Version classiqueVersion mobile

Contos tradicionais do povo português (I)

 | 
Teófilo Braga

Parte I Contos de fadas e casos da tradição popular

Secção I. Contos míticos da aurora, do sol e da noite

Texte intégral

A cara de Boi

1Era um rei, que tinha três filhos. Um dia disse:

– Pois, filhos! ide correr o mundo; aquele que trouxer a mulher mais formosa é que há-de ficar com o meu reino.

2Partiram; os dois irmãos mais velhos acharam logo duas raparigas muito formosas, com quem se casaram. Uma era filha de uma padeira e a outra de um ferreiro. O mais novo andou por muitas terras, sem encontrar mulher que lhe agradasse.

3Indo um dia por um escampado, cheio de fadiga, desceu do cavalo e deitou-se a uma sombra. Deu-lhe então na vista uma casa muito alta sem porta nenhuma, e só lá bem no alto é que tinha uma janela. Esteve ali muito tempo, até que viu aparecer uma velha, que chegou ao muro da casa, bateu na parede e disse:

Arcelo! arcelo,
Solta o teu cabelo
Cá abaixo de repente;
Quero subir imediatamente.

4Foi então que ele viu desenrolar-se da janela uma trança de cabelo tão comprida, que ficou espantado com a sua beleza. A velha pegou-se a ela como se fosse uma corda e subiu para dentro de casa. Pouco depois a velha tornou a sair, e o cavaleiro tendo desejo de ver de quem seria a trança, chegou-se à parede, bateu e repetiu as palavras:

Arcelo! arcelo,
Solta o teu cabelo
Cá abaixo de repente;
Quero subir imediatamente.

5A trança desenrolou-se pela janela abaixo, e o rapaz subiu. Ficou pasmado quando viu diante de si a cara mais linda do mundo. A menina deu um grande ai de surpresa e aflição:

– Vá-se embora, senhor! que pode vir minha mãe, e tem artes de lhe causar todos os males que há.

– Não vou, sem a menina vir comigo; porque eu assim ganho o reino de meu pai. E se não quiser vir, lanço-me desta janela abaixo.

6Desceram ambos pela parede, e fugiram a toda a pressa no cavalo que estava folgado à sombra. Ainda não iam longe, quando ouviram uma voz:

– Pára! pára, filha cruel! Não me deixes só no mundo.

7E como a menina fosse sempre fugindo com o príncipe, a velha disse-lhe:

– Olha para trás, ao menos, para receberes a bênção de tua mãe.

8Assim que a menina se virou para trás, ela disse-lhe:

– Eu te fado, que essa cara linda que tens se torne uma cara de boi.

9Coitadinha! ficou logo como um boi.

10Assim que o príncipe chegou à corte, puseram-se a rir daquela figura horrenda, sem saber como ele se tinha apaixonado por cara tão feita, que fazia fugir. O príncipe contou a sua desventura aos irmãos, mas quem é que se fiava? Estava quase a chegar o dia em que os três irmãos teriam de apresentar as suas esposas diante de toda a corte, para se assentar qual era a mais linda, e qual deles é que havia de ficar com o reino.

11A rainha velha tinha muita pena do filho, e lembrou-se de fazer demorar a cerimónia, para ver se a velha com o tempo perdoava à menina e lhe restituía a sua formosura.

12Disse a rainha, que queria que antes da cerimónia da corte cada uma das suas três noras lhe bordasse um lenço. A filha da padeira e a do ferreiro não sabiam bordar, mas trataram de enganar a rainha, arranjando quem lhes fizesse os bordados; a que tinha cara de boi pôs-se a chorar, e tanto chorou que lhe apareceu a velha, e disse:

– Não te rales mais; no dia em que tiveres de entregar o lenço à rainha eu cá to virei trazer.

13Chegou o dia; a velha veio entregar-lhe uma noz muito pequenina. A Cara de Boi foi levá-la à rainha, dizendo que ali estava o seu lenço. A rainha quebrou a noz e ficou pasmada com a mais fina cambraia, bordada com flores, ramos e aves.

14Chegou o dia de irem à corte para serem apresentadas as três noras do rei; a Cara de Boi pôs-se a chorar, a chorar, até que lhe apareceu a velha que era sua mãe:

– Não chores mais; trago-te aqui um vestido para a festa. – Desdobrou-o; era todo bordado de ouro e pedrarias; a filha vestiu-o, mas quanto o vestido era lindo, tanto ela ficava mais horrenda. E pôs-se a chorar, a chorar cada vez mais.

15Quando já todos tinham entrado para a sala, faltava só ela; a velha disse-lhe:

– Vai agora tu.

16A filha obedeceu, mas ia muito triste por ver-se tão medonha. Quando ia pelo corredor do palácio, a mãe disse-lhe cá de longe:

– Olha para trás.

17E assim que a filha voltou a cara, continuou:

– Fica com a tua formosura. Mas não te esqueças de meter nas mangas todos os bocadinhos de toucinho que puderes, para me dar.

18Então ela entrou na sala pelo braço do marido, e todos ficaram pasmados. A corte logo confessou que ela é que era a mais linda; e daí foram todos para a mesa do banquete. Enquanto estiveram jantando a menina não fazia senão meter bocadinhos de toucinho nas mangas do vestido; as outras duas que a viam fazer aquilo, trataram de fazer o mesmo, pensando que era moda. Acabado o jantar, começaram as danças; mas a rainha ao ver o chão todo besuntado de gordura, e que a cada passo se escorregava em bocados de toucinho, perguntou quem é que fizera tamanha porcaria. As duas damas disseram que o viram fazer à princesa herdeira, e por isso fizeram o mesmo. Começou cada uma a sacudir as mangas dos vestidos, e das mangas da menina começaram a cair aljofres e diamantes misturados com flores; as outras envergonhadas botaram-se pela janela fora, pelas escadas, corridas e a que chamavam Cara de Boi é que veio a ser a rainha, porque o rei velho entregou a coroa ao filho mais novo.

19(AlgarveFaro)

20NOTA – A donzela é evidentemente o mito da Aurora, como se comprova pelo estribilho Arcelo, Arcelo; em um romance popular do Algarve, intitulado D. Carlos de Montalvar, coligido pelo folclorista Reis Dâmaso, lê-se o verso: «Não permita Deus d’Arcelo» por Deus del cielo. (Enciclopédia Republicana, p. 204, Lisboa, 1882.) A velha, que torna feia a menina é a Noite, e o jovem amante que a arrebata é o Sol. No Catalogo de Barrera y Leyrado, cita-se um Auto de Gil Vicente (o neto do poeta, Gil Vicente de Almeida, ou da Torre) intitulado A Donzela da Torre, porventura baseado sobre este tema mítico comum aos outros povos românicos. Nos XII Conti pomiglianesi, ilustrati da Vittorio Imbrianni, Napoli, 1877, acha-se este conto desenvolvido sob o título de Persilette, no qual a donzela fechada na torre, a madeixa que serve de escada e a fuga com o namorado são simples episódios. A tradição portuguesa está mais pura na sua simplicidade, enquanto o conto de Pomigliano é formado pela confusão de diferentes contos, como o da Filha do Rei Mouro (p.14). O tema do filho de um rei que vai procurar uma mulher formosa, condição essencial para suceder no reino do pai, acha-se na novela monferrina La bella d’ l’isoule Fourtiuna, publicada por Stanislao Prato (Como, 1882) com notas de abundantíssimos paradigmas. Nas Quattro novelline populari Livornese, do mesmo escritor, na terceira Il rè e su ire figlioli, há também este mesmo tema, em que a encantada é uma rã que depois aparece numa mulher bonita. Pertence a um vastíssimo ciclo novelesco comum a toda a Europa, o que coincide com o seu evidente sentido mítico. Da importante nota de Stanislao Prato a este conto (pp. 136 a 144), transcreveremos a indicação das principais colecções em que ela se encontra: Imbrianni, La Novellaja fiorentina, n.° 20, I tre fratelli; Pitré, Fiabe e Novelle popolari siciliane, n.° 46, La Iimuruta: Corazzini, Componimenti, n.° 18: A ranaottola; Comparetti, Novelline popolari, n.° 4 e 48, La moglie trovata colla frombola, e Le scimmie; Visentini, Fiabe montovane, n.° 48, La rana; Gianandra, Novelline e fiabe popolari Marchigiani, n.° 4, El figlio del rè, che sposa ’na ranocchia. Em Espanha, no Rondellaire ou quentos populars catalans de Maspons y Labrós: La princesa encantada. Em França, nos Contes de fées, de M.me d’Aulnoy, La chatte blanche; e na revista Melusina, t.i, p.64, Les trois fils du roi, ou le bossu et ses deux frères. Nos povos germânicos e eslavos, escandinavos, este ciclo novelesco é extensíssimo, como se infere dos estudos comparativos do Dr. Reinhold Köhler, o que mais profusamente tem investigado estes assuntos; ele encontrou paradigmas fundamentais nas colecções de contos de Bíirching, Hylten-Cavallius, Grimm, Beauvois, Jonson, Kattan, Asbjörnsen, Töppen, Schwartz, Ey, Stefanovic, Radloff, Colshorn, Hahn, Zingerle, Benfey, Chavannes, Afanasieff, Böhmer, Peter e outros.

21Nos Portuguese Folk-Tales, colecção de Consiglieri Pedroso, e tradução de Ralston vem com o título A Filha da Feiticeira, n.° iv, muito desenvolvido, e contendo no seu sincretismo, os de pp. 1, 14, 42 e 70, que coligimos separadamente e em diferentes lugares. Ralston compara esta versão com o conto The story of Sringabhuja and the Daughter of the Rackshasa, que vem no vii livro do Kathá Sarit Ságara (vol. i, pp. 335-367), tradução de Tawney. Na versão do Algarve cita-se uma noz dentro da qual cabe o lenço bordado para a rainha; Gubematis, diz: «A noz que esconde a fazenda de que se faz o vestido do noivado para a esposa do príncipe solar, a Aurora, parece ser propriamente a Lua. Por influência dela a donzela perseguida escapa ao poder mágico da mãe-bruxa e apresenta-se vestida com vestes esplêndidas na festa do príncipe. O vestido luminoso, imagem do céu, é tão ténue, tão subtil, que pode desdobrar-se sem fim.» (Mythologie des plantes, t.i, p.145).

O velho Querecas

22Eram três irmãs, muito pobres, que viviam do seu trabalho aturado. Naquela terra havia uma casa em que ninguém queria habitar porque lá dentro ouviam-se de noite grandes gritos e terrores; as raparigas, para pouparem o aluguer, foram pedir para as deixarem morar naquela casa. A mais nova, como mais animosa, foi a residir para o último andar.

23Uma noite, mal se tinha acabado de deitar, ouviu uma voz gritar:

– Eu caio!

– Pois cai! – respondeu-lhe a rapariga. De um buraco do tecto caiu uma perna. Depois soou de novo o mesmo grito:

– Eu caio!

– Pois cai! – repetiu a rapariga; e assim foram caindo os braços, o tronco, até que afinal achou diante de si um homem já muito velho e calvo. O velho chegou-se próximo da rapariga, e perguntou-lhe:

– Não tens medo de mim?

– Não.

– Fazes muito bem; és a primeira e única pessoa que resiste ao medo de me ver. Em paga de tua coragem toma lá esta bolsa e quando te vires nalguma aflição diz sempre:

– Valha-me aqui o velho Querecas.

24O dinheiro da bolsa nunca se acabava, e as três irmãs começaram a viver com largueza. No entretanto a mais nova começou a sentir que por mais que se fechasse no seu quarto parecia-lhe que sentia meter-se alguém na cama com ela. Lembrou-se se seria o velho Querecas e teve uma certa repugnância: mas para certificar-se, uma noite acendeu de repente a luz, e viu deitado ao pé dela um mancebo formoso, que estava adormecido. Estava tão embebida a olhar para ele, que lhe caiu um pingo de cera na cara. O mancebo acordou de repente, e disse:

– Ah! desgraçada, o que fizeste! Dobraste-me o encantamento, que estava quase no fim! Agora não me tomas mais a ver.

25A menina chorou muito, e ainda mais quando conheceu o estado em que se achava. Lembrou-se então do segundo dom, e disse:

– Valha-me aqui o velho Querecas.

– Aqui estou já, e bem sei porque me chamas. Há só um modo de remediar o mal que a ti mesmo fizeste. Toma lá estes três novelos, e vai andando sempre sempre até onde eles se acabarem; aonde quer que seja, pede que te dêem aí pousada do ar da noite.

26A rapariga chorou por ter de deixar as irmãs, mas o que ela queria era quebrar o encantamento daquele moço; foi andando, até ir dar ao fim de muito tempo a um palácio cercado de um vistoso jardim. Espreitou pelo buraco da chave, e viu lá dentro uma sala com muitas mulheres trabalhando em lindos vestidos de noivado, e fazendo as roupinhas de uma criança. Teve receio de bater àquela porta, e foi rodeando o palácio, até que encontrou o hortelão, a quem pediu pousada.

– O hortelão respondeu-lhe:

– Você sabe em casa de quem está, para vir assim pedir pousada?

– O que sei é que já me não tenho de cansada; e é por uma esmola.

27O hortelão teve dó da rapariga e deu-lhe um canto no palheiro; ela deitou-se mais morta que viva, e ali mesmo deu um menino à luz. Tudo aquilo se transformou num quarto muito asseado e rico. Quando o hortelão veio ao outro dia, ficou pasmado com o que viu. Foi dar logo parte à rainha, que também quis certificar-se da maravilha.

– Quando chegou ao lugar em que estava a menina, deu um grito ao ver a criança:

– Oh senhora! quem é o pai deste menino?

28A rapariga ficou muito envergonhada por não poder logo dizê-lo; no meio da sua confusão contou o caso de velho Querecas. Foi então que a rainha se lembrou:

– Esse menino é o retrato de meu filho, que me desapareceu, sem eu nunca mais saber dele nova má nem boa.

29A rainha levou a rapariga para o palácio, tratou de lavar a criança, e quando a despiu achou-lhe nas costas um grande sinal. Reparou, e viu que era um pequeno cadeado com uma chavinha. Quis ver se o abria, mas com receio disse à mãe que experimentasse a ver se dava volta àquela chavinha. Logo que a mãe pegou na chave abriu o cadeado, e imediatamente se quebrou o encantamento do príncipe, que deveu a sua liberdade ao ânimo daquela rapariga com quem casou logo.

30(Algarve)

31NOTA – À parte os episódios comuns a muitos contos, é este uma das formas do mito de Psique. Gubernatis, na Mythologie zoologique (t.i, p.437), traz uma variante deste conto coligida em Fucecchio, na Toscana, em que o desencantamento do príncipe é devido à coragem da donzela. As circunstâncias episódicas divergem e pertencem a outro ciclo novelesco. Um conto coligido em Cosenza, na Calábria, por Greco, traz o episódio do ruído noctumo, do pingo de cera que acorda o mancebo, e do novelo que deve guiar a menina à busca do amante. (Gubernatis, op. cit., t.ii, p.301, nota 2). Estas uniões misteriosas acham-se ainda com carácter mítico, no Harivansa, entre Urvasi e Pururavas, e no Maabarata, entre Çantana e a ninfa das águas; na lenda grega de Psique, Eros desaparece, quando acorda por causa do pingo de azeite que caiu da lâmpada a cuja luz foi visto. Brueyre, nos Contes populaires de la Grande Bretagne, p. 183, cita contos pertencentes a este ciclo na colecção sueca de Cavallius e Stephens, Svenska Folk-Sagor och Aventyr, traduzida por Thorpe, e na colecção norueguesa de Asbjömsen e Moe, traduzida por George Webbe Dasent, aparece o episódio do pingo de cera.

32Sobre o evidente carácter mítico destas tradições, acrescenta Brueyre: «Em todas estas narrativas a felicidade dos amantes não é de longa duração, porque, apesar da fé jurada, a promessa é sempre violada, e aquele dos amantes a quem o outro faltou à palavra, é forçado a desaparecer, não obstante o ardente amor que o consome. M. Cox demonstra que as lendas desta natureza são a representação do mito celeste do Sol seguindo a Aurora, ou reciprocamente. Muitas vezes depois da violação da promessa e da separação dos amantes o mito continua.» (Op. cit., p. 184). Em um artigo sobre a História do Japão, cita-se também a lenda análoga à de Psique: «Uma parenta do imperador era a esposa do deus Omonomichi. Ele jamais aparecia aos olhos da princesa, pois não se encontrava com ela senão nas trevas. Uma noite ela lhe disse:

– Ainda me não foi dado olhar para a tua face; rogo-te que fiques comigo até pela manhã, para eu ter a felicidade de te contemplar.

33«Tanto lhe rogou, com tal ternura e tais carinhos, que o esposo cedeu e prometeu-lhe que ficava. Por fim, as primeiras claridades da Aurora entraram no aposento da impaciente princesa, mas qual foi o seu espanto quando ela descobriu, no leito, uma serpente enroscada! Soltou um grito de pavor, e a serpente transformou-se logo num jovem formosíssimo, que lhe disse com expressão de dolorosa melancolia: – Nunca mais, agora, hei-de poder estar contigo. E desapareceu. Abatida por tristeza incurável a esposa solitária foi pouco a pouco decaindo até falecer de paixão.» (Do viajante português Mesnier, Actualidade, n.° 241, do ix ano). O despertar por meio de um raio de luz é frequente, como na Bela Aurora (Spoleto) e La Bella Rosalinda dai capelli d’ori, e na novela dinamarquesa de Grandtovig. (Stanislao Prato, Quattro novelline, pp. 156 e 157). Sobre as origens míticas indo-europeias deste conto, vide Gubernatis, Piccola Enciclopédia Indiana, p. 175, em que discute a simultaneidade da representação da Aurora e da Nuvem que desaparecem quando o Sol se mostra. Este ciclo do Amor e Psique foi estudado por F. Liebrecht, Zur Volkskunde (Amor und Psyche). Na versão do Algarve há o episódio do corpo que cai aos pedaços, para experimentar a coragem da menina; é comum a vários contos, e acha-se na lenda de Atenodoro (ap. Alexander ab Alexandro, lib. iii, cap. 12), que o padre Manuel Consciência traduziu na sua Academia Universal de Erudição, p.545.

O surrão

34Era uma vez uma pobre viúva, que tinha só uma filha que nunca saía da sua beira; outras raparigas da vizinhança foram-lhe pedir, que na véspera de São João deixasse ir a sua filha com elas para se banharem no rio. A rapariga foi com o rancho; antes de se meterem no banho, disse-lhe uma amiga:

– Tira os teus brincos e põe-os em cima de uma pedra, porque te podem cair na água.

35Assim fez; quando estavam a brincar na água passou um velho, e vendo os brincos em cima de uma pedra, pegou neles e deitou-os para dentro do surrão.

36A rapariga ficou muito aflita quando viu aquilo, e correu atrás do velho, que já ia longe. O velho disse-lhe que entregaria os brincos, contanto que ela os fosse buscar dentro ao surrão. A rapariga foi procurar os brincos, e o velho fechou o surrão com ela dentro, botou-o às costas e foi-se de vez. Quando as outras moças apareceram sem a sua companheira, a pobre viúva lamentou-se sem esperança de tomar a achar a filha. O velho, ao passar a serra, abriu o surrão e disse para a pequena:

– Daqui em diante hás-de-me ajudar a ganhar a vida; eu ando pelas ruas, a pedir, e quando disser:
Canta, surrão;

Senão levas com o bordão…

tens de cantar por força. Toma tento.

37Por toda a parte por onde o velho passava todos ficavam admirados daquela maravilha. Chegou a uma terra, aonde já corria a notícia de um velho que fazia cantar um surrão, e muita gente o cercou para se certificar. O velho depois que viu que já estavam bastantes curiosos juntos, levantou o pau e disse:

Canta, surrão;
Senão levas com o bordão…

38Ouviu-se então um canto, que dizia:

Estou metida neste surrão.
Onda a vida perderei,
Por amor dos meus brinquinhos
Que eu na fonte deixei.

39As autoridades tiveram conhecimento daquele caso, e trataram de ver aonde é que o velho pousava; foram ter com uma vendeira, que se prestou a deixar examinar o surrão quando o velho estivesse dormindo. Assim se fez; lá encontraram a pobre rapariga, muito triste e doente, que tudo contou, e então é que se soube do caso da viúva a quem tinham furtado a filha. A pequena saiu com as autoridades, que mandaram encher o surrão de todas as porcarias, de sorte que quando o velho foi ao outro dia mostrar o surrão, este não cantou; deu-lhe com o bordão, e então derramou-se pelo chão toda aquela porcaria que o povo lhe obrigou a lamber, sendo dali levado para a cadeia, e a menina para casa de sua mãe.

40(Algarve)

41NOTA – A lenda cristã de St.a Margarida, engolida por um Dragão, representa a luz solar escondida pela noite. Pertence a este ciclo, como observa Tylor, a história do Petit Chaperon rouge, em França e Inglaterra: «Na Alemanha as velhas conservam-no com toda a sua pureza. Segundo a sua narrativa, o lobo engole a encantadora criança, vestida com o seu brilhante manto de cetim vermelho, e a sua avó; mas elas saem incólumes da barriga do animal que um caçador abriu enquanto ele dormia. Acha-se um conto parecido na colecção de Grimm, em que se pode igualmente reconhecer o mito do Sol. Como no Petit Chaperon rouge, abre-se a barriga do lobo e enche-se-lha de pedras.» Tylor, Civilisation Primitive, t.i, p.390. Aparece em francês nos Contes populaires lorrains t.ii, pp.202 e 363, de Emm. Cosquin, L’homme au pois; e em Fernan Caballero, El Zurron que cantaba, t.ii, p.72. Sobre o carácter mítico deste conto, aplicamos o dito de Gubernatis:

42«O saco representa um importante papel na tradição do herói escondido ou perseguido; este saco é a Noite, ou a Nuvem (o Inverno), etc.» Mythologie zoologique, t.i, pp.255 e seg. E em outra passagem, acrescenta: «Achamos aqui não somente a heroína que foge, mas a heroína que viaja; esta heroína é a Aurora...» (p. 259). Nos romances populares portugueses há donzelas metidas em esquifes de vidro ou deitadas ao mar em cofres. Nos costumes domésticos, as crianças são intimidadas com a ameaça de um velho que vem e as leva em um saco. O surrão é o saco de couro das tradições indo-europeias e dos costumes jurídicos da penalidade simbólica medieval.

43Emm. Cosquin, nos Contes populaires de Lorraine, vol, ii, pp. 205 a 214, trata este conto comparado com versões italianas, provençais hanoverianas, russas, calmucas, indianas, anamitas e africanas, entre as quais cabe esta versão portuguesa.

A saia de esquilhas

44Um homem rico tinha três filhas, e costumava ir passar o Verão com elas para o campo; ao voltar para a corte ficou a filha mais velha, que era muito esperta, encarregada de arranjar a bagagem. Depois de ter tudo arrumado e pronto para partir, foi ter com a caseira da quinta, que andava no arranjo da sua casa. Em cima de uma caixa estava uma roca com estopa, e a menina pegou nela para se entreter:

– Menina, não pegue nessa roca; pode meter alguma pua pelas unhas, e olhe que faz grandes dores.

45A velha continuou a governar a sua casa, quando sentiu um grito; veio ver o que era. Era a menina que tinha caído desmaiada, sem sentidos. Deu-lhe a cheirar alecrim, alfazema, mas ela não voltava a si. Apoquentada com aquela desgraça, escondeu a menina, e logo que anoiteceu foi deitá-la na tapada real; pôs-lhe uma almofada para recortar a cabeça e cobriu-a com uma manta, fingindo que estava ali a dormir. Passado outro dia foi lá ver se a menina teria dado acordo de si. Nada. Calou-se muito calada e voltou para sua casa.

46O príncipe costumava sempre andar à caça, e num dia recolheu-se àquela tapada, porque lhe anoiteceu depressa; mas foi grande o seu espanto quando descobriu ali uma menina muito formosa, a dormir, sozinha. Esteve primeiro a olhar para ela muito tempo; já se tinha apaixonado, e quis acordá-la; ela estava corada e risonha, mas não se movia. O príncipe quis acordá-la, porque bem conhecia que não estava morta, queria-lhe falar. Foi tudo impossível. Ali ficou junto dela, e todas as vezes que podia, fingia que ia para a caça, mas não fazia senão vir sentar-se para o pé da menina, que ele já amava com loucura. Só o criado que o acompanhava é que sabia do segredo. O príncipe vinha à corte de fugida só quando era preciso, e tomava para a tapada, onde guardava a menina adormecida, que mesmo assim veio a ter três filhos.

47As crianças foram crescendo, e cada vez se tornavam mais encantadoras; mas o príncipe tinha uma grande pena de a mãe estar naquele estado.

