao som da mesma cantiga. De noite quando estava na cama, sentiu bater à porta: truz-truz! Falaram:

– Ó Senhora Vizinha!

207A mulher do sapateiro levantou-se e foi ao postigo; era a mulher de um pescador que morava paredes meias e disse:

208O meu homem vai agora para o mar, para deitar as redes; é uma ocasião boa, mas falta-lhe chumbo para elas. Não terá por aí qualquer bocadinho que me dê?

209O sapateiro lembrou-se do chumbo que lhe tinha dado o homem rico e disse à mulher onde estava, e que o levasse à do pescador. Lá o que se passou não sei, mas o pescador tirou uma rede cheia de peixe, e a mulher veio a casa do sapateiro trazer-lhe em paga uma boa garoupa para amanharem para o jantar. Quando a mulher do sapateiro a estava arranjando, abriu-lhe as ventrechas e achou-lhe dentro uma pedra a modo de um vidro esquinado e deu aos pequenos para brincarem, sem fazer a isso mais reparo. Os pequenos brincaram com a pedra, e deixaram-na para aí quando se foram deitar. De noite estava o sapateiro na cama, e depois que apagou a candeia viu luzir uma coisa como que se fosse os olhos de gato.

– Homem, essa! parece-me que vejo luzir ali uma coisa.

210A mulher reparou, e viu o mesmo; levantou-se o sapateiro e foi ver o que seria; deu com uma pedra muito polida, e foi então que a mulher se lembrou que a tinha encontrado na ventrecha da garoupa. O sapateiro quando amanheceu foi mostrá-la a casa de um ourives, que lhe disse que aquilo era uma pedra preciosa que valia tanto que nem ele mesmo tinha dinheiro para a comprar; mas que se ele quisesse iria mostrá-la ao rei, que só ele é que podia ter jóias de tanto valor. Assim fez, e o sapateiro veio a receber muito dinheiro pela pedra; mudou de vida, comprou casas e quintas, e quando já se tratava como um senhor, passou-lhe pela porta o antigo vizinho rico que tinha estado muito tempo fora da terra, e ficou pasmado de o ver tão acrescentado. Ele dizia lá consigo:

– O velhaco do sapateiro enganou-me; guardou o dinheiro que lhe mandei dentro da rosca e dos toros de pinheiro, e só depois da coisa esquecida é que se saiu com ele.

211Mas o sapateiro era homem liso, e contou-lhe como a fortuna lhe viera pelo bocadinho de chumbo que lhe deu, agradeceu-lhe muito, e concluiu que apesar das suas queixas ele tinha nascido para ser rico, pois dera por duas vezes pontapés na fortuna.

212(Porto)

213NOTA–Nos Contos Proveitosos, de Trancoso, Parte i, n.° xiii, O Real bem Ganhado, versa sobre esta peripécia da pedra preciosa.

Dom Caio

214Era um alfaiate muito poltrão, que estava trabalhando à porta da rua; como ele tinha medo de tudo, o seu gosto era fingir de valente. Vai de uma vez viu muitas moscas juntas e de uma pancada matou sete. Daqui em diante não fazia senão gabar-se:

– Eu cá mato sete de uma vez!

215Ora o rei andava muito aparvalhado, porque lhe tinha morrido na guerra o seu general Dom Caio, que era o maior valente que havia, e as tropas do inimigo já vinham contra ele, porque sabiam que não tinha quem mandasse a combatê-las. Os que ouviram o alfaiate andar a dizer por toda a parte: «Eu cá mato sete de uma vez!» foram logo metê-lo no bico ao rei, que se lembrou de que quem era assim tão valente seria capaz e ocupar o posto de Dom Caio. Veio o alfaiate à presença do rei, que lhe perguntou:

– E verdade que matas sete de uma vez?

– Saberá Vossa Majestade que sim.

– Então nesse caso vais comandar as minhas tropas, e atacar os inimigos que já me estão cercando.

216Mandou vir o fardamento de Dom Caio e fê-lo vestir ao alfaiate, que era muito baixinho, e que ficou com o chapéu de bicos enterrado até às orelhas; depois disse que trouxessem o cavalo branco de Dom Caio para o alfaiate montar. Ajudaram-no a subir para o cavalo, e ele já estava a tremer como varas verdes; assim que o cavalo sentiu as esporas botou à desfilada, e o alfaiate a gritar:

– Eu caio, eu caio!

217Todos os que o ouviam por onde ele passava, diziam:

– Ele agora diz que é o Dom Caio; já temos homem.

218O cavalo que andava costumado às escaramuças, correu para o sítio em que andava a guerreia, e o alfaiate com medo de cair ia agarrado às clinas, a gritar como desesperado:

– Eu caio, eu caio!

219O inimigo assim que viu vir o cavalo branco do general valente, e ouviu o grito: «Eu caio, eu caio!» conheceu o perigo em que estava, e disseram os soldados uns para os outros:

– Estamos perdidos, que lá vem o Dom Caio; lá vem o Dom Caio.

220E botaram a fugir em debandada; os soldados do rei foram-lhe no encalço e mataram neles, e o alfaiate ganhou assim a batalha só em agarrar-se ao pescoço do cavalo e em gritar: «Eu caio.» O rei ficou muito contente com ele, e em paga da vitória deu-lhe a princesa em casamento, e ninguém fazia senão louvar o sucessor de Dom Caio pela sua coragem.

221(Porto)

222NOTA–Este conto versa sobre o equívoco da frase: Matar sete de um golpe. Tem analogias com o Alfaiatinho Valoroso, dos Contos de Grimm. (Contes choisis, p. 253.) No Pantchatantra, a fábula do Oleiro e o Rei versa sobre este mesmo assunto, (trad. Lancereau, p.289). Na Biblioteca de las Tradiciones populares espanolas, t.i, p. 121, vem este conto com o título de Dom Juan Bolondron mata siete de un trompon, coligido no Chile, na povoação de Santa Juana. Nos Contos Populares do Brasil, n.° xviii, João Gurumete.

Os dez anõezinhos da Tia Verde-Água

223Era uma mulher casada, mas que se dava muito mal com o marido, porque não trabalhava nem tinha ordem no governo da casa; começava uma coisa e logo passava para outra, tudo ficava em meio, de sorte que quando o marido vinha para casa nem tinha o jantar feito, e à noite nem água para os pés, nem a cama arranjada. As coisas foram assim, até que o homem lhe pôs as mãos e ia-a tosando, e ela a passar muito má vida. A mulher andava triste por o homem lhe bater, e tinha uma vizinha a quem se foi queixar, a qual era velha e se dizia que as fadas a ajudavam. Chamavam-lhe a Tia Verde-Água:

– Ai, Tia! vocemecê é que me podia valer nesta aflição.

– Pois sim, filha; eu tenho dez anõezinhos muito arranjadores, e mando-tos para tua casa para te ajudarem.

224E a velha começou a explicar-lhe o que devia fazer para que os dez anõezinhos a ajudassem; que quando pela manhã se levantasse fizesse logo a cama, em seguida acendesse o lume, depois enchesse o cântaro da água, varresse a casa, aponteasse a roupa, e no intervalo em que cozinhasse o jantar fosse dobando as suas meadas, até o marido chegar. Foi-lhe assim indicando o que havia de fazer, que em tudo isto seria ajudada sem ela o sentir pelos dez anõezinhos. A mulher assim o fez, e se bem o fez melhor lhe saiu. Logo à boca da noite foi a casa da Tia Verde-Água agradecer-lhe o ter-lhe mandado os dez anõezinhos, que ela não viu nem sentiu, mas porque o trabalho correu-lhe como por encanto. Foram-se assim passando as coisas, e o marido estava pasmado por ver a mulher tornar-se tão arranjadeira e limposa; o fim de oito dias ele não se teve que não lhe dissesse como ela estava outra mulher, e que assim viveriam como Deus com os anjos. A mulher contente por se ver agora feliz, e mesmo porque a féria chegava para mais, vai a casa da Tia Verde-Água agradecer-lhe o favor que lhe fez:

– Ai, minha Tia, os seus dez anõezinhos fizeram-me um servição; trago agora tudo arranjado, e o meu homem anda muito meu amigo. O que lhe eu pedia agora é que mos deixasse lá ficar.

225A velha respondeu-lhe:

– Deixo, deixo. Pois tu ainda não viste os dez anõezinhos?

– Ainda não; o que eu queria era vê-los.

– Não sejas tola; se tu queres vê-los olha para as tuas mãos, e os teus dedos é que são os dez anõezinhos.

226A mulher compreendeu a causa, e foi para casa satisfeita consigo por saber como é que se faz luzir o trabalho.

227NOTA–Nos contos de Grimm Os Anões Mágicos, dão realidade ao que na tradição portuguesa aparece com sentido alegórico. (Contes choisis, p.181).

228«Os Dáctilos, sacerdotes, encantadores, da mesma ordem que os Telchines, acham igualmente o seu tipo nos personagens do mesmo ciclo mitológico. Os Dáctilos, isto é, em grego os dedos, correspondem aos dez Dakchas, chamados os dez homens fortes, ou os meninos infatigáveis que ajudam Agni, o grande demiurgo. Ora estes Dakchas são os dez dedos do sacerdote que acente o fogo (Agni) e que personifica o cantor védico.» (Maury, Hist.des rei. de la Grèce antiqúe, i, 203.) Como este mito védico que passou para o Ocidente, aparece em um conto português tradicional!

Os dois compadres

229Eram dois compadres, extraordinariamente amigos. Tinham ambos o mesmo ofício, e procuravam sempre trabalhar juntos. O que um fazia, fazia o outro. Vestiam de modo igual, e passeavam ambos. Era a mais firme e completa amizade que se pode querer.

230Um dia resolveram casar-se. Deviam juntar as bodas, receber-se no mesmo dia, na mesma igreja, e à mesma hora, e depois da festa nupcial, separar-se-iam então, e cada um seguiria para sua casa.

231Assim planearam, e assim fizeram.

232Casados, faziam o mesmo.

233Imitavam-se mutuamente, e continuaram trabalhando juntos, passeando ambos, vestindo igualmente.

234Só numa coisa não podiam combinar-se. O compadre mais velho batia todos os dias uma sova na mulher.

– Tu não bates na tua?–interrogava ele ao mais novo.

– Eu não; pois ela é tão boa e tão minha amiga, hei-de de agora ir bater-lhe!

– Qual história? Bondades de mulheres! Meu amigo; as mulheres para serem boas e verdadeiramente amigas de um homem, precisam de ser zurzidas. E tu hás-de bater na tua. Olha, eu todos os dias toco a fogo no espinhaço da minha.

– Pois isso é que eu não faço.

– Ó compadre! olha, ou nós quebramos a nossa amizade, ou tu bates na tua mulher.

– Homem, isso não pode ser. Pois se ela me não dá motivo para fazer tal.

– Qual motivo nem meio motivo! Inventa-se.

235E começou a ensinar ao compadre como havia de procurar pretexto para zurzir a companheira.

– Tu, vai para casa, começas a embirrar com tudo, ela há-de responder-te azedamente, e tu zás, bordoada para cima. Olha que se lhe não bates ficamos de mal.

– Está dito.

236À noite volveu o homem para casa, e começou realmente a embirrar com tudo. A mulher submetia-se humildemente, carinhosamente, serenando o ânimo do marido.

237Este não teve coragem de lhe bater. No dia seguinte, mal apareceu no trabalho, logo o compadre lhe perguntou:

– Então! já a zurziste?

– Eu não, homem; faltou-me a coragem. Se tu a visses, tão meiga, tão carinhosa, fazendo tudo muito resignada!...

– Vai-te lá; és um bajojo. Até me envergonho de ser compadre de um homem, que nem tem coragem de bater na mulher. Amanhã hás-de bater-lhe por força. Olha, tu vais para casa; dizes que não gostas da ceia, que a não querias cozinhada assim, e se ela for prepará-la de outra forma, dizes ainda que também não era assim que a querias, e continuas ralhando até que ela, agastada, há-de começar de razões, e é o bastante para lhe dares uma sova. Desta vez conto que a coisa não falhará. A minha ainda ontem levou tanta bordoada, que gritava por Deus e Santa Maria.

238À noite, de volta do trabalho, regressou-se o homenzinho a casa, com o firme propósito de tocar a fogo na mulher.

239Tinha para a ceia pescada. Apareceu na mesa um prato de pescada com arroz.

– Eu não queria a pescada assim cozinhada!–exclamou ele muito colérico.–Queria-a cozida, de azeite e vinagre.

– Pois não te apoquentes, filho–retorquiu-lhe ela docemente;–também ali a tenho cozida, de azeite e vinagre.

240E veio a pescada de azeite e vinagre.

– Mas se eu já lhe disse que a queria frita.

– Ora aí estás tu a impacientares-te. A pescada era muito grande, e eu frigi uma porção dela.

– Com mil diabos que a levem; eu queria a pescada suja, cheia de terra, de modo que ninguém a pudesse comer. É assim que eu gosto.

– Pois estás servido. O gato furtou-me uma posta, e levou-a pelo quintal, eu ainda lha pude tirar a tempo, e tenho-a ali suja, porque, só depois da ceia, tencionava lavá-la e prepará-la para o almoço.

241O homenzinho sentiu-se desanimado. Não havia meio de bater na mulher.

242Foi no dia seguinte para o trabalho, sem a ter zurzido, contar ao compadre o que se passara.

243Este exasperou-se muito.

– Hás-de bater-lhe hoje por força, aliás ficamos de mal para sempre. Vai para casa à noite muito aborrecido, e diz à tua mulher que queres dormir no quintal; ela não há-de querer dormir ali, e aqui tens um bom pretexto: obriga-a dando-lhe bordoada.

244Assim fez. À noite foi para casa, e disse à mulher que havia de dormir aquela noite no quintal.

– Pois sim, o que tu quiseres.

245Sem mais objecções foi-se a fazer um camalho no quintal.

246O homem começava a encolerizar-se.

– Pois eu não lhe hei-de bater?–momeava ele. Realmente faço má figura aos olhos do compadre. Há-de ser esta noite por força.

247Feita a cama, foram deitar-se, e lá pela noite fora, começa o marido a olhar para o céu.

– Olha lá–diz ele para a mulher–que estrelas são aquelas que parecem formar um caminho?

– É a Estrada de S. Tiago.

– E então tu vens colocar-me debaixo de uma estrada, com que me caiam em cima os passageiros! Espera, que eu já te digo.

248E então desancou a pobrezita da mulher.

249No dia seguinte foi para o trabalho, e contou ao compadre que já tinha zurzido a sua companheira, mas sentia-se incomodado por aquela acção.

– Bravo, és um homem! Agora é necessário continuar. Assim faço eu à minha, que todos os dias apanha a sua conta (dizia o outro, batendo as palmas).

250A mulher que fora maltratada pela primeira vez estranhou, começou a pensar, e lembrou-se de que tudo aquilo era o resultado dos conselhos do compadre.

– Deixa estar, que mo hás-de pagar.

251Preparou-se com o seu fatinho de ver a Deus, e lá se foi até a casa da comadre. Muitos cumprimentos, muitas festas, muitas alegrias, muitas expansões, até que por fim a visitante perguntou:

– Então, como se dá com seu marido?

– Ora, comadre, mal, muito mal. Todos os dias me bate.

– Sim?

– É como lhe digo.

– Pois o meu não; nem uma só vez me tocou, e o que é mais, nem sequer sabe zangar-se.

– Ah! que santo homem, comadre. Se assim fosse o meu!… Logo que chega do trabalho, a primeira coisa que faz, é dar-me uma sova, e às vezes deixa-me quase morta.

– Pois olhe, comadre; eu hei-de remediar esse mal. À noite, quando ele lhe bater, chame pelas Onze Virgens; mas tenha cuidado de deixar a porta aberta. Verá que o remédio é infalível.

252E retirou-se, vindo por casa de dez das suas amigas, contando-lhes os maus tratos que o compadre dava à mulher, e combinando com elas que nessa noite estariam todas, de cacetes em punho, pelas vizinhanças da casa, para que acudissem à desgraçada mulherzita, quando o marido lhe batesse.

253Feita a combinação, vestiram-se de branco, e foram à hora de largar o trabalho para junto da casa da vítima das brutalidades do marido.

254Quando este regressou do trabalho, começou a bater desapiedadamente na mulher, que, não podendo suportar tanta pancadaria, entrou a gritar:

– Valha-me Nossa Senhora! Acudam-me as Onze Virgens! Acudam-me as Onze Virgens!

255Mal ela acabara de pronunciar as últimas palavras, entraram onze mulheraças, vestidas de branco, de cacetes na mão, todas cobertas de alvas branquíssimas, que desancaram desalmadamente o marido da desgraçada. Levou bordoada que nem um tambor num arraial, e tudo capitaneado pela mulher do compadre, a quem ele aconselhara a bater na companheira.

256Quando o viram quase morto, deixaram-no, e foram para as suas casas.

257Pouco depois o homem era sacramentado, fazia testamento, e mandava chamar a toda a pressa o compadre.

258Contou-lhe como tudo se tinha passado, e disse-lhe por fim:

– Mandei-te chamar para te pedir que não queiras nunca mais bater na tua mulher. Crê que são santas. Eu hoje bati na minha como de costume; mas ela, porque já não podia sofrer mais, pediu às Onze Virgens que lhe valessem, e estas não se fizeram esperar. Deram-me tanta pancadaria, que me deixaram neste estado. E olha compadre–continuou o enfermo–foi uma providência a minha mulher não se lembrar de chamar os Doze Apóstolos, porque então deixavam-me morto; sempre era força de homens.

259O certo é que nunca mais bateu na mulher, nem aconselhou o compadre a que fizesse semelhante coisa.

260(Alentejo)

O carvoeiro

261Era uma vez um rei que gostava muito de ir à caça. Um dia, perdeu-se da sua gente, e encontrou-se num grande bosque onde viu um carvoeiro que andava trabalhando. O rei dirigiu-se para ele e perguntou-lhe:

– Com tanto trabalho que tens deves ganhar muito dinheiro.

– Eu, senhor, ganho doze vinténs por dia. Quatro empresto-os, quatro são para pagar uma dívida e os outros quatro para eu e minha mulher vivermos.

262Ficou o rei muito admirado e quis saber como eram aquelas contas. O carvoeiro explicou:

– O empréstimo, é criar os filhos que depois trabalharão quando eu não puder. A dívida, é sustentar os meus pais, que já são velhinhos e nada podem fazer. Os outros quatro vinténs é para comermos nós os dois.

263Ficou o rei contente com a explicação e, indo para o palácio, disse primeiro ao carvoeiro que não dissesse mais nada a ninguém sem ver a cara dele cem vezes. Prometeu o carvoeiro. Chamados os dignatários da corte, exigiu o rei que lhe explicassem como um homem com doze vinténs por dia podia pagar uma dívida, fazer um empréstimo e sustentar-se a si e à mulher.

264Acrescentou ainda: Aquele que decifrasse o enigma ganharia a sua confiança; os outros desterrados ou mortos, porque na sua corte não queria ignorantes nem brutos.

265Ficaram os sábios aflitos e os que não eram sábios estudavam de noite e de dia; mas, por mais que matutassem, não podiam sair daquela. O primeiro-ministro, velho muito esperto, andava triste como a morte por ver que perdia os seus belos créditos. Descorçoado, foi passear para o bosque, onde se sentou a chorar. Daí a pouco veio o carvoeiro e perguntou o que tinha sua Ex.a para estar assim triste.

266Contou o ministro o que o rei tinha dito e o carvoeiro consolou-o:

– Que lhe desse cem peças de oiro com a cara do rei, que ele lhe ensinava o que era. O ministro, contentíssimo, foi buscar as peças.

267No dia em que o rei tinha mandado reunir o conselho perguntou a todos a resposta à sua pergunta e ninguém a soube dar! Então o primeiro-ministro pediu licença e disse o que era, com grande admiração e inveja de toda a corte. O rei, zangado, foi dali ter com o carvoeiro para o mandar matar por ele ter desobedecido. O homenzinho não teve medo, foi buscar as cem peças e, mostrando-as ao rei, disse:

– Vossa Majestade ordenou-me que não desse a explicação sem ver a sua cara cem vezes, e como o seu ministro me deu estas cem peças que a têm cumpri as suas ordens.

268O rei riu-se muito e ficou tão contente com o carvoeiro que por força lhe queria dar um prémio. Ele não desejava mais do que tinha; estava assim muito bem, não precisava nada. Mas o rei tanto teimou, que por fim disse-lhe:

– Pois eu só aceito de Vossa Majestade uma coisa.

– Só quero que Vossa Majestade me dê o direito de receber 5 réis de cada marido que tenha medo da mulher.

– Isso é um disparate que não tem razão de ser. Pois é possível que haja um homem tão idiota que se deixe governar pela mulher?! Não, cá no meu reino não hás-de tu ganhar muito, e então pede outra coisa que eu quero dar-te uma fortuna.

– Se Vossa Majestade me não dá isto, outra coisa não aceito.

269Tanto teimou que o rei concedeu-lhe o direito que ele pedia e foi-se embora.

270Passou-se tempo, e, um dia que o rei estava na varanda do seu palácio, via uma carruagem muito bem-posta, e dentro, feito um figurão, o nosso amigo carvoeiro. Mandou-o logo vir à sua presença e perguntou-lhe como tinha aquela fortuna. Respondeu ele.

– Com o direito que Vossa Majestade me deu. Eu já conto como o tenho exercido, mas primeiro vou descrever uma mulher que vi há pouco. Senhor, ela nas faces tem o colorido da rosa! Os seus cabelos são loiros como os trigais maduros! A sua boca é vermelha como os morangos perfumados! As suas mãos compridas são como lírios elegantes! A andar parece a imperatriz das fadas! Os seus olhos, senhor! Não há nada com que os comparar!…

271Estava o rei muito entusiasmado a ouvir o carvoeiro feito fidalgo; quando este viu a rainha que chegava, continuou mais alto:

– Enfim, Senhor, ela é tão linda que só a acho digna de Vossa Majestade!...

272O rei, muito aflito, atalhou logo:

– Fala baixo, que vem aí a rainha!

273O carvoeiro desatou a rir e disse:

– Ah! também!?… Passe para cá 5 réis.

274O rei envergonhado, não teve remédio senão confessar que era muito fácil o fazer fortuna cobrando 5 réis de cada homem que tivesse medo da mulher.

275(Ribatejo)

O compadre Diabo

276Um pobre jornaleiro tinha um compadre que era o Diabo, mas não o sabia; veio ele e disse-lhe:

– Tu és tão pobre! Sabes que mais? Lembra-me de te dar um grande campo para o trabalhares de meias comigo, com a condição que o que crescer para debaixo da terra há-de ser para mim, e o que crescer para cima da terra há-de ser para ti.

277O jornaleiro aceitou o contrato, e foi trabalhar o campo e semeou-o de trigo. Nasceu muito trigo, que ele colheu no seu tempo, e disse ao compadre que fosse apanhar o que tinha crescido para debaixo da terra. O Diabo só achou raízes, e conheceu que tinha sido enganado pelo compadre. E disse:

– Já me não serve o nosso contrato, e se queres continuar há-de ser às avessas: o que crescer para cima da terra há-de ser para mim, e o que crescer para baixo é que há-de ser para ti.

278O lavrador aceitou a condição e semeou o campo todo de batatas; deu uma novidade que era um regalo. Disse ao compadre que fosse apanhar o que tinha crescido para cima da terra, que era a rama da batata, e ele tirou muitos e muitos cestos de batatas, com que fez muito dinheiro. O Diabo viu que perdia sempre no jogo, e quis-se vingar do compadre:

– Ah velhaco, que me enganaste; mas eu é que te não deixo ficar assim; havemos de bater-nos e há-de ser às unhadas, que ao menos desta vez hei-de ficar de melhor partido.

279O lavrador bem sabia que o Diabo tinha umas garras temíveis, mas como não podia escolher as armas já dava ao Diabo a cordada, e foi ter com a mulher, sem saber como se veria livre daquela alhada. Vai a mulher e diz-lhe:

– Deixa-o vir para cá, que eu o arranjo. No dia em que te vier procurar para brigar contigo, esconde-te, que eu é que vou falar com ele.

280Chegado o dia, vem o Diabo muito furioso e bate à porta do compadre:

– Aqui estou para irmos brigar.

281Vem a mulher e diz:

– Entre para aqui compadre, e espere pelo meu homem, que foi amolar as unhas; olhe que ele sempre dá cada unhada! Aqui está a primeira que ele me deu...

282O Diabo tal coisa viu, que botou a fugir com medo de ficar cheio daquelas arranhaduras, e nunca mais voltou lá.

283(Ilha de S. Miguel–Açores)

284NOTA–Sobre esta facécia, Gubernatis apresenta um conto russo em que o Diabo é representado pelo urso com um carácter demoníaco: «O aldeão logra duas vezes o seu companheiro urso; primeiro quando semeiam juntamente nabos, e que o aldeão reserva para si o que cresce debaixo da terra, deixando ao urso o que sai e se levanta acima do chão; depois, quando eles semeiam trigo, e que o urso, julgando-se agora mais esperto toma para si o que cresce debaixo da terra e cede ao aldeão o que se produz para fora dela. O aldeão está a ponto de ser devorado pelo urso, quando a raposa o vem socorrer.» (Myth. zoologique, t.ii, p. 119). Deste conto da colecção de Afanasieff, acha-se uma variante na Noruega, n.° 74, da colecção de Asbjörnsen, e na Alemanha, na colecção de Grimm, n.° 189. Em um conto caucásico, publicado no Magazin für die Litter. des Auslands, n.° 134, de1834, figura o Diabo, que também é enganado. Sobre este conto Liebrecht escreveu um estudo comparativo na Academy, de1873, n.° 74, resumido por Gubematis, loc. cit.No Conde de Lucanor, de D. João Manuel, cap. 41: De lo que contescio al Bien y al Mal, vem este mesmo conto, em que também há os nabos da partilha. (Ed. 1642, fl. iii.) Nos West Highlander’s Popular Tales, de Campbell, acha-se este conto em que figuram a raposa e o lobo, e a cultura é de aveia e depois de batatas. Ap. Contes populaires de la Grande Bretagne, de Brueyre, p. 363, que traz mais estas fontes similares: Rabelais, Pantagruel, liv. iv, cap. 45 e 46. La Fontaine, conto de Le Diable et le Papefigue. Na tradição oral francesa o conflito dá-se entre S. Martinho e o Diabo. Nos Contes populaires agenais, de Bladé, figura sob o título de La Chèvre et le Loup. Gubematis, na Mythologie des plantes, t.ii, p. 31, cita este conto mostrando «como os mitos se deslocam e se multiplicam infinitamente, tendo muitas vezes o mesmo ponto de partida.»

Os corcundas

285Havia numa terra dois corcundas que se conheciam e eram amigos; de uma vez um deles perdeu-se numa estrada e foi ter ao meio de uma floresta onde umas bruxas estavam fazendo as suas danças, e diziam:

– Entre quintas e sextas e sábados.

286O corcunda foi-se aproximando, e viu ali muito de comer, e começou também a dizer:

– Entre quintas e sextas e sábados.

287As feiticeiras vieram ter com o corcunda e deram-lhe muito de comer e fizeram-no dançar; como estava para dar meia-noite, disseram:

– O que se há-de fazer a este homem, quando nos formos embora?

– Dê-se-lhe muito dinheiro.

288Outras disseram:

– Tire-se-lhe a corcunda.

289Ele apanhou as duas coisas, e foi-se embora; quando chegou à sua terra o outro corcunda perguntou-lhe quem é que o tinha endireitado. O amigo contou-lhe tudo e disse-lhe onde era a floresta; o outro corcunda avistou as mesmas luzes e viu a mesma dança das bruxas; e assim que ouviu elas estarem cantando:

290«Entre quintas e sextas e sábados», começou a dizer as mesmas palavras, e acrescentou:

– E os domingos, se for necessário.

291As bruxas desesperadas por lhe falarem no domingo, foram ter com ele, deram-lhe muitos repelões e disseram:

– O que havemos de fazer a este homem?

– Ponha-se-lhe a corcunda que o outro aqui deixou.

292E assim ele foi embora com uma giba atrás e outra adiante.

293(Porto)

294NOTA–Aparece também na tradição popular italiana, coligida pelo Prof. Gubematis, na Botanique zoologique, t.ii, p. 249, extraída do livro do médico Pedro Piperno, do séc. xvii, que se intitula De Nuce maga beneventana. A troca das corcundas explicada por Gubematis «é evidentemente o jogo das sombras; a corcunda por detrás é a escuridão da noite, a corcunda por diante, é a sombra na alvorada.» Há uma outra versão portuguesa, de Coimbra, publicada na Revista de Etnologia e Glotologia, p. 200.–A tradição tem certa universalidade. Vide também Brueyre, Contes de la Grande Bretagne, p. 206, tradição da Irlanda, e Emile Souvestre, Foyer Breton, Les Korils de Plauden, ou Presente dos Gnomos.

295Nos Contes populaires lorrains, de Emm. Cosquin, vem com o título Les fées et les deux bossus.

A mulher gulosa

296Um homem tinha casado com uma mulher muito lambareira, mas que fingia que nunca tinha vontade de comer; desconfiado espreitava-a, e veio a conhecer que ela não fazia senão comer petiscos. Um dia ele saiu de casa, dizendo-lhe que não vinha senão à noite, e escondeu-se no forno. A mulher como se achou só, cantou e foi arranjar um almoço de gulodices, que eram formigos de pão esfarelado com mel e ovos. Quando chegou a hora de jantar guisou uma grande pratada de migas, e comeu e lambeu-lhe o queixo. Ao fim da tarde, ainda não era bem lusco com fusco, tornou a acender o lume e ensopou dois franguinhos para a ceia. O marido viu-lhe comer tudo aquilo, e esteve sempre calado, até que quando lhe pareceu saiu do seu esconderijo, e fingiu que entrava em casa como quem vinha de muito longe. Ora o dia esteve sempre de chuva, e o homem vinha enxuto como as palhas; a mulher lá ficou admirada, e disse:

– Ó homem, com este dia de água como vens tão enxuto! Onde estiveste?

297Ele respondeu:

Chovia miudinho
Como os formigos que almoçaste;
Se chovesse graudinho
Como as migas que jantaste,
Eu viria ensopadinho
como os frangos que ceaste.

298A mulher conheceu que já não enganava o marido, que se serviu deste pé de cantiga para lhe repenicar o pandeiro.

299(Porto)

300NOTA–Esta facécia encontra-se nas tradições populares do Brasil, coligidas em Pernambuco, com o título A Mulher Dengosa, nos Contos Populares do Brasil, n.° xlii.

As irmãs gagás

301Uma mãe tinha três filhas, e todas eram tatás: para fazer com que elas não perdessem casamento, disse-lhes:

– Meninas, é preciso estarem sempre caladas quando vier aqui a casa algum rapaz; senão nada feito.

302De uma vez trouxe-lhes um noivo para ver se gostava de alguma delas, e não se tinha esquecido de fazer a recomendação às filhas. Estavam elas na presença do noivo, que ainda não tinha dado sinal de sua simpatia, quando uma delas sentiu chiar no lume, e diz logo muito lampeira:

– Ó mãe, o tutalinho fede. (Isto é, o pucarinho ferve.)

303Diz dali a outra irmã:

Tira-le o têto e mete-le a tolé. (Isto é: tira-lhe o testo e mete-lhe a colher.)

304A última zangada por ver que as irmãs não obedeciam à recomendação da mãe, exclamou:

– A mãe não di que não falará tu? pois agora não tasará tu. (Isto é: a mãe não disse que não falaras tu? pois agora não casarás tu.)

305O noivo assim que viu que todas elas eram tatebitate desatou a rir e fugiu pela porta fora.

306(Porto)

O tinhoso, o ranhoso e o sarnoso

307Era uma vez três irmãos, um era tinhoso, o outro ranhoso, e o último sarnoso, mas como todos se riam dos seus defeitos, eles bem procuravam encobri-los. Também nunca deixavam escapar ocasião de darem largas à sua vontade; o que era tinhoso viu passar um barco no rio, e levantou a mão ao ar, dizendo:

– Deita cá a barca; deita cá a barca.

308E nisto ia com a mão à cabeça e dava uma coçadela. O irmão, que era ranhoso, passava as costas da mão pelo nariz, e dizia:

– Atravessa; atravessa.

309O que estava cheio de sarna, pôs-se a pular e a saracotear-se, e dizia:

– Inda bem, inda bem,
Que a barca já lá vem.
(Porto)

Variante

310O que era tinhoso, levava a mão à altura da cabeça, e coçando como quem não quer a coisa, dizia:

– Lá vem um navio.

311Dizia o que era ranhoso, assoando-se às mangas:

– Tanto se me dá que venha por aqui, como por ali.

312(Ilha de S. Miguel)

Dá-me o meu meio-tostão

313Um compadre perseguia outro por uma dívida; todas as vezes que lhe passava pela porta dizia:

– Dá-me o meu meio-tostão.

314O devedor, vexado, disse para a mulher que se ia fingir morto, e que ela o carpisse muito, para ver se quando o compadre passasse lhe perdoava pela sua alma o meio-tostão. Assim fez; a mulher pranteou e depenou-se, mas o compadre veio ao acompanhamento do enterro, e quando o corpo se depositou na igreja deixou-se ficar escondido debaixo da eça. De noite os ladrões entraram na igreja, e como viram a luz das tochas alumiando o morto, entenderam que ali era lugar seguro para repartirem o dinheiro e fizeram os quinhões do que tinham roubado. Quando estavam nisto, desavieram-se, porque todos queriam umas certas jóias que o capitão dos ladrões reservava para si. Faziam muita bulha, mas o que se fingia morto na eça, e o compadre que estava escondido, passaram sustos medonhos e não se mexiam. Por fim disse o capitão dos ladrões:

– Eu cá não faço questão deste quinhão; mas quem o quiser há-de ir espetar esta faca no morto que está ali naquela eça.

315Dizia um: «Vou eu»! Outro também queria ir; mas o que se fingia defunto, sem saber como se havia de ver livre da situação desesperada, senta-se no caixão, e diz com terror:

Acudam-me aqui os defuntos,
E venham já todos juntos.

316Os ladrões fugiram todos espavoridos e deixaram o dinheiro ao pé da eça; o compadre que se fingia morto desceu da tumba, e começou a ajuntar o dinheiro espalhado pelo chão. Quando estava nisto sai-lhe debaixo da eça o credor, que nem à borda da cova o largava, e começa a repetir-lhe sem parar:

– Dá-me o meu meio-tostão! Dá-me o meu meio-tostão!

317E não se tirava disto. Os ladrões por fim envergonharam-se da sua covardia, e mandaram um mais valente à igreja ver o que por lá havia, e se podiam ir buscar o seu dinheiro. O ladrão veio sorrateiro, escondeu-se detrás de uma porta a escutar, e ouvia só:

– Dá-me o meu meio-tostão!

318Desatou a fugir, e foi dizer aos companheiros:

– Está tudo perdido; andam lá tantos defuntos, que não cabe meio-tostão a cada um. Os ladrões conformaram-se com esta desgraça, e o compadre assim é que pagou a sua dívida e ficou rico.

319(Porto)

320NOTA–Acha-se esta facécia nos contos sicilianos, coligidos por G. Pitré, sob o nome de Giufa. (Rev. des deux mondes, de1875, 15 de Agosto, p. 833.)

O soldado que foi para o Céu

321Ia uma vez um soldado para casa com a baixa; quando ao passar por uma ponte encontrou um pobre de pedir, que não tinha dinheiro para pagar a passagem e estava ali parado. Ora o soldado nunca tinha feito bem a ninguém; mas naquele instante teve pena do velhinho e carregou com ele às costas e passou a ponte. O soldado não pagou nada, porque os soldados não pagam, e o velho também não pagou nada porque ia às costas do soldado. Logo que chegou ao outro lado, pôs o velho no chão, e ia despedir-se dele, quando o pobre lhe disse:

– Camarada, peça alguma coisa, que o que eu quero é agradecer-lhe.

– Ora o que lhe hei-de eu pedir?

– Peça tudo o que quiser.

322O soldado pediu: Que todas as vezes que disser: «Salta aqui à minha mochilinha!» nenhuma coisa deixe de obedecer à minha ordem. E que onde quer que me eu assente ninguém me possa mandar levantar.

323O velho disse-lhe que estava concedido. Foi-se o soldado muito contente para casa e nunca mais trabalhou, e viveu bem, sem lhe faltar nada. Se queria pão, carne, vinho, dinheiro, dizia: «Salta aqui à minha mochilinha», e tinha logo tudo o que lhe era preciso. Veio o tempo e o soldado estava para morrer; os Diabos vieram logo para lhe levarem a alma, mas o soldado viu-os e gritou: «Saltem aqui já à minha mochilinha!» Os Diabos não tiveram remédio senão obedecer; ele assim que os apanhou dentro da mochila mandou-a a casa do ferreiro para que lhe malhasse em cima até os deixar em estilhas. Por fim o soldado morreu, e como tinha passado sempre na má vida, foi parar ao Inferno. Os Diabos assim que o lá viram começaram a gritar:

Fecha portas e postigos,
Senão seremos aqui todos batidos.

324E aferrolharam as portas, e o soldado não pôde entrar para lá; foi então bater às portas do Céu. São Pedro assim que o viu, disse-lhe:

– Vens enganado! Não entras cá. Não te lembras da má vida que levaste?

325Responde-lhe o soldado:

– O Senhor São Pedro! no Inferno não me quiseram. Eu agora para onde hei-de ir?

– Arranja-te lá como puderes.

326O soldado viu meia porta do Céu aberta, e pega no barrete e atira-o lá para dentro, e disse:

– Ó Senhor São Pedro, deixe-me ir apanhar o meu barrete.

327São Pedro deixou; mas o soldado assim que se viu dentro do portal, sentou-se logo na cadeira dele. São Pedro quis mandá-lo sair mas não pôde e foi dali à pressa queixar-se a Nosso Senhor, que lhe disse:

– Deixa-o entrar Pedro, não tens outro remédio, porque assim lhe estava prometido.

328E o soldado sempre ficou no Céu.