48Um dia; andando um dos pequeninos a brincar em cima da cama, começou a pegar nas unhas da mãe, e por acaso, sem saber como, fez-lhe saltar da unha a pua que causara aquela doença. O príncipe, que estava ali, ficou maravilhado por vê-la mexer-se logo e começar a falar e a beijar os filhos, como se tivesse voltado à vida. O príncipe, contou-lhe tudo como se tinha passado até ali, e disse-lhe que os seus três filhos se chamavam Cravo, Rosa e Jasmim. A rainha já andava desconfiada daquelas ausências do filho, e tratava de ver se descobria alguma coisa.

49Uma ocasião, o príncipe teve de ir a uma grande feira, e perguntou à sua namorada se queria que lhe trouxesse de lá alguma coisa; depois de muitas instâncias sempre disse:

– Pois traze-me de lá uma saia de esquilhas.

50Não havia lá isso; mas o príncipe mandou-a fazer de propósito; era uma saia cheia de guisos, que tintilintavam. A menina ficou muito contente com a lembrança. Mas a rainha que maquinava a sua vingança, e que pelo pajem que acompanhava o filho já sabia tudo, fez com que o príncipe se demorasse muitos dias na corte. O filho com medo do génio ruim da rainha não dizia nada, mas andava cheio de saudades; foi de uma vez que ela lhe ouviu um suspiro:

– Ai de mim!
Cravo, Rosa e Jasmim.

Isto lhe confirmou a verdade; a rainha chamou o pajem e disse-lhe:

– Vai já, quando não mando-te matar, e traze-me aqui o menino Cravo. Dize lá à minha nora que é ordem do príncipe, que me contou tudo.

51O pajem trouxe o menino; mas a velha rainha entregou-o à criada, dizendo:

– Ensopa-me esse menino para o jantar.

52Quando o filho estava jantando, e com fastio, porque andava muito triste, a mãe disse-lhe:

– Come, come, que teu é.

53Passados dias a rainha deu ordem ao pajem para ir buscar a menina Rosa. Seguiram-se as mesmas coisas. Depois deu ordem para lhe trazer o menino Jasmim. O príncipe já andava doente, e a velha rainha, dizia-lhe sempre à mesa:

– Come, come, que teu é.

54Por fim, não contente ainda desta vingança, mandou dizer à nora, que viesse à corte, porque a queria casar com o seu filho. A menina que já andava morta de saudades, por se ver sem os seus filhos, vestiu-se à pressa com a sua saia de esquilhas, e partiu para a corte. A rainha estava à espera dela e assim que a viu, deixou-a entrar para um corredor, e lançou-lhe as unhas furiosa para a afogar. A menina lutou para ver se lhe escapava, e quanto mais lutava, mais barulho fazia a saia de esquilhas.

55O príncipe, que estava de cama, assim que ouviu aquele som lembrou-se de sua mulher e levantou-se para ir ver o que era. Viu a rainha querendo estrangular a nora. Chamou gente; e foi então que se soube das ordens que a rainha tinha dado para matarem os netos. O príncipe ainda ficou mais aflito e começou a gritar:

– Ai de mim!
Cravo, Rosa e Jasmim.

56Foi então que a criada da cozinha disse, que não tinha cumprido as ordens da rainha, e que tinha escondido os meninos. A rainha foi condenada, e o pajem sentenciado à morte, e a cozinheira em paga foi feita dama da nova rainha.

57(Algarve)

58NOTA – O vestido com escamas de ouro com que a menina escapa à ferocidade da sogra é a Aurora depois que brilha vencendo a escuridade maligna da Noite. É um tipo geral deste ciclo novelesco. No conto hindu intitulado Sourya-Bai, da colecção Old Deccan Days, de Miss Frere, a menina fica com um sono letárgico por causa de um espinho, e é lançada num poço por outra mulher que a vê amada por um príncipe. Sobre o carácter mítico deste conto pode aplicar-se a consideração de Husson sobre o citado conto hindu: «Temos nesta narrativa o novo exemplo do mito da mulher picada por um espinho ou por uma ponta aguda, e caindo em um sono letárgico de que é tirada por um príncipe amoroso. Um outro mito se lhe sobrepõe, o de uma rival ou irmã ciosa, que personifica a hostilidade da escuridão contra a luz da Primavera contra o Inverno; e nesta fase de desenvolvimento novas peripécias se manifestam entre uma morte aparente e um regresso persistente à vida.» (La chaine traditionelle, p. 109). Nos Contos Populares Portugueses, Lisboa, 1879, o conto xxxv, Os Sapatinhos Encantados, versa sobre um sono letárgico com algumas relações no fim com o nosso.

As três fadas

59Era uma vez uns casados que não tinham filhos, e viviam por isso muito descontentes. A mulher foi-se confessar ao Padre Santo António, e contou-lhe o seu desgosto. O santo deu-lhe três maçãs, para que as comesse em jejum. A mulher chegou a casa, pôs as três maçãs sobre a cómoda, e foi arranjar o almoço. O marido vindo de fora encontrou as três maçãs e comeu-as.

60A mulher foi outra vez falar com o santo, que lhe disse:

– Pois os trabalhos por que tinhas de passar, o teu marido que os passe.

61Chegado o tempo o homem começou a gritar; chamou-se pessoa entendida, e abriram-no para o aliviar. O homem desesperado mandou deitar a criança no monte. Uma águia desceu do ar e levou a criança no bico e lá a criou com o leite que ia tirar às vacas que andavam pastando, e agasalhava-a com a roupa que pilhava pelos estendedouros. Fez-lhe uma casinha de palha, e ali se criou a pobre criança, que se tomou uma menina bem formosa.

62Um dia passou por aquelas montanhas um príncipe que andava à caça; viu aquela menina tão linda, e perguntou-lhe se ela queria ir com ele. Respondeu que sim. Quando a meteu na carruagem, acudiu a águia para lha tirar, mas não podendo ainda lhe vazou um olho. A menina ficou com aquele grande defeito, mas o príncipe não deixou de a amar. Levou-a consigo e escondeu-a no seu quarto no palácio. A rainha desconfiada de ver o filho sempre fechado no seu quarto, quis saber o que seria, e combinou uma grande caçada, que durava dias. Foram todos e por lá andaram, e a rainha pôde entrar no quarto do filho por uma porta que só ela conhecia. Assim que entrou viu a menina:

– Ah! és tu, torta zarolha, que tanto encantas meu filho? Anda daí ver estes palácios e o jardim.

63A menina foi com a rainha; assim que chegaram ao jardim, levou-a para o pé de um poço muito fundo, e deitou-a lá dentro. Quando veio o filho da caça foi logo ter com ele:

– Aquela torta zarolha que tinhas fechada no teu quarto, assim que se lhe abriu a pora, botou a correr por aí fora, e ninguém foi capaz de a apanhar.

64De noite passaram três fadas pelo pé do poço e sentiram uns gemidos:

– Que será? Que não será?

65São vozes de mulher.

66Chegaram à borda do poço para escutarem melhor, e disse uma das fadas:

– Eu te fado que saias desse poço cá para fora, e que sejas da maior perfeição do mundo.

– Pois eu te fado que tenhas uma tesourinha de prata, para cortares a língua a quem te perguntar as coisas duas vezes.

– E eu te fado que tenhas um palácio defronte do palácio da rainha, que seja velho por fora, mas por dentro chapeado de ouro e prata.

67Ao outro dia, ficaram todos espantados no paço por verem um grande palácio antigo defronte, sem se lembrarem como e quando é que o ali edificaram. A rainha ainda ficou mais pasmada com aquilo, e mandou o seu velho camareiro saber o que era, e quem morava ali.

68O camareiro entrou no velho palácio mas ficou assombrado com o que viu por dentro; apareceu-lhe uma menina muito ricamente vestida, a quem fez as perguntas de mandado da rainha. Ela respondeu:

Diga a Sua Majestade
Que minha mãe me desejou,
Que foi meu pai que me teve
E nas silvas me deitou;
Uma águia me criou.
Na caça o príncipe me achou,
A rainha ao poço me deitou;
Mas três fadas me fadaram,
Para aqui me trouxeram
E eu daqui me não vou.

69O camareiro não ficou logo com o recado na cabeça, e pediu à menina para repetir; e ela disse então:

– Desanda tesourinha.

70Caiu-lhe a língua num instante; o camareiro voltou para o palácio, e só podia dizer: ló-ló-ró, ló-ló-ró. A rainha mandou lá outro fidalgo, mas também lhe sucedeu o mesmo. Por fim foi lá o príncipe, e quando ouviu aqueles versos que a menina dizia, veio dar parte à rainha, que se quis certificar com os seus olhos, e depois deu licença para o filho casar com ela.

71(Algarve)

72NOTA – No conto hindu de Sourya-Bai, a menina também nasce de um fruto de manga, e tendo anteriormente sido roubada, depois que volta à sua casa desposa um príncipe. Sobre o rapto por uma águia, diz Husson: «Os contos populares gregos mais ou menos conservados pelos poetas ou reproduzidos nos vasos pintados, fazem-nos conhecer muitas ninfas encantadoras, Tália, Egina, Ganimedes, Astéria, igualmente arrebatadas por uma águia divina.» Em uma versão popular de Abrantes, há o estribilho: Tesourinha, tesoureta, / Corta aquela lingueta.

A filha do rei mouro

73Um rei mouro tinha duas filhas. A mais nova queria aprender a religião e andava às escondidas com o camarista, que a ensinava. A mais velha vendo-a uma vez sair do quarto do camarista, disse-lhe:

– Deixa estar, mana, que o pai há-de saber tudo.

– Ai menina! disse o camareiro, se o rei sabe que anda a aprender a rezar comigo, estamos perdidos.

– Não tenhas medo; alevanta-te de madrugada, aparelha dois cavalos e vamos para a tua terra.

74Assim fez; ela encheu três sacos, um de cinza, outro de sal, e outro de carvão, e foram-se ambos por esse mundo fora. Quando o rei soube da fugida, mandou a sua tropa para agarrarem o camarista e a filha, e que os matassem onde quer que os encontrassem. A cavalaria correu a toda a brida, e estava já quase a pilhá-los, quando o camarista olhando para trás, gritou:

– Ai menina! estamos perdidos.

– Não tenhas medo.

75E a menina despejou o saco de cinza e fez-se logo um nevoeiro tão cerrado que a tropa não pôde dar mais um passo, e voltaram para trás a dizer ao rei:

Armou-se-nos tamanho nevoeiro,
Que não víamos caminho nem carreiro.

76O rei mandou-os avançar de novo, e que lhe trouxessem a princesa e o camarista presos.

– Ai menina, estamos perdidos! disse o camarista vendo a cavalaria quase a alcançá-los.

– Não tenhas medo.

77E despejou o saco de sal, e fez-se logo ali um grande mar, que os soldados não puderam atravessar. Voltaram outra vez para trás e foram dizer ao rei:

Real senhor achámos um grande mar,
Que os cavalos não puderam passar.

78O rei deu outra vez ordem de ir agarrar a filha e o camarista:

– Ai menina! Estamos perdidos.

– Não tenhas medo.

79E despejou o saco do carvão, e logo se fez uma noite muito escura, com grandes trovoadas e relâmpagos. As tropas voltaram, e foram dizer ao rei:

Real senhor, fugimos em debandada
Com tantos raios e tamanha trovoada.

80O camarista já estava perto da sua terra, e a princesa disse-lhe:

– Eu salvei-te da morte; mas agora em chegando à tua terra já te não lembras de mim.

81Assim aconteceu. Ela com tristeza vestiu-se de viúva, e pôs uma estalagem para poder viver. O camarista convidou três amigos, e disse-lhes:

– Havemos ir cada um por sua vez pernoitar àquela estalagem.

82Foi o primeiro, e disse que desejava ficar ali aquela noite. A estalajadeira disse que sim. Ele ficou muito contente. Quando foi para o quarto, começou a despir-se e a vestir-se, a despir-se e a vestir-se e ficou nisto até de manhã, em que já estava muito cansado. Assim que foi dia a estalajadeira, que tinha visto tudo do andar de cima, disse-lhe que se pusesse no meio da rua, porque tinha estado a fazer zombaria da sua casa. Veio o segundo, e também pediu para pernoitar; levou toda a noite a despir e a vestir a camisa, sem poder parar. Pela manhã também foi posto fora com igual descompostura. Veio o terceiro; pediu para pernoitar, e ela deu-lhe licença. Quando se ia deitar, disse que tinha muita sede:

– Pois vá ao quintal, e tire água daquele poço.

83Toda a noite o pobre do homem esteve dando à nora, e só quando foi de dia é que apareceu a estalajadeira, que o fez parar e o pôs fora, dizendo que tinha vindo fazer zombaria da sua casa. Chegou o quarto amigo, e também pediu para pernoitar; ficou muito contente com a licença, porque os outros guardaram sempre o segredo do que lhes acontecera. Quando a estalajadeira estava deitada, disse:

– Ai, que me esqueceu fechar a porta da rua.

84E toda a noite o hóspede andou para cá e para lá a fechar a porta da rua, até que pela manhã estava estafado, e a a estalajadeira o pôs fora, por lhe querer quebrar a porta.

85Os quatro amigos reuniram-se e contaram uns aos outros o sucedido. mas, ainda assim o camarista, que era um deles, não se lembrava nem por nada da amante que abandonara com tanta ingratidão. Como ele estivesse para casar na sua terra, segundo o costume, tinha de dar um jantar três dias antes do casamento às pessoas com quem vizinhava. Foi também convidar a estalajadeira viúva. Ela foi ao jantar. Quando estavam todos à mesa, combinou-se que cada um contaria a sua história:

– A senhora, apesar de estar com esse desgosto, há-de também contar o seu conto.

86A estalajadeira pediu que lhe apresentassem duas tigelas; bateu com uma na outra, e apareceram um pombo e uma pomba. E disse a pomba:

– Não te lembras quando me ensinavas a rezar às escondidas de meu pai?

87Disse o pombo:

– Lembro-me.

– E não te lembras quando minha irmã disse que ia contar tudo ao pai, e que exclamaste: Ai, que estamos perdidos?

88E assim foi perguntando, e o pombo respondendo a tudo o que se tinha passado com a filha do rei mouro. Só ao fim de muitas perguntas é que os convidados começaram a reparar em circunstâncias que se tinham dado com os quatro amigos, e o camarista conheceu a sua ingratidão:

– Real senhora, eu é que sou esse esquecido; e já desfaço aqui este casamento, para receber quem por mim deixou pai e mãe e a sua terra.

89(Estremadura e Algarve)

90NOTA – Há uma outra versão intitulada Grisme e Guiomar, nos Contos Nacionais para Crianças, n.° XV. Porto, 1883. No Violier des histoires romaines (Gesta Romanorum), cap. V, vem esta situação sem o maravilhoso da fuga dos dois amantes. No Pentamerone, de Basile, é Petusinella, que foge lançando sucessivamente três nozes, que recebem várias transformações. nos Contos Zulus, de H. Callaway, há o de uma rapariga perseguida pelos canibais que vai deixando cair atrás de si grãos de sésamo. O mesmo em um conto russo em que a Boba-Yaga corre atrás de uma rapariga. O mesmo episódio aparece no Aprendiz do Mago, (p. 104). O conto O Cavalinho das Sete Cores, (pág. 114), é uma variante notável, pelo episódio do esquecimento produzido pelo abraço em uma pessoa de casa. As transformações dos amantes que fogem, acham-se nos contos estonianos, citados por Gubernatis, de Kreuzenwal. (Myth, zoologique, t.i, p.180).

As fiandeiras

91Era uma mãe que tinha uma filha e só pensava em casá-la bem. Foi a casa de um mercador que vendia linhagem, e pediu-lhe para que lhe vendesse uma pedra de linho, porque a filha fiava tudo num dia. Trouxe o linho para casa e disse à filha:

– Tens de me fiar esta pedra de linho hoje mesmo, porque amanhã vou buscar mais. Quando voltar a casa quero achar o linho todo fiado.

– A pequena foi sentar-se à porta, a chorar, sem saber como obedecer à mãe. Passou uma velhinha:

– A menina o que tem, que está a chorar desse modo?

– O que hei-de ter! É minha mãe que quer à força que lhe fie num dia uma pedra de linho, e eu não sei fiar.

– Deixe a menina estar, que eu lhe fio tudo se me promete que no dia do seu casamento me há-de chamar três vezes tia.

92A menina olhou para dentro de casa, e viu o linho remexido, e todo fiado. No dia seguinte a mãe foi à loja, gabou muito a habilidade da filha, e pediu outra pedra de linho para ela fiar. A pequena foi-se sentar à porta, a chorar, esperando que passasse a velhinha da véspera. Passou uma outra:

– A menina o que tem, que está a chorar dessa maneira?

93A pequena contou-lhe as ordens que tinha recebido da mãe.

– Pois se a menina me promete que no dia do casamento me há-de chamar três vezes sua tia, o linho há-de aparecer fiado.

94A pequena prometeu que sim, e olhando para dentro de casa deu com o linho remexido e pronto.

95A mãe foi buscar mais outra pedra de linho, e repetiu-se o mesmo caso; até que passou uma terceira velhinha, que lhe fez tudo com a mesma promessa. O comerciante sabendo daquela habilidade quis ver a rapariga, achou-a bonita e esperta e quis casar com ela; a mãe ficou bem contente porque o noivo era muito rico. O comerciante mandou-lhe um grande presente, com muitas rocas e fusos, para que quando casassem, as suas criadas todas fiarem. No dia do casamento, fez-se um opíparo jantar, a que todos os seus amigos assistiram; quando estavam à mesa bateu à porta uma velhinha:

– Ai! é aqui que mora a noiva?

– Entre minha tia; sente-se aqui, minha tia; coma alguma coisa, minha tia.

– Ficaram todos pasmados de verem uma velha tão corcovada com um nariz muito pencudo. Mas calaram-se. Instantes depois, bateram à porta; era uma outra velhinha:

– É aqui que mora a noiva que se casou hoje?

– É, minha tia; entre, minha tia; jante connosco, minha tia.

96A velha sentou-se e todos ficaram pasmados do enorme aleijão que ela tinha nos queixos. Mas continuaram a jantar. Bateram outra vez à porta; era outra velhinha, que fez a mesma pergunta.

– Ora entre, minha tia; cá a esperávamos, minha tia; há-de jantar connosco, minha tia.

97Também não causou menos pasmo esta velha toda corcovada e com as costelas embicadas para fora; mas desta vez os curiosos, principalmente o noivo, perguntaram porque tinham aquelas suas tias tamanhos aleijões.

98Disse a primeira:

– Tenho assim o nariz, porque fiei muito, muito, e as arestas do linho puseram-se assim.

– E eu, meu sobrinho, tenho assim os queixos, porque fiei muito, e fiquei assim por tanto riçar os tomentos.

– Pois eu, sobrinho, fiquei com estas corcovas por estar sempre para um canto com a roca à cinta.

99O marido tanto que ouviu aquilo, levantou-se e foi pegar nas rocas, fusos, sarilhos, dobadouras e sedeiro e atirou tudo para a rua, declarando que na sua casa nunca mais se havia de fiar, porque não queria que lhe acontecessem à sua mulher iguais desgraças.

100(Algarve)

101NOTA – Nas Fire Side stories of Ireland, de P. Kennedy, acha-se este conto, e traduzido por Brueyre com o título A Preguiçosa e Suas Tias. (Contes populaires de la Grande Bretagne, n.° xxxii, p. 159.) Entre as diferentes fontes, cita a versão escocesa da colecção de Chambers, Whooppity Storie (op. cit., p. 245, de Brueyre); há uma lição francesa Histoire du Ric Din-Don de M.lle Lhéritier; no Pentamerone de Basile, o conto italiano, e na Novelline di Santo Stefano, de Gubernatis, La Comprata. No Norske eventyr, de Asbjömsen e Moe, As Três Tias; e na colecção sueca de Cavallius e Stephens, A Rapariga Que Não Podia Fiar Ouro com Lama e Palha, e As Três Corvinhas. Jacob Grimm, nos seus Kinder und Hausmärchen, n.° 14, traz As Três Fiandeiras; traduzido nos Contes choisies, de Fred. Baudry, p. 128. Há alguns vestígios em Rumpelstilzchen; na colecção de Biirching, Volksagen, Mãrchen, und Legenden, é o das Três Fiandeirinhas. Há uma outra versão portuguesa traduzida por G. Ralston nos Portuguese Folk-Tales, de Consiglieri Pedroso, n.° xix, com o título As Tias. Na Mythologie des plantes, t.11, p.212, Gubernatis traz um conto popular da Calábria, cujo maravilhoso versa sobre o poder de fiar concedido pelas fadas a uma mulher.

Cravo, Rosa e Jasmim

102Uma mulher tinha três filhas; indo a mais velha passear a uma ribeira, viu dentro da água um cravo, debruçou-se para apanhá-lo, e ali desapareceu. No dia seguinte sucedeu o mesmo a outra irmã, porque viu dentro da ribeira uma rosa. Por fim, a mais nova também desapareceu, por querer apanhar um jasmim. A mãe das três raparigas ficou muito triste, e chorou, chorou, até que tendo um filho, este quando se achou homem, perguntou à mãe porque é que chorava tanto. A mãe contou-lhe como é que ficara sem as suas três queridas filhas.

– Pois dê-me minha mãe a sua bênção, que eu vou por esse mundo em procura delas.

103Foi. No caminho encontrou três rapagões em uma grande guerreia. Chegou ao pé deles... «Olá, que é isso?» Um deles respondeu:

– Oh, senhor! Meu pai tinha umas botas, um chapéu e uma chave, que nos deixou. As botas em a gente as calçando, e lhes diga: Botas, ponham-me em qualquer banda, é que a gente aparece onde se quer; a chave abre todas as portas; e o chapéu em se pondo na cabeça, ninguém mais nos vê. O nosso irmão mais velho quer ficar com as três cousas para si, e nós queremos que se repartam à sorte.

– Isso arranja-se bem, disse o rapaz querendo harmonizá-los. Eu atiro esta pedra para bem longe, e quem primeiro a apanhar é que há-de ficar com as três cousas.

104Assentaram nisso; e quando os três irmãos corriam atrás da pedra, o rapaz calçou as botas, dizendo:

– Botas! levem-me ao lugar em que está minha irmã mais velha.

105Achou-se logo numa montanha escarpada onde estava um grande castelo, fechado com grossos cadeados. Meteu a chave e todas as portas se lhe abriram; andou por salas e corredores, até que deu com uma senhora linda e bem vestida, que estava muito alegre, mas ao vê-lo gritou com espanto:

– Senhor! como é que pôde entrar aqui?

106O rapaz disse-lhe que era seu irmão, e contou-lhe como é que tinha podido chegar ali. Ela também lhe contou a sua felicidade, mas que o único desgosto que tinha era não poder o seu marido quebrar o encanto em que andava, porque sempre lhe tinha ouvido dizer que só se desencantaria quando morresse um homem que tinha o condão de ser eterno.

107Conversaram bastante, e por fim a senhora pediu-lhe para que se fosse embora, porque podia vir o marido e fazer-lhe mal. O irmão disse que não tivesse cuidado porque trazia consigo um chapéu, que em o pondo na cabeça ninguém mais o via. De repente abriu-se a porta e apareceu um grande pássaro; mas nada viu, porque o rapaz quando sentiu barulho pôs logo o chapéu. A senhora foi buscar uma grande bacia dourada, e o pássaro meteu-se dentro transformando-se logo em um mancebo formoso. Em seguida olhou para a mulher, e exclamou:

– Aqui esteve gente! – Ela ainda negou; mas viu-se obrigada a confessar tudo.

– Pois se é teu irmão, para que o deixaste ir embora? Não sabias que isso era motivo para eu o estimar? Se cá tomar, dize-lhe para ficar, que o quero conhecer.

108O rapaz tirou o chapéu, e veio cumprimentar o cunhado, que o abraçou muito. Na despedida deu-lhe uma pena, dizendo:

– Quando te vires em alguma aflição, se disseres: valha-me aqui o Rei dos Pássaros! há-de-te sair tudo como bem quiseres.

109Foi-se o rapaz embora, porque disse às botas que o levassem onde estava sua irmã do meio. Aconteceram pouco mais ou menos as mesmas cousas; à despedida o cunhado deu-lhe uma escama:

– Quando te vires em alguma aflição dize: valha-me aqui o Rei dos Peixes!

110Até que chegou também a casa da sua irmã mais nova; achou-a em uma caverna escura, com grossas grades de ferro; foi pelo som das lágrimas e soluços dar com ela muito magra, que assim tanto que o viu, gritou:

– Quem quer que vós sois, tirai-me daqui para fora.

111Ele então deu-se a conhecer, e contou-lhe como achava as outras duas irmãs muito felizes e alegres, mas só com o desgosto de não poderem os seus maridos desencantar-se. A irmã mais nova contou-lhe como estava com um velho hediondo, um monstro, que queria casar com ela por força, e que a tinha ali presa por não se prestar a fazer-lhe a vontade. Todos os dias o velho monstro vinha vê-la para lhe perguntar se já estaria resolvida a tomá-lo como marido; e que ela se lembrasse que nunca mais teria liberdade, porque ele era eterno.