329(Porto)

330NOTA–Acha-se na tradição da Bretanha francesa, sob o título de Moustache. (Em Souvestre, Les derniers Bretons, t.i, p. 83.) Acha-se coligido na tradição popular italiana por G. Pitré; na forma siciliana é um frade, o Grós-Jean análogo ao Bonhomme Misère, da França, ao Prete Ulivo, da Toscana, Accacini, de Palermo, e Gingannuin, do Castellermini. (Vide Rev. des deux mondes, de1875, 15 de Agosto, p. 833.) O soldado que recebe os três dons, vem também nos contos de Grimm, o Judeu nas Silvas, trad. Baudry, p. 243.

O tesouro do enforcado

331Um pai tinha um filho muito travesso e estróina, e sabia que a grande fortuna que lhe deixava ele a espatifaria toda, pela sua má cabeça. Quando morreu, deixou-lhe um falcão, dizendo que ainda que se visse muito necessitado nunca o vendesse; mas se acontecesse de o vender, que lhe deixava uma carta fechada e que a não abrisse senão depois de ter perdido todas as suas esperanças de melhorar de fortuna. O velho morreu, e o filho começou logo a gastar; vendeu quintas, casas, fez dívidas, ficou por fiador dos amigos, meteu-se em empresas, e quando menos se precatou achou-se sem nada. Restava-lhe ainda o falcão, que o pai recomendou que nunca o vendesse; como ele se achava em grandes apuros, não fez caso da vontade do pai e mandou oferecer o falcão ao rei, que lho comprou. Mas o dinheiro do falcão não chegou senão para alguns dias, acabando por gastá-lo no jogo, onde tinha ficado a melhor parte da sua fortuna. O rapaz, atrapalhado da sua vida, e não tendo mais a que se socorrer, começou a procurar todos os amigos com quem tinha gastado, e todos lhe viraram as costas. Foram tantas as ingratidões e o descaramento dos que lhe tinham ajudado a desbaratar a fortuna, que o rapaz perdeu o gosto da vida e entendeu que o único remédio que lhe restava era matar-se. Foi então que se lembrou que tinha uma carta do pai que ainda estava fechada, e antes de morrer lembrou-se de querer ver o que nela dizia. Abriu a carta, e dentro estava uma chave; e dizia-lhe a rua a que ele devia ir, e a casa em que aquela chave servia para abrir a porta, e que lá acharia pendurada numa trave uma corda, e já que estava sem esperanças nenhumas, que se enforcasse ali. Como o rapaz já pensava assim, aceitou o conselho do pai pela primeira vez, e foi logo à tal rua, deu com a casa, abriu a porta e fechou-se por dento. Subiu a escada, e chegou a uma sala velha, onde encontrou a corda pendurada; não se pôs com mais reflexões, e quando começou a puxar a corda para ver se estava segura, a corda abriu um falso, que estava no tecto, e começaram a cair muitas peças de ouro. Ficou o rapaz admirado, ajuntou o dinheiro e já se não quis matar; mas também dali em diante nunca mais gastou à matroca, viveu com juízo, e desprezou os amigos que na sua desgraça lhe tinham virado as costas.

332(Porto)

Os peixes do guardião

333De uma vez estavam os frades comendo no refeitório, e coube a um deles um peixe mui pequenino; este então reparou e viu que no prato do guardião estava um muito grande, e que o comia à boca cheia. O frade era ladino, e para se vingar do jejum a que o obrigavam, abaixou a cabeça sobre o seu peixinho que tinha no prato, e começou a momear, como quem estava a conversar em segredo. O guardião reparou nisto, e pergunta de lá da cabeceira da mesa:

– Ó irmão, Frei Fulano, então o que é isso que está fazendo?

– Reverendo Padre-Mestre, estava perguntando a este peixinho se de alguma vez teria encontrado meu pai que morreu afogado no mar; mas ele respondeu-me que, como é mui pequenino, não soube disso, e que quem o poderá saber é o peixe que está no prato de Vossa Reverência, que é muito grande, e pode bem dar fé de tudo.

334(Ilha de S. Miguel)

A cobra e o cordão do frade

335Uns frades comeram desalmadamente; um deles precisou alargar o cordão que trazia à cinta, mas não queria dar parte de fraco. Lembrou-se de uma estrangeirinha, e disse:

– De uma vez andava ao peditório, e passei por um campo, onde vi deitada ao sol uma cobra, e que cobra! Era assim (e nisto começa a tirar o cordão) pouco mais ou menos deste tamanho (e estendeu o cordão).

336Depois tornou a atar o cordão mais largo e continuou a comer, sem que os outros dessem pela esperteza.

337(Porto)

O caldo de pedra

338Um frade andava ao peditório; chegou à porta de um lavrador, mas não lhe quiseram dar nada. O frade estava a cair com fome, e disse:

– Vou ver se faço um caldinho de pedra. E pegou numa pedra do chão, sacudiu-lhe a terra e pôs-se a olhar para ela para ver se era boa para fazer um caldo. A gente da casa pôs-se a rir do frade, e daquela lembrança. Diz o frade:

– Então nunca comeram caldo de pedra? Só lhes digo que é uma coisa muito boa.

339Responderam-lhe:

– Sempre queremos ver isso.

340Foi o que o frade quis ouvir. Depois de ter lavado a pedra, disse:

– Se me emprestassem um pucarinho?

341Deram-lhe uma panela de barro. Ele encheu-a de água e deitou-lhe a pedra dentro.

– Agora se me deixassem estar a panelinha aí ao pé das brasas.

342Deixaram. Assim que a panela começou a chiar, disse ele:

– Com um bocadinho de unto é que o caldo ficava de primor.

343Foram-lhe buscar um pedaço de unto. Ferveu, ferveu, e a gente da casa pasmada para o que via. Diz o frade, provando o caldo:

– Está um bocadinho insonso; bem precisa de uma pedrinha de sal.

344Também lhe deram o sal. Temperou, provou, e disse:

– Agora é que com uns olhinhos de couve ficava, que os anjos o comeriam.

345A dona da casa foi à horta e trouxe-lhe duas couves. O frade limpou-as, e ripou-as com os dedos deitando as folhas na panela.

346Quando os olhos já estavam aferventados, disse o frade:

– Ai, um naquinho de chouriço é que lhe dava uma graça...

347Trouxeram-lhe um pedaço de chouriço; ele botou-o à panela, e enquanto se cozia, tirou do alforge pão, e arranjou-se para comer com vagar. O caldo cheirava que era um regalo. Comeu e lambeu o beiço; depois de despejada a panela ficou a pedra no fundo; a gente da casa, que estava com os olhos nele, perguntou-lhe:

– Oh Senhor Frade, então a pedra?

348Respondeu o frade:

– A pedra, lavo-a e levo-a comigo para outra vez.

349E assim comeu onde não lhe queriam dar nada.

350(Porto)

A enfiada de petas

351Era uma vez um homem, que não pôde pagar a renda ao fidalgo de quem era caseiro, e foi-lhe pedir perdoança; o fidalgo pensou que o que ele estava era a mentir, e disse-lhe:

– Só te perdoo as medidas da renda se me disseres uma mentira do tamanho de hoje e amanhã.

352Foi-se o lavrador para casa e contou a coisa à mulher, sem saberem como se haviam de arranjar com o senhorio, que os podia pôr no olho da rua. Um filho tolo, que tinha, disse:

– Ó meu pai, deixe-me ir ter com o fidalgo, que eu hei-de arranjar a coisa de modo que ele não tenha remédio senão dar a perdoança das medidas.

– Mas tu não atas coisa com coisa.

– Por isso mesmo.

353Foi o tolo e pediu para falar ao fidalgo, dizendo que vinha ali pagar a renda. O fidalgo mandou-o entrar; ele então disse:

– Saberá Vossa Senhoria, que a anesa foi má, mas isso não faz ao caso; meu pai tinha tantos cortiços de abelhas que não lhe dava conta; pôs-se a contar as abelhas e acertou de lhe faltar uma; botou o machado às costas e foi procurar a abelha; achou-a pousada na carucha de uma amieira; vai ele cortou a amieira para caçar a abelha, que por sinal vinha tão carregadinha de mel, que ele crestou-a, e não tendo em que guardar o mel meteu a mão no seio e tirou dois piolhos e fez da pele dois odres que encheu, mas quando vinha a entrar em casa, uma galinha comeu-lhe a abelha; atirou à galinha com o machado para a matar, mas o machado perdeu-se entre as penas; chegou o fogo às penas, e depois que elas arderam é que achou o olho do machado; dali foi ao ferreiro para lho arranjar, e o ferreiro fez-lhe um anzol, com que foi ao rio apanhar peixes, e saiu-lhe uma albarda, tomou a deitar o anzol e apanhou um burro morto há três dias que pestanejava; botou-se a cavalo nele e foi ao ferrador para lhe dar uma mezinha, e ele deu-lhe o remédio de sumo de fava seca, mas nisto caiu-lhe um bocado num ouvido, onde lhe nasceu tamanho faval, que tem dado favas, que ainda aí trago quinze carros delas para pagar a renda a Vossa Senhoria.

354O fidalgo, já enfadado, com tanta patranha, disse:

– Ó rapaz, tu mentes com quantos dentes tens na boca.

– Pois, senhor, está a nossa renda paga.

355(Airão)

356NOTA– Há uma variante de Ourilhe, nos Contos Populares Portugueses, n.° lvii. (Na Biblioteca de las Tradiciones populares espanolas, vol. iv, p. 91.) No Romanceiro do Arquipélago da Madeira p. 434 publicou Rodrigues de Azevedo uma versão metrificada: Conto das Mentiras: Lindo conto de mentiras / Eu agora vou contar; / Quem quiser que venha ouvir / Novos casos de pasmar: / / Era eu homem para tudo, / Eu ia a todo o lugar; / Eu fiz o que ninguém fez, / Vi o que não há sonhar. / Onde o mundo se acaba, / Fui uma vez eu parar; / O que lá me aconteceu, / Ninguém pode adivinhar: / Em terra, colhi sardinhas, / E rosas pesquei no mar; / Encontrei um pessegueiro / Grandes maçãs a criar, / E, quando voltei os olhos, / Tinha ameixas a vergar; / Assubi a riba d’ele, / Com marmelos vou topar; / Chega o dono da terra / Por figos a perguntar; / Respondi que eram pepinos / O que eu estava a apanhar; / Dando-lhe eu o salve-Deus, / Ele salta a praguejar, / A querer pague em dinheiro / O que eu não quero comprar; / Mas logo lhe dei o troco, / Antes do preço pagar / Atirei-lhe com um assopro, / Uma pedra lhe foi dar; / Deu-lhe a pedra na canela, / Mas quebrou o calcanhar; / Ele foi quem apanhou / Eu quem rompeu a gritar: / A justiça d’el-rei veio / Começou a devassar; / É agora lo mentir, / Testemunhas vão jurar: / Juraram que eu fui roubado, / Que viram outrem furtar; / O queixoso ficou preso, / E eu fiquei a folgar.

Sempre Nâo

357Um cavaleiro, casado com uma dama nobre e formosa, teve de ir fazer uma longa jornada; receando acontecesse algum caso desagradável enquanto estivesse ausente, fez com que a mulher lhe prometesse, que enquanto ele estivesse fora de casa diria a tudo:–Não. Assim pensava o cavaleiro que resguardaria o seu castelo do atrevimento dos pajens ou de qualquer aventureiro que por ali passasse. O cavaleiro já havia muito que se demorava na corte, e a mulher aborrecida na solidão do castelo não tinha outra distracção senão passar as tardes a olhar para longe, da torre do miradouro. Um dia passou um cavaleiro, todo galante, e cumprimentou a dama; ela fez-lhe a sua mesura. O cavaleiro viu-a tão formosa, que sentiu logo ali uma grande paixão, e disse:

– Senhora de toda a formosura! Consentis que descanse esta noite no vosso solar?

358Ela respndeu:

– Não!

359O cavaleiro ficou um pouco admirado da secura daquele não, e continuou:

– Pois quereis que seja comido dos lobos ao atravessar a serra?

360Ela respondeu:

– Não.

361Mais pasmado ficou o cavaleiro com aquela mudança, e insistiu:

– E quereis que vá cair nas mãos dos salteadores ao passar pela floresta?

362Ela respondeu:

– Não.

363Começou o cavaleiro a compreender que aquele Não seria talvez sermão encomendado, e virou as suas perguntas;

– Então, fechais-me o vosso castelo?

364Ela respondeu:

– Não.

– Recusais que pernoite aqui?

– Não.

365Diante destas respostas o cavaleiro entrou no castelo, e foi conversar com a dama, e a tudo o que lhe dizia ela foi sempre respondendo–Não. Quando no fim do serão se despediam para se recolherem a suas câmaras, disse o cavaleiro:

– Consentis que eu fique longe de vós?

– Ela respondeu:

– Não.

– E que me retire do vosso quarto?

– Não.

366O cavaleiro partiu, e chegou à corte, onde estavam muitos fidalgos conversando ao braseiro, e contando as suas aventuras. Coube a vez ao que tinha chegado, e contou a história do Não; mas quando ia já a contar o modo como se metera na cama da castelã, o marido já sem ter mão em si, perguntou agoniado:

– Mas onde foi isso, cavaleiro?

367O outro percebeu a aflição do marido e continuou sereno:

– Ora quando ia eu a entrar para o quarto da dama, tropeço no tapete, sinto um grande solavanco, e acordo! Fiquei desesperado em interromper-se um sonho tão lindo.

368O marido respirou aliviado, mas de todas as histórias foi aquela a mais estimada.

369(Açores)

Manuel Feijão

370Dois casados viviam muito tristes por serem já velhos e não terem filhos. Vai a mulher disse uma vez:

– A coisa que eu mais queria neste mundo era ter um filho, ainda que ele fosse do tamanho de um feijão.

371Passados tempos, quando menos o esperavam, a velha teve um filho, tão pequerruchinho, tão pequerruchinho, que era mesmo do tamanho de um feijão. Criou-se o menino, e puseram-lhe o nome de Manuel Feijão; a mãe nunca tirava o sentido dele, e ainda assim muitas vezes o perdia. De uma vez foi botar umas gavelas ao boi, e entre elas tinha-se perdido Manuel Feijão e o boi engoliu-o. A mãe muito apoquentada começou a gritar por toda a parte:

– Manuel Feijão! Manuel Feijão!

372Ele respondia dentro da barriga do boi:

– Crós, crós!

– Manuel Feijão, onde estás?

– Crós, crós! na barriga do boi.

373A mãe pôs-se a aparar o que o boi fazia, e assim tornou a achar Manuel Feijão todo sujinho; lavou-o muito bem lavado, mas o pequeno era muito traquina, não tinha medo dos bois, e até os queria levar para o campo. Metia-se-lhe numa venta, e assim os guiava para pastar e para voltar para casa, e até para levar no carro o jantar ao pai. De uma vez teve necessidade, e acocorou-se debaixo de uns feitos; ora andava por ali uma cabra a pastar, e indo comer os olhinhos do feito, engoliu Manuel Feijão. A mãe ficou desta vez mais aflita porque o pequeno não aparecia; a cabra com as dores de barriga, corria por combros e valados, mas sempre vinha dar à horta do pobre lavrador; mas por fim cansado de escorraçar a cabra, e temendo que fosse coisa ruim, o pai de Manuel Feijão deu uma estourada na cabra, e matou-a, e atirou com ela para o meio da estrada. Veio de noite um lobo e comeu as tripas da cabra, e lá se foi se foi Manuel Feijão aos tombos dentro da barriga do lobo. Começou a dar-lhe voltas nas tripas e o lobo com as dores subiu-se por um pinheiro acima. Nisto vêm uns ladrões carregados com uns sacos de dinheiro, em cima de um macho; Manuel Feijão faz com que o lobo se atire lá de cima, arrebentou no meio do chão, e os ladrões fugiram espantados. Manuel Feijão assim que apanhou o lobo com as tripas de fora, saiu lá de dentro, e subiu para o macho, meteu-se dentro de uma orelha e começou a beliscá-lo. O macho botou a fugir, a fugir, e ele guiou-o para casa do pai, e chegou à porta ainda de noite, a fazer muito estrupido. Perguntaram de dentro:

– Quem é que está aí?

– É Manuel Feijão. Crós! Crós!

374A mãe conheceu-o, veio abrir à pressa; abraçou-o, lavou-o, e o pai foi descarregar o macho e guardar os sacos de dinheiro, e foram todos muito felizes.

375(Porto e Açores)

376NOTA–É o célebre conto do Petit Poucet, de Perrault; Emm. Cosquin coligiu-o da tradição oral outra vez nos seus Contes populaires lorrains; Maspons y Labrós, trá-lo nos seus Rondellaires, com o título En père Patufet.Nos Contes populaires de la Grande Bretagne, trad. de Brueyre, vem na forma de um poema Tom Thumb, e uma versão oral coligida por Campbell. Gaston Paris publicou em 1875 uma outra versão popular no começo da sua monografia intitulada Petit Poucet, em que procura provar que este conto deriva do mito da Grande Ursa. (O autor brindou-nos com um exemplar deste valioso opúsculo.) Hyacinthe Husson, na Chaine traditionelle, p. 28, discute o sentido mítico, e apresenta a indicação de uma versão russa (p. 34). Nos Contos de Grimm é o Tom Puce, trad. de Baudry, Contes choisis, p. 145. Gubernatis, na Mitologia Zoológica, t.ii, p. 159 e 160, cita o conto piemontês de Piccolino, e o conto russo de Malciks palcik (dedo mindinho). Nos Contos Populares Portugueses, n.° xxxiii, há uma versão de Bragança intitulada O Grão de Milho. Há outra versão ialiana, de Pitré: Una variante toscana delia novella del Petit Poucet.Nos Contos Populares da Córsega, traz Ortoili, sob o n.° xiv: Ditu migliulella, sobre o tema de Poucet; variante toscana de Sabatini (Riv. lett.popolare, vol. i, fase. ii); Gubernatis, Pulce, (Novelle di Santo Stefano, n.° 2); versão toscana de Pitré, Cecino; versão livomesa e úmbria, Cecio; Monaci e Gianandrea, variante, estudo do ciclo desta novela. Milá y Fontanals, Maspons y Labrós, trazem versões catalãs, El hijo menor e Le noy petit Krauss; Cantos e Contos dos Eslavos do Sul, variante, e Damerling, traduzida no Florilégio de Gubernatis, p. 235: Pellicino, elemento do vasto ciclo dos Dois ou dos Três Irmãos. Na tradição popular do Minho tem o título sinificativo O Dedo Polegar. Nos contos populares de Lorraine, t.ii, p. 147, Petit Poucet, apresenta Emm. Cosquin numerosos paradigmas.

Caiu-me na minha catulinha

377De uma vez andava uma galinha a esgravatar no chão, e caiu-lhe um bocado de caliça em cima da cabeça; a galinha espantada botou a fugir, e encontrou um galo, que lhe perguntou:

– Para onde vais a fugir, comadre galinha?

378Ela respondeu:

– Caiu-me na minha catulinha! É o céu que está a cair aos pedaços.

379O galo pôs-se também a fugir com a galinha; encontraram um porco, que andava à landra, e assim que os viu, perguntou:

– Para onde ides a fugir? tão asinha?