112Assim que o irmão ouviu isto lembrou-se do encantamento dos dois cunhados, e pensou em apanhar o segredo por via do qual ele era eterno; aconselhou à irmã que fizesse promessa de casar com o velho, só se lhe dissesse o que é que o fazia eterno.

113De repente o chão estremeceu todo; sentiu-se como um grande furacão, e entrou o velho, que chegou ao pé da menina e lhe perguntou:

– Ainda não estás resolvida a casar comigo? Tens de chorar todo o tempo que o mundo for mundo, porque eu sou eterno, e quero casar contigo.

– Pois só casarei contigo, tomou ela, se me disseres o que é que faz que tu nunca morras?

114O velho desatou às gargalhadas:

– Ah, ah, ah! pensas que me poderias matar! Só se houvesse quem fosse ao fundo do mar buscar um caixão de ferro, que tem dentro uma pomba branca, que há-de pôr um ovo, e depois trouxesse aqui esse ovo, e mo quebrasse na testa.

115E desatou a rir-se, na certeza de que não havia ninguém que fosse ao fundo do mar, nem tampouco capaz de achar onde estava o caixão, nem mesmo de o abrir, e tudo o mais que se sabe.

– Agora tens de casar comigo, porque já te descobri o meu segredo.

116A menina pediu ainda uma demora de três dias, e o velho foi-se embora muito contente. O irmão disse para ela, que tivesse esperança, que dentro em três dias estaria livre. Calçou as botas e achou-se à borda do mar; pegou na escama que lhe dera o cunhado e disse:

– Valha-me aqui o Rei dos Peixes!

117Apareceu logo o cunhado, muito satisfeito; e assim que ouviu o acontecido mandou vir à sua presença todos os peixes; o último que chegou foi uma sardinhinha, que se desculpou por se ter demorado porque embicou num caixão de ferro que está no fundo do mar. O rei dos peixes deu ordem aos maiores que fossem buscar o caixão ao fundo do mar. Trouxeram-no. O rapaz assim que o viu, disse à chave:

– Chave! abre-me este caixão.

118O caixão abriu-se; mas apesar de todas as cautelas, fugiu-lhe de dentro uma pomba branca.

119Disse então o rapaz, para a pena:

– Valha-me aqui o Rei dos Pássaros.

120Apareceu-lhe pronto o cunhado, para saber o que ele queria; assim que o soube mandou vir à sua presença todas as aves. Vieram todas e só faltava uma pomba, que veio por último desculpando-se, que lhe tinha chegado ao seu agulheiro uma antiga amiga que estava há muitos anos presa, e que lhe tinha estado a arranjar alguma cousa de comer. O Rei dos Pássaros disse, que ensinasse ao rapaz onde é que era o ninho em que a pomba estava; lá foram, e o rapaz apanhou o ovo que ela já tinha posto, e disse às botas que o levassem à caverna aonde estava a irmã mais moça. Era já o terceiro dia, e o velho vinha pedir o cumprimento da palavra da menina; ela, que já estava aconselhada pelo irmão, disse que se reclinasse no seu regaço; mal o apanhou deitado, com toda a certeza de mão quebrou-lhe o ovo na testa, e o monstro dando um forte berro, morreu. Os outros dois cunhados quebraram ao mesmo tempo o encantamento; vieram ali ter, e foram com as suas mulheres, que ficaram princesas, visitar a sogra, que viu o seu choro tomado em alegria, na companhia da filha mais nova, que lhe trouxe todos os tesouros que o monstro tinha ajuntado na caverna.

121(Algarve)

122NOTA – Aparecem outras versões deste conto, nos Contos Populares Portugueses, n.° xvi; e nos Contos Populares do Brasil, com o título O Bicho Manjaléu. (Rev. Brasileira, tomo vi, p. 120). Nos Contes populaires de la Grande Bretagne, de Brueyre, pp. 81 e 119. Nos Old Deccan Days, de Miss Frere, o conto do Punchkin versa sobre este mesmo assunto de um Mago que encanta todos, e cuja vida estava resguardada sendo impossível descobrir esse talismã: é uma criança que livra sua mãe e sete tios, príncipes.

O mágico

123Havia em certa terra um homem entendido em artes mágicas, que nunca queria tomar criado que soubesse ler para lhe não apanhar o segredo dos seus cartapácios. Foi um moço oferecer-se, dizendo que não sabia ler, e assim ficou-o servindo; leu todos os livros da livraria do mágico, e quando já podia competir com ele, fugiu com todos os livros. Um dia o discípulo achou-se mestre e quis viver das suas artimanhas; disse a um criado que fosse à feira vender um lindo cavalo que devia de estar na estrebaria, marcou-lhe o preço, e ordenou que assim que o vendesse lhe tirasse logo o freio. À hora da feira o criado foi à estrebaria e lá achou o lindo cavalo e partiu com ele para o mercado. Estava na feira o Mágico que tinha sido roubado, e conheceu logo debaixo da forma de cavalo o seu antigo discípulo; foi ajustar o preço, pagou a quantia tão depressa, que o criado se esqueceu de tirar o freio ao cavalo. Quando o quis fazer já não foi possível, por que o Mágico disse, que o contrato estava fechado desde que lhe entregara o dinheiro. O mágico levou o cavalo para casa, muito contente por se poder vingar à vontade do seu inimigo que lhe havia roubado toda a sua sabedoria. De uma vez disse ao criado que fosse à ribeira levar o cavalo a beber, mas que não lhe tirasse o freio. O cavalo andava muito triste, cheirava a água mas não bebia; o criado lembrou-se de lhe tirar o freio, pensando que ele assim beberia. De repente o cavalo transforma-se numa rã, e some-se pela água. O Mágico que estava à janela de sua casa viu aquilo, e transformou-se em um sapo, para ir apanhar a rã. O discípulo, que sabia a sorte que o esperava se tomasse a cair em poder do mestre, transformou-se em uma pomba, e voou por esses ares; o mágico transformou-se em um milhafre, e correu atrás da pomba para tragá-la. Já ia muito cansada a pomba, e quase que estava para ser agarrada, quando viu uma princesa que estava em um terraço, e foi-lhe cair no colo, transformando-se em um anel de grande preço. A princesa pasmada com o que viu, e com a lindeza da jóia, meteu-a no dedo; o Mágico, viu que nada podia fazer e como ainda estava na forma de milhafre entra pelo quarto do rei dentro e bota-lhe um cabelo no copo do leite que ele estava para beber. O rei, já se sabe, teve uma grave doença, foram chamados todos os médicos, mas nenhum era capaz de o curar; o Mágico apareceu sob a figura de médico e prometeu dar saúde ao rei, mas só se lhe desse o anel que a princesa trazia no dedo. O rei disse que sim; então o anel transformando-se em um lindo rapaz pediu à princesa que quando o rei lhe mandasse entregar o anel ao Mágico, que lho não desse na mão, mas que o atirasse ao chão, para ele o levantar. O rei passados dias ficou bom, e assim que o Médico veio à corte, pediu o anel. A princesa mostrou-se triste mas obedeceu; tirou o anel e deitou-o ao chão, como se estivesse zangada. O anel transformou-se em uma romã que toda se esbagoou pela sala; mas o Mágico mudou-se em galinha, e num instante foi engolindo todos os grãos. Ficou um único grãozinho detrás de uma porta, e esse transformou-se numa raposa, que se atirou à galinha e a comeu num instante. A princesa ficou muito pasmada com aquilo, e pediu à raposa que se tornasse em príncipe que casaria com ele. E ele assim fez e foram muito felizes.

124(Algarve)

O Mestre das artes

125Havia um pai, que tinha três filhos, e enquanto dois deles andavam a trabalhar nos campos, o mais moço começou a aprender todas as artes de indústrias. Disseram os irmãos do pai:

– Nós trabalhámos até aqui para meu pai poder viver, e o nosso irmão mais novo sem fazer nada; agora daqui em diante ele deve puxar pelo que aprendeu.

126O filho mais novo pediu ao pai que lhe desse um açaimo de cão de caça, e disse-lhe:

– Vou-me tornar em cão de caça; meu pai há-de trazer uma correia e um pau para virem cheios de coelhos, e há-de passar pela porta do mercador, que se dá por grande chibante de caça.

127O pai pôs o açaimo ao rapaz que se tinha tornado em cão, e foi com ele para a caça. Apanhou muitos coelhos, trazia-os dependurados no pau e o cão atrás dele. O mercador quando o viu passar pela porta perguntou:

– Ó homem! só com esse cão apanhaste tanta caça?

– Sim, senhor.

– Hás-de-me vender o cão.

– Só se o senhor me der cem mil réis.

– Pois sim; está vendido o cão.

128Contou o dinheiro; lá ficou o cão e o homem foi-se embora. Vai o mercador caçar com o cão por uns cerrados; correndo atrás de um coelho, o cão meteu-se por um valado de silvas, e foi sair por outra banda; tirou com as unhas o açaimo, e ficou outra vez gente. O mercador fartou-se de chamar e de esperar pelo cão. O rapaz veio passar pelo pé dele, que lhe perguntou:

– Viu você por aí um cão de caça?

– Não vi, mas senti mexer no valado que é muito fundo; talvez seja o animal, que não pode de lá sair.

129O certo foi que o mercador perdeu o cão e o seu dinheiro, e foi-se embora sem nada. O rapaz disse ao pai:

– Agora há-de-me comprar um freio para eu me tornar em cavalo.

– O pai assim fez; correu com o cavalo todas as ruas. O Mestre das Artes de Paris, que o tinha tido em casa logo conheceu o cavalo e fez com que o homem lho vendesse por todo o preço. Não olhou a dinheiro, e tomou conta do cavalo, e meteu-o na cavalhariça sem lhe tirar o freio, a ponto de ele não poder comer nada.

130O Mestre das Artes tinha três filhas e recomendou-lhes que não fossem à cavalhariça. Logo que o pai saiu, disseram umas para as outras:

– Vamos ver o que tem a cavalhariça.

131Foram e viram um cavalo lindo, muito bem feito, e notaram que ele não podia comer nada.

– Coitadinho! tira-se-lhe o freio a ver se come.

132Tiraram-lhe o freio, e assim que ele disse: – Ai de mim, pássaro! – voa logo pela janela fora. Encontrou o Mestre das Artes no caminho, que o conheceu e disse: – Ai de mim, milhafre! – que era para matar o pássaro.

133Ficou ele muito alcançado de ver o milhafre atrás de si e disse:

– Ai de mim, anel! – E caiu nas ondas do mar e uma garoupa engoliu-o. A garoupa foi ter a outro país; um pescador pescou-a e foi vendê-la ao palácio. A princesa foi ver amanhar o peixe; viu-lhe no bucho um anel. A criada lavou o anel e deu-o à princesa; ela estimava o anel mais que todas as outras jóias que tinha. A princesa ao deitar-se tirava o anel e punha-o sobre uma banca. O anel de noite tomava-se em homem e punha-se a conversar com a princesa, que cheia de medo chamava o rei seu pai. Neste ponto o homem tornava-se formiga, e o rei vinha e nada via. Sucedeu isto três noites; na última, ele disse à princesa:

– Eu sou a prenda que trazeis no dedo; tenho de dizer a Sua Alteza, que o rei seu pai está muito doente; os médicos não lhe dão cura. Só o Mestre das Artes de Paris é que lhe dará cura; mas ele não há-de querer dinheiro, nem prenda, nem jóia alguma. Só há-de pedir ao rei o anel que traz a princesa; não lho dê Vossa Alteza na mão, mas deixe-o cair ao chão.

134Ela fez como o rapaz lhe tinha pedido. Soube-se da doença do rei, até que foi chamado o Mestre das Artes, que teimava em querer o anel. A princesa zangada da teima, atirou com o anel ao chão. O anel disse: – Ai de mim, painço!

135E derramou-se em painço pelo chão. O Mestre das Artes tomou-se galinha para apanhá-lo, e o rapaz tomou-se em comadrinha (doninha), pegou às dentadas na galinha e matou-a.

136Mal acabou, tornou-se em homem e tudo explicou ao rei; e como ele é que tinha ensinado a cura do rei, casou-o com a princesa e foram muito felizes.

137(Ilha de S. MiguelAçores)

O Aprendiz do Mago

138Um homem de grandes artes tinha na sua companhia um sobrinho, que lhe guardava a casa quando precisava sair. De uma vez deu-lhe duas chaves, e disse:

– Estas chaves são daquelas duas portas; não mas abras por cousa nenhuma do mundo, senão morres.

139O rapaz assim que se viu só, não se lembrou mais da ameaça e abriu uma das portas. Apenas viu um campo escuro e um lobo que vinha correndo para arremeter contra ele. Fechou a porta a toda a pressa passado de medo. Daí a pouco chegou o Mago:

– Desgraçado! para que me abriste aquela porta, tendo-te avisado que perderias a vida?

140O rapaz tais choros fez que o Mago lhe perdoou. De outra vez saiu o tio, e fez-lhe a mesma recomendação. Não ia muito longe, quando o sobrinho deu volta à chave da outra porta, e apenas viu uma campina com um cavalo branco a pastar. Nisto lembrou-se da ameaça do tio, e já o sentindo subir pela escada, começou a gritar?

– Ai, que agora é que estou perdido!

141O cavalo branco falou-lhe:

– Apanha desse chão um ramo, uma pedra e um punhado de areia, e monta já quanto antes em mim.

142Palavras não eram ditas, o Mago abriu a porta da casa; o rapaz salta para cima do cavalo branco e grita:

– Foge! que aí chega o meu tio para me matar.

143O cavalo branco correu pelos ares fora; mas indo já muito longe, o rapaz torna a gritar:

– Corre! que meu tio já me apanha para me matar.

144O cavalo branco correu mais, e quando o Mago estava quase a apanhá-los, disse para o rapaz:

– Deita fora o ramo.

145Fez-se logo ali uma floresta muito fechada, e enquanto o Mago abria caminho por ela, puseram-se muito longe. Ainda o rapaz tomou outra vez a gritar:

– Corre! que já aí está meu tio, que me vai matar.

146Disse o cavalo branco:

– Bota fora a pedra.

147Logo ali se levantou uma grande serra cheia de penedias, que o Mago teve de subir, enquanto eles avançavam caminho. Mais adiante grita mais o rapaz:

– Corre! que meu tio agarra-nos.

– Pois atira ao vento o punhado de areia, disse-lhe o cavalo branco.

148Apareceu logo ali um mar sem fim, que o Mago não pôde atravessar. Foram dar a uma terra onde se estavam fazendo muitos prantos. O cavalo branco ali largou o rapaz e disse-lhe que quando se visse em grandes trabalhos por ele chamasse, mas que nunca dissesse como viera ter ali. O rapaz foi andando e perguntou por quem eram aqueles grandes prantos.

– É porque a filha do rei foi roubada por um gigante que vive em uma ilha aonde ninguém pode chegar.

– Pois eu sou capaz de ir lá.

149Foram dizê-lo ao rei; o rei obrigou-o com pena de morte a cumprir o que dissera. O rapaz valeu-se do cavalo branco, e conseguiu ir à ilha trazendo de lá a princesa, porque apanhara o gigante dormindo.

150A princesa assim que chegou ao palácio não parava de chorar. Perguntou-lhe o rei:

– Por que choras tanto, minha filha?

– Choro, porque perdi o meu anel que me tinha dado a fada minha madrinha, e enquanto o não tomar a achar, estou sujeita a ser roubada outra vez ou ficar para sempre encantada.

151O rei mandou lançar o pregão em como dava a mão da princesa a quem achasse o anel que ela tinha perdido. O rapaz chamou o cavalo branco, que lhe trouxe do fundo do mar o anel, mas o rei não lhe queria já dar a mão da princesa; porém ela é que declarou que casaria com o jovem para que dissessem sempre: Palavra de rei não torna atrás.

152(EixoDistrito de Aveiro)

153NOTA – O Mágico. O Mestre das Artes. O Aprendiz do Mago. Versões nos Contos Populares da Rússia, de Afanasieff, livro vi, n.° 46; em Gubematis, Novelline di Santo Stefano, n.° 22 e 26. (Ap. Myth. zool., i, 365). Nos Contes populaires de la Grande Bretagne, de Brueyre, p. 289. – Nas Notte piaccevoli, de Straparola, not.VIII, fábula 5.a, vem este mesmo conto. O freio mágico é um episódio comum a muitos outros contos míticos, como o prova Brueyre, Op. cit., p. 253; Gubernatis, Mythologie zoologique, t.i, p.77.

154Nos Contos Populares Portugueses, n.° xv, o Criado do Estrujeitante, versão de Ourilhe, pertence a esta mesma tradição. Nos Contos Populares do Brasil, há uma variante pernambucana sob o n.° VIII, com o título O Pássaro Preto, de pp. 25 a 28, ed. de Lisboa.

A bicha de sete cabeças

155Era uma vez o filho de um rei que era muito amigo do filho de um sapateiro; brincavam sempre juntos, e o príncipe não se vergonhava de acompanhar com o filho do sapateiro por toda a parte. O rei não andava contente com aquela confiança, e disse ao sapateiro para mandar o filho para muito longe, dando-lhe muito dinheiro. O rapaz foi-se embora, mas o príncipe assim que soube disto fugiu do palácio e caminhou por esse mundo além à procura do amigo. Encontrou-o passado algum tempo; abraçaram-se e foram ambos de jornada. Indo mais para diante encontraram uma formosa menina amarrada a uma árvore. O príncipe assim que a viu ficou logo muito apaixonado, e perguntou-lhe quem é que a tinha deixado ali. Ela respondeu, que nada podia dizer, mas só pedia que a salvassem. O príncipe conheceu que era de sangue real, e pensou em casar com ela. Pô-la na garupa do seu cavalo e foram caminhando todos três. Pernoitaram naquela noite em um bosque onde estavam três cruzes; o príncipe e a donzela adormeceram, mas o filho do sapateiro deixou-se ficar acordado para o que desse e viesse. Lá por essa noite adiante viu vir três pombas e pousarem cada uma na sua cruz.

156A primeira pomba disse: – O príncipe cuida que há-de casar com a donzela, mas em ela passando ao pé dum laranjal há-de pedir uma laranja e em a comendo há-de arrebentar:

E quem isto ouvir e não se calar
Em pedra mármore há-de-se tomar.

157A segunda pomba disse: – Ainda não é só isso; ela há-de passar por pé de uma fonte e há-de querer beber água, e logo que a beba há-de arrebentar:

E quem isto ouvir e não se calar
Em pedra mármore há-de-se tomar.

158A terceira pomba disse: – Ainda não é só isso; se ela escapar de tudo, assim que chegar a casa, na noite de noivado há-de vir uma bicha de sete cabeças, que há-de matá-la:

E quem isto ouvir e não se calar
Em pedra mármore há-de-se tomar.

159Ouviu o filho do sapateiro isto tudo, e quando amanheceu disse ao príncipe, que era melhor voltarem para o reino, porque o rei devia de estar muito amargurado, e que lhe daria o perdão e licença para casar com a donzela, que era de sangue real. O príncipe deu pelo que lembrou o filho do sapateiro e meteram-se a caminho. Passaram por um laranjal, e aconteceu o que a pomba tinha dito; mas o filho do sapateiro disse que aquelas laranjas não se vendiam, e foram andando. Passaram por uma fonte, a menina quis beber, como a outra pomba tinha dito; mas o filho do sapateiro disse que não havia com que tirar a água. Até que chegaram ao palácio; o rei ficou muito alegre quando viu o filho, perdoou-lhe, e sabendo que o conselho do filho do sapateiro é que o fizera voltar para casa, deu-lhe licença para viver no palácio em companhia do seu amigo. O príncipe pediu ao pai para casar com a menina que tinha salvado, porque ela era de sangue real; o pai disse que só daria licença ao fim de seis meses depois de a conhecer melhor e ver as suas qualidades. O certo é que o príncipe casou com ela, e perguntou ao filho do sapateiro o que é que queria de dom no dia do casamento. Ele disse que só uma cousa queria, e era dormir na noite do noivado no mesmo quarto. Lá lhe custou isto, mas o príncipe sempre consentiu. O amigo deitou-se à porta do quarto, com uma espada escondida, e quando os noivos estavam dormindo sentiu entrar pelo quarto dentro uma grande bicha de sete cabeças. Como ele já esperava isto, descarregou um golpe certeiro e matou o monstro, mas sempre uma gota de sangue espirrou e foi bater na cara da princesa que estava adormecida. O filho do sapateiro tratou de limpar o sangue que estava pelo chão, e como visse a gota de sangue na cara da princesa foi-lha limpar com a ponta de uma toalha molhada. A princesa acordou com aquela friagem, e gritou sobressaltada para o marido:

– Vinga-me do teu melhor amigo, que me deu um beijo.

160O príncipe levanta-se furioso para matar o amigo que ele julgava traidor; ele porém pede-lhe que demore o seu rigor, para contar a toda a corte o caso acontecido. Ajuntou-se toda a gente do palácio; o rapaz começou a relatar tudo e ia-se tornando pouco a pouco em pedra mármore. Ficaram todos com muita pena de ser tão mal paga aquela fidelidade, e o príncipe resolveu colocar a estátua de mármore, que fora o seu maior amigo, no jardim do palácio. O príncipe costumava levar os filhos a brincarem no jardim, e sentava-se ao pé da estátua chorando com pesar, e dizia:

– Quem me dera o meu amigo outra vez vivo.

– Pois se queres o teu amigo outra vez vivo (disse-lhe uma voz) mata esses teus filhos, e unta esta pedra com sangue inocente.

161O príncipe hesitou, mas cheio de confiança no poder da amizade, degolou os meninos, e a estátua mexeu-se logo e apareceu ali o amigo outra vez vivo. Abraçaram-se muito, e quando o príncipe se voltou para o lugar onde estavam os filhos, achou-os alegres a brincarem tendo apenas uma fitinha vermelha em volta do pescoço. Nunca mais se separaram, e dali em diante viveram todos muito felizes.

162(Algarve)

163NOTA – Uma versão de Coimbra vem publicada sob o título de Pedro e Pedrito, nos Contos Populares Portugueses, n.°11, com o estribilho: Quem isto ouvir e contar / Em pedra se há-de tornar.

164Nos Portuguese Folk-Tales, coligidos por Consiglieri Pedroso e traduzidos pelo eminente mitógrafo Ralston, vem sob o n.° vi com o título Pedro and the Prince com algum desenvolvimento. Nos contos dos irmãos Grimm, n.°22, O Fiel João, e trad. de Fred. Baudry, p.27, pertence a este ciclo do criado ou do amigo que se sacrifica. Ralston, na introdução aos contos portugueses, cita este paradigma, bem como o n.°5 da colecção de Miss Frere, Old Deccan Days, intitulado Rama and Luxaran, e a situação geral em um conto indiano na tradução do Kathá Sarit Ságara por Tawney, vol. i, p. 253. Muitos contos têm evidentemente uma origem indiana, mas não é esta a única fonte.

O Conde Soldadinho

165Junto do palácio do rei morava um pobre soldado; no dia e hora em que nasceu um filho ao rei, também a mulher do soldado teve um filho. Aconteceu serem muito amigos um do outro, e o rei como era justiceiro e de bom coração deixou que o soldado e a mulher viessem viver para o palácio, para as duas crianças brincarem juntas. Chamavam todos no palácio ao rapaz o Conde Soldadinho; ele acompanhava o príncipe a todas as festas e caçadas.

166Uma vez andava o príncipe à caça, e achou-se ardendo em sede. O Conde Soldadinho foi-lhe arranjar água; daí a pedaço veio com um lindo jarro cheio de água fresca.

– Quem te deu um jarro tão bonito?

– Foi numa pobre cabana; que faria se o príncipe visse a mãozinha que mo deu!

167Foram ambos levar o jarro à cabana, e o príncipe ficou logo apaixonado por uma rapariga muito linda que ali morava. Tomou amores com ela, ia vê-la em segredo, até que prometeu casamento para obter tudo o que queria. Temendo que o rei soubesse daqueles amores, nunca mais voltou à cabaninha, mas andava muito triste com saudades. A rapariga, que não sabia que o namorado era o príncipe, veio à corte deitar-se a seus pés para lhe valer:

Supondo, serva de Deus,
Na terra fazeis de rei
E que sempre sem suspeita
Fazeis justiça direita;
Pois mui alto rei, sabei
Que a mim um cavaleiro
Com um amor verdadeiro
Protestou ser meu marido,
E entrou no meu aposento,
Conseguiu o seu intento;
E eu como humilde criada
Abatida e infamada
Neste campo de mudança
Peço aos vossos pés vingança.

168O rei disse:

Levantai-vos nobre dama,
Cobrarás crédito e fama.
Que será bem castigado
O que vos tem desonrado.

169E mandou chamar o príncipe, que estava passeando no jardim, para vir à sua presença; o príncipe veio suspirando:

A ela trago em pensamento,
Por ela estou num tormento.