– Caiu-me na minha catulinha. Está o céu a cair aos pedaços.

380O porco também foi com ele; encontraram um gato, que lhe perguntou:

– Para onde ides a fugir tão asinha?

381Respondeu a galinha:

– Caiu-me na minha catulinha! Está o céu a vir abaixo aos pedaços.

382O gato foi também a fugir com eles todos; e assim foram encontrando um pato, uma raposa, uma cabra, uma ovelha que iam todos juntos por esse mundo fora. Até que encontraram um cão, que lhes perguntou:

– Para onde é que vai toda esta romaria?

383Respondeu a galinha:

– E o céu que está caindo aos pedaços. Caiu-me na minha catulinha.

384Todos os animais diziam que nada tinham visto, mas que era a galinha que lho dizia. Disse então o cão:

– Não vão para diante, e fiquem aqui debaixo da cama com a minha velha, até ver em que as coisas param. Lá ficaram. A velha, de noite, coçava-se com as pulgas, e a cama rangia. Os animais com medo de que caísse o céu aos pedaços, faziam muita bulha,

A galinha cacarejava, e o galo cantarolava, e o porco roncava, e o gato miava, e o pato grasnava, a raposa regougava, a cabra berrava, a ovelha balava, o cão ladrava, e a velha dizia:
– Mal hajas, tu cão,
Que não agradeces
O bem que te fão.
(Porto)

385NOTA–Acha-se também nos Contes populaires de la Grande Bretagne, de Brueyre, p. 377. Na Biblioteca das Tradições Populares Espanholas, vol. iv, p. 101.

Casar e descasar

386Um lavrador rico tinha só uma filha, que era muito linda; uma noite falando com a sua mulher, quando já estava tudo sossegado em casa, disse-lhe:

– A nossa filha já está casadoira, e nós temos uns bens bons, que hão-de ficar para ela, e faz minga de lhe dar um marido que seja capaz.

– Ora quem há-de ser? Disse a mulher:

– Eu cá já tenho um de olho. É o filho daquele lavrador que mora ali ao cabo da vila.

– Lá esse também me parece bom rapaz, e não tenho que lhe dizer.

387A rapariga que ainda estava acordada, ouviu tudo, e no outro dia quando o pai e a mãe estavam no campo a apanhar os feijões, pôs-se à janela e quando viu passar o noivo, disse:

– Entra cá, Manuel. Sabes que mais? Meu pai quer-me casar contigo.

388O rapaz entrou para dentro, e disse:

– Também eu quero; e então vamos a isso.

389A rapariga era babana e esteve pelos actos. Quando ele se foi embora, a rapariga foi levar o jantar ao campo, e disse muito contente:

– Meu pai, eu já casei com o filho do lavrador do cabo da vila.

390O pai ficou muito admirado, e assim que soube a verdade do acontecido, pôs-se a berrar desesperado e quis-lhe bater. No dia seguinte, ela põe-se muito triste à janela, e assim que viu passar o rapaz chamou por ele:

– Entra cá, Manuel. Meu pai não gostou do nosso casamento, e então é preciso que a gente se descase.

– Vamos a isso. As coisas desfazem-se do mesmo feitio que se fazem.

391Tornou a rapariga ao campo a levar o jantar e contou tudo ao pai, que já se tinha descasado. Ele ficou ainda mais desesperado e desta vez bateu-lhe a valer. Quando foi falar com o lavrador a respeito do casamento da filha, já o rapaz estava embeiçado com outra, e com o casamento ajustado. A moça não ficou triste nem alegre, e esperou o dia do casamento. Ora naquela terra era costume darem um jantar em casa do padrinho antes de os noivos se irem arreceber; quando estavam à mesa, apareceu a moça que se tinha descasado, muito asseada, com todo o ouro que tinha, e pegou num copo e fez uma saúde, dizendo:

Venho aqui brindar
O noivo que se casa
E torna a descasar.

392E repetia isto a todo o propósito. A noiva que ouviu, perguntou ao rapaz o que é que queria aquilo dizer? Ele contou-lhe tudo; vai ela e diz:

– Sempre é muito tola, não é? Eu cá trago um filho do nosso abade, e nem meu pai nem minha mãe o sabem.

393O rapaz caiu em si a tempo; e disse para os convidados:

– Meus senhores, quero-lhes fazer uma pergunta: Quem tinha uma chave de ouro e a perdeu, e se serve com uma de prata, se tornar a achar a de ouro deve deitá-la fora?

394Responderam os convidados:

– Deve querer antes a chave de ouro.

– Pois é o que eu faço.

395E o filho do lavrador saiu pela porta fora e foi tratar de se receber com a rapariga inocente de que a ressabiada tinha feito chacota.

396(Minho–A irão)

O cego e o moço

397Um cego andava pedindo esmola pela mão de um moço; a uma porta deram-lhe um naco de pão e um bocado de linguiça. O moço pegou no pão e deu-o ao cego para metê-lo na sacola, e ia comendo a linguiça muito à sorrelfa. O cego, desconfiado, pelo caminho começa a bradar com o moço:

– Ó grande tratante, cheira-me a linguiça! Acolá deram-me linguiça e tu só me entregaste o pão.

– Pela minha salvação, que não deram senão pão.

– Mas cheira-me a linguiça, refinado larápio!

398E começou a bater com o bordão no moço pancadas de criar bicho. O moço era ladino e disse lá para si que o cego lhas havia de pagar. Quando iam por uns campos onde estavam uns sobreiros, o moço embicou o cego para um tronco, e grita-lhe:

– Salta, que é rego.

399O cego vai para saltar e bate com os focinhos no sobreiro. Grita ele:

– Ó rapaz do diabo! Que te racho.

400Diz-lhe ele:

– Pois cheira-lhe o pão a linguiça,
E não lhe cheira o sobreiro à cortiça?
(Porto)

401NOTA–Esta facécia popular acha-se com variantes na Hora de Recreio, do padre João Baptista de Castro, t.i, p. 123: O Cego e o Moço Comendo Uvas.

O cego e o mealheiro

402Era uma vez um cego que tinha ajuntado no peditório uma boa quantia de moedas. Para que ninguém lhas roubasse, tinhas-as metido dentro de uma panela, que guardava enterrada no quintal, debaixo de uma figueira. Ele lá sabia o lugar, e quando ajuntava outra boa maquia, desenterrava a panela, contava tudo e tornava a esconder o seu tesouro. Um vizinho espreitou-o, viu onde é que ele enterrava a panela, e foi lá e roubou tudo. Quando o cego deu pela falta, ficou muito calado, mas começou a dar voltas ao miolo para ver se arranjava estrangeirinha para tornar a apanhar o seu dinheiro. Pôs-se a considerar quem seria o ladrão, e achou lá para si que era por força um vizinho. Tratou de vir à fala, e disse-lhe:

– Olhe, meu amigo, quero-lhe dizer uma coisa muito em particular, que ninguém nos oiça.

– Então que é, Senhor Vizinho?

– Eu ando doente, e isto há viver e morrer; por isso quer-lhe dar parte que tenho algumas moedas enterradas no quintal, dentro de uma panela, mesmo debaixo da figueira. Já se sabe, como não tenho parentes, há-de ficar tudo para vocemecê, que sempre tem sido bom vizinho e me tem tratado bem. Ainda tinha aí num buraco mais umas peças, e quero guardar tudo junto, para o que der e vier.

403O vizinho ouviu aquilo, e agradeceu-lhe muito a sua intenção, e naquela noite tratou logo de ir enterrar outra vez a panela de dinheiro debaixo da figueira, para ver se apanhava o resto das peças ao cego. Quando bem o entendeu, o cego foi ao sítio, encontrou a panela e trouxe-a para casa, e então é que se pôs a fazer uma grande caramunha ao vizinho, dizendo:

– Roubaram-me tudo! Roubaram-me tudo, Senhor Vizinho.

404E daí em diante guardou o seu dinheiro onde ninguém por mais pintado dava com ele.

405(Porto)

406NOTA–Apesar de ser uma simples facécia, tem raízes tradicionais; acha-se no Alívio de Caminhantes, de Timoneda, n.° 49, p. 181, da ed. Ribadaneyra.

O Avarento

407Havia numa terra um homem muito rico, e nenhuma mulher queria casar com ele porque tinha unhas de fome, e era um cheira vinténs. Uma rapariga mais esperta deixou-se conversar por ele, e quando veio a falar-lhe em casamento, respondeu logo que sim! O velho ficou contente, mas disse:

– Menina! eu quero desenganá-la; olhe que na minha casa não se acende lume, e um vintém chega para todas as despesas da semana. Veja lá o que faz.

408A rapariga, que tinha a sua travada, não tornou atrás com a palavra, e casaram. O velho não alargava os cordões à bolsa, dava por conta as castanhas, e o pão secava-o ao sol para ser mais duro e se comer menos. Mas a rapariga, que era ladina, tratou mais foi de comer às escondidas; deu com um falso onde o velho tinha bastante dinheiro, comprava galinhas, depenava-as e guardava as penas em uma arca, para que o velho o não soubesse. Assim ia andando, e estava gorda e rosebunda. O velho, que se mirrava e tinha a pele em cima dos ossos, admirava-se do que via, e disse-lhe:

– Sempre te vai muito bem na minha casa. Olha que as sopas de teu pai nunca te engordaram tanto.

409A rapariga enjoada com a sovinice do velho, não teve mão em si, e respondeu:

– Você sempre é o pai da miséria! Se eu comesse só o que me dá, já tinha morrido umas poucas de vezes. Olhe, quer saber quem me dá estas cores? Veja esta arca.

410E abriu uma grande caixa, que estava cheia até cima de penas de galinha:

– Tenho comido aquilo tudo!

411O velho assim que tal viu, caiu para a banda com um ataque; levaram-no para a cama, e vieram os vizinhos aos gritos da mulher, que fingia que se lamentava. Assim que entraram no quarto, o velho ainda falava, mas só dizia o resto das frases que tinha ouvido:

– Tudo... a minha mulher... Come... Tudo a minha mulher.

412Disse ela para os vizinhos:

– Sejam boas testemunhas, que meu marido diz que deixa tudo à sua mulher.

413O velho morreu com a boca retorcida, e a mulher levantou-se com tudo o que havia em casa, e os parentes do velho ficaram a chuchar no dedo.

414(Porto)

Os três conselhos

415Um pobre rapaz tinha casado, e para arranjar a sua vida logo ao fim do primeiro ano teve de ir servir uns patrões muito longe. Ele era assim bom homem, e pediu ao amo que lhe fosse guardando na mão o dinheiro das soldadas. Ao fim de uns quatro anos já tinha um par de moedas, que lhe chegava para comprar um eidico, e quis voltar para casa. O patrão disse-lhe:

– Qual queres, três bons conselhos que te hão-de servir para toda a vida, ou o teu dinheiro?

– Ele, o dinheiro é sangue, como diz o outro.

– Mas podem roubar-to pelo caminho e matarem-te.

– Pois então venham de lá os conselhos.

416Disse-lhe o patrão:

– O primeiro conselho que te dou é que nunca te metas por atalho, podendo andar pela estrada real.

– Cá me fica para meu governo.

– O segundo, é que nunca pernoites em casa de homem velho casado com mulher nova. Agora o terceiro vem a ser: Nunca te decidas pelas primeiras aparências.

417O rapaz guardou na memória os três conselhos, que representavam todas as suas soldadas; e quando se ia embora, a dona da casa deu-lhe um bolo para o caminho, se tivesse fome; mas que era melhor comê-lo em casa com a mulher, quando lá chegasse. Partiu o homenzinho do Senhor, e encontrou-se na estrada com uns almocreves que levavam uns machos com fazendas; foram-se acompanhando e contando a sua vida, e chegando lá a um ponto da estrada, disse o almocreve que cortava ali por uns atalhos, porque poupava meia hora de caminho. O rapaz foi batendo pela estrada real, e quando ia chegando a um povoado, viu vir o almocreve todo esbaforido sem os machos; tinham-no roubado e espancado na quelha. Disse o moço.

418Já me valeu o primeiro conselho.

419Seguiu o seu caminho, e chegou já de noite a uma venda, onde foi beber uma pinga, e onde tencionava pernoitar; mas quando viu o tavemeiro já homem entrado, e a mulher ainda frescalhuda, pagou e foi andando sempre. Quando chegou à vila, ia lá um reboliço; era que a Justiça andava em busca de um assassino que tinha fugido com a mulher do tavemeiro que fora morto naquela noite. Disse o rapaz lá consigo:

– Bem empregado dinheiro o que me levou o patrão por este conselho.

420E picou o passo, para ainda naquele dia chegar a casa. E lá chegou; quando se ia aproximando da porta, viu dentro de casa um homem, sentado ao lume com a sua mulher! A sua primeira ideia foi ir matar logo ali a ambos. Lembrou-se do conselho, e curtiu consigo a sua dor, e entrou muito fresco pela porta dentro. A mulher veio abraçá-lo, e disse:

– Aqui está meu irmão, que chegou hoje mesmo do Brasil. Que dia! E tu também ao fim de quatro anos!

421Abraçaram-se todos muito contentes, e quando foi a ceia para a mesa, o marido vai a partir o bolo, e aparece-lhe dentro todo o dinheiro das suas soldadas. E por isso diz o outro, ainda há quem faça bem.

422(Porto)

423NOTA–Além da versão oral, temos uma redacção literária nos Contos Proveitosos de Trancoso, do século xiv. No Conde de Lucanor, cap. xlv, fl. 116, há uma versão, indubitavelmente de origem árabe. No Violier des histoires romaines (Gesta Romanorum), cap. 94, uma outra versão moralizada, com notas. No Patrañuelo, de Timoneda, n.° xvii. vem uma história análoga. Vid. n.° 161. Um conto grego-salentino Os Três Conselhos de Salomão, publicado e traduzido por Vito De Palumbo.

O saco das nozes

424O abade de uma freguesia costumava fazer a sua prática aos domingos, e repreendia os costumes do povo conforme lhe dava jeito. De uma vez disse:

– Eu sei que cá na freguesia anda o costume de obedecerem os homens às mulheres, o que é contra os mandatos da escritura, e como diz o outro, vivem como em casa de Gonçalo, onde pode mais a galinha do que o galo. Ora eu tive este ano muitas nozes no passal, e aqui declaro que dou um saco cheio delas ao homem que me mostrar que não anda ao dedo da mulher. Depois da missa quem se achar em sua consciência sem este mau costume, pode ir ao passal buscar as nozes.

425Estava na igreja um homem casado, que era muito ralhão, e que tratava a mulher de mau modo, e em casa ninguém abria bico diante dele; disse para um que estava à sua beira:

– Nozes, já eu tenho, e é que ninguém mas tira; pelo menos ninguém cá da freguesia mas tira.

426Chegado ao fim da missa apresentou-se em casa do abade:

– Aqui estou, senhor meu; não há aí ninguém pela freguesia que seja capaz de dizer que a minha casa é como a de Gonçalo.

– Eu bem sei o teu viver. E pelo que me têm dito, levas as nozes. Anda cá encher o saco.

427O homem entrou, e puxou de um saco meão; diz-lhe o abade:

– Ó homem, tu não tinhas lá outro saco maior do que isso?

– Tinha, sim senhor.

– Então porque não trouxeste um saco bem grande?

– Oh senhor, eu trazia; mas lá a companheira começou a dizer que era vergonha, teimou que trouxesse um mais maneirinho…

– Ah, grande tratante! despeja-me já essas nozes, que não levas daqui nada. Anda, tudo, tudo e põe-te já no olho da rua.

428O homem foi-se arrepelando por lhe ter fugido a língua para a verdade.

429(Porto)

O sapateiro pobre

430Havia um sapateiro, que trabalhava à porta de casa, e todo o santíssimo dia cantava; tinha muitos filhos, que andavam rotinhos pela rua, pela muita pobreza, e à noite enquanto a mulher fazia a ceia, o homem puxava da viola e tocava os seus batuques muito contente. Defronte dele morava um ricaço, que reparou naquele viver, e teve pelo sapateiro tal compaixão, que lhe mandou dar um saco de dinheiro, porque o queria fazer feliz.

431O sapateiro lá ficou admirado; pegou no dinheiro e à noite fechou-se com a mulher para o contarem. Naquela noite o sapateiro já não tocou viola; as crianças andavam a brincar pela casa e faziam barulho, fizeram-no errar a conta e ele teve de lhes bater, e ouviu-se uma choradeira, como nunca tinham feito quando tinham mais fome. Dizia a mulher:

– E agora, o que havemos nós de fazer a tanto dinheiro?

– Enterra-se.

– Perdemo-lhe depois o tino; é melhor metê-lo na arca.

– Mas podem furtá-lo. O melhor é pô-lo a render.

– Ora isso é ser onzeneiro.

– Então levantam-se as casas, e fazem-se de sobrado, e depois arranjo a oficina toda pintadinha.

– Isso não tem nada com a obra; o melhor era comprarmos uns campinhos; eu sou filha de lavrador e puxa-me o corpo para o campo.

– Nessa não caio eu.

– Pois o que me faz conta é ter terra; tudo o mais é vento.

432As coisas foram-se azedando, palavra puxa palavra, o homem zanga-se, atiça duas solhas na mulher, berreiro de uma banda, berreiro de outra, naquela noite não pregaram olho. O vizinho ricaço reparava em tudo, e não sabia explicar aquela mudança. Por fim o sapateiro disse à mulher:

– Sabes que mais, o dinheiro tirou-nos a nossa antiga alegria! O melhor era ir levá-lo outra vez ao vizinho dali defronte, e que nos deixe cá com aquela pobreza que nos fazia amigos um do outro.

433A mulher abraçou aquilo com ambas as mãos e o sapateiro com vontade de recobrar a sua alegria e a da mulher e dos filhos, foi entregar o dinheiro e voltou para a sua tripeça a cantar e trabalhar como o costume.

434(Porto)

O sinal da nobreza

435Chegou-se um pobre ao pé de um indivíduo que parecia asseado, e reparando-lhe para o pescoço, disse:

– Dê-me licença de lhe tirar uma pulga.

436O outro consentiu, e assim que viu a pulga, meteu a mão na algibeira e deu um pinto ao pobre em recompensa.

437Um outro pobre que observou o acontecido, entendeu para si que se ele dava um pinto a quem lhe tirava uma pulga, o que não daria a quem lhe achasse um piolho.

438Aproximou-se também do indivíduo, e disse:

– Dê-me licença, o senhor, de lhe tirar um piolho do casaco.

439De facto tirou-lhe um piolho, mas o homem não lhe deu nada, e repeliu-o.

– Então o senhor dá um pinto a quem lhe tira uma pulga, e escorraça quem lhe cata um piolho?

– É verdade; você fique sabendo que as pulgas são dos cães, e os piolhos dos fidalgos.

440E foi-se andando como quem estava certo da sua nobreza.

441(Porto)

A estátua que come

442Havia numa igreja uma estátua de mármore que estava com a boca aberta. Uns homens começaram a falar ao pé dela, e disse um:

– Está há tantos anos com a boca aberta, sem ninguém lhe dar de comer.

– Pois se ela quiser de comer, que venha à minha casa.