170O Conde Soldadinho, que o acompanhava disse:

– Pois por uma pobre pastora suspirais!

– Calai-vos, meu amigo; que também eras soldado, e meu pai vos fez conde sem o teres merecido.

171Quando chegou à presença do rei contou-lhe tudo, e o rei deu-lhe ordem para casar com a pastora.

172(Algarve)

173NOTA – Pertence ao ciclo do amigo que se sacrifica; não há aqui a morte, mas a sua importância provém da parte metrificada, que revela a dissolução de uma obra dramática.

A sardinhinha

174Uma mulher tinha três filhas; foi com duas para o trabalho, e ficou em casa a mais nova para tratar da comida. Comprou dez réis de sardinhas, e foi assá-las na grelha. Quando estavam nas brasas, saltou uma das sardinhas para o chão; a rapariga pegou nela e tornou a pô-la na grelha. Daí a pouco tornou a dar um salto, e também um gemido. A rapariga meio-assustada foi levantar a sardinha do chão; ela disse-lhe:

– Não me mates! Pega em mim e leva-me à borda do mar, segue pelo caminho que se te depare.

175A rapariga foi, e assim que deitou a sardinhinha ao mar, formou-se logo uma estrada muito larga; ela seguiu por esse caminho adentro e foi dar a um grande palácio, onde estavam muitas mesas postas. Percorreu todas as salas, viu muitas jóias, muitas riquezas, mas o mar tinha-se tomado a fechar, e já não pôde tornar para trás. Deixou-se ficar ali, e dormiu em uma cama muito rica e muito fofa que achou. Para se entreter despia-se e vestia-se com vestidos riquíssimos que lá se guardavam.

176Todos os dias lhe aparecia um homem em figura de preto, que lhe perguntava se ela estava contente.

– Eu contente? O que me faz pena é lembrar-me que minha mãe e minhas irmãs estão trabalhando todo o dia para poderem comer qualquer cousa, e eu aqui.

– Pois bem, disse-lhe o preto, leva o dinheiro que quiseres, vai ver tua mãe e tuas irmãs, mas não te demores lá mais do que três dias.

177E tornou-se a abrir a estrada no mar. A rapariga chegou a casa, contou tudo, a mãe ficou muito contente com o dinheiro, e as irmãs fizeram-lhe mil perguntas do que havia no palácio, e se não tinha medo de ficar de noite sozinha? Ela disse que tinha o sono muito pesado. As irmãs replicaram:

– É porque te botam coisa no vinho, que te faz dormir, finge que bebes, mas deita o vinho fora, para sentires o que se passa de noite no palácio.

178Acabado os três dias ela voltou pela estrada aberta no mar, entrou no palácio; comeu, ceou, e fingiu que bebia. Quando se deitou já não teve o sono tão pesado, e sentiu que alguém se deitava ao pé dela. Ficou bastante assustada, e deixou-se ficar muito quieta; quando estava tudo muito sossegado, acendeu uma vela para ver o que era. Era um príncipe muito formoso; inclinou-se para vê-lo melhor, e caiu-lhe um pingo de cera no rosto. Ele então acordou:

– Ah cruel; que só faltavam oito dias para quebrar o meu encantamento. Agora para me poder desencantar é preciso que tu sofras grandes trabalhos por mim, sem nunca te queixares. Toma lá esta carapinha; quando te vires em alguma aflição de que te não puderes livrar, dize:

– Valha-me aqui quem me deu esta carapinha.

179E neste instante desapareceu o príncipe e o palácio, e a rapariga achou-se sozinha no meio de um descampado. Ia passando um rancho de pretas, que lhe disseram muitas chufas, e lhe arrepelaram os cabelos. A rapariga sofreu tudo sem nada dizer. Passou um jornaleiro e ela propôs-lhe trocar os seus vestidos cravejados de brilhantes pelas roupas do pobre homem, e assim já com outro trajo foi-se oferecer para hortelão da casa do rei. A rainha começou a gostar do hortelão, porque tinha uma cara bonita, mas como ele não lhe correspondia foi fazer queixa ao rei, que era preciso mandá-lo matar porque tinha cometido um atrevimento muito feio. O rei mandou meter a tormentos o hortelão para confessar o que fizera, mas ele sofreu tudo negando sempre. A rainha teimava que queria que se enforcasse; ia ele já para a forca, e lembrou-se de dizer:

– Valha-me aqui quem me deu esta caparinha.

180A execução interrompeu-se ao grande barulho de uma carruagem que trazia um alto figurão, que deu ordem para parar tudo. Levou o hortelão consigo para o paço e disse ao rei que era impossível ter ele cometido o atrevimento de que a rainha o acusava, senão que mandasse as camareiras examinar. Assim aconteceu e a rainha é que foi deitada a uma fogueira. O encantamento quebrou-se pela constância com que a rapariga tinha sofrido todos os tratos e o príncipe casou com ela por agradecido.

181(Algarve)

182NOTA – Gubernatis cita diferentes contos russoss das colecções de Afanasieff e de Erlewein, de Ferraro, etc., do Peixe que dá fortuna. (Myth. zoolog., ii. 357.) Nas Notte piacevoli, iii. fábula 1.a, vem este conto, que também figura no Pentamerone de Basile, Jornada iii, fáb. 1.a. No Catapatha Brâhmana, e no Maabarata, Manu socorre um peixe, de quem recebe depois a salvação do dilúvio. Vixnu também se transforma em peixe. Husson cita um fragmento de um conto coligido por Luzel (Chaine traditionelle, p. 66.) A menina-pajem acusada pela rainha é o tema de um conto citado por Gubernatis (Myth. zoolog. t.ii. p.405), coligido em Antignano. Nos Contos Populares Portugueses, n.° xix, vem sob o título A Afilhada de Santo António, versão de Coimbra; repete-se na ilha de São Jorge com o nome A Afilhada de São João. Consiglieri Pedroso cita o conto russo da colecção de Afanasieff, n.° 162. O Sapatinho de Ouro (Zolotoii bachmatchola) que pertence ao ciclo do Peixe Encantado.

Maria da Silva

183Era uma vez um rei, que andava à caça, e perdeu-se no monte, quando se fechou a noite. Foi com o seu pajem pedir agasalho a uma cabaninha do carvoeiro que vivia na serra. O carvoeiro deu logo a sua cama ao rei, e a mulher, como estava doente, ficou deitada em uma enxerga no aido. De noite ouviu o rei um grande alarido, e choros, e uma voz que dizia:

– Esta, que agora acaba de nascer
Ainda há-de ser tua mulher;
E por mais que a sorte lhe seja mesquinha
Sempre contigo virá a ser rainha.

184O rei ficou bastante atrapalhado, e tratou de saber que horas eram. Era meia-noite em ponto. Ao outro dia quando falou com o carvoeiro, perguntou-lhe que barulho tinha sido aquele.

– Foi uma filhinha que me nasceu; havia de ser pela meia-noite em ponto, senhor.

185O rei disse que queria fazer a fortuna daquela criança e que lhe daria muito dinheiro se a deixasse ir com ele. O carvoeiro deixou, e o rei partiu. Pelo caminho disse ao pajem, que fosse matar aquela criança, porque era preciso fugir a um agouro com que ela tinha nascido. O pajem não teve alma para matar a inocente, e deixou a criança no fundo de um barroco, entre uns silvados, embrulhada no cinto vermelho que ele tirou de si. Tornou para onde estava o rei, e disse:

– Real senhor, não tive ânimo de matar a criança, mas deixei-a num sítio donde se não vê nem monte nem fonte e ela lá morrerá com certeza.

186Aconteceu que um rachador de lenha veio trabalhar para aquele sítio, ouviu chorar uma criança, desceu ao barroco e tirou-a condoído, e levou-a para casa. A mulher, que não tinha filhos, acolheu-a com satisfação e tratou-a como se fosse seu sangue, e chamavam-lhe Maria da Silva, em lembrança do acontecido.

187Passados anos o pajem ia com o rei de jornada e viu uma rapariguinha de cinco anos vestida com uma capotinha vermelha, que conheceu ser o seu cinto. Foram ter com os camponeses, souberam a história da rapariga, o rei deu-lhes muito dinheiro, para o deixarem levá-la para o palácio; assim que o rei partiu, mandou fazer um caixão onde meteu a Maria da Silva, e foi ele mesmo deitá-la ao mar. Um navio encontrou no alto mar o caixão, quiseram ver o que continha, e ficaram pasmados por acharem ainda viva uma criança muito linda. Foram contar tudo à terra a que chegaram, e o rei dali quis ver a rapariguinha, a rainha tomou-lhe amor, e quis que ela se criasse no palácio para servir de aia à princesa. Quando se fizeram as festas do casamento da princesa, já Maria da Silva era grande; vieram às festas do casamento muitos reis e príncipes e veio também aquele que queria matar a Maria da Silva.

188O pajem que o acompanhava conheceu logo Maria da Silva, e disse-o ao rei seu amo. O rei, quando foi ao serão, quis dançar com ela, que estava muito asseada, e deu-lhe um anel dizendo:

Dançando to dou, dançando mo hás-de dar;
E se mo não deres, a vida te há-de custar.

189E ela lhe respondeu:

Dançando o recebi, dançando o hei-de dar;
Também hei-de ser rainha e no seu reino reinar.

190Acabado o serão Maria da Silva foi para o seu quarto, e uma criada comprada pelo tal rei, roubou-lhe o anel, e deitou-o ao mar. Maria da Silva ficou muito triste, quando viu que tinha perdido o anel, e que não podia mais dar conta dele; estava à janela quando viu em um quintal uma criada a amanhar peixe. Correu lá, e viu luzir no bucho do peixe o anel; tirou-o, voltou para o palácio. À noite ao serão o rei tornou a dançar com ela e a repetir as mesmas palavras. Maria da Silva mostrou-lhe o anel e repetiu as palavras que dissera na véspera. Então o rei ficou muito admirado, e disse:

– Já que ninguém pode fugir à sua sorte e tens de ser minha mulher e rainha, já gosto de ti, e hoje mesmo se façam as bodas.

191NOTA – Há outras versões portuguesas orais. Nas Fiabe, Novelle e Racconti, de G. Pittré, vem a versão italiana sob o n.° 100. Na ilha de São Jorge é repetido com o nome de Maria das Silvinhas, como vemos pelas notas do eminente colector Dr. João Teixeira Soares. Nos Contos Populares Portugueses, n.° lviii, vem uma versão de Coimbra, com o mesmo título da do Algarve, e também com estribilhos poéticos: Procura, procura, / Que a que chora / Ainda há-de ser tua. / Numa silva fui achada, / Por uma cabra fui criada; / Um pastor me educou, / E agora aqui estou.

192(Algarve)

A Rosa Branca na boca

193Um homem muito abastado veio a cair em pobreza pelos seus desvarios; como tinha dado uma boa educação ao filho, este sabia tocar muitos instrumentos e para ganhar a sua vida foi por esse mundo além. Chegou a uma terra e parou diante de um palácio onde estavam tocando peças de música muito lindas. Deixou-se ali ficar sem comer nem beber. O dono do palácio vendo aquele homem parado na rua, perguntou-lhe o que queria. Ele disse que também gostava de música; o homem mandou-o entrar para ver se ele também sabia tocar. Assim foi, tocou e desbancou todos os outros músicos. O homem admirado, despediu todos os músicos, e disse ao rapaz que ficasse com ele, para o ouvir tocar sempre. Os outros músicos desesperados só queriam apanhar o rapaz para o matarem; mas o velho assim que soube disto protegia o rapaz, acompanhava-o sempre, e queria deixar-lhe tudo como se fosse seu filho. Na corte correu a fama do tocador, e o rei pediu ao fidalgo para lhe levar o rapaz e deixá-lo no paço alguns dias. Lá lhe custou isso, mas não podia dizer que não ao rei. O rapaz espantou todos nas festas do palácio, porque tocava muito bem.

194Uma noite que estava recolhido, sentiu entrarem-lhe na câmara e meter-se na cama com ele uma dama; quis saber quem era, acendeu uma luz, mas ela trazia uma máscara. Enquanto se demorou no paço, todas as noites ia a dama ter com ele.

195O rapaz insistiu para que lhe dissesse quem era. Ela respondeu:

– Não te posso dizer quem sou! Amanhã ao entrar par a missa, hás-de-me ver com uma rosa branca na boca.

196O rapaz foi dizer tudo ao fidalgo que já o tratava como filho; mas o fidalgo lembrando-se do ódio dos músicos, quis acompanhá-lo, não fosse alguma traição. Pôs-se ele à porta da igreja, entraram todas as damas, e só quando veio a rainha é que ao lado dela viu a condessa que a acompanhava, e que todos tinham na corte por muito virtuosa, com a rosa branca na boca.

197Assim que viu o rapaz em companhia do fidalgo botou a rosa ao chão e amachucou-a com os pés. O rapaz chegou-se próximo da condessa para saber o motivo daquela zanga. Ela disse-lhe que a tinha atraiçoado, contando tudo ao fidalgo. Perguntou-lhe ele o que era preciso que fizesse para tornar a alcançar o seu amor. Disse a condessa que só matando o fidalgo que lhe servira de pai. Ele na sua cegueira assim o fez. O rei quando soube deste crime, achou-o tão atroz que deu ordem logo para que o enforcassem. Então a condessa foi contar tudo ao rei, e confessou-se culpada, dizendo que o rapaz estava inocente, e que o que fizera era pela paixão do amor. Então o rei perdoou-lhe:

– Já que a condessa fez a sua desgraça, case agora com ele para o fazer feliz.

198(Algarve)

199NOTA – Um povo que recebeu as tradições semitas, fenícias, hebraicas e árabes, repete sob um novo aspecto o conto de José que resiste à sedução da mulher de Putifar.

O Cavalinho das Sete Cores

200Um conde tinha ficado cativo na guerra dos Mouros. Levaram-no ao rei para que fizesse dele o que quisesse. Tinha o rei três filhas, todas três muito formosas, que pediram ao pai que o deixasse ficar prisioneiro no castelo até que o viessem resgatar. A menina mais velha foi ter com o conde, e disse-lhe que casaria com ele se lhe ensinasse qualquer coisa que ela não soubesse. O cativo disse:

– Pois ensino-te a minha religião, e vens comigo para o meu reino, e casaremos.

201Ela não quis. Deu-se o mesmo com a segunda.

202Veio por sua vez a menina mais moça; quis aprender a religião e combinaram fugir do castelo, sem que o rei soubesse de nada. Disse então ela:

– Vai à cavalhariça, e hás-de lá encontrar um rico cavalinho de sete cores, que corre como o pensamento. Espera por mim no pátio, à noite, e partiremos ambos.

203Assim fez. A princesa apareceu com os seus vestidos de moura, com muitas jóias, e à primeira palavra que disse, logo o cavalinho das sete cores se pôs nas vizinhanças da cidade donde era natural o cativo conde.

204Antes de chegar à cidade havia um grande areal; o conde apeou-se, e disse à princesa moura que esperasse ali por ele, enquanto ia ao seu palácio buscar fatos próprios para aparecer na corte, porque estava com roupas de cativo e ela de mourisca.

205Assim que a princesa ouviu isto, rompeu em um grande choro:

– Por tudo quanto há, não me deixes aqui, porque hás-de-te esquecer de mim.

– Como é que isso pode ser?

– Porque assim que te separes de mim e alguém te abraçar logo me esqueces completamente.

206O conde prometeu que se não deixaria abraçar por ninguém, e partiu; mas assim que chegou ao palácio a sua ama de leite conheceu-o, e com a alegria foi para ele e abraçou-o pelas costas. Não foi preciso mais; nunca mais ele se pôde lembrar da princesa. Ela tinha ficado no areal, e foi dar a uma cabana onde vivia uma pobre mulher, que a recolheu e tratou bem; ali foi ter a notícia que o conde estava para casar com uma formosa princesa, e na véspera do casamento a mourinha pediu ao filho da velha que levasse o cavalinho das sete cores a passear no adro da igreja em que se haviam de casar.

207Assim foi; quando chegou o noivo com o acompanhamento, ficou pasmado de ver um tão belo cavalinho, e quis mirá-lo de mais perto. O moço que o passeava andava a dizer:

Anda, cavalinho! anda,
Não esqueças o andar,
Como o conde esqueceu
A moura no areal.

208O noivo lembrou-se logo da sorte que lhe tinha caído, desfez o casamento com a princesa e foi buscar a mourinha com quem casou, e viveram muito felizes.

209(AlgarveLagoa)

210NOTA – Vide contos pp. 83 e 94 e notas respectivas. Nos Contos Populares Portugueses da tradução de Ralston, A Filha da Feiticeira traz a circunstância do esquecimento da namorada; é o n.° iv. As nossas versões não apresentam sincretismos. Vide o conto p. 141, agrupado também na versão citada. Nas Fiabe, Novelle e Racconti popolari siciliani de Pittré, o n.° xv Lu Rè di Spagna é idêntico ao conto português a Filha da Bruxa coligido por Pedroso. Na Revista de Literatura Popular, p. 84, publicou Gubernatis este conto com o título Il Reconescimento.

A muda mudela

211Era uma vez um homem que tinha duas filhas; a mais nova era muito linda e a mais velha muito feia, e por isso embirrava com a irmã, que a não podia ver. A feia intrigava-a com o pai, que se fiava em tudo quando lhe dizia; um dia armou uma traição à irmã para a perder. Morava por ali um rapaz muito valdevinos, que tentava todas as raparigas, e a irmã feia disse à mais nova que fosse àquela casa, porque ali existia uma família envergonhada e em grande miséria, a quem ela podia socorrer, porque tinha bom coração. Assim que a irmã saiu a socorrer a tal família, a irmã mais velha avisou o pai que lhe foi sair ao encontro, e ficou suspeitando o que não era. Desesperado com a sua afronta, o pai resolveu mandar matá-la, e deu ordem a um criado que a levasse para a floresta, para acabar com a pobre menina. Mas o criado teve dó dela e deixou-a perdida no meio da floresta só com a companhia de uma cadelinha, que ela estimava muito e que nunca a deixava. A menina viveu por algum tempo dentro de uma furna, comendo ervas. Andando um dia o rei à caça viu uma cadelinha, e mandou dar-lhe pão; a cadelinha pegou no pão e fugiu para o ir levar à sua dona. Passado tempo a cadelinha foi aparecer ao rei em outro sítio, tornaram a dar-lhe pão, e fugiu outra vez; o rei mandou acompanhar a cadelinha para ver para onde ela ia, e qual não foi o espanto ao encontrar uma donzela tão formosa e que parecia tão desgraçada. Ora esquecia dizer que a menina tinha prometido que se escapasse da morte e fosse salva daqueles trabalhos, estaria sete anos sem falar. Quando o rei a encontrou e lhe fez perguntas, ela lembrou-se da sua promessa, e não disse uma palavra. O rei levou-a para o palácio, porque gostava muito dela, e tanto se apaixonou que queria, desse por onde desse, casar com a menina. A mãe do rei aconselhava-o a que não casasse senão quando ela tornasse a achar a fala.

212Ao fim de muito tempo, pouco antes dos sete anos, o rei já sem esperança pediu uma princesa para casamento, e foi com toda a sua corte buscá-la. A menina mandou então fazer um vestido com uma das mangas muito larga, e no dia em que o rei voltou foi receber os noivos à escadaria. A princesa assim que a viu deu uma grande gargalhada, dizendo:

Olha a muda de mudela,
Que dentro da manga traz uma panela!

213A menina respondeu logo:

Olha a princesa destemperada.
Que logo que entra mal fala.
E eu há sete anos que aqui estou
É a primeira fala que dou.

214O príncipe ficou pasmado com o que viu, desfez logo ali o casamento com a princesa, e casou com a menina, como tanto tinha desejado.

215(AlgarvePortimão)

216NOTA – Há uma versão de Coimbra, intitulada O Senhor das Janelas Verdes, nos Contos Populares Portugueses, n.° xlviii. Traz o seguinte estribilho poético: – Olha a muda, mudona! / Que traje! que dona! / Olha a condessa, que inveja! / Que eu fale não deseja.

O sapatinho de cetim

217Era uma vez um homem viúvo e tinha uma filha; mandava-a à escola de uma mestra que a tratava muito bem e lhe dava sopinhas de mel. Quando a pequenita vinha para casa, pedia ao pai que casasse com a mestra, porque ela era muito sua amiga. O pai respondia:

– Pois queres que case com a tua mestra? Mas olha que ela hoje te dá sopinhas de mel, e algum dia tas dará de fel.

218Tanto teimou, que o pai casou com a mestra; ao fim de um ano teve ela uma menina, e tomou desde então grande birra contra a enteada, porque era mais bonita do que a filha. Quando o pai morreu é que os tormentos da madrasta passaram as marcas. A pobre da criança tinha uma vaquinha que era toda a sua estimação; quando ia para o monte, a madrasta dava-lhe uma bilha de água e um pão, ameaçando-a com pancadas se ela não trouxesse outra vez tudo como tinha levado. A vaquinha com os pauzinhos tirava o miolo do pão para a menina comer, e quando bebia água tomava a encher-lhe a bilha com a sua baba. Deste feitio enganavam a ruindade da madrasta.

219Vai um dia adoeceu a ruim mulher, e quis que se matasse a vaquinha para lhe fazer caldos. A menina chorou, chorou antes de matar a sua querida vaquinha, e depois foi lavar as tripas ao ribeiro; vai senão quando, escapou-lhe uma tripinha da mão, e correu atrás dela para a apanhar. Tanto andou que foi dar a uma casa de fadas, que estava em grande desarranjo, e tinha lá uma cadelinha a ladrar, a ladrar.

220A menina arranjou a casa muito bem, pôs a panela ao lume, e deu um pedaço de pão à cadelinha. Quando as fadas vieram, ela escondeu-se detrás da porta, e a cadelinha pôs-se a gritar:

Ão, ão, ão.
Por detrás da porta
Está quem me deu pão.

221As fadas deram com a menina, e fadaram-na para que fosse a cara mais linda do mundo, e que quando falasse deitasse pérolas pela boca, e também lhe deram uma varinha de condão.

222A madrasta assim que viu a menina com tantas prendas, perguntou-lhe a causa daquilo tudo, para ver se também as arranjava para a filha. A menina contou o sucedido, mas trocando tudo, que tinha desarrumado a casa, quebrado a louça, e espancado a cadelinha. A madrasta mandou logo a filha, que fez tudo à risca como a mãe lhe dissera tintim por tintim. Quando as fadas voltaram, perguntaram à cadelinha o que tinha sucedido; ela respondeu:

Ào, ão, ão,
Por detrás da porta está
Quem me deu com um bordão

223As fadas deram com a rapariga, e logo a fadaram, que fosse a cara mais feia que houvesse no mundo; que quando falasse gaguejasse muito, e que ficasse corcovada. A mãe ficou desesperada quando isto viu, e dali em diante tratou ainda mais mal a enteada.

224Houve por aquele tempo uma grande festa dos anos do príncipe; no primeiro dia foi a madrasta ao arraial com a filha, e não quis levar consigo a enteada que ficou a fazer o jantar. A menina pediu à varinha de condão que lhe desse um vestido da cor do céu e todo recamado com estrelas de ouro, e foi para a festa; todos estavam pasmados e o príncipe não tirava os olhos dela. Quando acabou a festa, a madrasta veio já achá-la em casa a fazer o jantar, e não se cansava de gabar o vestido que vira. No segundo dia foi a menina à festa, com o poder da varinha de condão, e com um vestido de campo verde semeado de flores. No terceiro dia, quando a menina viu que a madrasta já tinha ido para casa, partiu a toda a pressa, e caiu-lhe do pé um sapatinho de cetim. O príncipe assim que viu aquilo correu a apanhar o sapatinho, e ficou pasmado com a sua pequenez. Mandou deitar um pregão: que a mulher a quem pertencesse o sapatinho de cetim seria sua desposada. Correram todas as casas e a ninguém servia o sapatinho. Foi por fim à casa da mulher ruim, que apresentou a filha ao príncipe, mas o pé era uma patola e não cabia no sapatinho de cetim; perguntou-lhe se não tinha mais alguém em casa. Quando a madrasta ia responder que não, abriu-se a porta da cozinha, e apareceu a enteada com o vestido do primeiro dia das festas e com um pezinho descalço, que serviu no sapatinho de cetim. O príncipe levou-a logo consigo, e à madrasta deu-lhe tal raiva, que se botou da janela abaixo e morreu arrebentada.

225(Algarve)

226NOTA – Nos Contos Populares Portugueses, n.° xxxi e xxxvi, há duas versões, Pele de Cavalo, e a Enjeitada. Nesta última, vem o estribilho poético: Pérola fina fica na cuba, / E o saramago vai na burra.

227A versão de Ourilhe parece-se na situação final com o conto brasileiro D. Labismina, versão de Sergipe (Contos Populares do Brasil, p. 29, ed. Lisboa.)