443Ora o que disse isto era muito pobre; à noite quando chegou a casa, bateram-lhe à porta, e era a estátua que dizia que estava ali para cear com ele. O homem atrapalhou-se alguma coisa, e respondeu-lhe a verdade, que não tinha que cear porque era muito pobre.

– Pois vai pedir por esse mundo, até teres que me dar a comer.

444Dizendo isto, a estátua foi-se embora, e o pobre homem não pôde mais ficar sossegado e foi pedir por esse mundo. Passado muito tempo estava rico, e veio outra vez à sua terra, procurou a sua casa, e viu outras no seu lugar, e todos lhe diziam que já não se lembravam de se terem feito obras naquele local. Foi à igreja e viu ainda lá a estátua que tinha convidado, e quando se foi chegando para ela, viu-lhe ainda a boca aberta, e pensou consigo:

– Eu convidei-a há tanto tempo, que ela já não me conhece.

445E aproximando-se mais, ouviu a estátua dizer:

– Bem te conheço, e agora que estás rico é que virás cear comigo.

446E caiu-lhe em cima, e matou-o.

447(Sardoal)

448NOTA–Convém aproximar esta lenda do conto da Mirra, p. 196, para se completarem os elementos da lenda de Dom João em Portugal. No n.° v do Positivismo, vol. iv, vem um estudo acerca dos vestígios míticos desta tradição.

As adivinhas em anexins

449Um rei quis experimentar o juízo de três conselheiros que tinha, e indo a passear com eles encontrou um velho a trabalhar num campo, e saudou-o:

– Muita neve vai na serra!

450Respondeu o velho com a cara alegre:

– Já, senhor, é tempo dela.

451Os conselheiros ficaram a olhar uns para os outros, porque era Verão, e não percebiam o que o velho e o rei queriam dizer na sua. O rei fez-lhe outra pergunta:

– Quantas vezes te ardeu a casa?

– Já, senhor, por duas vezes.

– E quantas contas ser depenado?

– Ainda me faltam três vezes.

452Mais pasmados ficaram os conselheiros; o rei disse para o velho:

– Pois se cá te vierem três patos, depena-os tu.

– Depenarei, Real Senhor, porque assim o manda.

453O rei seguiu seu caminho a mofar da sabedoria dos conselheiros, e que os ia despedir do seu serviço se lhe não soubessem explicar a conversa que tivera com o velho. Eles, querendo campar por espertos, foram ter com o velho para explicar a conversa; o velho respondeu:

– Explico tudo, mas só se se despirem e me derem a roupa e o dinheiro que trazem:

454Não tiveram outro remédio senão obedecer: o velho disse:

– Olhem: «Muita neve vai na serra», é porque eu estou cheio de cabelos brancos; «já é tempo dela», é porque tenho idade para isso. «Quantas vezes me ardeu a casa?» é porque diz lá o ditado: «Quantas vezes te ardeu a casa? Quantas casei a filha.» E como já casei duas filhas sei o que isso custa. «E quantas vezes conto ser depenado?» é que ainda tenho três filhas solteiras e lá diz o outro:

Quem casa filha
Depenado fica.

455Agora os três patos que me mandou o rei são Vossas Mercês, que se despiram e me deram os seus fatos para lhes explicar tudo.

456Os conselheiros do rei iam-se zangando, quando o rei apareceu, e disse que se eles quisessem voltar para o palácio vestidos que se haviam ali obrigar a darem três dotes bons para o casamento das outras três filhas do velho lavrador.

457(Porto)

458NOTA–Nos Adágios, do padre António Delicado, do século xvii, vêm estes anexins a pág. 44, o que nos determina certa antiguidade da facécia. Há uma variante nos Contos Infantis.

A princesa Carlota (Grisélidis)

459Havia um rei que era solteiro, e os conselheiros instavam com ele, que se casasse, para deixar sucessores ao trono. O rei era amigo de caçar, e sempre que saía passava defronte de uma cabana, onde morava um velho pastor e sua formosa filha, chamada Carlota. Um dia disse o rei do pastor:

– Os meus vassalos querem que eu case, e tu és a única mulher de quem gosto; queres casar comigo?

– Isso não pode ser, senhor; porque eu apenas sou uma pobre pastora.

– É o mesmo, caso contigo; mas com uma condição, de nunca me contrariares nos meus desejos, por menos razoáveis que sejam.

– Estou por tudo que Vossa Majestade me ordenar.

460Realizou-se o casamento. O rei mandou para a cabana do pobre velho fatos de rainha, que ela vestiu, largando os seus trapinhos. Então, disse-lhe o velho pai:

– Guarda esses trapinhos para quando te sejam precisos.

461A filha guardou os trapos em uma caixa, que deixou em poder do pai, e partiu para o palácio.

462Ao fim de nove meses deu à luz uma menina, tão formosa como sua mãe. Passados três dias entrou o rei no quarto da esposa e disse-lhe:

– Trago-te uma triste notícia: os meus vassalos querem que eu mande matar a nossa filha, porque se não conformam ser um dia governados pela filha de uma pastora.

– Vossa Majestade manda, e cumpre-me obedecer, respondeu a rainha, quase a saltarem-lhe as lágrimas dos olhos.

463O rei recebeu a menina e entregou-a a um conselheiro. Tempos depois teve a rainha um filho, que o rei mandou igualmente matar sob o mesmo pretexto.

464Alguns anos depois entrou o rei muito apoquentado no quarto da esposa, e disse-lhe:

– Vou dar-te uma notícia, de todas a mais triste, os meus vassalos estão indignados comigo; não querem que estejas em lugar de rainha, e dizem-me que te expulse do palácio. Por isso, querida Carlota, prepara-te, que tens de voltar para a cabana de teu pai.

– Não se apoquente, Real Senhor; estou pronta a obedecer; parto já.

– Tens que despir os fatos de rainha.

– É o que já vou fazer.

465E a rainha despiu todo o fato ficando em camisa.

– Não dispo a camisa, porque encobre o ventre onde estiveram guardados os nossos filhos. (Disse a rainha).

466O rei nada teve que objectar. Estava o velho pastor à porta da sua choça, quando viu aproximar-se a filha. Recolheu-se logo para dentro, tirou da caixa os antigos trapinhos e levou-os à filha para que os vestisse. Ela vestiu-os sem proferir um queixume. Continuou na antiga vida de pastora. Para ela a sua vida de rainha fora apenas um sonho; lembrava-se muito dos seus filhos e para estes eram todas as suas saudades. Passados anos voltou o rei a casa de Carlota, e disse-lhe que os vassalos instavam com ele, que casasse; e por isso tinha resolvido casar com uma formosa princesa de quinze anos.

– Efectivamente, respondeu a pastora, um rei bom como Vossa Majestade merece ter uma descendência que lhe perpetue o nome.

– Venho pedir-te o favor de voltares ao palácio para dirigires as criadas de cozinha. Bem sabes que a princesa há-de ser acompanhada por fidalgos, e vem igualmente com seu irmão mais novo; quero, portanto, servi-los com lauta mesa.

– Estou pronta, logo que Vossa Majestade ordenar.

– Chegam amanhã; deves ir hoje para o palácio.

467Carlota foi, vestindo um pobre vestido de chita com que costumava ir à igreja. No dia seguinte chegou a noiva e o irmão, com outros fidalgos, e houve à sua chegada grandes festejos. Carlota estava governando na cozinha e aí a foi o rei encontrar.

– Não vens ver a minha noiva?

– Estou esperando quem me substitua aqui, enquanto vou e volto.

468Chegou então uma cozinheira, e Carlota foi cumprimentar a noiva.

– É muito linda! disse Carlota, beijando a mão da noiva: Deus conserve muitos anos a sua preciosa saúde. É digna do rei que vai receber por seu marido.

469A menina ficou estupefacta. Então o rei ajoelhou-se em frente de Carlota, e disse:

– Olha que são os nossos filhos. Quis experimentar o teu coração: és uma pastora que vale mil rainhas.

470Houve então muitos abraços e beijos de parte a parte. O rei mandara os filhos para casa de uma tia, que os educava como príncipes, que eram, em vez de os mandar matar como tinha firmado à rainha.

471(Algarve–Loulé)

472NOTA–Foi coligido da tradição oral pelo Dr. Ataíde de Oliveira nos Contos Populares do Algarve; é de alto interesse, merecendo comparar-se com a versão literária do século xvi. das Histórias de Proveito e Exemplo, de Trancoso, e que adiante se relaciona com a universalidade deste tema tradicional extensamente idealizado na poesia da Idade Média. O povo português conhecia todos esses tesouros.

As cinco profissões

473Em tempos que já lá vão um lavrador mandou ensinar a ler a cinco filhos que tinha; e depois de se acharem prontos para as lidas da vida, tratou de saber que carreira pretendiam seguir. Falou o mais velho:

– Eu cá só queria mandar e fazer andar gente às minhas ordens.

– Pois bem, vais sentar praça para chegares a comandante e mandares a tropa.

– E eu desejo de aprender como é que se esfola gente.

– Bem te entendo; queres ir formar-te em Direito, serás advogado, tratando de demandas, aconselhando os teus constituintes.

– Para mim, o que me servia era saber como se pode matar gente sem crime.

– Vais estudar para médico, já que é essa a tua vocação.

474E olhando para o quarto filho, que estava com um sorriso alvar, perguntou-lhe.

– Dize lá que profissão te agrada mais, para assim te encaminhar?

– Ah, pai! o que eu queria era ter a arte de comer bem e cantar de papo, sem fadigas de trabalho.

– Estás bom para eclesiástico; darás um excelente padre.

475O quinto filho já estava impaciente, e antes de ouvir a pergunta, disse deliberadamente:

– A mim, mande-me para uma profissão que seja muito rendosa.

– Muito rendosa? Explica-te melhor, meu filho.

– Que ajunte muitos bens, mentindo sempre.

– Compreendo o que queres: serás um rico comerciante.

476(Algarve–Albergaria)

A dama verde

477Um príncipe e grande apaixonado da caça levava um conselheiro, que era torto, e muito amigo de dirigir graças às damas. De uma vez encontrou o príncipe uma ermida, e disse para o conselheiro:

– Vamos ali à missa.

478Entraram, e o ermitão disse que esperava a família do lavrador, que dotara aquela ermida, para ir para o altar. Pouco depois chegou o lavrador, e com a família acompanhando uma dama toda vestida de verde e com um véu verde que lhe ocultava o rosto. O príncipe foi-lhe oferecer água benta, dizendo:

Debaixo dessa esperança
Haverá caridade?

479A dama respondeu:

Venha a nós o vosso reino,
Faça-se a vossa vontade.

480O príncipe contou o caso ao conselheiro, que ao findar a missa, foi muito lampeiro oferecer água benta à dama:

Eu morro por cortesias
E também por ser cortês;
Morro por ser lá do Porto,
E por ser bom português.

481A dama respondeu-lhe chacoteando:

Morreis por ser lá do Porto,
E também por serdes torto.

482O conselheiro foi referir a resposta ao príncipe, que se riu muito, e já se achava muito apaixonado pela dama verde. Como não lhe foi possível saber quem ela era, andava muito melancólico; a rainha lembrou-lhe o ir estar uma temporada em casa do tio, que também era rei. Deram-se bailes para distraírem o sobrinho. Apareceu uma noite uma dama vestida de verde. O príncipe teve um grande sobressalto:

– Será a dama que encontrei na capelinha?

– É minha sobrinha. (Disse a rainha, apresentando-a ao príncipe.) Ela tem uma grande predilecção pela cor verde.

483O príncipe para se certificar se seria a mesma que tanto o impressionara, disse-lhe a meia voz:

Debaixo dessa esperança
Cresceu a minha saudade...

484E a dama repetiu com um olhar enternecido:

Venha a nós o vosso reino,
Faça-se a vossa vontade.

485Nessa noite dançaram ambos sempre, casaram e foram muito felizes:

Bendito e louvado,
Meu conto acabado.
(Loulé)

486NOTA–Este conto da tradição do Algarve foi encontrado em Macau em 1868 por António Feliciano Marques, em que o galanteador da dama é Camões: «Galanteava as mulheres às portas das igrejas, recitando-lhes versos, ao dar-lhes água benta; e ainda hoje, entre os versos se repete aqui uma quadra com que uma lhe replicou ao galanteio chamando-lhe vesto (torto) com o que, dizem, Camões quizilou muito, deixando desde então de fazer versos a quem tão mal lhos agradecia.» Marques Pereira não chegou a alcançar a quadra satírica; mas no jornal República Portuguesa do Rio de Janeiro, de1895, n.° 7, conta-se a anedota, com a quadra: «Findo o acto religioso, o inigualável Vate endereçou para o sítio em que ordinariamente passava Maria Cortês, e entregando-lhe o hissope desfechou: Cortesias me tem feito, / Eu morro por ser cortês; / Não sei se por ser do Porto, / Ou por ser bom português.

487A adorável poetisa não se fez esperar e retorquiu: Eu não sei se sois do Porto / Ou se sois bom português; / Só vejo que sois um torto, / E eu Maria Cortês.»

488Do livro CamõesÉpoca e Vida, pp. 614-15, nota. É curioso o processo do sincretismo da tradição; assim como no conto oriental a esposa comparada à Vinha deu lugar à personificação histórica de Petro della Vigna, secretário de Frederico II, dando à situação uma aparência histórica, também o apodo de torto faz lembrar a deformação de Camões, mostrando o poeta identificado com o secretário do Príncipe chasqueado por torto pela Dama Verde.

A Tia Miséria

489Era uma velhinha muito encarquilhada, andrajosa e na mais angustiosa indigência. Parecia que tinha nascido com o mundo. Vivia numa cabana de pedra seca e coberta de colmo e ramalhiça, e por únicos haveres, tinha diante da porta uma pereira sempre assaltada pelos rapazes do lugarejo. De uma vez parou-lhe à porta um peregrino, que lhe pediu pousada; a Tia Miséria deu-lhe a manta com que se cobria, e a única migalha de pão duro que tinha para passar o dia. Quando luziu a aurora, o peregrino despediu-se da Tia Miséria e disse-lhe que pedisse quanto quisesse que tudo lhe seria concedido. Ela pediu bem pouco.

– Uma cousa peço e mais nada.

– Pedi à vontade, tiazinha.

– Peço que quem subir à minha pereira não possa descer sem minha ordem.

– Será cumprido o teu desejo.

490Como os garotos não sabiam do caso, cedo experimentaram o efeito do dom maravilhoso; e choravam, pedindo à Tia Miséria que os deixasse descer da pereira. E a dura lição serviu-lhes, porque as pêras ficaram na pereira, sem serem furtadas. Estava-se nisto, quando à porta da Tia Miséria pára outro viandante, mas com ar sinistro, e agitado.

491Pergunta-lhe a Tia Miséria:

– O que quereis?

– Sou a Morte, e venho buscar-vos.

– Assim tão de repente? Concedei-me mais um anito.

– Não pode ser...

– Pelo menos deixai-me comer aquela última pêra, que está ali esquecida...

– Isso concedo.

– Fazei-me a esmolinha de subir à pereira para eu a colher.

492A Morte subiu, mas a velha pelo dom que recebera, disse logo:

– Fica-te aí, enquanto te não mandar descer.

493E é certo que durante algum tempo não se davam óbitos; e padres, médicos e boticários, andavam descontentes das suas profissões. A Morte teve de entrar em combinação com a Tia Miséria: que a deixasse descer, que lhe poupava a vida. E assim aconteceu; porque a Miséria, enquanto o mundo for mundo há-de existir sempre.

A comadre Morte

494Um pobre trabalhador, carregado de filhos, já tinha vergonha de convidar para padrinhos as pessoas suas conhecidas e de importância. Nasceu-lhe mais um filho, e lançou-se à ventura para convidar para compadre a primeira pessoa que encontrasse. Encontrou uma criatura magra, pálida, amargurada; o pobre homem, pára em frente do desconhecido:

– Muito desejava tê-lo por compadre, para poder baptizar o mais depressa uma criança.

– Não me custa a aceitar o convite; ora você não sabe quem eu sou.

– Não sei; mas por isso mesmo.

– Eu sou a Morte.

– Tanto melhor.

495E caminharam juntos, e nesse mesmo dia se fez o baptizado. A comadre Morte, depois da cerimónia, disse para o homem pobre:

– Já que vives tão apoquentado por falta de recursos vou-te ofertar um dom, que te aproveitará muito e até poderás viver com fartura.

– Ó minha querida comadre!

– É o que te digo. Faze-te cirurgião, e quando visitares os doentes e me vires à cabeceira da cama é sinal de que não escapam; nem Deus nem os santos os salvam. Se me vires aos pés do leito, receita o que quiseres, e parecerá a muitos que são curas milagrosas.

496Assim foi correndo a vida, que o homem como cirurgião acreditado ganhava muito dinheiro.

497Uma vez é chamado para um doente que era riquíssimo; mas, por infelicidade ao visitá-lo, encontrou a comadre Morte à cabeceira. Disse que nada podia fazer, e quis-se ir embora. Agarraram-no, ofereceram-lhe muitas peças de ouro, uma boa saca. O cirurgião teve então uma ideia, para não perder o aquele dinheiro. Mandou virar a cabeceira do doente para os pés. Salvou-o, mas a comadre Morte foi-se embora e jurou vingar-se daquela deslealdade.

498No dia seguinte a Morte foi esperar o comapdre à saída de casa:

– É agora a tua vez:

– Ó comadre Morte, não me mates antes de eu acabar um padre-nosso.

– Pois sim; concedo-te isso.

499O compadre nunca acabava de rezar o padre-nosso; a Morte foi-se embora, cansada de esperar. Daí a dias quando ia ao chamado de um doente encontrou a comadre Morte caída e estatelada na estrada, imóvel, insensível.

– Olha a minha comadre, como ela já está pronta! Sempre lhe quero pagar o bem que me fez. Vou-lhe rezar um padre-nosso pela sua alma. Rezou sinceramente, e logo que o acabou, a Morte ergueu-se:

– Sempre acabaste o padre-nosso, que te concedi. Anda daí comigo.

500E assim acabaram todas as espertezas.

A Esmola do Diabo

501Um negociante que fazia grandes compras de cereais e revendia por diferentes feiras, ganhando muito dinheiro nesse giro, encontrava em uma encruzilhada duas caixas com o letreiro: Esmola para as Santas Almas, e Esmola para o Diabo. Nunca se esquecia nas suas andadas de deixar alguns vinténs na caixa das Almas, e lá ia uns cinco réis para a do Diabo.

502Pernoitando uma noite em uma estalagem, pediu de cear, mas tinha sido tanta a freguesia, que nada lhe trouxeram. Nisto passa uma criada com três ovos cozidos para um hóspede, mas o negociante atravessou-se:

– Ceda-me esses ovos, que os pago pelo dobro.

503A estalajadeira, que era muito astuta acenou à criada, que logo lhe serviu os ovos. O negociante pagou duas vezes o custo dos ovos, e seguiu depois sua jornada. Daí por muito tempo, três ou quatro anos, tomou por aí a passar, para tomar uma refeição, quando lhe aparece a estalajadeira muito lampeira:

– Foi bom passar por aqui, para pagar o custo dos três ovos, que há tempos comeu e ficou devendo.

– Devendo? Está enganada: paguei duas vezes o seu custo, como ajustei.