228No Romanceiro do Arquipélago da Madeira do Dr. Álvaro Rodrigues de Azevedo, sob o título A Gata Borralheira, vem este conto em verso de redondilha, de p. 364 a 391. Acha-se no Pentamerone de Basile, Gatta Cenerentola; nas Recreations de Bonaventure des Pèriers; no conto de Pérrault, Peau d’Ane; em Rollenhagen, Fresch Mãusler (ap. Grimm); em Brueyre, Contes populaires de la Grande Bretagne, p.37, e notas eruditas a p. 46. Em Gubernatis, Mythologie zoologique, t.v. p.110 há mais paradigmas. No Asinarius vel Diadema, de Gotfried de Tirlemont, acha-se este tema popular. Consiglieri Pedroso alude a uma variante por ele coligida sob o nome A Menina e o Peixe, de que apresenta o resumo: «Um dia um homem trouxe para casa um paixe que apanhou, e deu-o à mais nova das filhas, que era quem tratava da cozinha, para ela o arranjar. A menina em vez de o matar deitou-o num poço, e o peixe reconhecido, quando daí a algum tempo ela tem de ficar em casa, enquanto as irmãs mais velhas vão a uma festa no palácio do rei, dá-lhe tudo quanto ela precisa, para se apresentar no baile, conseguindo a menina pela riqueza do seu trajo atrair a atenção de toda a corte, vindo por fim a casar com o peixe, que era um príncipe encantado.» (O Positivismo, t.ii, p.446.).

229A Gata Borralheira forma um vasto ciclo novelesco, estudado pelo eruditíssimo Reinhold Köhler, nas notas a uma versão escocesa, na Revue celtique, t.iii, pp.370 e 371. Estudou também este ciclo Henry Charles Coste. Na Biblioteca de las Tradiciones populares españolas t.i, p.114, vem uma versão do Chile com o título de Maria la Cenicienta, curiosa pelo sincretismo com outros contos. O episódio das tripas repete-se também na tradição portuguesa: Fadas, fadinhas, / Vistes por aqui as minhas tripinhas?

230Gubernatis, na Storie delle Novelline popolari, pp. 9 a 34, traz um valioso estudo comparativo do conto da Cenerentola, deduzindo a sua origem mítica das imagens poéticas da Aurora, No Florilégio em que colige os contos populares em ciclos, o da Cenerentola ocupa de p. 5 a 68, com as versões universais que o relacionam com o mito primitivo.

231Maspons y Labrós, La Filastra, o Las germanastras (Rondellayere, pp. 97 e 101.) Nos contos dos irmãos Grimm, Frau Holle; Bechstein, Zitterinchen; Leprince de Beaumont, Blanche et Vermeille; Ahn, Contos Gregos e Albaneses, t.i, n.°28; Callaway, o conto zulu Ukcombek-cantsini; Stanislao Prato, coligiu variantes livomesas, úmbrias, espoletinas; e Gubernatis no Florilégio delle Novelline popolari pp. 5 a 6, apresenta nova versão alemã; a Cendrouse, da Alta Bretanha; a lição de Pérrault; versão de Sene, de Parma, da Sicília; e da Roménia Il Cenerentola. Nos Contos Populares da Ilha de Córsega, coligiu Frederico Ortoli uma versão I tre pomi di Marinesle, que Prato considera análoga à Gata Borralheira do Romanceiro do Arquipélago da Madeira (em verso octonário). Nos Contos Populares do Algarve, vol. ii, p. 39, acha-se uma versão. No século xvi já citava Jorge Ferreira de Vasconcelos a Gata Borralheira em uma frase proverbial.

A Madrasta

232Uma mulher tinha uma filha muito feia e uma enteada bonita como o Sol; com inveja tratava-a muito mal, e quando as duas pequenas iam com uma vaquinha para o monte, à filha dava-lhe um cestinho com ovos cozidos, biscoitos e figos, e à enteada dava-lhe côdeas de broa bolorentas, e não passava dia algum sem lhe dar muita pancada. Estavam uma vez no monte e passou uma velha que era fada, e chegou-se a elas e disse:

– Se as meninas me dessem um bocadinho da sua merenda? Estou mesmo a cair com fome.

233A pequena que era bonita e enteada da mulher ruim deu-lhe logo da sua codinha de broa; a pequena feia, que tinha o cestinho cheio de coisas boas, começou a comer e não lhe quis dar nada. A fada quis-lhe dar um castigo, e fez com que ela feia ficasse com a formosura da bonita; e que a bonita ficasse em seu lugar, com a cara feia. Mas as duas pequenas não o souberam; veio a noite e foram para casa. A mulher ruim, que tratava muito mal a enteada que era bonita, veio-lhes sair ao caminho, porque já era muito tarde, e começou às pancadas com uma vergasta na própria filha, que estava agora com a cara da bonita cuidando que estava a bater na enteada. Foram para casa, e deu de comer sopinhas de leite e coisas boas à que era feia, pensando que era a sua filha, e a outra mandou-a deitar para a palha de uma loja cheia de teias de aranha, e sem ceia. Duraram as coisas assim muito tempo, até que um dia passou um príncipe e viu a menina da cara bonita à janela, muito triste e ficou logo a gostar muito dela, e disse-lhe que queria vir falar com ela de noite ao quintal. A mulher ruim ouviu tudo, e disse à que estava agora feia e que cuidava que era a sua filha, que se preparasse e que fosse falar à noite com o príncipe, mas que não descobrisse a cara. Assim fez, e a primeira coisa que disse ao príncipe foi – que estava enganado, que ela era muito feia. O príncipe dizia-lhe que não, e a pequena descobriu então a cara; mas a fada deu-lhe naquele mesmo instante a sua formosura. O príncipe ficou mais apaixonado e declarou que queria casar com ela; a pequena foi-o dizer à que pensava que ela era sua filha. Fez-se o arranjo da boda, e chegou o dia em que vieram buscá-la para se ir casar; ela foi com a cara coberta com um véu e a irmã, que estava agora bonita, ficou fechada na loja às escuras. Assim que a menina deu a mão ao príncipe e ficaram casados, a fada deu-lhe a sua formosura; foi então que a madrasta conheceu que aquela era a sua enteada e não sua filha. Corre à pressa a casa, vai à loja da palha ver a pequena que lá fechara, e dá com a sua própria filha, que desde a hora do casamento da irmã tornara a ficar com a cara feia. Ficaram ambas desesperadas e não sei como não arrebentaram de inveja. É bem certo o ditado: «Madrasta nem de pasta.»

234(Porto)

235NOTA – Pertence ao ciclo do antecedente. A troca das crianças pelas fadas, acha-se nos Contes populaires de la Grande Bretagne, p. 223, trad. Brueyre.

O ovo e o brilhante

236Havia uma mulher, que tinha uma filha e uma enteada; estavam sozinhas em casa, uma sempre na cozinha, muito maltratada, e a outra sempre perra e soberba de janela. Passou uma velhinha, e pediu se lhe davam alguma coisa. Disse a soberba:

– Vá-se embora, tia, que não há pão cozido.

237A outra disse:

– Não tenho que lhe dar; só se for este ovo fresco que pôs agora a galinha.

238E deu o ovo à velhinha. A velhinha quebrou-o, e dentro do ovo estava uma grande pedra preciosa, que era um brilhante; pegou nele e deu-o à menina:

– Trazei sempre essa pedra ao pescoço, que enquanto andardes com ela haveis de ter todas as felicidades.

239A pequena pôs a pedra ao pescoço. A irmã, com inveja, foi também buscar um ovo, e deu-o à velhinha. Ela disse que o partisse pela sua mão; assim fez, e rebentou o ovo choco, que tresandava de mau cheiro e a cobriu de porcaria pela cara e pelas mãos. A velhinha foi-se embora. Aconteceu passar por ali o rei, e viu aquela menina com a pedra ao pescoço, e achou-a tão linda, e ficou logo tão apaixonado, que a mandou buscar e casou com ela. Ficou rainha; e como era boa, a madrasta e a irmã pediram-lhe para que as deixasse viver no palácio; deixou. Um dia o rei foi para uma guerra, onde tinha de se demorar; a rainha ficou no palácio. Ora a madrasta, que já sabia do poder da pedra preciosa, andava mais a filha à mira de ver se lha furtavam; até que um dia que ela estava no banho, e que a irmã lhe tinha ido botar o lençol, furtou-lhe a pedra sem ela dar tino. Imediatamente ficou muito aflita, e a irmã mais a madrasta fugiram para irem ter com o rei, que estava na campanha, porque tinha a certeza que ele a tomaria por mulher. Pelo caminho puseram-se a descansar e adormeceram. Passou uma águia e viu luzir a pedra, e de repente desceu e arrancou-a, e engoliu-a. Quando as mulheres continuaram o seu caminho, chegaram à barraca do rei, sem terem ainda dado pela falta da pedra. Pediram licença para entrar, dizendo que era a mulher do rei que vinha visitá-lo, porque tinha muitas saudades. O rei conheceu, quem eram, e mandou dar-lhes muita pancada e pô-las fora; foi então que a rapariga deu pela falta da pedra, e botou a fugir, e a mãe atrás dela.

240Quando o rei chegou ao seu reino, veio a rainha ao seu encontro; mas como não tinha a pedra o rei não a conheceu, e disse: – É uma tola como as outras. E escorraçaram-na. Ela tomou para o palácio e lá só a aceitaram para ajudar na cozinha. De uma vez estava-se a arranjar um grande jantar para o casamento do rei, e ela ao amanhar uma águia, achou-lhe no papo uma grande pedra preciosa. Guardou-a, e pediu ao dono para ir servir à mesa. Assim foi; pôs a pedra ao pescoço, e assim que entrou na sala, o rei conheceu-a e lembrou-se dela, e perguntou-lhe como é que aquilo tinha sido. Ela contou-lhe tudo, e o rei sentou-a logo à sua direita, e a outra princesa foi-se embora.

241(Porto)

Cabelos de Ouro

242Um homem e a sua mulher tinham dois filhos mas não havia que lhes dar a comer; uma noite estando já deitados ouviu o pequeno estarem dizendo:

– É necessário matar um destes filhos, porque não podemos com tanta família.

243O pequeno acordou a irmãzinha, contou-lhe tudo e botaram a fugir de casa. Foram andando noite e dia, e já muito longe o rapazinho cansado deitou-se no chão e adormeceu com a cabeça no regaço da irmã. Passaram por ali três fadas, e vendo a criança, deram-lhe três dons:

244Que fosse a cara mais linda do mundo.

245Que quando se penteasse deitasse ouro dos cabelos.

246Que tivesse as mais raras prendas de mãos.

247Assim que o pequeno acordou, puseram-se outra vez a caminho, e foram dar a casa de uma velha muito feia, que os recolheu. Passaram-se anos, e um dia que o rapaz quis dinheiro, a irmã penteou-se, e ele levou o ouro para vender na cidade. O ourives que lho comprou ficou desconfiado, perguntou ao rapaz como é que arranjava aquele ouro, mas não quis acreditar tudo quanto ele disse. Foi dar parte ao rei, que o mandou prender até vir a irmã à corte para se apurar a verdade.

248A velha, que tinha ficado com a menina dos cabelos de ouro resolveu matá-la à fome; já estava havia dois dias sem comer, e quando lhe pediu alguma coisinha a velha disse-lhe que só se ela lhe deixasse tirar um olho. Ela deixou para não morrer. Depois de outros dois dias, estava já a menina a cair com sede, e pediu à velha uma pinga de água, e ela disse – que só se lhe deixasse tirar o outro olho. Até que ficou ceguinha. Foi então que veio ordem do rei para que a levassem à corte; a velha pensou que era melhor deitar a menina ao mar, e levar uma filha que tinha em lugar dela. O rapaz que estava preso numa torre que tinha uma fresta para o mar, viu andarem boiando na água umas roupinhas, que a maré trouxe para terra; botou-lhe uns lençóis torcidos para que ela subisse.

249A velha tinha chegado à corte com a filha, e se ela não botasse ouro dos cabelos, o rapaz iria a morrer. Quando a menina soube isto disse ao irmão – que lhe arranjasse do carcereiro um papel fino para fazer flores. O carcereiro trouxe o papel, e a menina assim mesmo cega fez um ramo muito lindo cheio de pérolas e ouro que lhe caíam dos cabelos. O irmão pediu ao carcereiro para lhe mandar vender aquele ramo, não por dinheiro, mas sim por um par de olhos. Apregoou-se o ramo, todos o queriam, mas ninguém se atrevia a dar os olhos da cara por ele; só a velha quando ouviu o pregão é que o comprou pelos olhos da menina, que tinha guardado. O carcereiro trouxe o par de olhos, e a menina tornou a pô-los outra vez na cara.

250Veio o dia em que a velha teve de apresentar a filha diante do rei, mas não deitava ouro dos cabelos. O rapaz ia já a morrer, quando mandou pedir ao rei que se lhe dessem um fato de mulher iria buscar sua irmã, que a velha tinha querido matar. Deram-lhe o fato, e trouxe então da torre a menina, que se penteou diante do rei, e todos ficaram pasmados daquele dom e da sua grande formosura. A menina contou tudo ao rei, que lhe perguntou o que queria que se fizesse da velha.

– Quero que da pele se faça um tambor, e dos ossos uma cadeirinha para eu me assentar.

251(Algarve)

252NOTA – A versão portuguesa está bastante confusa; a redacção mais completa que conhecemos é a do Chile, intitulada El Culebroncito, publicada na Biblioteca de las Tradiciones populares espanolas, t.i, p.137. Nos Contos Populares do Brasil, n.° xxix, versão do Rio de Janeiro: A Rainha Que Saiu do Mar.

A Carpinteirazinha

253Três irmãs viviam do seu trabalho. Estando elas um dia questionando qual era a mais habilidosa, diz a mais velha:

– Eu tenho habilidade de fazer uma camisa da pele de casca de ovo para o rei.

– E eu atrevia-me a fazer-lhe umas calças de uma casca de amêndoa verde.

254Disse a terceira:

– E eu atrevia-me a ter três filhos do rei sem ele o saber.

255Deu-se o caso de o rei ter passado por ali na ocasião desta conversa, e logo pediu licença para entrar. Disse que tinha ouvido isto assim e assim, e que ordenava que elas lhe mostrassem as suas habilidades.

256A mais nova respondeu-lhe que isso dependia de tempo enquanto à sua parte, e o rei partiu dizendo-lhe que não deixasse perder a ocasião. As duas irmãs ficaram penalizadas com a aposta da mais nova mas trataram de desempenhar-se da sua promessa. Soube a mais nova que o rei saía da corte e ia estar um ano em Bule; pediu então dinheiro emprestado às irmãs, comprou ricos vestidos, e apresentou-se em Bule sem que o rei a conhecesse. Ao fim de nove veses teve ela um menino. Ao fim de um ano o rei disse que ia até Toledo, e que quando voltasse casaria com ela, e deu-lhe muitas jóias e dinheiro à despedida. Foi o rei para Toledo e quando lá chegou, já lá estava a rapariga com outros trajos, e com outra fisionomia, e o rei tomou-se a apaixonar por ela, dizendo que ela era superior a todas quantas tinha visto. Ao fim de nove meses outra criança. Acabado o ano, foi o rei para Sevilha, e lá lhe tornou a aparecer a rapariga tão bem arranjada que lhe pareceu a melhor mulher que havia naquela terra. Teve então um terceiro menino. Não quis o rei ao voltar para a corte passar por Bule, nem por Toledo, porque prometera casamento às outras duas; quando entrou na corte já lá estava a Carpinteirazinha e as irmãs, pasmadas com as riquezas que trazia. Ela fartou-se de esperar a visita do rei, que não se fiara na aposta; passado tempo o rei estava para casar com a princesa, e no dia da boda a Carpinteirazinha mandou à corte os seus três filhos vestidinhos com todas as jóias que o rei lhe tinha dado. Disse-lhes que beijassem a mão do rei e ficassem calados, e só quando o rei lhes perguntasse o que queriam, dissessem:

Bule, Toledo, Sevilha, andai;
Vimos ao casamento d’el-rei nosso pai.

257Assim fizeram os meninos; o rei compreendeu logo tudo, lembrou-se da aposta e mandou vir a Carpinteirazita, com quem casou da melhor vontade.

258(Algarve)

259NOTA – Este título não tem sentido, ignorando-se a significação primitiva de carpinteiro; carpenta é o carro gaulês, usado pelas antigas mulheres da Ausónia, como descreve Ovídio. (Fastos, i-iv, 819.) Florus cita um carpentum de prata do rei Brituitus. A locução portuguesa bichos-carpinteiros, designa a pessoa que não está quieta em um lugar. Evidentemente o nome de Carpinteirazinha deriva-se da sua mobilidade com que figura no conto. A forma seguinte é uma variante.

A filha do lavrador

260Era uma vez um príncipe; todas as vezes que vinha lavar-se à varanda do seu quarto, via defronte a filha de um lavrador, que era muito linda. Ora naquele tempo a verdadeira nobreza era a dos lavradores, e por isso o príncipe falava para ela, e dizia:

– Deus vos salve, filha de lavrador.

261E ela respondia:

– E a vós príncipe e real senhor.

262Ele conversava para ela, e perguntou-lhe se não queria encontrar-se na grande feira do ano, que se fazia? Ela disse que não; mas pediu licença ao pai, foi adiante e meteu-se no quarto da estalagem onde havia de pernoitar o príncipe. Quando disseram ao príncipe que estava ali uma mulher, ele respondeu:

263É o mesmo.

264Entrou para o quarto; viu uma moça muito linda, mas não a conheceu. Apagou a luz e ficaram toda a noite juntos. Pela manhã muito cedo ela arranjou-se para partir, e o príncipe perguntou-lhe o que é que ela queria em lembrança daquela noite; ela pediu-lhe a espada. O príncipe não teve remédio senão dar-lha. Passados dias, o príncipe fez os mesmos cumprimentos:

– Deus vos salve, filha de lavrador.

– E a vós também, real senhor.

– Então a menina não vai amanhã à romaria, para se encontrar lá comigo?

265Ela disse que não; mas foi adiante e com tal jeito que ficou no lugar onde o príncipe tinha de dormir aquela noite. Ora já se tinha passado muito tempo, e a filha do lavrador tinha tido às escondidas um menino, que estava a criar e era o retrato do príncipe. Desta vez as coisas passaram-se como da outra, e quando foi pela manhã cedo, o príncipe disse-lhe que pedisse o que queria, e respondeu que só queria o cinto que ele usava.

266Já se sabe, veio a ter outro menino. Foi ainda uma terceira vez convidada para um grande arraial, e ela lá se encontrou com o príncipe sem ele saber que era a filha do lavrador. Desta vez também lhe perguntou o que é que ela queria, e a moça pediu-lhe o relógio. Passado o tempo também teve uma menina, que pôs a criar com os outros dois filhos do príncipe.

267Um dia, disse ele:

– Filha de lavrador, vou-me casar. Não queres vir à minha boda?

268Ela disse que não; mas no dia do casamento entrou pelo palácio dentro com os três meninos, um com a espada, outro com o cinto e a menina com o relógio. Deixaram-na entrar, e ela foi para a mesa. O príncipe conheceu aquelas três prendas que dera, sem saber a quem, e viu que os meninos eram o seu retrato. No fim do jantar disse que cada um havia de contar a sua história, e que ele é que começaria.

269Disse então:

– Um dia um homem perdeu uma chave de ouro, e arranjou uma de prata para servir-se; mas aconteceu achar outra vez a chave que tinha perdido, e agora quero que os senhores me digam de qual delas se deve servir daqui em diante, da de ouro ou da de prata?

270Disseram todos:

– Da chave de ouro! Da primeira.

271O príncipe levantou-se, e foi buscar a filha do lavrador, que estava a um canto da mesa, e disse:

– A esta é que eu tomo por mulher; e estes infantes são os meus filhos, que eu tinha perdido.

272A festa continuou muito alegre, e dali se foram a receber com grandes alegrias.

273(Santa MariaFamalicão)

274NOTA – Pertence ao ciclo da Maria Sabida.

A feia que fica bonita

275Era uma vez uma velha, que tinha uma neta, que era feia como um bicho. A velha morava defronte do palácio do rei, e meteu-se-lhe em cabeça de vir a casar a neta com o rei. Lembrou-se de uma gíria. Todas as vezes que o rei saía a passeio, ao passar por diante da porta da velha, ela despejava para a rua uma bacia de água de cheiro, e dizia:

– A água em que a minha neta se lava cheira que rescende.

276Sucedeu isto assim tantas vezes, que o rei reparou para o caso, e pediu à velha que lhe deixasse ver a neta, que se lavava em água tão cheirosa. A velha escusou-se dizendo que não, porque a neta era muito vergonhosa, mas que tudo se arranjaria, porque assim que fosse noite iria com ela fazer uma visita, e por este engano a levaria ao palácio. Disse também ao rei que era a cara mais linda do mundo; o rei esperou que anoitecesse, até que ouviu o sinal combinado, e veio buscar a rapariga. A velha foi-se embora, pensando que o rei ficaria com a neta; quando o rei chegou ao seu quarto e acendeu a luz, deu com uma mulher feiíssima e desengraçada; ficou zangado com o logro, e na sua raiva despiu-a toda e fechou-a numa varanda ao relento da noite. A pobre rapariga não podia perceber a sua desgraça, e com o frio e com o medo da escuridão estava bem perto de morrer.

277Lá por essa meia-noite passou um grupo de fadas que andavam a distrair um príncipe que tinha perdido o riso; o príncipe assim que viu a rapariga nua desatou logo às gargalhadas. As fadas ficaram muito contentes, e quando viram que a causa fora aquela rapariga nua, negra e feia, disseram-lhe:

– Nós te fadamos, para que sejas a cara mais linda do mundo.

278Quando de madrugada o rei veio ver se a rapariga teria morrido, achou-a lindíssima, e ficou pasmado do seu engano. Pediu-lhe muito perdão, e rogou-lhe logo para casar com ela. Casaram e fizeram-se grandes festas. A velha avó, que morava defronte do palácio, soube que a nova rainha era a sua neta; foi ao palácio pedir para lhe dar uma fala. Chegou-se ao pé da neta e perguntou-lhe baixinho:

– Quem é que te fez tão bonita?

279A neta respondeu na sua boa verdade:

– Fadaram-me.

280Ora como a velha era algo surda, entendeu que lhe dizia: «Esfolaram-me.» O rei, deu-lhe muito dinheiro assim que ela se despediu, e ela foi logo a casa de um barbeiro para que a esfolasse, porque queria ficar outra vez nova. O barbeiro não queria, ela deu-lhe todo o dinheiro que levava; por fim começou a esfolá-la, e a velha morreu no meio de grandes dores, pensando que ficaria bonita.

281(Algarve)

282NOTA – No Pentamerone de Basile, x conto, há uma velha que se esfola para se fazer bonita. Vid. Gubernatis, Mythologie zoologique, t.ii, p.6: «No décimo conto do Pentamerone, o rei de Roccaforte casa-se com a velha, julgando que é uma nova. Deita-a pela janela, mas ela na queda fica dependurada de uma árvore; vêm as fadas, fazem-na nova, dão-lhe formosura e riqueza, e cingem-lhe o cabelo com uma fita de ouro. A irmã, também velha, com inveja da que ficou bonita (a Noite) foi a casa de um barbeiro, esperando obter a mesma transformação pedindo que a esfolasse, mas ficou sem pele. No que respeita o mito das duas irmãs, a Noite e a Aurora, a donzela negra e a que se disfarça ou tinge de negro, ou cinzento, vide também o Pentamerone, ii, 2.» O conto baseia-se sobre um equívoco de linguagem, que vem reforçar a elaboração do mito. Nos Contos Populares Portugueses, n.° lxv, há uma versão de Coimbra com o título A Velha Fadada.

O Peixinho encantado

283Era uma pobre mulher, que tinha um único filho, e demais parvo, e não queria trabalhar. Coitadinha, não lhe servia senão para comer. Um dia que ia para o mato buscar lenha um rapazinho da vizinhança, ela pediu-lhe para que levasse consigo o tolinho, e lhe ensinasse a fazer um feixinho. Quando chegaram ao monte, o rapaz foi cortar dois molhos de lenha, e o parvo pôs-se a brincar ao pé de uma ribeira. Ali esteve sem pensar em nada, a ver os peixinhos na água; eis senão quando salta um peixinho mesmo às abas do parvo, que lhe botou logo as unhas. O peixinho assim que se viu nas mãos do parvo, disse-lhe

– Não me mates, que em paga, quando quiseres alguma coisa, basta dizeres: «Peço a Deus e ao meu peixinho que me dê tal e tal, que tudo há-de sair como pedires.»

284O parvo, assustado, deixou o peixinho cair-lhe da mão, e logo desapareceu na ribeira. O outro rapaz bem chamava por ele para vir erguer o seu molho; ele foi, e quando viu que o molho era pesado disse:

– Peço a Deus e ao meu peixinho que me ponha a cavalo neste feixe de lenha.

285Saltou para cima do molho, que o levou a galope pelo mato fora e por toda a cidade até chegar a casa da mãe. O rei estava à janela do palácio, e ficou admirado; chamou a filha:

– Vem ver o parvo a cavalo num feixe de lenha.

286A princesa desatou a rir, quando o viu; mas o parvo disse baixinho:

– Peço a Deus e ao meu peixinho, que a princesa tenha um menino meu.

287Tempo depois começou a princesa a padecer; todos os médicos foram de opinião, que a princesa andava ocupada. O rei ficou desesperado e pedindo por todos os santos à filha que lhe dissesse quem tinha sido o causador de uma tal vergonha. A princesa jurava por tudo que não sabia explicar aquilo; o rei mandou botar um pregão, de que quem viesse confessar que era pai do menino casaria com a princesa.

288Depois de tempo, veio o parvo ao palácio para falar ao rei:

– Venho dizer a Vossa Real Majestade, que eu é que sou o pai do menino da princesa.

289O rei ficou espantado, a princesa não compreendia o que estava ouvindo. O parvo contou então o acontecido. O rei para se confirmar, disse-lhe:

– Pois pede ao teu peixinho que te faça aparecer agora aqui muito dinheiro.

290O dinheiro caiu-lhe de todos os lados.

– Pede agora ao teu peixinho que te faça um moço muito perfeito e esperto.

291O parvo ficou desde logo mais formoso que todos os príncipes; casou com a filha do rei, e pela sua grande esperteza ficou governando.

292(Algarve)

293NOTA – Há uma outra versão da Foz do Douro intitulada João Mandrião, nos Contos Populares Portugueses, n.° xxx. Vide nota a p. 36. Nos Portuguese Folk-Tales, de Consiglieri Pedroso, aparece com o n.° xvii sob o título O Preguiçoso Filho da Padeiro, diversificando no episódio da laranja. Ralston, na sua Introdução (p. vii) considera-o comum a todo o Oriente da Europa, e cita os n.° 55 do vol. vi, e 61 do vol. vii; depois da vasta colecção russa, cita o conto n.° 19 dos Contos de Grimm, O Pescador e Sua Mulher; uma variante nos Griechische Märchen, n.° 8, de Ahn, e termina dizendo que na Ásia esta tradição conserva uma forma mais razoável. Sobre os Peixes-Salvadores, vid. p. 110.

O Figuinho da figueira

294Era uma vez um homem que tomou a casar, e tinha uma filha do primeiro casamento que era tratada pela madrasta mal a mais não poder. Tinham uma figueira lampa no quintal, para onde a madrasta mandava a enteada guardar os figos por causa da passarada. Quando a pequena ia para o campo, a madrasta seguia-a também para contar os figos, dizendo-lhe que a mataria se algum lhe faltasse. Um dia veio o milhano e comeu três figos, por mais que a pequena o enxotasse. Quando estava a anoitecer a madrasta veio revistar a figueira, e a enterrou debaixo da figueira, e veio para casa dizendo que a rapariga tinha fugido. O pai pensou que ela teria ido servir para alguma casa longe. Um dia que o pai passava por debaixo da figueira, figou pasmado de ver sob ela muitas flores, e entre elas um lindo botão de rosa. Foi para as colher mas sentiu uma voz a dizer-lhe:

Não me arranquem os meus cabelos
Que minha mãe os criou
Minha madrasta mos enterrou
Pelo figo da figueira
Que o milhano levou.

295Ao princípio o homem ficou sem saber o que havia de fazer; mas por fim resolveu-se a abrir uma cova naquele lugar para ver que coisa era. Depois de estar já bem funda a cova, descobriu uma laje levantou-a, e deu com uma escadaria por onde desceu. Quando chegou lá abaixo encarou com a filha, que estava muito linda e muito bem vestida:

– Filha como é que vieste ter aqui?

– Quando a minha madrasta me enterrou, apareceu-me aqui esta casa e todos os dias vem aqui uma senhora dar-me de comer.

296O pai ficou vivendo com a filha, e não quis mais saber da mulher.

297(Algarve)

298NOTA – Nos Contos Populares Portugueses, n.° xli, vem uma versão de Coimbra sob o título A Menina e o Figo. Acha-se nos Contos Populares do Brasil n.° xvi, com o título A Madrasta. Celso de Magalhães coligiu-o na tradição oral do Maranhão.

A da varanda

299Era uma vez um mercador que tinha uma filha linda como as estrelas e ladina como os diabretes. Pegado à varanda dela era o quintal do rei. Todas as tardes ela ia regar as suas flores e tinha um grande manjaricão. O rei começou a gostar muito dela e já a esperava à hora certa para a ver e perguntava-lhe sempre:

Ó menina, visto ser
De tamanha discrição,
Sabeis dizer quantas folhas
Tem o seu manjaricão?

300Ela dava-lhe o troco dizendo:

Vossa Majestade sabe
Ler, escrever e contar,
Há-de saber quantos bagos
De areia tem o mar?

301O rei começou então a ver se podia pregar uma peça à rapariga, e aproveitou uma ocasião em que o mercador tinha saído para fora da terra. Arranjou uma tenda com quinquilharias, e foi vestido de tendeira a casa dela. A filha do mercador mandou-a entrar sem suspeitar mal; o rei levava um anel muito rico, que deixou a rapariga encantada. Gabou-o muito com pena de o não poder comprar; mas a tendeira disse-lhe:

– Eu minha menina dou-lhe o anel se me der um beijinho; estou perdida por si; mesmo que seja por cima deste véu que trago pela cara.

302Quem mal não pensa mal não vê, a rapariga deu o beijo e ficou com o anel.

303De tarde quando foi regar as flores, apareceu o rei como de costume:

Ó menina, visto ser
De tamanha discrição,
Sabeis dizer quantas folhas
Tem o seu manjaricão?

304E ela retrucou logo:

Vossa Majestade sabe
Ler, escrever e contar,
Há-de saber quantos bagos
De areia tem o mar?

305O rei, que ficou calado, continuou:

E aquele beijo que deu
Mesmo por cima do véu?…

306A rapariga ficou capaz de morrer; fez-se muito vermelha e jurou de si para si que se havia de vingar. Vai um dia, veste-se de preta, e foi a casa do rei oferecer-se para criada; primeiro combinou com o seu criado, que de noite botasse na varanda do rei a cabra que tinham no quintal. O rei tomou logo a pretinha para si, porque era muito engraçada, e com medo que ela lhe fugisse deitou-a num quarto ao pé do seu, com uma fita amarrada ao braço dela. De noite o rei puxou pela fita e ainda a pretinha respondeu; mas assim que o rei pegou no primeiro sono, a rapariga desamarrou-se foi buscar a cabra muito devagarinho, pô-la em seu lugar, e foi-se embora. Quando o rei acordou, lembrou-se da pretinha, que era de encantar, puxou-a pela fita para a sua cama, mas a cabra começou a berrar, e o rei espantado a gritar que tinha o Diabo em casa; acudiu muita gente e todos viram a cabra em vez da preta no quarto do rei. No outro dia à tarde, o rei foi ver a filha do mercador, que andava a regar, e perguntou-lhe:

Ó menina, visto ser
De tamanha discrição,
Sabeis dizer quantas folhas
Tem o seu manjaricão?

307E ela, em despique:

Vossa Majestade, sabe
Ler, escrever e contar.
Há-de saber quantos bagos
De areia tem o mar?

308Diz o rei:

E o beijinho por cima do véu?…

309E ela:

E a cabra que fez méu, méu?…

310O rei conheceu que ela o tinha desfrutado, mas achou-lhe graça. A rapariga não quis ficar por aqui. Soube que o rei ia para uma caçada, vestiu-se de homem, montou numa mula, e levou consigo uma máscara, e foi seguindo a comitiva de longe. Depois de muito andar, o rei disse para parar um pouco, e que o deixassem sozinho. Assim que os cavaleiros se afastaram para longe, a rapariga tira a máscara da algibeira, saca de um punhal e vai para o rei, como quem quer matá-lo, e grita-lhe:

311– Beije já o rabo da minha mula, senão mato-o aqui já.

312Naqueles apertos, o rei como estava ali sozinho beijou o rabo da mula.

313A rapariga voltou para casa; ao outro dia estava regando as flores, e o rei apareceu, e fez as perguntas do costume:

Ó menina, visto ser
De tamanha discrição,
Sabeis dizer quantas folhas
Tem o seu manjaricão?

314E ela:

Vossa Majestade sabe
Ler, escrever e contar,
Há-de saber quantos bagos
De areia tem o mar?

315E o rei:

E aquele beijo que deu
Mesmo por cima do véu?…

316Ela:

E a cabra que fez méu méu?…

317O rei:

Não se finja assim tão fula.

318Ela:

E o beijo no rabo da mula?

319O rei lembrou-se do acontecido, achou-lhe muita graça, e quando o mercador voltou à terra foi pedir-lhe a filha em casamento, porque com uma mulher tão esperta havia de ser por força muito feliz.

320(Algarve)

321NOTA – Pertence ao ciclo da Maria Sabida. Em uma variante que ouvimos no Porto há o estribilho: E a cabra na cama / A fazer de madama?

322Nos Contos Populares do Brasil, n.° xii, Dona Pinta, versão de Sergipe.

A noiva formosa

323Era uma vez um rei que tinha três filhos; um dia chamou-os e disse – que já estava velho, e que desejava entregar o reino a qualquer dos seus filhos, e por isso fossem procurar mulher, na certeza de que aquele que trouxesse a mais formosa esse é que ficaria com o reino. Partiram todos três; os dois mais velhos voltaram passado pouco tempo casados, com duas bonitas raparigas, que não eram princesas. O mais novo correu muitas terras, sem achar mulher que lhe agradasse; um dia chegou a um lindo palácio no meio de um escampado, e resolveu-se a pernoitar ali. Apareceu-lhe então um velho que o recebeu, e lhe deu um quarto muito rico, e o hospedou muito bem. Ao outro dia o príncipe contou o motivo da sua jornada.

324– Pois pode dar graças à sua ventura, porque não podia ir bater a melhor porta do que à minha – disse o velho. Tenho uma filha que é uma formosura, com um bom génio, e rica.

325O príncipe ficou logo contente, e pediu para ver a noiva. O velho respondeu-lhe que não; se confiava na sua palavra só a poderia ver no dia do casamento. O rapaz disse que sim, e daí a pouco chegou o dia do noivado. Vieram muitas carruagens, vistoso acompanhamento, mas o príncipe não conhecia ninguém. Por fim chegou a carruagem da noiva, e foram todos a recebê-la. Vinha coberta de pedrarias. O rapaz ficou pasmado por vê-la tão feia como uma macaca; como enfim tinha dado a sua palavra, curtiu consigo o cru engano. Casou, e levou a mulher para a corte de seu pai; não se falava noutra coisa senão na macaca. O rei desgostado com o filho, deu-lhe um palácio velho que tinha para ele ir para lá viver. O príncipe andava descontente, mas tratava muito bem a mulher. Um dia o rei mandou avisar os filhos de que iria a visitar as suas noras; todos assearam as suas casas, só a macaca pulando de contente, pôs a casa numa felga, escangalhou camas, quebrou vidraças e mais tropelias. Quando estava o rei para chegar, e o príncipe viu que tinha a casa como um chiqueiro, disse-lhe a macaca:

– Vai a casa de meu pai, que me mande a laranja que eu deixei em cima da minha cómoda.

326O príncipe foi, deu o recado ao sogro, voltou e entregou a laranja à mulher. A macaca armou com umas mesas e cadeiras um trono, sentou-se no alto, e o marido a sofrer-lher tudo. Quando o rei chegou à porta, e já vinha subindo a escada, a macaca dá a laranja ao marido dizendo:

– Atira-a com força ao tecto da casa.

327De repente a casa transformou-se no mais rico palácio do mundo, a mesa e cadeiras em um trono de ouro, e ela em uma cara lindíssima como o Sol.

328O rei ficou espantado do que via, e a princesa disse-lhe:

– Obrigada pela sua visita; pode oferecer o seu reino a quem quiser, porque eu sou a rainha dos impérios, que estava encantada, até encontrar quem fosse capaz de me fazer o que o príncipe meu marido me fez.

329(Algarve)

330NOTA – Vide o conto da p. 83 e a nota correspondente. Nos contos populares do Brasil, n.° xxi, vem uma versão de Sergipe, A Sapa Casada. Gubematis, no Florilégio delle Novelle popolari, traz uma versão italiana La Ranocchiella, filiando-a no vasto ciclo novelístico de Psique. Pitré Tre Figlio obedienti (Palermo) Knust, Imbrianni, Gonzenbek e Comparetti, coligiram versões.

A noiva do corvo

331Havia numa terra uma mulher, que tinha em sua companhia um corvo. Defronte dela moravam três raparigas muito lindas. Como o corvo queria casar, mandou falar à mais velha; respondeu-lhe que não, e o corvo raivoso arrancou-lhe os olhos. Sucedeu o mesmo com a segunda, até que a terceira sempre se sujeitou a casar com o corvo.

332Tempo depois de já viverem na sua casa, a rapariga falou a uma vizinha no seu desgosto de estar casada com um corvo; a vizinha aconselhou-lhe que lhe chamuscasse as penas, porque podia ser obra de encantamento, e assim se quebraria. Quando à noite se foram os dois deitar, a rapariga chegou a candeia às pernas do corvo; ele acordou logo, dando um grande berro:

– Ai, que me dobraste o meu encantamento! Se me queres salvar, vai pôr-te àquela janela, e todos os pássaros que vires, chama-os e pede-lhes assim: «Venham passarinhos, venham despir-vos para vestir el-rei que está nu.» De facto os passarinhos começaram a vir poisar na janela, e cada um deixava cair uma pena com que o corvo se foi cobrindo. Depois que ficou outra vez emplumado, o corvo bateu as asas, e desapareceu, dizendo para a mulher:

Agora se me quiseres tornar a ver,
Sapatos de ferro hás-de romper.

333A pobre rapariga ficou sozinha toda aquela noite, e logo que amanheceu foi comprar uns sapatos de ferro e meteu-se a correr o mundo. Tinha os sapatos quase estragados de andar, quando encontrou um velho e lhe perguntou se não tinha visto um pássaro. O velho respondeu:

– Eu venho da fonte da Madrepérola, onde estavam bastantes.

334Ela continuou o seu caminho, e antes de chegar à fonte ali encontrou um corvo, que lhe disse:

– Olha, se quiseres salvar o rei, vai à fonte, onde estará uma lavadeira a lavar um vestido de penas, tira-lho e lava-o tu. Ao pé da fonte está uma casa, e um velho que a guarda; entra aí, mata o velho para poderes quebrar todas as gaiolas e dar a liberdade aos pássaros que ele tem lá presos.

335A rapariga chegou à fonte, e fez como o corvo lhe tinha dito; lavou o vestido de penas e depois entrou na casa onde estava o velho, fingiu que via vir pelo mar uma linda embarcação; o velho chegou à janela e a rapariga pegou-lhe pelas pernas e deitou-o ao mar. Depois quebrou todas as gaiolas e os pássaros em liberdade tornaram-se príncipes que estavam encantados, e entre eles estava o seu marido, que era rei e lhes pôs a obrigação de a servirem toda a vida.

336(Algarve)

337NOTA – Nos Kalükische Märchen, de Jülg, vem um conto do pássaro desposado, que se prende a este ciclo do amante tomado em porco ou em cavalo, em serpente ou em pássaro. Nos Contos Populares Portugueses, n.° xxv e xxxiv, vem com os títulos O Cameirinho Branco, e o Príncipe Sapo. Brueyre, nos Contes populaires de la Grande Bretagne, cita um conto da colecção de Campbell, em que o esposo é um corvo, e não um príncipe-sapo ou príncipe-serpente como no ciclo em geral. Na Rússia, Alemanha, Itália e França. (Vid. nota a pág. 126.) Estudamo-lo mais adiante ao anotar a redacção literária de Trancoso. No sétimo conto mongol do Siddhi-Kûr, resumido por Gubernatis (Myth. zoologique, t.i, 140), é a gaiola que a desposada queima por conselho de uma bruxa. Nos mitos indianos o Sol é um pássaro, e a Aurora a gaiola que arde. Nas Fiabe, Novelle e Racconti popolari siciliani, de Pittré, há o conto deste ciclo, n.° cclxxxi, Rè Cristallu; e St. Prato, sob o título O Rei Serpente. Consiglieri Pedroso coligiu duas versões portuguesas O Príncipe Encantado, e o Talo de Couve. Liebrecht e Volmer estudaram este ciclo da. Bela e da Fera.

3381740 – M.me Villeneuve, Contes marins: La belle et la bête.

3391757 – M.me de Beamont, no Magazin des enfants resume a novela anterior.

340Sobre este assunto a ópera Zémire et Azor, letra de Marmontel, música de Grétry.

341Sobre a variedade de versões populares deste conto, vid. Ralston, Beauty and the Beast, no jornal The Nineteenth Century, Dezemb. 1878, pp. 990 a 1012.

A paraboinha de ouro

342Era de uma vez três irmãs, que viviam juntas; a mais nova punha à janela uma bacia com água e ali vinha espanejar-se um passarinho, que era um príncipe encantado, que falava com ela. As irmãs tomaram-lhe grande inveja, e procuraram jeito de acabar com as conversas; espreitaram e viram o príncipe, e meteram na bacia de água muitas navalhas de barba. Quando ao outro dia veio o passarinho lavar-se cortou-se e foi-se embora; a menina veio à hora do costume, e o passarinho não aparecia; só quando olhou para a água e a achou cheia de sangue e com as navalhas de barba, é que compreendeu a traição das irmãs. Foi por esse mundo além, perguntando se alguém sabia onde estava o príncipe encantado; até que chegou a casa da Lua. A mãe da Lua disse-lhe:

– Ai menina, que vem aqui fazer? Se o meu filho a acha cá... Olhe que ele tem uma cara muito arrenegada.

343A menina sempre lhe contou o que pretendia, e a velha escondeu-a e disse-lhe que havia de perguntar ao filho, onde é que estava o príncipe. Por fim entra a Lua, muito arrenegada, bradando:

– Cheira-me aqui a fôlego vivo.

344A velha lá sossegou a Lua, e perguntou o que a menina queria; respondeu a Lua:

– Eu sei lá dele! Todos os que estão doentes me fecham as janelas assim que anoitece! O Vento é que há-de saber.

345A mãe da Lua deu à menina uma paraboinha de ouro, e ela foi ter à casa do Vento. A mãe do Vento também perguntou ao filho, e ele volveu:

346O príncipe está muito longe e eu já lá cheguei, mas como está doente fecharam-me todas as janelas. O Sol é que sabe onde é que o príncipe está.

347A menina foi-se embora, e a mãe do Vento deu-lhe uma roca de ouro cravejada de diamantes. Até que chegou a casa do Sol; a mãe tratou-a muito bem, e nisto entrou o Sol muito radiante e alegre, declarou onde é que estava o príncipe, e ensinou-lhe o caminho. A mãe do Sol deu-lhe um fuso de ouro.

348A menina chegou defronte do palácio e sentou-se, mas estava todo fechado. Puxou da sua paraboinha e pôs-se a dobar. As criadas do palácio viram aquilo e foram-no contar à rainha, que lhe mandou dizer que queria comprar aquela paraboinha. Ela respondeu:

– Só se me deixarem entrar no quarto do príncipe.

349Pôs para a banda a paraboinha, e começou a fiar na roca de ouro cravejada de diamantes. Foram dizê-lo à rainha, e ela tornou a mandar-lhe pedir que lhe vendesse a roca e a paraboinha; a menina respondeu, que só se a deixassem entrar no quarto do príncipe. A rainha consentiu, e a menina foi ter no quarto aonde estava o príncipe doente e cheio de feridas. A menina chegou-se ao pé da cama, falou-lhe, e ele conheceu-a; contou-lhe então a traição que as irmãs lhe fizeram com inveja. O príncipe ficou muito contente com a verdade e melhorou de repente, contou tudo à rainha e casou e viveram ambos muito felizes.

350(Algarve)

351NOTA – O episódio da bacia mágica é frequente em outros contos. (Gubematis, Mythologie zoologique, t.ii, p.315.) Nos Contos Populares Portugueses, n.° xliv, vem uma versão de Ourilhe, O Príncipe das Palmas Verdes, com o estribilho poético: Príncipe das palmas verdes, / Não te lembras de mim? / Lembra-te do teu filho / Que o tens ao pé de ti.

352Na Biblioteca de las Tradiciones populares espanolas, t.i, p.126, vem uma versão do Chile, com o título El príncipe Jalma.

O príncipe que foi correr sua ventura

353Havia numa terra um rei que tinha um filho, que não fazia senão pedir-lhe para ir correr o mundo; o rei por fim não pôde mais ter mão, e deu-lhe um grande saco de dinheiro para a partida. Depois de ter andado muito, foi dar a uma estalagem onde encontrou um outro viajante. Conversaram, mas o viajante perguntou ao príncipe se não gostava de jogar; daí a instante já estavam aferrados ao jogo. O viajante ganhou-lhe o saco de dinheiro, e não tendo mais que lhe ganhar, propôs que jogassem ainda mais uma vez, e no caso de o príncipe ganhar tornava a dar-lhe o saco de dinheiro, e no caso de perder o príncipe ficaria preso por três anos naquela casa, e o serviria como criado por mais outros três. O príncipe aceitou a proposta, jogou e perdeu. O viajante tomou conta dele, prendeu-o em uma loja, e deu-lhe pão e água de um dia para três anos.

354O príncipe chorava a sua má cabeça; ao fim de três anos vieram soltá-lo. e ele pôs-se a caminho para ir para casa do viajante, que era rei, servi-lo como criado. Depois de ter andado muito, encontrou uma mulher com uma criancinha ao colo a chorar com fome. O príncipe ainda levava o resto de uma codinha de pão e um escorropicho de água e deu tudo à mulher. Ela em agradecimento disse-lhe:

– Olhe, santinho, vá você sempre andando, e quando lhe vier um cheiro muito grande, é porque está perto de um jardim que está no caminho; entre para dentro, e vá-se esconder ao pé do tanque. Então hão-de vir três pombas tomar banho, e à última que se despir tire-lhe o vestido de penas e não lho torne a dar senão em troca de três coisas que ela lhe der. Aconteceu tudo como a mulher lhe tinha dito; apanhou o vestido de penas da pombinha, e ela para o tornar a ter deu-lhe um anel, um colar e uma pena, dizendo-lhe:

– Quando te vires em alguma aflição e disseres: – «Valha-me aqui a pomba», hei-de-te acudir; eu sou a filha do rei que vais servir, que tem uma grande raiva a teu pai, e que te ganhou tudo ao jogo para dar cabo de ti.

355O príncipe apresentou-se em casa do rei, que lhe deu logo esta ordem:

– Toma este trigo, este milho e esta cevada para semeares, contanto que eu amanhã coma pão destas três qualidades.

356O príncipe ficou espantado, mas o rei não quis saber de explicações; foi ele para o seu quarto todo atrapalhado da sua vida, e pega na pena dizendo:

– Valha-me aqui a pomba!

357A pomba apareceu, e ficou sabendo tudo; e ao outro dia trouxe-lhe as três qualidades de pão para o príncipe ir entregar ao rei. Quando o rei viu cumpridas as suas ordens, disse-lhe:

– Pois bem; já que foste capaz disto, vai agora ao fundo do mar buscar o anel que a minha filha mais velha lá perdeu.

358Voltou o príncipe para o quarto e tornou a chamar pela pombinha; ela acudiu:

– Olha, amanhã vai para a praia e leva uma bacia e uma faca, depois mete-te num barco.

359Assim fez; a pomba meteu-se com ele no barco e foi por esses mares fora. Já tinham andado muito, quando ela disse que lhe cortasse a cabeça, de modo que não caísse uma gota de sangue no chão, e a atirasse para o mar. Seguiu tudo à risca. Passado pouco tempo saiu do mar uma pomba com um anel no bico, largou-o na mão do príncipe e foi lavar-se no sangue que estava na bacia; tomou-se na cabeça de uma bela donzela e depois tornou a desaparecer. O príncipe foi entregar o anel ao rei, que ficou mais desesperado, e lembrou-se de lhe dar um maior trabalho:

– Hoje de tarde hás-de sair no meu poldro, para o ensinares.

360O príncipe foi para o seu quarto e tornou a chamar pela pombinha, que lhe respondeu:

– Olha! Meu pai quer ver se te mata por algum feitio; porque o poldro é ele mesmo, o selim é minha mãe, minhas irmãs são os estribos, e eu sou o freio. Não te esqueças de levar um bom cacete porque podes consolar-te com uma carga de pau neles.

361O príncipe montou no poldro, moeu-o com pancadas, e tais tratos fez que quando recolheu a casa e foi dar parte ao rei que o poldro estava manso, achou o rei de cama todo em panos de vinagre, a rainha numa salada, as filhas derreadas, menos a mais nova. Nessa noite foi ela ter com o príncipe e disse-lhe:

– Agora, que estão todos doentes é que temos boa ocasião de fugirmos; vai à cavalariça e apronta o cavalo mais magro que lá achares.