– Eu boto outras contas. Os três ovos que o senhor comeu, deitados no choco tinham dado ninhadas, que seriam galinhas, que durante esse número de anos, sempre pondo e chocando, fazem indubitavelmente um bom cabedal. Hoje mesmo é o senhor chamado ao tribunal, e o juiz dirá quanto me tem a pagar.

504O negociante saiu para ir consultar um advogado; ia aborrecido e tristonho pela petulante exigência. Encontrou um indivíduo que o abordou, perguntando-lhe se algum grande cuidado o afligia; e conhecendo o caso, disse:

– Eu sou advogado, e conte comigo nessa audiência; é possível que me demore alguns minutos, mas o juiz por certo lhe concederá a espera.

505De facto lá compareceram no tribunal a estalajadeira com suas testemunhas, e o juiz mandou logo abrir a audiência. Acode o negociante:

– Ó Senhor Juiz! Peço espera de alguns minutos, porque o meu advogado não tarda.

– O que o réu quer é chicanar para não pagar o que deve. Não me presto a rabulices.

506Nisto aparece o advogado aforismado:

– Senhor Juiz, demorei-me mais do que queria, porque tive de cozer uns tremoços para os semear...

– Ora essa! então semeam-se tremoços cozidos?

– Pela mesma razão com que de ovos cozidos se tiram pintos.

– O juiz informou-se do caso da estalajadeira e condenou-a; e o advogado disse ao negociante.

– Salvei-te, em louvor das esmolas que me deste.

A sandália de ouro

507Um mercador de grosso trato caiu em pobreza por percalços do negócio, ficando a família na miséria. Tinha uma filha muito formosa, que recusara um rico casamento, sendo entre os pretendentes o maior credor de seu pai. Quando já não tinha mais nada que vencer e forçada pela indigência, a velha mãe mandou pedir uma esmola ao credor que estava senhor de todos os haveres de seu marido; respondeu-lhe vilmente, fazendo o preço de quanto daria para dormir uma noite com a filha.

508A desventurada menina tinha muita devoção em Santo António, e pediu à mãe que a acompanhasse à igreja, e ajoelhando ambas diante do altar do santo, a menina orou com tanto fervor, que este lhe lançou uma das sandálias que tinha aos pés. Ela pegou na sandália e viu-a cheia de jóias preciosíssimas. Foi a uma ourivesaria e ali lhe deram muitos mil cruzados pela jóia. Vieram para casa muito contentes e satisfizeram a fome.

509Logo nessa noite se espalhou que as duas senhoras tinham vendido jóias de grande valor, e como sabiam todos que estavam muito pobres, espalharam que tinham sido roubadas.

510Foram à igreja e viram o santo sem a sua sandália. Deram parte à justiça, e no dia seguinte, quando a mãe e a filha se levantaram viram a casa cercada de soldados. Abriram a porta, e logo entraram o juiz, advogado e mais autoridades que lhes deram voz de prisão.

– Roubaram umas jóias de grande preço.

511Foram à igreja, e a filha do mercador ajoelhando diante da imagem do santo, dirigiu-se-lhe:

– Somos acusadas de roubar jóias: mostrai-lhes que se enganam no mau juízo que fazem de nós.

512Então o santo lançou-lhe a outra sandália também cheia de jóias. Todos viram perfeitamente que fora o santo que assim beneficiara as pobres senhoras, que dali foram para sua casa soltas e livres.

513(Contos Trad. do Algarve, I, p.431.)

Mosteiro de S. André de Ancede

514Como aquele sítio era muito falto de água para beber, trataram os cónegos de mudar o Mosteiro, para o lugar onde hoje está por ser abundante de águas, de que deram conta a el-rei Dom Afonso Henriques para lhe dar alguma ajuda para o novo Mosteiro, o que ouvindo o grande Rei disse:

– Suposto que os cónegos ham Sede, mudem o Mosteiro, que eu os ajudarei.

515«E deste dito de el-rei ficou chamado o Mosteiro de Ancede.»

516(D. Nicolau de S. Maria, Crón. dos Regentes, liv. VI, p. 327.)

Agraça estudantesca

517Três estudantes seguiam para casa em férias, e no caminho encontraram um lobo morto. Pararam, e com gáudio disse um deles:

– Este lobo merece um necrológio.

– Ó se merece! Quem o fizer mais bem feito não pagará o jantar na estalagem.

– Mãos à obra, disse o terceiro, e declamou:

Aquele lobo
Por onde andou,
Quanto comeu
Nada pagou.

518Sai-se o segundo prontamente:

Sim, esse lobo,
No meu sentido.
Comeu só cru,
Nada cozido.

519O estudante do alvitre:

Quando este lobo
Dormia a sesta.
Não dormiu nunca
Uma como esta.

520E rematando o necrológio pelas mesmas consoantes:

Eis aí um lobo,
Pelo que manifesta.
Das suas jornadas
A pior foi esta.

521Cada um dos estudantes queria que a sua quadra tivesse mais chiste e enredaram-se em questiúnculas; não podendo chegar a acordo, foram a casa do juiz da terra, que os ouviu atentamente; e concluiu:

– Estão todas as quadras bem feitas, com pilhas de graça; e

Pelo que os senhores dizem,
E eu vejo nos autos
Os três paguem o jantar
E comeremos quatro.

522Os estudantes aceitaram a sentença, mas combinaram pregar uma peça ao juiz, e foram adiante à estalagem para que cozessem um paio e o pusessem partido na mesa em três partes. Sentaram-se os quatro à mesa, e um dos estudantes espetou logo o garfo num dos bocados, dizendo:

Em nome do Padre
Este me cabe.

523O segundo fez o mesmo, e nomeou:

Em nome do Filho
Este comigo.

524O juiz, com acção executiva, agarra o último pedaço:

Em nome do Espírito Santo
Antes que fique em branco.

525O juiz lembrou-se a tempo do tempo que fora estudante.

A mulher teimosa

526Um homem era casado com uma mulher tão teimosa, que já a não podia aturar; uma vez trouxe para casa um queijo, e puseram-se ambos à mesa para jantar. Foram para partir o queijo, e disse o homem que era preciso uma faca. A mulher, teimosa, começou a porfiar que o queijo se partia com a tesoura. Teimam que teimam, o homem pega a bater na mulher, e a perguntar:

– Com que se parte o queijo?

– Com a tesoura! – respondia ela quanto mais ele lhe batia.

527Por fim, o homem desesperado, deitou-a ao poço, e como ela já não podia falar com a cabeça debaixo de água, ainda fazia com os dedos da mão, que estava de fora, o gesto imitando as pernas da tesoura cortando.

528(Porto)

529NOTA–Edelestand du Méril, na Histoire de la fable esopique, (nas Poésies inédites du Moyen-Age, p. 154, not.5) cita um manuscrito da Biblioteca de Bruxelas, do século xv, no qual se acha esta mesma fábula com o título De homine et uxore litigiosa. Transcrevemos a peripécia final: «Illa, autem, quia jam linguam amiserat et loqui non potuit, signo quo valuit, pertinaciam ostendit, forcipi formam et officium digitis ostentans.» Também se lê na Sobremesa y Alivio de Caminantes, cent.I.

O Jogo do Pira

530Um estudante queria comer sem pagar, e andando uma vez à tuna foi parar casa de uma estalajadeira, onde pediu tudo o que lhe apeteceu. Depois bem comido, tratou de se safar, e propôs à estalajadeira que lhe ensinaria um jogo novo muito bonito.

– Então como é o jogo?

531Disse-lhe o estudante:

– Segure neste novelo, e deixe-me a ponta da linha porque é o Jogo da Pira. Ora veja como é que se joga.

532Ele começa a puxar a linha, andando de costas para a porta, e a dizer:

– Pira, pira, pira. Foi saindo e assim que se apanhou na rua, bota a correr dizendo:

– Pira por aqui abaixo.

533E ninguém mais o apanhou.

534(Porto)

535NOTA–Este conto acha-se no século xvi em um comédia do célebre Giordano Bruno, intitulada Candelajo; Barra, que é um freguês, para não pagar na taverna, propõe vários jogos, que são sucessivamente rejeitados, e por fim propõe darem uma carreira, o que lhe serve de pretexto para se escapulir. No século xviii este conto teve também uma nova forma dramática, na comédia de cordel O Galego Lorpa ou os Tolineiros. Vid. História do Teatro Português, t.iii.

O caso do Tio Jorge Coutinho

536Era uma vez uma mulher, que era casada e tinha um amigo, e quando o marido ia para o trabalho mandava chamar o amigo. Passou um pequeno, e ela disse-lhe:

Ó rapaz, que és mui malino,
Queres-me ir a um recadinho?
– Sim senhora, vou depressa;
Mas guarde-me essa panela.
Vai a casa do tio Jorge,
Que a tua tia Guiomar
Que te manda lá dizer
Que me venha cá falar;
Que o marido não ’stá em casa,
Pois ele foi trabalhar;
Que te dê lá o convite,
Que eu não tenho que te dar.

537O rapaz foi, e disse:

– Ó meu tio Jorge Coutinho,
Diz minha tia Guiomar,
Que lhe vá lá falar,
Que o marido não ’stá em casa,
Pois ele foi trabalhar;
Que me dê cá o convite
Que ela não tem que me dar.
– Rapaz, tu vens-me enganar,
Que ela havia de te pagar!
– Se eu engano a meu tio
Deus do céu permitirá
Que o marido cedo venha
E ache meu tio lá.

538O homem foi ter com ela; quando a mulher depois foi vigiar para ele sair, viu o marido pela rua abaixo:

Aqui d’el-rei, quem me acode
Que eu morro sem confissão,
Que aqui vem o meu marido,
Mas vem co’os pés pelo chão.
– Se a comadre me encobre,
Ou por artes ou por manha,
Eu hei-de-lhe dar em Janeiro
Cinco quartas de baganha.
Meu compadre bem sabe
Que eu sou segredeira,
O que me caiu no papo
Caiu-me na coalheira.
– Deus venha com meu compadre,
Vem em boa ocasião,
Estamos fazendo uma posta
Para ganhar um tostão.
– Quem mo dera pr’a tabaco,
E Deus sabe a precisão.
– É meu compadre meter
A cabeça neste talhão.

539E depois ele meteu a cabeça no talhão, e o amigo da mulher saiu para a rua. Agora vem o rapaz:

– Ó minha tia Guiomar,
Dê-me cá a minha panela
Mais o convite com ela.

540Diz o marido:

– Não me dirás tu, mulher,
Aquele rapaz que quer?
Por ir a uma brasa de lume
Quer convite, e faz queixume.

541Diz-lhe agora o rapaz:

– Bota lá poses nos olhos
A esse pobre inocente,
Quem quiser alcoviteiros
Há-de-lhe pagar adiente.

542Agora a mulher disse ao marido:

– Toma lá esta barretinha
Chega à porta, põe-a e tira-a
E dize esta cantiga:
É gosto meu,
E de minha mulher:
Há-de entrar e sair
Quantas vezes quiser.

543Agora respondem os vizinhos:

Quem o é, e consente
É bem que lho chamem sempre;
Quem não consente e não sabe
Deus tenha dele piedade.
(Ilha de S. Miguel–Ponta Delgada)

544NOTA– Recebemos esta facécia coligida na ilha de S. Miguel pelo falecido zoologista açoriano Francisco de Arruda Furtado. Conhecíamo-la em prosa. Existe um pequeno fabliau sobre esta aventura, na literatura francesa da Idade Média.

Os dois irmãos e a mulher morta

545Eram dois irmãos, um rico, e o outro pobre: casaram, mas o pobre tinha muitos filhos, e o rico nenhum. Estavam de mal um com o outro, por intrigas da mulher do que era rico, que se envergonhava daqueles cunhados, e demais a mais compadres. Vai de uma vez o rico trazia umas manadas no campo, e uma rês transviou-se e foi cair num barrocal e lá ficou morta. Os filhos do pobre quando vieram do mato foram contar o caso à mãe:

– Pois ide lá ao barrocal buscar o novilho, porque assim sempre teremos comer.

546Os rapazes foram, fizeram-no em postas e trouxeram tudo para casa. A mulher do rico desconfiou, e disse ao marido que fosse a casa do irmão saber como aquilo era.

– Como é que hei-de ir lá? Bem sabes que estou de mal com meu irmão, desde as partilhas. E demais, como é que se pode saber se foram os meus sobrinhos que espotejaram o novilho?

– Pois juro que foram os teus sobrinhos que roubaram a carne; foram, e sou eu que hei-de pôr tudo em pratos limpos.

– Não sei de que feitio.

– Não sabes? Pois mete-me neste caixão, deixa-lhe um buraco para eu espreitar, e vai a casa de teu irmão pedir para o guardar.

– Com essa me rio eu. Pois com que pé hei-de ir pedir a meu irmão para me guardar a caixa, estando nós desavindos?

– Tu não sabes da missa a metade. Vai ao compadre e dize-lhe que chegou tropa, e temos aquartelados em casa, e com medo do que der e vier lhe pedes para te guardar a caixa.

547Dito e feito. O irmão pobre esteve por tudo e ficou muito glorioso de guardar a caixa das riquezas do irmão que sempre o desprezara; puseram-a junto da lareira. Como era já de noite, o rico despediu-se, e nisto começaram os rapazes seus sobrinhos a fazer-lhe figas nas costas, e a gritar:

– Hoje há carne assada! Hoje há carne assada! O novilho chega para todos tomarem uma barrigada.

548A mulher do irmão rico deu um estremeção dentro da caixa, com raiva. Os rapazes calaram-se e disseram uns para os outros:

– Estão ratos na caixa.

– Deixá-los, vamos nós comendo; a estas horas a mulher de meu irmão está roendo as unhas de perra que ela é.

549Nisto a comadre deu outro estremeção de furiosa.

– A caixa está cheia de ratos, com certeza.

– Bota-se-lhe água a ferver.

– Mas por onde?

– Aqui está um buraco. Foi por onde eles entraram.

550Vão à panela da água para os pés e despejaram-na para dentro da caixa. A comadre e tia, que estava dentro dela, morreu sem tugir nem mugir.

551O irmão rico estava com curiosidade de saber da experiência e foi buscar a caixa; o irmão pobre entregou-lha logo. Pelo caminho já lhe perguntava:

– Sempre foram eles que roubaram a carne?

552Nada. Chegou a casa e quando abriu o caixão deu com a mulher morta, e negra com as escaldaduras.

– Ai, que ela morreu excomungada! Foi castigo de levantar esse aleive a meu irmão.

553Tratou-se do enterro, e a mulher foi depositada na igreja para se lhe fazerem os ofícios ao outro dia. Disse então o irmão pobre para a mulher:

– Se eu fosse de noite à igreja, tirava as jóias que a excomungada leva para a cova.

– Lá isso faz pena ver estragar dinheiro.

554O homem lá se introduziu conforme pôde na igreja, e fez uma trouxa de tudo que pôde tirar à comadre excomungada. Não contente pegou no corpo e foi encostá-lo ao altar-mor, com o missal aberto diante. Quando o sacristão veio de manhã ficou de queixo caído e correu a dar parte ao pároco da freguesia. Este foi entender-se com o marido da defunta que pagou bem os exorcismos, e o corpo enterrou-se logo depois de vestido e enfeitado com mais jóias. O compadre pobre lembrou-se de ir furtar tudo isto ao cemitério. De noite, quando estava desenterrando a excomungada, ouviu vozes ao pé do cemitério. Pôs-se a escutar, e pelo que pescou, viu que eram estudantes que vinham de furtar um porco, e o tinham pousado em cima do cemitério. Diz agora um deles:

– Falta-me o relógio! E esta? Vou por ele.

– Eu vou contigo. Não há perigo que ninguém nos venha aqui tirar o porco.

555O pobre assim que não sentiu ninguém foi ao lugar onde pousaram o porco, e tirou-o de dentro de um saco, onde estava, meteu dentro a excomungada, deixou-a ficar e safou-se com o porco para casa. Quando os estudantes vieram, pegaram no saco, e foram ter a casa de uma taberneira para lhes arranjar uma ceia; vão para abrir o saco e dão com a mulher morta. A estalajadeira berrou logo:

– Ai, que ela é a excomungada!

– E agora? Como nos havemos de livrar desta? É a excomungada que se enterrou esta manhã.

– Vamos pô-la aí à porta de qualquer figurão da terra.

556Pegaram nela e foram pô-la inteiriçada a uma porta; o corpo foi escorregando, escorregando, até que embarrou na aldraba da porta e fez barulho. Falaram de dentro, mas como ninguém respondia vieram à janela. Viram um vulto, e pensando que estava a gazuar a porta, abriram-a de repente e deram-lhe muita pancada. O corpo caiu. O dono da casa pensou que o tinha matado, e para se ver livre da justiça, montou o corpo em cima de um burro e pô-lo a caminho para a feira. Ao passar pela porta do compadre pobre, diz ele para a mulher:

– Ainda aqui me aparece a excomungada. Desta vez sempre se ganha um burro.

557E pegou no corpo e foi pô-lo num cerrado do padre. Quando o padre o soube foi exorcismá-lo montado na burra do sacristão, porque este o tinha avisado de que a excomungada andava no cavalo que pastava no cerrado. Assim que o cavalo viu a burra, correu atrás dela; o padre foge, a burra segue o caminho de casa, e ao entrar pela estrebaria dentro, o padre bate com a cabeça na padieira ao tempo que o cavalo chega com o corpo da excomungada. O padre quebrou a cabeça e morreu, e todos disseram que tinha sido a excomungada que lhe caiu em cima. O irmão rico pensou que a alma da mulher andava penada, e para a despenar foi ter com o irmão e deu-lhe os bens que lhe tinha roubado e ainda muito dinheiro.

558(Alentejo)

559NOTA–Acha-se publicado no Elvense, n.os 205, 205 e 206, iii ano, com uma redacção literária que prejudica o seu valor tradicional. Pertence ao ciclo do Frade Morto, aqui substituído por uma cunhada, o que é uma circunstância acidental. Há cinco versões portuguesas do Frade Morto; na tradição peninsular acha-se no Patranuelo de Timoneda, n.° iii; no Fabliau du prête qu’on porte (Hist.littéraire de la France, t.xxiii, p. 141); na antiga tradição italiana: Cinquante Novelle de Masuccio, n.° 1; e modernamente acha-se coligido por Pitré, nos Fiabe e Racconti, n.° 165: Fra Ghinipera. Na colecção dos Contos Russos, de Erlenwein, n.° 17, acha-se a tradição do frade morto. (Gubematis, Myth. zoologique, t.ii, p. 214).

560– Na Baixa Normandia: Le pauvre et le riche (Jean Fleury);

561– Cosquin, nos Contos Populares de Lorena: René et son seigneur;

562– Conto calmuco, trad. por Gubematis, Myth. zoologique, i, 141.

Os três patrões

563Um rapaz foi oferecer-se para criado a casa de um lavrador; à noite, quando foram cear, deram-lhe uma tigela de caldo. Diz ele:

– Ó meu amo, o caldo está muito quente.

– Pois sopra-lhe.

564No dia seguinte o rapaz despediu-se, entendendo lá para si que lhe não convinha servir naquela casa, onde nem tempo dariam para comer. Foi-se oferecer a casa de outro lavrador; aconteceu a mesma cousa; ao começar a comer o caldo, disse:

– Ó meu amo, o caldo está muito quente.