362O príncipe caiu na asneira de aprontar o mais gordo. Quando se puseram a caminho, e ela viu o cavalo gordo ficou muito contrariada, porque este cavalo andava como o vento, e o magro andava como o pensamento. Mas sempre fugiram. De noite o rei precisou da filha para o virar, e chamou por ela; nada. A rainha, que era refinada bruxa, pescou logo que a filha tinha fugido com o príncipe, e disse ao marido que saltasse já fora da cama e que os fosse apanhar. O rei levantou-se a gemer com dores, foi à cavalariça e quando viu o cavalo magro ficou seguro de pilhá-los. Montou e partiu. A filha, que ia sempre desconfiada que dessem pela falta dela, avistou de longe o pai, e de repente transformou o cavalo em uma ermida, a si em uma santa e o príncipe em um ermitão.

363Chegou o rei ao pé da capelinha, e perguntou se não tinha visto passar por ali uma menina com um cavaleiro. O ermitão levantou os olhos do chão e disse que por ali não passara viva alma. O rei foi-se embora aborrecido, e foi dizer à mulher que só tinha encontrado uma ermida com uma santa e um ermitão.

– Pois eram eles! disse a velha desesperada; se me tivesses trazido um bocadinho do vestido da santa ou um pedacinho de caliça da parede, tinha-os agora aqui em meu poder.

364E tornou a fazer partir o velho no cavalo mais ligeiro que o pensamento. O velho foi avistado ainda de longe pela filha, que fez do cavalo um terreno, de si uma roseira carregadinha de rosas, e do príncipe o hortelão. Repetiu-se a mesma coisa; o velho virou para trás, mas a velha bruxa azoinava-o:

– Se me tivesses trazido uma rosa dessa roseira, ou um punhadinho de terra, já cá os tinha em meu poder. Mas deixa estar, que desta vez vou eu também.

365Quando a menina avistou a mãe sentiu um grande medo, porque sabia o poder que ela tinha; apenas teve tempo de fazer do cavalo um poço fundo, de si fez uma eiró, e do príncipe um cágado. A velha chegou à borda do poço e conheceu-os logo. Perguntou à filha se não estava arrependida, e se quisesse voltar para casa que lhe perdoava. A eiró dizia com o rabo que não. A velha disse ao marido que atirasse uma bota ao poço para trazer uma gota de água, o cágado saltou para dentro dela e entornou-a toda; com a outra bota deu-se o mesmo caso.

366Então a rainha muito zangada rogou ao cágado a praga – que ele se esquecesse da princesa. Continuaram o seu caminho, mas a menina sempre muito triste. E quando o príncipe lhe perguntava o motivo da sua tristeza, ela respondia:

– É porque tenho a certeza de que tu me hás-de esquecer.

367Chegaram por fim à terra donde o príncipe era natural; deixou a menina em uma estalagem, e foi pedir ao pai licença para lhe apresentar a sua noiva. Com a alegria que teve de ver a família esqueceu-se da menina. O pai tratou de lhe fazer o casamento; quando a menina soube disto teve uma grande aflição e gritou:

– Valham-me aqui minhas irmãs.

368Apareceram-lhe. A mais velha disse:

– Não te aflijas; tudo se há-de arranjar. – E deu ordem à estalajadeira que quando passasse algum criado do rei a comprar aves, que fosse ao quarto da irmã e vendesse três pombinhas que estariam lá. Assim foi: o criado do rei comprou as três pombinhas, e como eram muito lindas foi mostrá-las ao príncipe.

369O príncipe estava admirado, e quando ia para pegar nelas uma soltou para cima da janela, e disse:

– Quando nos ouvir falar, ainda mais admirado há-de ficar.

370Outra soltou para cima de uma mesa e disse:

– Vai falando, vai falando, que ele se irá recordando.

371A pombinha que lhe tinha ficado na mão saltou-lhe para cima do ombro e perguntou-lhe:

– Veja, príncipe, se este anel lhe serve.

372O príncipe viu que sim. Depois deu-lhe um colar, e também servia. Por fim deu-lhe a pena, e só quando leu o nome da pomba é que se tornou a lembrar, e então casou com ela.

373NOTA – Nos Contos Populares Portugueses, n.° xiv, há uma variante de Coimbra com o título Branca Flor. Nos Contos Populares Brasileiros, n.° xxii, vem uma variante com o título Cova da Linda Flor. Este conto acha-se em quase todos os seus detalhes com o título As Três Pombas, nos Contos e Tradições do Tirol Italiano, de Schneller, n.° 27. O mesmo na colecção dos Contos Populares e Tradições do Tirol Italiano, de Schneller, n.° 27. O mesmo na colecção dos Contos Populares e Infantis, de Prohle, n.° 8. Nos Rondellaires ou quentos populars catalans, de Maspons y Labrórs, aparece com o nome de Lo Castell del Sol. Vide Stanislao Prato, Uma novelline popolare monferrina, p. 56. Cosquin nos Contos Populares Lorenos compara anotando os contos estonianos, n.os 14 e 16, e os contos sicilianos, n.° 10, desenvolve largamente todos os paradigmas tradicionais. Guichot y Sierra coligiu uma outra versão em Sevilha, El Marquês del Sol, publicada na Biblioteca de las Tradiciones populares espanolas, t.i, p.187. Machado y Alvares, no Folclore Andaluz, p.457, com o título Las tres Marias.

Maria subtil

374Havia um mercador, que morava perto do palácio real, e tinha três filhas. Maria era a mais moça e a mais formosa. O mercador era viúvo, e o rei encarregou-o de fazer uma viagem. Logo que o rei o mandou chamar foi, e voltou muito triste para casa, por deixar as filhas sós; mas deu-lhes três vasos de manjaricão, e disse:

– Minhas queridas filhas! eu parto por ordem do rei, e deixo um vaso a cada uma; os vasos hão-de-me dizer o que for sucedido.

– Nada há-de suceder! replicaram as filhas.

375Partiu o pai, e o rei no dia seguinte foi com dois amigos visitar as meninas de sentimento pela partida do pai; estavam as três irmãs ceando, quando sentiram bater à porta. A mais velha não se importando com os reparos de Maria abriu a porta ao rei. Maria ficou também zangada por a irmã do meio os mandar sentar à mesa, e disse:

– Vamos buscar uma gota de vinho à adega; eu levo a chave, minha mana mais velha a luz e a do meio o canjirão.

376Disse o rei:

– Não vão, que nós não queremos vinho.

377As duas irmãs mais velhas também lhe responderam:

– Nós não podemos ir.

– Não querem ir; pois irei eu.

378E foi-se. Chegou ao saguão, apagou a luz, e pôs a vela e o canjirão na escada, dali foi ter a casa de uma vizinha e bateu à porta. Ela veio e perguntou:

– Quem está aí a estas horas?

– Deixe-me entrar, que eu briguei com minha irmã mais velha, e para ela não ralhar mais comigo, vim para cá dormir.

379E lá dormiu aquela noite. Ficou o rei muito zangado da falsidade de Maria. Foi ela para casa no outro dia, e viu os vasos das irmãs murchos e ficou muito contente de ter o seu viçoso. Como o quarto da irmã mais velha dava para as quintas do rei, as duas irmãs desejaram de lá umas nêsperas. Maria desceu por uma corda; apanhou-as e tornou a subir para casa. A mais velha desejou limas; Maria foi e encontrou-se com o vinhateiro, que lhe disse:

– Que faz você aqui, Senhora Marota?

380Ela empurrou-o e puxou-lhe pelas pernas, dizendo:

– Ainda me estás repreendendo? Espera aí.

381E ele morreu afogado num espinho de limeira. Maria trepou pela corda, e chegou a casa muito aborrecida e disse:

– Olhem as meninas que esta é a última vez.

382No dia seguinte a irmã do meio desejou bananas, e tanto pediu, que Maria foi lá, onde se encontrou com o rei, que lhe disse:

– Sempre cá vieste, Subtil? Tu agora o pagarás.

383E começou a perguntar-lhe tudo; Maria nada negou, até que o rei lhe • disse:

– Vem atrás de mim, que em casa tu as pagarás.

384E cuidando que Maria vinha, foi andando; olhando de repente não viu nada, nem Maria, nem corda, nem por onde ela tinha saído. O rei ficou tão zangado, que adoeceu de paixão. As duas irmãs mais velhas casaram com dois amigos do rei e tiveram dois meninos. Maria pegou neles e meteu-os num açafate muito rico e enfeitou-o de flores muito finas de maneira que ninguém diria levar duas crianças. Maria vestiu-se de rapaz e pôs o açafate à cabeça, e quando passou por casa do rei, apregoou assim:

Quem quer levar estas flores
Ao rei, que tem mal de amores?

385O rei que estava de cama, mandou comprar o açafate; ela levou o cestinho, e quando chegou lá disse:

– Ai que me esqueceu o outro!

386E foi-se deixando o cesto ao rei; ele ouviu guinchos dentro do cestinho, vai ver, acha-se com duas crianças. Ficou muito raivoso, e prometeu vingar-se. Chegou o mercador, pai das meninas, e o rei mandou-lhe dizer por um pajem, que lhe fizesse uma casaca de pedra. O mercador chegou a casa muito triste, porque não podia fazer uma casaca de pedra, e porque as duas filhas mais velhas estavam casadas e porque dois vasos estavam murchos. Quando elas lhe perguntavam o que tinha, Maria saiu detrás das irmãs e disse:

– Se o rei lhe manda fazer uma casaca de pedra não se apoquente, meu pai; leve lá este giz para lhe fazer as linhas.

387Assim fez; o rei respondeu que era impossível, e o mercador respondeu também:

– Em vista de isso, é-me impossível fazer a casaca.

– Pois então hás-de-me entregar tua filha Maria.

388O mercador voltou ainda mais triste para casa:

– Minha querida filha, o rei quer que te vá levar ao palácio. É a nossa desgraça.

– Não se aflija, meu pai; mande fazer uma boneca igual a mim com um cordão para se puxar pela cabeça para dizer sim e não; e a boneca terá muito mel pelo pescoço.

389O rei disse aos pajens:

– Quando vier aqui um senhor com uma menina, em dizendo que querem falar comigo, metam a ela na minha câmara, e deixem-no a ele ir embora.

390Maria Subtil entrou e meteu-se debaixo da cama, com o cordão na mão e pôs a boneca deitada. Quando entrou o rei, olhou para a boneca e disse:

– Senhora Maria Subtil, passe muito bem.

391Maria puxou pelo cordão à boneca, e ela abaixou a cabeça. O rei então disse:

– Vamos ajustar contas.

392E começou pelo princípio, desde quando foi à adega até chegar ao açafate de flores. E Maria Subtil sempre a puxar pelo cordão. O rei continuou:

– Quem me fez tanta falsidade merece a morte.

393Pegou num espadim e degolou a boneca; o mel respingou, e foi-lhe tocar num beiço; e ele disse:

Ai Maria Subtil! Maria sabida.
Tão doce na morte e amarga na vida!

394Quem tamanho crime fez merece já morrer.

395E ia para se matar, quando Maria Subtil, a verdadeira, saiu debaixo da cama e se abraçou com ele. No dia seguinte casaram, e foram muito felizes.

396(Ilha de S. MiguelAçores)

397NOTA – Na versão do Algarve encontrámos este conto com o título de Dona Vintes; e na versão de Ourilhe (Celorico de Basto) vem com o de Esvintola, (Contos Populares Portugueses, n.° xlii) trazendo o estribilho: Ai, Dona Esvintola, / Tão brava na vida / E tão doce na morte!.

398Nos Contos Populares do Brasil, n.° xii, Dona Pinta é uma variante do nosso. Há uma versão sevilhana, intitulada Mariquilla la ministra, coligida por Guichot y Sierra. Vid. p. 138.

399A referência mais antiga a este conto vem nas Cartas, de D. Francisco Manuel de Melo (centúria v, carta 7.a): «Eu cuido que virei a ser aquela ... Dona atrevida, / Doce na morte / E agra na vida. que nos contam quando pequenos.» (Cartas, p. 671. Ed. 1649.) Na tradição popular corrente ainda tem o título de Maria Sabida. Charles Pérrault, nos seus Contos (1697), redigiu literariamente este tema tradicional na Adroite Princesse ou Aventures de Finette, no qual o príncipe de Bel-à-Voir fura com a espada uma boneca de palha que tem uma bexiga cheia de sangue. João Baptista Basile, no Pentamerone, deu redacção literária à forma italiana no conto da Sapia Licciardia, que também mete na cama uma boneca cheia de mel e coisas doces, exactamente como na tradição portuguesa. Na Inglaterra este conto apresenta um aspecto exclusivamente maravilhoso no The Made Pranks and Merry Jests of Robin Good Fellow, em que o amante é um génio doméstico, Robin, que deixa na cama uma figura de lã. (Brueyre, Contes populaires de la Grande Bretagne, p. 235.)

O coelho branco

400Havia um rei que tinha uma filha já crescida, que gostava muito de se lavar no balcão, e pedia à aia que levasse a bacia e outros preparos e uma bandeja para pôr os anéis. Vinha um coelhinho branco, furtava-lhe os anéis e fugia; a princesa gostava de ver aquilo, não dizia nada, ia ao cofre e metia outros nos dedos. Continuou o coelhinho a furtar, até que a princesa ficou sem nenhum anel. Antes tinha tão grande abundância, que ela ficou muito triste e melancólica; o rei teve muita pena com isto, e até mandou pôr um edital para virem todas as pessoas antigas para contarem contos e histórias para alegrarem a princesa. Vieram muitas pessoas, mas a princesa estava no mesmo; até que vieram duas velhas sem saberem o que haviam de contar. Pelo caminho encontraram um burro sem pés nem mãos, carregado de lenha; as velhas foram em seguimento do burro, viram-o chegar a umas casas, descarregar a lenha, e acarretá-la para dentro. Elas então subiram e no patim em cima viram umas púcaras a ferver; uma das velhas meteu o dedo e provou, e neste tempo ouviu uma voz a dizer-lhe:

– Não proves, que não é para ti.

401E a velha olhou pelo buraco da chave e viu um coelho, que tirou a pele, e tornou-se em um príncipe, e disse:

– Quem me dera ver a dona dos anéis que tenho aqui.

402As velhas partiram para o palácio, e lá contaram o que tinham visto à princesa. Isto, já se sabe, alegrou logo a princesa, e disse ao rei que queria ir ver aquilo. Foram todos, velhas, princesa e rei. Viram o burro fazer o mesmo, e seguiram-no à dita casa. A princesa meteu o dedo e provou; neste ponto ouviu dizer:

403Prova, que é para ti.

404Ela foi vigiar (espreitar), e as portas abriram-se; o coelho disse:

– Quem me dera ver a dona dos anéis que tenho aqui!

405A princesa respondeu:

– A dona sou eu.

406O coelho tornou-se príncipe, porque aquelas palavras lhe quebraram o encantamento, e casaram, foram muito felizes, e as velhas ficaram damas de honra do paço.

407(Ilha de S. MiguelAçores)

408NOTA – Em uma versão do Algarve, inédita, vinha o estribilho: Lenço, liga, cordão e cuidado, / Quem me dera ver aqui / A dama do meu agrado!

409Há uma versão espanhola no Folclore Andaluz, p. 355: La rueda de conejos.

Clarinha

410Havia numa terra uma rainha, com uma filha muito linda chamada Clarinha, a qual estava tratada para casar com um príncipe logo que chegasse à idade em que havia de receber o reino de sua mãe, que o estava governando. Clarinha costumava ir todos os dias ao jardim; um dia passou uma águia, e todas as vezes que passava lhe dizia:

– Clarinha, Clarinha! qual queres, passar trabalhos na mocidade ou na velhice?

411A princesa foi dizê-lo à rainha, e ela lhe respondeu:

– Diga a menina: Antes na mocidade, que se pode com tudo, e na velhice não se pode com nada.

412Clarinha foi para o jardim como o seu costume, e a águia tomou a dizer o mesmo. No ponto que a princesa disse: «Antes na mocidade», a águia levou-a pelo ar fora e foi deitá-la na terra onde vivia o príncipe com quem tinha tratado o casamento. Clarinha não conhecia ali ninguém a não ser a rainha e o príncipe, mas não se podia falar com eles sem requerimento, e ela não o tinha. Foi ter a uma padaria, e pediu para ser criada. A padeira tomou-a; indo um dia para fora, deixou para Clarinha cozer uma fornada de pão já amassado. A menina com medo fechou todas as portas e janelas para a águia não entrar, mas ela sempre entrou pela chaminé e esborralhou-lhe o forno sobre o pão, quebrou-lhe os alguidares e muita loiça, e fugiu. Chegando a padeira, deu muitas pancadas em Clarinha e pô-la no andar da rua. Por mais que pedisse e chorasse, a padeira não acreditava. Foi a menina ter com um vendeiro, para o servir; saindo este um dia, deixou-a na tenda. Com medo ela fechou-se por dentro, mas a águia sempre entrou e quebrou copos, medidas e garrafas, e destapou as pipas. Quando o vendeiro chegou achou tão grande destroço, e sem se importar com o que dizia Clarinha, deu-lhe muitas bofetadas e pô-la logo na rua. Clarinha foi ter dali ao palácio, não se dando por conhecida, e ofereceu-se para criada do príncipe. A rainha disse que não precisava de mais criadas. O príncipe acudiu:

– Tome-a, minha mãe, ainda que seja para vigiar as patas.

– Pois sim; que entre.

413Todos os dias morriam as patas que ela vigiava, e o príncipe vendo que ela chorava tanto, pediu à rainha que a tomasse por costureira. Passados tempos, o príncipe aprontou-se para ir ver a sua noiva, e chegando ao pé das aias disse:

– Que querem que eu lhes traga da terra aonde vou?

414Todas elas lhe pediram alguma coisa, menos a Clarinha. O príncipe insistiu com ela para que dissesse o que queria de lá.

– Traga-me Vossa Alteza uma pedra do palácio.

415O príncipe partiu, e ao chegar ao palácio da sua noiva ouviu que tudo estava de luto pela falta da princesa. Muito triste ficou, e no mesmo instante comprou tudo que as criadas lhe tinham pedido, e a pedra para Clarinha, e partiu. Chegou cá muito triste e alguma coisa desconfiado de quem seria Clarinha. Entregou-lhe a pedra, e para saber o que ela quereria fazer disso, meteu-se debaixo da cama, quando a criada deu volta. Quando ela veio para o seu quarto, fechou-se por dentro e cuidando que não estava ninguém, começou a dizer à pedra isto:

– Pedra do palácio de meu pai, vou contar-te a minha vida.

416E contou desde os passeios do jardim e da águia, até ali. E no fim de tudo a pedra deu um estoiro, e Clarinha disse:

– Abre-te, pedra, numa roda de navalhas, que me quero deitar nelas.

417O príncipe então saiu debaixo da cama, e abraçou-a dizendo:

– Porque não me contaste teus males, querida Clarinha?

418Porque logo que a águia queria que eu passasse trabalhos, quis passá-los enquanto era nova, porque sempre tinha alguma esperança.

419Dali a um momento os dois príncipes casaram-se, e foram ter com a rainha mãe da princesa, que ficou muito satisfeita e veio viver com eles.

420(Ilha de S. MiguelAçores)

421NOTA – Pertence aos mitos da Aurora, o que concorda singularmente com o nome da menina.

Bola-Bola

422Havia perto de uns matos uma casa onde viviam três irmãs, que eram muito amigas. O rei costumava ir caçar àqueles matos, e passava sempre pela casa; ora defronte desta casa viviam duas feiticeiras, mãe e filha, que, invejosas da formosura da irmã mais nova e do modo como tratava as irmãs mais velhas, lhe levaram uns coentros e lhe disseram:

– Deite a menina estes coentros nas sopas de suas irmãs, mas não coma delas.

423A pequena na sua simplicidade assim fez; mas logo que as irmãs comeram aquilo, logo se tomaram em bois. A irmãzinha muito pesarosa tratou-os como se fossem gente. Passando o rei da caça viu a pequena, e agradado da sua formosura casou com ela e levou os bois para o palácio, tratando-os muito bem. A feiticeira sabendo isto prometeu vingar-se. Passados tempos, a rainha teve um menino, estando o rei na caça. Ouvindo isto, a feiticeira com a sua filha foi ter à rainha e lhe disse:

– Coitadinha! está tão doentinha!

424E chegando as mãos pelas fontes lhe meteu dois alfinetes enfeitiçados. A rainha tornou-se em pomba e fugiu. A feiticeira meteu a filha na cama e foi-se embora. Chegando o rei, disse:

– Que é isto, que estás agora tão feia?

– É a diferença da doença.

425E a feiticeira mandou tratar os bois com folha e erva, e eles nada comiam. Havia no palácio uma cadelinha chamada Bola-Bola, e falava. A pombinha vinha e dizia:

– Bola-Bola!

426Respondia a cadela:

– Que quer, minha senhora?
«Como vai o meu menino
Com a sua ama nova?
– De noite, cala-se,
E de dia chora.

427Tantas vezes se repetiu isto, que o vieram a saber e foram dizer ao rei, o qual mandou enviscar as árvores e apanharam a pomba. Indo o rei fazer-lhe festas, achou dois alfinetes na cabeça e puxou; ela tornou-se na verdadeira rainha. O rei obrigou as duas feiticeiras a tomarem os bois nas duas irmãs, que eram suas cunhadas; assim fizeram, e depois mandou-as rolar às duas feiticeiras numas pipas de pregos. E o rei e a rainha foram muito felizes dali por diante.

428(Ilha de S. MiguelAçores)

429NOTA – Liga-se com o conto das Três Cidras do Amor. Vid. p. 163.

Linda Branca

430Havia um homem muito rico, que era viúvo e tinha uma filha bastante formosa chamada Linda Branca, tinha ela imensa pena de ser tão bonita, porque todos a queriam. Pediu ao pai que lhe desse um vestido azul e cinzento; o pai deu-lho. Depois pediu-lhe que lhe desse um vestido azul prateado. Teve logo o vestido. Tomou a pedir outro azul e doirado; o pai fez-lhe a vontade. Tinha Linda Branca uma vara de condão e ela pediu-lhe que a fizesse feia naquele mesmo instante. Ela vestiu uma peliça e uma máscara muito feia, e foi dali para fora servir de criada. Chegou a um palácio aonde naquele tempo morava um rei, que era solteiro, e ficou por criada. Os moradores da cidade juntaram-se para fazerem uma grande festa que durava três dias. Linda Branca pediu à rainha licença para ir àquelas festas. A rainha disse:

– Pede ao rei meu filho, que só ele governa.

431Ela foi pedir licença ao rei quando estava calçando as botas. Ele lhe disse:

– Olha que te atiro com esta bota.

432Depois que o rei foi para a festa, Linda Branca disse:

– Minha vara do condão, põe-me pronto um carro e preparos para eu ir à festa.

433Vestiu-se de azul e cinzento e foi. Acabou-se a festa e ela tratou de fugir. O rei e os outros senhores seguiram atrás dela, e só o rei lhe apertou a mão e perguntou:

– De que terra é?

– Sou da terra da bota.

434E fugiu. Chegando o rei a casa, ela estava como de costume. No seguinte dia foi outra vez pedir licença ao rei que lhe disse:

– Olha que te dou com esta vergasta.

435Linda Branca foi outra vez de azul e prateado. Chegando lá, todos gostaram muito mais de a ver. No fim da festa o rei chegou ao pé dela e disse:

– A senhora donde é?

– Sou da terra da vergasta.

436Chegou-se ao último dia, ela foi pedir licença para ir à festa. O rei tinha a toalha na mão e respondeu:

– Olha que te dou com a toalha.

437Linda Branca foi desta vez de azul e doirado. Ao sair, o rei lhe apertou a mão e lhe perguntou:

– De que terra é?

– Sou da terra da toalha.

438Não compreendeu o rei isto, e ficou doente de pena de não saber donde era aquela formosura. Chegou a ponto que quis que os seus amigos viessem passear à roda do palácio. Linda Branca, que sabia da doença do rei, vestiu-se com o primeiro vestido com que tinha aparecido e chegou a uma janela. Um amigo do rei viu-a:

– Oh, que linda cara vi numa janela do palácio!

439O rei olhou, mas não viu nada, e seguiu a toda a pressa para o palácio; chegou ao lado da rainha sua mãe, e disse:

– Quem está cá de fora?

– Ninguém, senão a gente do costume.

440Segundo dia, esteve com os olhos a espreitar, mas descuidado, ela chegou com o segundo vestido e só os amigos do rei a viram. Correndo à maior pressa ao palácio, a rainha-mãe disse-lhe o mesmo que no dia antecedente.