– Pois espera que arrefeça.

565O moço também resolveu não ficar servindo naquela casa, cuidando que lhe dariam tempo sem mais nada. Foi-se embora ao outro dia, e chegou a casa de outro lavrador, que o tomou para o serviço. À ceia disse o moço:

– Ó meu amo, o caldo está muito quente.

– Pois miga-lhe broa.

566O rapaz disse lá para si, que aquela era a casa que lhe convinha, e ali se deixou ficar.

567(A irão)

Para quem canta o cuco?

568Dois vizinhos ouviram cantar o cuco, e tomaram como agouro que era sinal de infidelidade de suas mulheres. Disse um:

– O cuco cantou mas foi para ti.

– Nada, isso não pode ser. Para ti é que ele cantou.

569Pegam de teimar, e como nenhum cedia resolveram ir consultar um letrado. Chegaram lá, o letrado ouviu-os, e depois de botar a livraria abaixo, disse:

– Deposite cada um dois pintos antes de tudo.

570Os vizinhos entregaram o dinheiro ao letrado, ansiosos de ouvirem a sua sorte; e depois que ele meteu os pintos na algibeira, fingiu um semblante triste, e disse:

– Vão-se embora na paz do Senhor, porque para mim é que cantou o cuco.

571(Porto)

572NOTA–Acha-se esta facécia na colecção quinhentista de Timoneda, Sobremesa e Alivio de caminantes, conto 57. (Ed. Ribadaneyra, p. 181).

Dichote galego

573Um galego estava ao lume a ferver leite, e quando ele começava a vir acima, dizia:

Deus te acrexente
Para chegar para mais xente.

574Por fim a efervescência foi mais forte, e o leite derramou-se todo; o galego, zangado, exclama:

E tanto te acrescentou
Que até o diemo te levou
(Sardoal)

Tudo andaremos

575Um marido desalmado batia na mulher, que estando já tão acostumada àquela malhadeira, tomava tudo em desconto dos seus pecados. De uma vez o marido tinha-lhe dado muitas pancadas na cabeça, na cara e no peito, e a desgraçada exclamava:

– Homem! Bate-me antes nas costas.

– Deixa estar, que tudo lo andaremos.

576(Porto)

A mulher que cegou o marido

577Uma mulher andava desencaminhada, e foi consultar uma vizinha para achar modo de cegar o marido.

578Este veio a sabê-lo, e disse à vizinha que lhe desse como receita infalível, que dando a comer galinha cozida ao marido, ele iria cegando pouco a pouco sem dar por isso.

579Assim fez a mulher desencaminhada; ao primeiro pretexto, disse ao marido que era bom comer galinha cozida.

– Já que é remédio, comerei galinha.

580Depois de ter comido, o homem fingiu que estava um pouco com a vista turva. A mulher continuou a dar-lhe mais galinha, e quando o marido já estava enjoado de comer tantas galinhas é que se fingiu cego de todo.

581A mulher estava bem certa de que o marido era cego, e deu entrada ao amante; mas quando eles estavam mais seguros, é que o marido cobrou a vista, desancando-os como quem malha em centeio verde.

582(Airão)

583NOTA–Aparece este conto no Pantchatantra, (Vid. trad. francesa de Lancereau, p. 256) com o título O Brâmane e Sua Mulher.

O tolo e as moscas

584Um maluquinho trazia a cabeça rapada, e não podia suportar as picadelas das moscas; lembrou-se de apresentar uma queixa contra elas ao juiz, que o atendeu para o desfrutar. O juiz deu por sentença, que onde quer que visse uma mosca podia usar do direito de legítima defesa atirando-lhe uma pancada. O maluquinho confirmou a sentença, fazendo que o juiz a repetisse. Nisto poisa uma mosca na cabeça do juiz; o tolo acerta-lhe uma pancada e o juiz caiu para a banda. Prenderam-no, mas o parvo defendeu-se com a sentença, e não tiveram outro remédio senão mandá-lo embora, porque lá diz o outro: Com tolos nem para o céu.

585(Ilha de S. Miguel)

586NOTA–Pitré coligiu também esta facécia nos seus Contos Sicilianos. (Vid. crítica na Revue des deux mondes, 15 de Agosto de1875, p. 857).

Já que tanto teima

587Um fidalgo caiu em pobreza, e às vezes arrebentava com fome só para se não abaixar a pedir. Chegava a qualquer casa à hora de jantar, e se lhe diziam por cerimónia:

– É servido de se utilizar? Ou: quer fazer um pouco de penitência connosco?

588Ele respondia:

– Já que tanto teima uma vez só, aceito.

589E assim sem descer da sua dignidade tirava o ventre de miséria.

590(Porto)

591NOTA–No Conde de Lucanor, de D. João Manuel, n.° xxxiv. fl. 101, v. encontra-se este conto do século xiv, que em Portugal se repete quase exclusivamente como locução.

Tic-taco

592Um frade passava todas as tardes rente da janela de uma mulher casada, e dizia-lhe:

– Tic-taco.

593A mulher contou tudo ao marido, e ele disse:

– Havemos de dar uma lição boa ao frade. Quando ele tomar a passar e disser a mesma coisa, dize-lhe que pode entrar; depois eu começo a tossir, e tu esconde-o dentro de um saco, que o resto vai por minha conta.

594Ao outro dia o frade passou rentinho à janela, e já lusco com fusco. Repetiu a gracinha:

– Tic-taco.

– Pode entrar.

595Foi o que o frade quis ouvir. A mulher fechou a porta e levou-o para dentro. Nisto o marido tossiu; ela finge-se atrapalhada:

– Ai, o meu marido que chegou! Meta-se Vossa Reverência já aqui neste saco, ao pé destes outros que estão cheios de milho.

596O frade meteu-se no saco, a mulher atou-o e encostou-o aos outros que estavam cheios. Chega o marido e diz:

– Temos ladrões em casa, porque me avisaram, e estão por aí escondidos.

597Começou a correr todos os cantos, e por fim exclamou:

– Não dou com eles; só se se esconderam dentro desses sacos.

598E começou a dar pauladas nos sacos para a direita e para a esquerda, e o frade ia também apanhando a sua dose à chucha calada.

– Assim como assim, não está cá ninguém. E o marido foi-se embora.

599A mulher de combinação, já se sabe, veio tirar o frade do saco, e ele safou-se como Deus quer e é servido. Passado tempo aconteceu passar ele pela mesma rua, e a mulher disse-lhe da janela:

– Tic-taco?

600Respondeu o frade com cara arrenegada:

– Não sou gorgulho que vá ao seu saco.

601(Ilha de S. Miguel)

602NOTA–Esta facécia açoriana acha-se contada por Franco Saccheti, e nas Notte piacevoli de Straparola (Facetieuses nuits, nuit ii, fab. 5) Um fabliau da Idade Média desenvolveu este conto De la Dame qui attrapa un Prêtre. Vid. outros paradigmas na versão francesa de Straparola, p. xx. Ferraro publicou uma versão popular italiana, Rivista de Letteratura popolare, p. 67.

As orelhas do abade

603Um sujeito bom caçador convidou o abade da sua freguesia para ir comer com ele duas perdizes guisadas, e deu-as à mulher para as cozinhar. A mulher, raivosa por não contarem com ela, cozinhou as perdizes e comeu-as. Nisto chega o abade muito contente, e diz-lhe a mulher:

– Fuja, Senhor Abade, que o meu homem jurou que lhe havia de cortar as orelhas, e isto das perdizes foi um pretexto para cá o pilhar.

604O abade não quis ouvir mais, e ele, por aqui me sirvo.

605Eis que o marido chega, e diz-lhe a mulher:

– O abade aí veio, viu as perdizes, e não querendo esperar mais tempo por ti, pegou nelas ambas e foi-se embora.

606O homem vem à porta da rua, e ainda avista o abade fugindo; começa de cá a gritar:

– Ó Senhor Abade! Pelo menos deixe-me uma.

– Nem uma, nem duas! Respondeu ele bem de longe.

607(Ilha de S. Miguel)

608NOTA–Esta vulgaríssima facécia já se encontra na Sobremesa y Alivio de Camiñantes, conto 51, da edição Ribadaneyra, p. 181.

609Acha-se no Fabliau des Perdrix (Recueil de fabliaux, p. 159); no Passatempo dè Curiosi, p. 22; nos Nouveaux contes à rire, p. 266; nas Facetie, motti et burle, da Ch. Zabata, p. 36; e nos Contes du Sieur d’Ouville, t.ii. p. 225. Nos Contos Populares de Lorena, t.ii, 348: Les deux perdrix, Emm. Cosquin faz sentir a sua generalização.

Pacto com o Diabo

610Um rapaz desejava casar com a patroa a quem servia; ela repelia-o sempre, e depois de muito requestada, disse-lhe que só casaria com ele se arranjasse uma grande fortuna. O rapaz foi por esse mundo, para ver se enriquecia, e lá no meio de uns montes escalvados encontrou um homem, que lhe disse:

– Eu sei o que procuras. Queres ser rico para casares com a tua patroa.

– É verdade! disse o rapaz muito admirado. E como é que eu arranjarei isso?

– Pois olha, respondeu-lhe o outro, eu sou o Diabo, e posso dar-te tudo o que tu quiseres, mas tens de me dar...

– A minha alma?

– Para que quero eu a tua alma? Isso é muito. Basta que me dês a primeira pessoa que entrar em tua casa no dia do teu casamento.

611O rapaz aceitou a proposta, e jurou que a havia de cumprir.

612Separaram-se cada um para a sua banda; o rapaz partiu para a terra em uns machos carregados de dinheiro que encontrou no caminho; assim que ali chegou achou um grande palácio novo diante da casa da patroa, todo mobilado, entrou, viu tudo arranjado, vestiu-se com a melhor roupa que lá havia, e foi ter com a patroa para a pedir em casamento. Ela disse que sim; até que se chegou ao dia da boda. Vieram muitos convidados, comeram e beberam antes da ida para a igreja, até que saiu o acompanhamento. Casaram-se. Quando os noivos vinham saindo, chega um criado muito asseado com um cavalo com arreios de ouro, e disse para o noivo:

– Aqui está o cavalo para o senhor ir.

  • 0 Este conto foi-nos narrado por uma pessoa ilustrada, que se não lembra bem se o ouviu da tradição p (...)

613O noivo meteu a mulher na carruagem com a madrinha, e montou a cavalo. Assim que o cavalo o apanhou com os pés nos estribos desata à desfilada, para casa, e meteu-se pela porta dentro. Foi a primeira pessoa que entrou ali depois do casamento; o cavalo arrebentou e desfez-se em fumo, a casa desabou de cima abaixo, e o noivo sumiu-se pela terra dentro. Quando a noiva e os convidados chegaram já não conheceram o sítio, tudo fora arrasado, e só estava ali um grande charco0.

Conto em enigma

614Todos os dias ia uma mulher com uma criança encostar-se à grade da cadeia em que estava um preso, com guarda à vista.

– Que vem aqui você fazer todos os dias? inquiriu o guarda.

– Eu já fui filha, e agora sou mãe, e o menino que eu crio é marido de minha mãe.

615O guarda foi dizer ao rei o acontecido, e como nenhum dos seus conselheiros soubesse explicar o sentido dessa resposta, mandou vir a mulher à sua presença, para a inquirir.

– Eu me explicarei, se Vossa Majestade perdoar o crime do preso.

– Perdoo; mas explica.

– O que eu vou fazer todos os dias à grade da cadeia é sustentar meu pai com o leite dos meus peitos, e que como não há orde de entrar comida, eu o crio sendo o marido de minha mãe.

616(Açores)

Filha que amamenta o pai

617Um rei perdoava todos os anos a morte de um preso, a quem fosse capaz de dizer um enigma que ele não pudesse adivinhar. Apresentou-se a dizer um enigma uma mulher ainda nova, para salvar o pai; e disse:

Já fui nina,
Aora soy madre;
Alimento mi padre,
Marido de mi madre
Avó de mis hijos.

618Não conseguindo o rei adivinhar o enigma, a mulher explicou: o pai dela estava preso, e a filha ia todos os dias sustentá-lo com o leite dos próprios seios, que lhe passava por uma pequena abertura da porta. O rei mandou soltar o preso.

619(Porto)

620NOTA–Encontra-se na tradição popular italiana, Bernoni, Indovinelli pop. veneziani, n.° 63; Pitré, Novelline popolari siciliane raccolte in Palermo, n.° 5. pp. 76-78. La bona Fia; e nas Fiabe, Novelle e Racconti, n.° cxcvi (vol iii. p. 388) versões de Palermo: La’ nniminu. Pittré coligiu a forma de adivinha: Indovina, indovinator: / Figlia io son / de l’imperator; / Oggi son figlia, / domane sou madre / di um figlio maschio, / marito di madre.

621Pitré indica uma fonte tradicional da Antiguidade, conservada por Valério Máximo sob o título De pietate in parentes, no Factorum, Dictorumque memorabilum, liv. iv. cap. 4. Na Revista do Minho, vol. i. p. 73, vem uma versão colhida da narrativa popular.

622Apresentamos aqui o tipo do conto em enigmas, como paradigma de outro já coligido a pág. 186:

– «Um dia ele (Ragnar) chega à Noruega. Os seus companheiros desembarcam, e encontram em uma miserável cabana uma rapariga chamada Kraka, de uma beleza singular. Falaram dela com entusiasmo a Ragnar, que lhe propôs um destes enigmas, de que abundam os exemplos nas poesias do Norte, na Idade Média.

– Se esta rapariga é tão formosa como me quereis fazer crer, trazei-ma, contanto que venha aqui ter sem ser vestida nem vir nua, sem ter comido nem também vir em jejum, que não venha sozinha, nem que venha acompanhada.

623Quando referiram o enigma a Kraka, ela compreendeu-o imediatamente, e para o resolver, deixou cair os seus cabelos louros compridos em volta do corpo, e envolveu-se em uma rede de pesca. Provou um pouco de caldo, e sem vir acompanhada por nenhum homem, trouxe consigo um cão. O rei ao vê-la, apaixonou-se por ela, e desposou-a.» (X. Marmier, Lettres sur l’Islande, p. 162, Bruxelas, 1837.)

Prova de amor

624Um mendigo tinha uma filha muito linda, que o acompanhava e que lhe atraía muitas esmolas; namorou-se dela um príncipe com tanta paixão, que resolveu ir pedi-la ao pai em casamento. O mendigo fez as suas excusas com todo o bom senso, e a todos os embaraços o príncipe opôs os protestos da sua sinceridade e firmeza. Estava de pé um argumento, que o mendigo guardou para o final:

– A desigualdade de condições fará que esse casamento seja uma desgraça; que o príncipe é o que é, e a sua mulher não deixa de ser filha de um mendigo.

– Então que prova exige de mim, para poder obter a mão de sua filha?

– Uma prova muito simples: o príncipe veste os andrajos de pedinte, e anda à esmola seis meses. No fim, pode casar com a rapariga.

625O príncipe aceitou a condição; envergou os andrajos e a sacola, arranjou a sua choradeira, e partiu. O mendigo, passados três meses, convencido que já estava provada a verdade do seu amor pela filha disse para o príncipe:

– Agora dou licença; podem casar-se.

626Mas o príncipe objectou:

– Meu amigo! Já não largo a sacola; melhor do que a rapariga é esta vida divertida de andar de porta em porta, e de correr mundo. É a vida mais independente que há, por isso diz o ditado:

Cristo pediu,
Mas não serviu.
(Porto)

Sem ceia

627Diz o velho anexim, com imensa verdade:

Quem tiver muitos filhos
E pouco pão,
Tome-os de mão e diga-lhes
Uma Canção.

628Um pobre homem sobre a desgraça de achar-se viúvo de repente, viu-se com uma caterva de filhos sem ter com que os sustentar. Com a fraca jorna e alguma caridade dos vizinhos que conheciam a sua miséria, ia amparando as crianças. À lareira os filhos cercavam-o, um chorava, outro pedia pão, aquele dizia que estava a cair com fome, e o pobre pai para os calar, começava a alentá-los com uma esperança risonha:

– Hoje não tive quem me fiasse uma broa; é preciso ter paciência. Os ventos são como a sorte, mudam, e amanhã posso ter um carneiro, que bem assadinho para o jantar...

– Ó pai! há-de-me dar um bocadinho de perna?

– Com certeza, e com duas batatinhas.

– Eu, dizia um outro, eu queria... (Já lhe custava falar).

– Sim, guisado, também é muito bom.

– E que tenha muito molho, acode outro, para eu molhar o pão.

– E até fazer fatias grossas, acrescentava o pai.

– Pois eu, disse o mais pequeno, hei-de esfarelar o pão no molho.

– Olhe cá, eu gosto mais de batatas.

– Aquele quer comer tudo! (Põe-se a choramingar.)

– Não vai a afligir, filhos! Também se faz um bom arroz com a fressura de carneiro.

– Que bom! e arroz! de que eu gosto tanto.

– Também me há-de dar arroz, pai?

– Um prato bem cheio?

– Está dito, interrompeu o pai. Agora é preciso que sosseguem; durmam, durmam.

629Daí a pouco era tudo silêncio naquele lar desvalido, embaladas as crianças na grata ilusão que anestesiara aqueles estômagos vazios. E os vizinhos que escutaram a conversa do carneiro assado e guisado com batatas, murmuraram entre si:

– Vai recebendo as nossas esmolas, e trata os filhos a carneiro assado e guisado com batatas.

630(Alentejo)

Origem dos Javalis

631Cristo e São Pedro na sua peregrinação pelo mundo, vendo e julgando as cousas, encontraram quatro bacorinhos nédios e lustrosos em um descampado.

– Coitadinhos, por aqui perdidos.

– Toma conta deles, Pedro, porque com certeza te digo, que não têm dono; dá-os a criar de meias aí em algum casal que encontremos no caminho.

632São Pedro, sempre aproveitado, lembrou-se do ditado: quando te derem o bacorinho, bota-lhe logo o baracinho, foi tocando com uma varinha os quatro leitões; chegaram a um casal, onde estava uma mulher à porta, e São Pedro propôs-lhe o contrato.

– Você toma-me conta destes animaizinhos, trata-os e quando daqui a um ano por aqui passarmos fazem-se as partilhas.

633Os bacorinhos cresceram, engordaram, já davam um grande lucro na feira. Eis que ao fim de um ano passaram os dois peregrinos; a aldeã assim que os avistou, foi esconder no cortelho os dois porquinhos mais gordos. São Pedro tocou ao ferrolho; aparece a mulher.

– Cá estão dois porcos bonitos; os outros dois deu-lhes um ar e morreram.

634O divino Mestre afasta os olhos da mulher, e disse como sentença:

Pois estes dois que aqui estão,
Só teus e nossos serão;
E os que tens além fechados
Por essas serras irão,
E em feras serão tomados.
(
Alentejo)

Dar vista aos cegos1

  • 1 Tema de Oberen de Wieland.

635Um cego tinha uma filha muito linda, que o acompanhava para toda a parte, julgando assim defender a sua honra. A rapariga combinou com o namorado um estratagema: em um caminho estava uma cerejeira, e ele devia esconder-se aí, e quando passasse com o pai arranjaria as cousas de modo a poderem abraçar-se.

636As cousas dispuseram-se a seu talante.

637Ao passar perto da cerejeira, diz a rapariga:

– Ó pai, está ali uma cerejeira, tão carregadinha, que parece um andor. Deixe-me apanhar algumas?

638O cego concordou, e depois que a filha subiu à cerejeira, ficou agarrado ao tronco, para, segundo seu intento, guardar a honra da filha.

639Os namorados não perderam tempo; mas no seu enlevo, passavam dois peregrinos, que eram Jesus Cristo e São Pedro, que andavam pelo mundo.

– Divino Mestre! exclamou São Pedro, como é louvável um pai que guarda a honra da filha.

640Por um ar do divino Mestre o cego recuperou subitamente a vista; e espantado de ver a filha entre a ramagem da cerejeira abraçada pelo namorado, ela com toda a frescura acudiu de pronto:

– Não se zangue comigo pai: o que fiz foi para lhe dar vista.

641São Pedro olhou para o divino Mestre, que na sua infinita bondade, disse sorrindo: Mulheres hão-de ser ser sempre mulheres.

642(Açores)

A gaita maravilhosa

643Quando Cristo andava pelo mundo acompanhado de São Pedro, passaram por um laranjal, guardado por um rapazito. Era um dia de calma e São Pedro ia com muita sede.

– Bem me sabia agora uma laranja! Ó menino, deixas-me comer aí uma laranja?

– Pois colha-a; à sua vontade.

644Não tendo com que pagar ao pequeno, lembrou ao divino Mestre que provasse uma laranja. Ao seu pedido, a criança acudiu risonha.

– Colha, senhor, quantas queira.

645O divino Mestre quis logo premiar aquela sincera boa-vontade, e perguntou-lhe:

– Olha lá, tu queres a tua salvação?

– Isso, sim; mas também queria uma gaitinha, que quando a tocasse dançasse tudo.

646O divino Mestre deu-lhe a gaitinha, e foram ambos andando. O rapaz, para se distrair começou a tocar, mas o dono do laranjal que estava escondido entre uma moita de silvas vigiando-o, e em vez de ir ralhar com ele começou numa dança entre as silvas, que ficou todo rasgado e arranhado. Quando o rapaz ia para casa do patrão, passava na estrada um vendilhão com um jumento carregado de loiça para a feira, e como começasse a ouvir-lhe o som da gaitinha, o jumento, vendilhão, loiça, tudo começou num delírio de pulos. Desesperado o vendilhão da loiça, vendo-a toda quebrada e sem poder ter mão no jumento, agarrou o rapaz e levou-o à presença do juiz, para se lhe dar o castigo que bem merecia por tal travessura.

647O juiz, carrancudo, informado do facto, voltou-se para o rapaz:

– Trazes aí a gaitinha? Sempre quero verificar como as coisas se passaram. E vendo o simples instrumento, ordenou-lhe com má catadura:

– Toca!

648O rapaz tomando a gaitinha, que apresentara ao juiz, rompeu logo o delírio da dança; e juiz, escrivão, mesa, livros, vendilhão e os beleguins, tudo começou num rodízio e rodopio dançante. No meio da sarabanda entra pela sala do tribunal a mãe do juiz, que jazia entrevada num aposento próximo, e batendo as palmas cantarolava a bailar:

Vá de folia,
Vá de folia!
Que há sete anos
Eu me não mexia.

649O juiz, maravilhado do que se estava passando, pediu ao rapaz que não buzinasse mais. Imediatamente obedecido, começou a limpar as bagadas de suor, e disse para o rapaz:

– Vai-te em paz, porque se causaste dano com a gaita, também fizeste um grande benefício de curar minha mãe, que estava entrevadinha há sete anos.

650(Porto e Algarve)

Lenda da Mãe de São Pedro

651A mãe do apóstolo São Pedro era tão mofina, que nunca foi capaz de dar nada a ninguém, ainda que lhe pedissem até arrebentar. Um dia foi à horta buscar couves para o caldo, e quando vinha para casa, caiu-lhe no chão uma rama de cebola. Como era uma cousa que se não aproveita, deixou-a ficar e foi andando, dizendo:

– Fica-te para aí pelo amor de Deus.

652Passado tempo São Pedro fez-se discípulo de Cristo, e Nosso Senhor também o fez chaveiro do Céu. Quando morreu a mãe de São Pedro, o filho quis metê-la no Céu, mas não havia motivo.

– Ainda se ela tivesse dado alguma coisa em meu louvor.

653São Pedro ouvindo estas palavras do Senhor, lembrou-se da rama de cebola caída no caminho, e apoiou-se nesta oferta.

– Pois então, puxa-a cá para cima.

654São Pedro botou a rama de cebola à mãe, içou-a, chegou à porta do Céu, mas quando ia a metê-la para dentro, a rama quebrou, e a velha ficou entre portas sem poder entrar para dentro. Daqui vem o ditado: «Ficar entre portas, como a mãe de São Pedro.»

655(Ilha de S. Miguel)

656NOTA–Acha-se em muitas terras de Portugal; Pitré encontrou-a na tradição italiana, mas em vez de ser a rama de cebola é uma folha de pereiro. A mãe de S. Pedro é uma locução proverbial em toda a Sicília, Veneza, Toscana, Friul, etc. (Vid. Revue des deux mondes, de 15 de Agosto de1875, p. 843. Rev. politique et littéraire, vol. xii, p. 648, 1877.)

657Adiante, em outros contos, reaparece o tipo popular de S. Pedro em um género de contos muito vulgares em Andaluzia com o título de Susedios.

O lavrador e o ermitão

658Cristo ia pelo mundo com São Pedro. Passaram por um campo, onde estava trabalhando um lavrador que rogava muita praga e berrava na labutação da arada. O Senhor saudou-o:

– Deus te salve, vida santa.

659Foram para diante, e viram estar um ermitão a rezar à porta da sua cabana. O Senhor saudou-o:

– Deus te salve, vida de porco.

660São Pedro ficou maravilhado e disse para Cristo;

– Senhor! porque é que àquele homem que praguejava, lhe chamastes vida santa, e àquele que rezava com tanta devoção lhe chamaste vida de porco?

– É porque aquele que estava praguejando, trabalha, e sustenta a sua família, produz alimento para muita gente; e aquele que está rezando, não é útil a ninguém e vive à custa das esmolas, que são o trabalho e a privação dos outros.

661(Porto)

662NOTA–Na revista El Folclore Andaluz, (an. i, n.° 5, p. 176) uma variante desta lenda colhida por Leite de Vasconcelos nas Duas Igrejas, do concelho de Mirandela, servindo de paradigma a uma versão andaluza de Rodriguez Marin, publicada no Folclore Andaluz, n.° 2, pp. 31-33.

A Túnica de Cristo

663Depois de Cristo ter sido sentenciado é que se conheceu a sua inocência. Pilatos foi chamado a Roma para dar conta ao Senado da sua sentença injusta.

664O procônsul vestiu-se com a túnica que tinha pertencido a Cristo, e apresentou-se no tribunal; todos aqueles que o queriam acusar nada puderam dizer contra ele, e Pilatos retirou-se absolvido. Ao fim de tempo as acusações continuaram a acumular-se, e Pilatos foi chamado de novo para ser julgado pela iniquidade que cometera. Trouxe outra vez a túnica vestida, e ninguém achou palavra que dizer contra ele. Foi então que ele confessou que o defendia a túnica que trazia vestida, que pertencera a Jesus, a qual desde criança crescera com o seu corpo. Pilatos foi absolvido e o Senado deixou que se falasse da doutrina de Jesus.

665(Ilha de S. Miguel)

Lenda do Paraíso

666Criou Deus o homem e colocou-o no Paraíso; ao fim de dias apareceu-lhe e perguntou:

– Como te dás por cá?

– Sopra-me da banda do Norte, e tenho muito frio.

667Deus fez-lhe um muro que o guardava dos ventos do Norte. A cabo de dias tornou-lhe a aparecer e pergunta:

– Como te dás por cá?

– Sopra da banda do Sul, e ainda tenho frio.

668Deus fez-lhe outro muro. Ao cabo de dias apareceu-lhe, fazendo a mesma pergunta:

– Chove-me agora em cima.

669Deus cobriu os muros com um tecto, para o abrigar das chuvas.

670Tornou-lhe depois a aparecer:

– Como te dás agora?

– Estou sozinho entre estas quatro paredes; muito triste de estar sozinho.

671Então Deus deu modo a arranjar-lhe uma companheira. Tomou-lhe a aparecer:

– Não tenho que comer, nem que dar à minha companheira.

672Deus falou à terra, para ela dar de comer ao homem. A terra respondeu:

– Só lhe darei de comer, se o homem me tornar o que receber de mim.

673Foi assim que o homem ficou sujeito a ser também comido pela terra.

674(Tentúgal)

O Tesouro enterrado

675Uns amigos tiveram notícia de um tesouro e combinaram ir antes do nascer do Sol para o desenterrarem. Levantaram-se dois deles e foram pela porta do outro para o acordar; mas ele disse lá de dentro, que não deixava o calor da cama por nada.

676Os outros foram, acharam umas pedras afamadas, revolveram-nas, mas só encontraram castanhas de burro. Vieram-se embora estafados, e ao passarem pela porta do amigo, como lhe viram o postigo aberto, atiraram-lhe por pirraça com as tais castanhas para dentro de casa.

677O homem foi ver o que era, e achou o chão alastrado de peças de ouro. Quando tornou a falar com os amigos agradeceu a oferta, e quanto lhes explicou o caso eles nunca quiseram acreditar.

678(Airão)

679NOTA–Acha-se uma versão de Celorico de Basto publicada na Revista de Etnologia e Glotologia, p. 170; Contos Populares do Brasil, com o título O Ouro dos Maribondos, n.° xxxix, tendo sido anteriormente publicado na Revista Brasileira.

O usurário e Santo António

680Pensando sempre em riquezas e tesouros, sonhou um usurário com Santo António, que lhe aparecera e lhe perguntara:

– Queres um conto de réis?

– Ó se quero! Fazia-me um contão.

– Dize lá; queres em notas ou em ouro?

– Em ouro, em ouro, de preferência.

– Nesse caso espera, enquanto vou trocar o conto de réis em ouro.

681No meio do delicioso sonho o usurário acordou, e olhando em volta exclamou, com amargos de boca:

– Que grande tolo eu fui, que não peguei logo no conto de réis.

As vozes dos animais

682A ovelha, o galo, o porco, o gato, o pato e o peru foram fazer uma viagem, e recolheram-se de um temporal num casebre em que luzia o buraco. Não estava ali ninguém, e o porco foi para o cortelho, a ovelha e o pato puseram-se detrás da porta, o gato acocorou-se na borralheira, e o galo com o peru pousaram-se no caibro do tecto. Lá pela noite adiante vieram os lobos, que a casa era deles, e um foi à borralheira a ver se havia lume, mas o gato esgatanhou-lhes os focinhos. O lobo começou a uivar, e os outros todos iam para acudir, mas o porco ferrou na perna de um, a ovelha deu uma marrada noutro, o galo pega a cantar, o pato a cacarejar, e os lobos, pernas para que te quero! Só muito longe é que se tornaram a juntar. Disse um:

– Vamos lá ver o que é que tomou conta da nossa casa.

– Eu cá não vou, porque estava lá um cardador que me chimpou com as cardas no focinho. (Era o gato.)

– E a mim, topei lá com um ferreiro que me atirou com uma tranca de ferro às canelas. (Era a ovelha.)

– Também eu não torno lá, porque o tal ferreiro agarrou-me por uma perna com umas tenazes. (Era o porco com a dentuça).

– Eu cá, escapei da malhada, mas ouvi um que estava a bramar:

Cacaristo, cacarist,
Se lá vou, faço tudo em cisco.

– Tanto isso é verdade, que outro clamava: Engoli-los, Engoli-los. (Referia-se ao peru e ao galo.)

– É verdade, que havia lá uma coisa que dizia: Haja pazes! Haja pazes! (Era o pato.)

683Mas os lobos nunca mais quiseram tornar àquela casa, porque o seguro morreu de velho.

684(Carrazeda de Ansiães)

685NOTA–Há uma outra versão coligida por Sequeira Ferraz, e uma versão francesa, intitulada: Les musiciens voyageurs (Vieux contes, p. 17, Paris, 1830); também nos Contes populaires de la Grande Bretagne, p. 306, trad. de Brueyre. Nos Contos dos irmãos Grimm, vem com o título Os Músicos da Cidade de Breme. (Contes choisis, trad. Baudry, p. 313). Cosquin, nos Contos Populares de Lorena, ii, p. 102: Le chat et ses compagnons.

Os duzentos carneiros

686Era uma vez um pastor, e andava no mato com duzentos carneiros; veio uma trovoada, e ele quis recolher o rebanho para o curral, chamou os carneiros e pôs-se a caminho. Chegou ao pé de um rio muito fundo, aonde havia uma ponte, e de cada vez só podia passar um carneiro. Começou a passar um a um...

687(Neste ponto o narrador cala-se, e as crianças que o escutam, depois de alguns momentos, intervêm com a pergunta:)

– E depois? O que aconteceu ao pastor?

– Esperem, que os carneiros estão agora passando.

688(E assim se logram as crianças, com a mesma resposta que os põe à espera.)

689NOTA–É um conto típico; encontram-se no Castoiement d’un Père á son Fils; nas Cento Novelle antiche, n.° xxx; no Don Quijote e no Recueil de fabliaux, p. i, Paris, 1829. (Bibl. choisie.) O sentimento hostil contra os Galegos expresso pelas locuções populares: Vento Galego, Galeguice, Galegada, e que se encontra em versos de Sá de Miranda e de Camões, que tinham avoengos galegos, explica-se pela persistência da tradição das lutas políticas da mãe de D. Afonso Henriques, contra a emancipação e direitos soberanos de seu filho, que os fidalgos da Galiza, e ainda numa tentativa de sublevação em 1131, por seu padrasto, Femão Peres, fizeram contra a nova monarquia.

As três pombas

– Era uma vez um palácio, onde havia três pombas brancas...

690(As crianças cheias de curiosidade preparam-se para ouvirem um lindo conto.)

– Onde havia três pombas… Diga mais.

– Pois, como ia dizendo:

Ora, uma casou,
A outra enviuvou,
A terceira morreu;
Meu conto acabou.

Os ditados novelescos

I.–Fórmulas iniciais

Era uma vez um Conde,
E ia por uma ponte...
Queres que te conte?
*
Era uma vez um Bispo…
Não sei mais do que isto.
*
Era uma vez um Rei...
Aqui está o que eu sei.
Era uma vez
Um Rei e um Bispo;
Acabou-se o conto,
Não sei mais do que isto,
*
Era uma vez
Um cesto e uma canastra…
Para conto já basta.
*
Era uma vez uma menina
Chamada Vitória,
Morreu a menina,
Acabou-se a história.
*
Era uma vez um homem
Que vivia numa aldeia,
Não tinha medo à fome
Em tendo a barriga cheia.
*
Era uma vez
Um porco montês,
Alça-lhe o rabo,
Chupa-lhe o pez.
– Alça-lho tu,
Que és mais cortês.
Chupa-lho bem,
Quanto mais chupas
Mais ele tem.

II.–Fórmulas finais

Quem o disse está aqui,
Quem o quiser saber vá lá.
*
Deus louvado,
Meu conto acabado.
*
A certidão está em Tondela,
Quem quiser, vá lá por ela.
*
Está a minha história acabada,
Minha boca cheia de marmelada.
*
Está a minha história dita,
E a tua boca cheia de forrica.
*
– E depois?
Morreram as vacas,
Ficaram os bois.
*
Quem o disse está aqui,
O que já lá vai, lá vai;
Sapatinho de manteiga
Escorrega mas não cai.
*
Entrou por uma porta
E saiu por outra
Manda el-rei meu senhor
Que me conte outra.
*
Era uma vez
Uma caixinha
Vermelhinha,
Cor de pez...
Queres que ta conte
Uma outra vez?
*
Quem o disse está aqui,
A certidão está em Tondela;
Quem o quiser saber
Vá até lá por ela.
*
Houve muita festa e grande matinada;
Eu fui lá e não me deram nada.
*
Fui lá... mas deram-me um prato de lentilhas,
E se transformaram em mentiras.

III.–Fórmulas proverbiais dos contos

Quem conta um conto
Acrescenta-lhe um ponto.
*
De longas vias
Longas mentiras.
*
Foi Maria à fonte,
Trouxe que contar todo o ano.
*
Conto do João das Favas,
Que nunca se acaba.
(
Algarve)

691NOTA–Nas tradições populares são frequentes estes estribilhos iniciais e finais. Colhemos alguns da colecção de Leite de Vasconcelos, no Folclore Andaluz, p. 214, e na de Ataíde de Oliveira, Contos Populares do Algarve. Rodriguez Marin, nos Cuentos populares espanoles, t.v p. 46, traz as seguintes fórmulas iniciais: Era vez y vez, Erase que se era, que nos parece análogo à forma insulana: Era, não era, no tempo da era. Marin cita um trecho de Quevedo (Musa vi, rom. 29): Doncellas no sé que son, / Porque me conto uma vieja, / Que ya son sólo em los cuentos / Fruta de Erase que se era.

692E Cervantes também escreve: «Suelen los muchachos antes de comenzar um cuento ó conseja, decir: Erase lo que era; / el mal que se vaia / y el bien que se venga; / el mal para los moros / y el bien para nos otros. (Quijote, i. 20.)

693Em Cuba repete-se um estribilho em forma de conto, com que se arrelia as crianças; trá-lo Marin: Este era um gallo pelado, / que tiene los pies de trapo / y la cabeza al revés. / Quieres que te lo cuente otra vez.

694(El niño responde que–si.) Yo no digo que digas si, / Si no que si quieres que te cuente / el cuento del Gallo-Pellado. (Cuentos populares espanoles, t.v p. 16.)

695A circunstância de alçar o rabo e chupar o pez, acha-se em um estribilho da Estremadura espanhola: Era una vez y vez, / Una cabrita / Que tenia um chivito / Con los ojos de ver /Y el culito de lamer. / Quieres que te le conte otra vez? (Folclore Betico Extremeño, p. 210.)

696Costa Cascais, no Panorama (t.xii, pp. 115 e 118), traz intercaladas em uns versos seus, algumas fórmulas finais: O caso contado / Vai sendo aumentado, / Pois diz o ditado: / Quem conta um conto / Aumenta-lhe um ponto.

697No final de um conto de Huelva vem « unos zapatitos de manteca». (Vid. p. 278).

698Paródia da fórmula da ressalva tabeliânica: O que eu digo bem o digo / Se o digo como é; / Pois se é como eu digo / O que eu digo assim é.

Notes

0 Este conto foi-nos narrado por uma pessoa ilustrada, que se não lembra bem se o ouviu da tradição popular, ou se o leu em uma colecção de contos da Bretanha. Ainda neste último caso tem o valor de um notável paradigma do conto português de Boa Andança, do Orto do Esposo.

Notes de fin

1 Tema de Oberen de Wieland.

© Etnográfica Press, 1987

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search