441Terceiro dia, o rei espreitou e então viu a mesma senhora da véspera, com o vestido azul e enramado de oiro. Correndo com grande pressa apanhou Linda Branca com uma pequena borda do vestido dourado de fora e diz:

– Eu te ordeno que dispas este fato.

442Ela obedeceu, e então o rei pôde ver a senhora de que tanto gostara no dia da festa. Linda Branca contou o motivo de tudo aquilo, e três dias duraram as festas do casamento.

Quem o disse está aqui,
Quem o quer saber vá lá,
Sapatinhos de manteiga
Escorregam mas não caem.

443(Ilha de S. MiguelAçores)

O Rei-Escuta

444Havia um rei, que tinha por costume andar escutando pelas portas, pelo que lhe chamavam o Rei-Escuta. Uma noite ele foi escutar a uma porta e ouviu dizer:

– O que eu queria era casar com o padeiro do rei, para comer sempre pão fresco.

445Outra voz dizia:

– Não sejas tola; eu o que queria era casar com o cozinheiro do rei, para comer guisados muito afamados.

446E outra voz disse:

– Pois o que eu queria era casar com o Rei-Escuta.

447O rei ouviu tudo aquilo e foi-se embora. No dia seguinte mandou chamar as raparigas daquela casa, e perguntou à mais velha:

– Então, queres casar com o meu padeiro?

448Respondeu que sim. Chamou a segunda, e fez a mesma pergunta a respeito do cozinheiro. Ela disse que sim. Chamou por fim a mais moça,

– Então queres casar comigo?

– Sim senhor, disse isso!

449O rei mandou casar as duas raparigas com o padeiro e o cozinheiro, e a mais moça casou com ele. As irmãs ficaram logo com muita inveja, e meteram enredos ao rei, que a ia mandar deitar ao mar; mas os criados descobriram-lhe tudo, e ele ficou vivendo muito feliz com a sua mulher e nunca mais quis saber das cunhadas, que foram para o meio da rua.

450(Ilha de S. MiguelAçores)

As cunhadas do rei

451O rei andava de noite pelas ruas acompanhado do seu cozinheiro e do seu copeiro disfarçado, escutando pelas portas; passou por um balcão onde estavam três meninas, alegremente conversando, pôs-se à escuta do que diziam:

– Ali vão três tunantes; se um fosse o rei, já eu sabia quem eram os outros.

– Um era o cozinheiro. Quem me a mim dera casar com ele; sempre havia de comer bons fricassés.

– O outro era o copeiro; pois eu cá o que queria era casar com ele, porque havia de ter bons licores.

452Disse a mais nova:

– Eu não sei quem eles são; mas ainda que fossem condes ou duques, antes queria casar com o rei porque lhe havia de dar três meninos cada um com a sua estrela de ouro na testa.

453O rancho foi-se embora, mas no outro dia, o rei mandou ir à sua presença as três irmãs. Perguntou-lhes se era verdade o que elas tinham dito na véspera à noite. Respondeu a mais velha por si. Disse o rei:

– Pois então casarás com o meu cozinheiro.

454A do meio também disse que tinha falado por zombaria; o rei mandou que se arrecebesse com o copeiro. Chegou-se por fim a mais moça, que era a mais bonita:

– Então, disseste que só querias casar comigo?

– É verdade, não posso mentir; mande-me Vossa Majestade castigar.

455O que o rei fez foi casar com ela; as irmãs ficaram a arrebentar de inveja, mas viviam no palácio. Ao fim do tempo, a que estava rainha teve dois meninos com uma estrelinha na testa. As irmãs que estavam com ela, trocaram os meninos por dois cães. Os meninos foram botados ao rio dentro duma condessinha, e seguiram por água abaixo até ao moinho de um moleiro; como lhe parasse a água, ele saiu a ver o que era, e achando as duas criancinhas tomou-as para casa e criou-as. Ora o rei andava longe da terra, e quando veio soube do caso e ficou muito triste mas não fez mal à mulher. Passado tempo a rainha teve uma menina, e as irmãs, vendo que ela também tinha uma estrela na testa trocaram-na por uma cadelinha e mandaram-na deitar ao rio; assim foi ter ao moinho onde já estavam os irmãos. O rei quando soube que a sua mulher tinha tido uma cadela, mandou-a enterrar até à cinta no pátio do palácio, para que todos que entrassem ou saíssem lhe cuspissem em cima.

456Os três meninos cresceram, e o moleiro pôs-lhes umas carapucinhas para encobrir as estrelas de ouro que tinham na testa.

457Um dia foi uma pobre pedir esmola à porta do moleiro; os meninos deram-lhe a esmolinha, e era Nossa Senhora, que lhes disse, – quando se vissem em alguma aflição dissessem: «Valha-me aquela pobrezinha.» Veio a peste, e o moleiro e toda a sua gente morreu, e os meninos foram todos três por esse mundo. Apareceu-lhes a pobre que os guiou até ao pé do palácio do rei, e deu-lhes a cada um a sua pedrinha, para se tornarem em um grande palácio quando as atirassem ao chão.

458As tias estavam à janela do paço, e reconheceram que eram os meninos das estrelinhas na testa; trataram logo de ver se os matavam. Mandaram ter com eles uma criada bruxa, que disse ao mais novinho, para entrar no jardim e apanhar um papagaio. Ele disse-lhe que não; vai o mais velho como animoso, disse:

– Pois vou eu.

459E assim que entrou perdeu-se lá dentro e ficou encantado em leão. O outro quando viu que o irmão não tornava chamou pela pobrezinha; ela veio e deu-lhe uma lança, e disse:

– Vai ao jardim, e fere com ela o leão encantado.

460Ele assim fez; e apareceu-lhe logo outra vez o irmão, que já tinha apanhado o papagaio. Botaram a fugir logo, e os portões do jardim fecharam-se de repente e só apanharam uma pontinha da aba do casaco de um deles.

461A criada bruxa tinha no entretanto ido ter com a menina, e falou-lhe em certas maravilhas da Árvore que bota sangue e da Água de mil fontes. A menina pediu aos irmãos estas coisas, que eram para enfeitar os jardins do seu palácio. Cada um foi lá por sua vez e lá ficaram ambos encantados. Quando a menina viu que não tomavam, disse muito triste:

– Valha-me aqui a nossa pobrezinha.

462Apareceu-lhe logo Nossa Senhora, que lhe ensinou como havia de ir ao jardim, e desencantar os irmãos, e enfrascar a Água de mil fontes e cortar o ramo da Árvore que deitava sangue. Ela fez tudo, mas era preciso, que por mais barulho que ouvisse nunca olhasse para trás, senão ficava também encantada. Quando vinha com os irmãos e com as coisas que eles tinham ido buscar, era muito o barulho de vozes e só ao sair da porta é que deu um jeitinho à cabeça para ver para trás, mas foi o bastante para lhe ficarem presos os cabelos. Os irmãos foram buscar umas tesouras, e voltaram depois todos para o seu palácio defronte do rei.

463Quando o rei aparecia à janela o papagaio não fazia senão rir. O rei convidou os meninos para um banquete e pediu que levassem o papagaio. Os meninos foram, mas ao passarem pela mulher que estava enterrada até à cinta não quiseram cuspir nela. O rei teimou, mas não conseguiu nada. Foram para a mesa; uma das irmãs da rainha é que trinchava, e tinha botado resalgar na sopa dos meninos. O papagaio avisou-os:

– Meninos, não comam, que tem veneno.

464O rei ficou desconfiado, e perguntou aos meninos porque não comiam; disseram eles:

– Falta aqui uma pessoa; é aquela mulher que está enterrada até à cinta no pátio do palácio.

465Disse o papagaio:

– Mande-a o rei vir, porque ela é a mãe destes meninos.

466O rei mandou vir a mulher; e disse-lhe o papagaio:

– Sente-a agora ao seu lado; olhe que ela é sua mulher.

467E contou como é que as cunhadas do rei tinham mandado botar ao rio em canastrinhas os três meninos, e tinham posto em seu lugar os cães; e se se quisesse confirmar, que visse se os meninos tinham na testa as estrelinhas. Os meninos tiraram as carapucinhas, e o rei conheceu-os, e abraçou a sua mulher; e mandou que as cunhadas comessem a comida envenenada, e logo ali arrebentaram.

468(AirãoMinho)

469NOTA – Rei-Escuta. As Cunhadas do Rei. Deste conto duas versões do Porto, na Vanguarda, n.° 40 e 41; no Romanceiro do Arquipélago da Madeira, a pág. 391 um largo conto em verso com o título Los Encantamentos da Grande Fada Maria, de perto de quarenta páginas, um verdadeiro problema literário, cuja genuinidade só se admitirá pela espontânea improvisação que distingue os povos insulanos. Nos Contos Populares do Brasil, vem sob o n.° ii, com o título Os Três Coroados. Este mesmo tema tradicional recebeu forma literária nos Contos e Histórias de Proveito e Exemplo, de Gonçalo Femandes Trancoso, Parte ii, n.° 7, que reproduzimos na secção competente. É extraordinária a soma de paradigmas que apresenta este conto na tradição espanhola, italiana, francesa, grega moderna, alemã, húngara, eslava, avárica, etc. O Dr. Reinhold Köhler, nas notas dos Awarische Texte, ao n.° 12, A Bela Issensulchar, traz uma enorme soma de paradigmas, e o Prof. Stanislao Prato, nas Quattro novelline popolari livornese, Spoleto, 1880, anotando o conto das Le tre Ragazze, págs. 92 a 136, desenvolve extraordinariamente a área das comparações de modo que como o processo erudito está feito, é fácil embair os ingénuos. Aproveitaremos com franqueza as investigações desses mestres, com algumas resumidas ampliações.

470No Folclore Andaluz, n.° 8, p. 305, vem este conto com o título El agua amarila, coligido por J. L. Ramirez. Nos Rondallayre, de Maspons y Labrós, n.° 14 e 25; e nos Cuentos y Oraciones divinas, de Fernan Caballero, n.° 6, p. 31, com o título El pajaro de la verdad. Há também uma versão basca, colhida por Webster.

471As versões italianas são abundantíssimas; Stanislao Prato, nas Quattro Novelle popolari, traz sete versões importantes para a crítica comparativa (págs. 16 e 20 a 39). Há uma versão livornesa nos Italianische Märchen, n.° 1, de H. Knust; outra em Gubematis, Novelline di Santo Stefano de Calcinaja, n.° 15; Pittré, Fiabe, Novelle e Racconti, n.° 36, e a 3.a variante; em Imbrianni, Novellaja fiorentina, no ap. ao n.° 6, e n.os 7 e 8; e nos Contos de Pomigliano, sob o título de Viola; Comparetti, Novelline popolari italiane, n.° 6, versão de Basilicata; outra de Pisa. n.° 30; em Laura Gonzenbach, Sicilianische Märchen, n.° 5; em Schneller, Märchen und Sagen aus Välschtirol, n.os 23, 25, 26. As tradições populares deste ciclo penetraram na literatura italiana, como se vê no Pecorone, de Giovani Fiorentino, jornada x, novel, i; em J. Baptista Basile, Pentamerone, jom. iii, trat.2; Straparole, Piaccevoli Notte, fáb. v, n.° 4; Molza, Novella, Poggi Bracciolini, Gozzi deram redacção literária a este conto, que também apresenta o carácter de lenda religiosa, na Representazione di Santa Uliva, e no Libro dei Miracoli della Madona, cap. x. Acha-se em novas colecções: Carolina Coronedi-Berti, Novelle popolari bolognese, n.° 5; Arietti, Novelle popolari piemontese, três versões; e Vicentini, Fiabe mantovane, n.° 46; Bernoni, Fábulas Populares Venezianas, n.os 2 e 15, e Reppone, La Posilecheata, n.° 3.

472Gubernatis, na Mythologie des plantes, t.ii, p.224, traz este mesmo conto em uma versão popular toscana das fontes do Tibre. A versão das duas irmãs mais velhas é comparada com o facto análogo das que figuram no conto de Lear, e da Bela e a Fera.

473As versões francesas acham-se na literatura e na tradição oral simultaneamente; em M.me d’Aulnoy, é La Princesse Belle-Etoile et le Prince Cheri; em Millin, Conteur breton, intitula-se L’Oiseau de verité; em Cosquin, Contes populaires lorrains, n.° 17, com importantes notas; Revista Melusine, t.i, p.206 a 213: Les trois filies du Boulanger, etc. Foram também vulgarizadas na tradução das Mil e Uma Noites, As Duas Irmãs Invejosas, e na continuação de J. Scott, na História do Sultão do Iémen e das Suas Três Filhas; Bladé, Trois Contes, p. 33.

474O grupo ocidental completa-se com as versões gregas, em Hahn, Griechische und albanische Märchen, n.° 5, e n.° 69 (variante 1 e 2) e n.° 112; e nos Neohellenica Analecta, 1, 1, n.° 4, e n.° 8; outra K. Ewlampios.

475Variante irlandesa, em Powel and Magnusson, Irelandie Legendes, t.ii, p.427.

476As versões alemãs são numerosíssimas: Grimm, Kinder und Hausmärchen, n.° 96; Prohle, Kinder und Volksmãrchen, p. 168; Wemaleken, Osterreichische Kinder und Hausmãrchen, n.° 34; Peter, Legendas, Novelas, Usos e Superstições da Silésia Austríaca, t.ii, p.199; Meier, Deutsche Märchen und Sagen, n.° 72; Fromman. Die deutsche Mundarten, p. 250; Haltrich, Contos Populares Tedescos de Saxe, de Transilvânia, n.° I; Curtze, Tradições Populares do Principado de Waldeck, n.° 15; Zingerle, Kinder und Hausmärchen, t. ii, p. 112 e p. 157; Liebrecht, versão do Tirol alemão no Anuário de Literatura de Heidelberg, n.° 42, p. 187.

477As versões eslavas alargam o domínio da ficção: Natalia Nemçova, Novelas e Contos Populares Eslavos, vol. v, p. 52; Wenzig, Tesouro de Novelas dos Eslavos Ocidentais, p. 148; Glinski, Bajarz Polski, t. ii, p. 46; Gaal e Stier, Contos Populares Húngaros, p. 390; Stefanovic, Contos Sérvios, n.° 25 e 26; Köhler, no Iagic Archiv für slavische Philologie, fase. ii, pp. 626 e 627; Afanasieff, Novelas Populares Prussianas, liv. vi, n.° 96; Miklosich, Contos dos Ciganos de Bucóvina, n.° 1; Urbovec, Contos Populares Croatas, n.° 25; M.me Mijatovies, Popular Tales, p. 238; Schiefner, Awarische Texte, n.° 12; e uma versão siamesa no Asiatic Researches, t. xx, p. 348 (1836). Depois destas largas indicações apresentadas pelo Dr. Köhler ao n.° 12 da colecção de Schiefner, ao n.° 5 da colecção de Laura Gonzenbach, e aos n.os 25 e 26 da colecção de Stefanovic, acrescentou mais estas fontes utilizadas por St. Prato: Jecklin, Tradições Populares do Cantão dos Grisões, p. 105; W. Webster, Basque Legends, p. 176; Bladé, Trois contes populaires, p. 33; Luiz Leger, Cantos Heroicos, e Canções Populares dos Eslavos da Boémia: O Soldado; Asbjörnsen, e Moe, Contos Noruegueses, o que se intitula: O Rico Mercador. Com as notas de Köhler, de Cosquin, Ive, Teza e Prato sobre este conto ficou esgotada a área das investigações, sendo possível organizar o seu encadeamento genealógico, e por ele remontar ao seu primitivo sentido mítico.

478A Idade Média simpatizou com esta lenda da substituição das crianças por animais, como se vê na História do Cavaleiro do Cisne, Storia della Regina Stella, no Dolopathos, no velho teatro francês, Du Roi Thierry, e nas tradições dos Lohengrin (Grimm, Veillés allemandes, t. ii, pp. 342 a 378). Evidentemente, quando mais vasta é a universalidade de um conto, tão mais profunda é a sua origem tradicional e pela investigação das formas mais simples se chegará ao seu valor mítico.

Os sete encantados

479Havia uma rapariga, que morava com sua avó, e esta a mandou vender três vinténs de linhas. A netinha foi e entrou num palácio e viu em cima de uma mesa três vinténs; deixou lá ficar as linhas, e quando ia para sair achou todas as portas fechadas. Ela lá ficou, e como era cuidadosa fez as camas, arranjou os quartos, pôs tudo em ordem. À noite entraram sete encantados; ela com medo escondeu-se. Disseram eles:

– Quem tanto bem nos fez, se for homem será nosso irmão, e se for mulher havemos de estimá-la como irmã.

480Disseram isto muitas noites a fio, até que por fim um deles disse:

– O que eu queria era quem me lavasse a cabeça.

481A menina nessa noite lavou a cabeça a seis Encantados. O a quem ela não lavou a cabeça não quis dormir, mas fingiu que dormia e estava acordado. Vai ela lavar-lhe a cabeça, e o Encantado pegou-lhe por um pulso. A menina começa a gritar com susto, e os outros Encantados acordaram, viram-na, e prometeram-lhe que nunca lhe fariam mal e que só queriam o seu bem. Dali por diante nunca mais ela se escondeu dos Encantados, que lhe apareciam sempre.

482Ao fim de certo tempo, um rei que morava defronte e era solteiro, e ainda tinha a mãe viva, que governava, falou-lhe em casamento; ela lhe respondeu que havia de primeiro dizê-lo aos Encantados. Assim fez; eles lhe disseram que casasse com o rei, mas que o não deixasse tocar-lhe sem que dissesse primeiro: «Pelos sete príncipes encantados.» Ela assim o prometeu.

483Casou; quando o príncipe ia para abraçá-la, ela começou a dar gritos, e a fugir. O príncipe muito zangado mandou-a meter num quarto com uma criada para a servir, e nada lhe faltava, mas foi casando com outra princesa com quem o príncipe casara segunda vez:

– Vossa Alteza não sabe? Aquela senhora que está fechada, corta a cabeça e penteia-se no regaço, e depois torna-a a pôr no seu lugar.

484A princesa, para não ficar atrás da outra quis fazer o mesmo, cortou a cabeça, mas morreu logo. O príncipe ficou muito triste, e pôs a criada na rua. Casou com outra princesa; passados dias vem outra criada e diz-lhe:

– Vossa Alteza não sabe? Aquela senhora que está fechada lá em cima, quando está fiando e lhe cai o fuso, corta a mão que o vai apanhar ao chão, e torna a ficar no seu lugar.

485A terceira esposa quis fazer o mesmo, mas a mão gangrenou-se-lhe e passados dias morreu. O príncipe pôs a criada na rua, e foi ter com a menina que tinha fechada, e assim que ia tocá-la, ela começava aos gritos, que tremia o palácio.

486Foi o príncipe muito aflito ter com a rainha, que lhe disse:

– Filho, pede pelos sete príncipes encantados, a ver o que ela te diz.

487Ele assim fez, e nunca mais achou dificuldades; dizendo-lhe a esposa:

– Aqui me tens, porque já soubeste falar.

488E os sete príncipes desencantaram-se.

489(Ilha de S. Miguel)

As sonsas

490Havia um rei, e na sua corte andavam dois cavaleiros; um falava nas suas três filhas, que eram muito devotas e que não se importavam com as vaidades do mundo; o outro tinha uma filha só, que era muito alegre e divertida. Juntaram-se um dia muitas senhoras e falaram nas suas filhas, aonde estava também o príncipe, que, ouvindo as conversas, foi ter com a rainha e pediu-lhe as suas jóias. Vestiu-se em adela e foi a casa do fidalgo que tinha as três filhas beatas. Bateu à porta; os criados foram chamar a dona da casa, mãe das meninas e ela lhe disse:

– As minhas filhas não hão-de querer agora jóias, pois elas não fazem outra coisa senão rezar.

491Mas a adela pediu que ao menos a recolhessem do ar da noite, e queria que a deixassem ficar no quarto das meninas, porque assim estaria mais segura com as jóias que trazia, que eram de muito valor. A mãe falou nisto às filhas; e elas:

– Nós não queremos cá velhas; temos muito que rezar.

492A mãe disse:

– Ela fica aí para um canto do quarto, porque não quero que em minha casa aconteça a desgraça de a roubarem.

493A adela entrou para o quarto das meninas; deitou-se e fingiu que dormia. Lá por alta noite entraram três mancebos, que eram os namorados das três meninas, e cada um deixou uma coisa. A adela, assim que viu esses objectos, agarrou neles e abalou.

494No dia seguinte, o príncipe que era a dita adela, esperou que anoitecesse, e foi a casa da filha do outro fidalgo, bateu à porta, veio a mãe da menina; disse que trazia ali umas jóias, para ver se a menina quereria comprar.

495Veio ela muito contente, esteve a ver as jóias, e, como isto levou tempo, disse:

– Minha rica velhinha, eu não quero nada; mas como é tarde há-de cá dormir, e fica no meu quarto.

496Depois deram a ceia à velha, e ela foi deitar-se para o quarto da menina, que lhe deu também a sua cama. A velha fingia que dormia; a menina veio deitar-se. Penteou-se, rezou, despiu-se e deitou-se sem camisa na cama. A adela, assim que a apanhou dormindo, pegou na camisa e foi-se embora.

497No fim de dias o príncipe mandou avisar, para todos os fidalgos irem ao palácio com as suas famílias; quando estavam presentes, chamou um cavaleiro e mostrou-lhe uma prenda e perguntou se conhecia.

498O cavaleiro disse que sim, e que a tinha deixado no quarto de uma menina. Fez mais perguntas iguais aos outros mancebos, e as três beatas estavam muito envergonhadas. Chegou por fim a vez da menina da camisa; chamou-a, e ela desatou a rir.

499A mãe disse-lhe:

– Sustei-vos, filha, não vos rides.

– Ai, senhora! agora é que eu vejo que o príncipe era a velha adela que me furtou a camisa.

500O príncipe perguntou-lhe:

– Será esta a camisa?

– É sim senhor.

– Pois bem, aqui tem a sua camisa, e saiba que deste instante por diante fica minha verdadeira esposa, e a estas meninas dou-lhes a sentença que, como são muito beatas, se faça um convento para as meter para sempre.

501(Ilha de S. MiguelAçores)

502NOTA – Há uma versão da Beira Baixa nos Contos Populares Portugueses, n.° lxi, com o título As Filhas dos Dois Validos, do grupo coligido por Consiglieri Pedroso. Traz os seguintes estribilhos: – Ah, estrangeirinha, estrangeirinha / Que esta caixa era minha. / «Pois se a caixa era vossa / Pela virtude sereis rainha.»

A mão do finado

503Havia um mercador, que tinha três filhas, e por costume ia cobrar fora da cidade uma renda todos os anos. Aconteceu falecer a sua mulher, e tendo de ir receber a renda custava-lhe deixar as filhas sozinhas. Disse então o mercador:

– Minhas filhas! eu preciso de ir receber a renda do costume, mas está-me custando ir, para as não deixar sós.

504As filhas responderam:

– Vá, meu pai, que não nos há-de acontecer nada; nós havemo-nos de fechar por dentro, e não se consentirá que ninguém entre cá.

505O mercador foi-se, fiado na palavra das filhas. Havia fora da cidade uma quadrilha de ladrões, e o capitão deles andava à espera da ocasião da partida do mercador. Assim que soube do dia em que o mercador saiu da cidade, vestiu-se em trajos de velho pedinte, e quando anoiteceu estava e toda a sua quadrilha à esquina da rua onde moravam as três meninas. Veio o capitão bater-lhes à porta, e como estivesse chovendo, pediu pousada do ar da noite. As meninas mais velhas compadeceram-se dele e queriam-no agasalhar; a mais moça disse:

– Não! lembrem-se da palavra que deram ao pai; dê-se-lhe uma esmola, e ele que vá com Deus.

506Respondeu a mais velha:

– A menina como mais criança não determina nada aqui!

507E o velhinho sempre entrou para dentro; deram-lhe na cozinha uma enxerga e cordas para ele estender a roupa, e puseram-lhe a ceia diante. As meninas depois de terem arranjado o velho, foram também cear; eis senão quando o velho abriu a porta da cozinha e veio ter com as meninas à mesa e deu-lhes três maçãs dormideiras, uma para cada uma comer à sobremesa. Ficou vendo se as meninas as comiam; as mais velhas comeram as suas, mas a mais moça não comeu e escondeu-a para o velho a não ver e não desconfiar. Foram-se as meninas deitar e as mais velhas pegaram no sono muito depressa; porém a mais nova não dormiu com medo, mas fingia também que dormia. Quando o ladrão viu que estavam já dormindo, levantou-se e foi ao quarto das meninas puxou um alfinete real, chegou ao pé da menina mais velha e deu-lhe uma picada a ver se estremecia. Ela não sentiu a picada. Fez o mesmo à segunda; não sentiu. A mais nova com medo de o ladrão a matar, fez-se dormindo; ele fez-lhe o mesmo e ela não sentiu.

508O ladrão trazia consigo uma espada, uma pistola e uma mão de finado e pôs numa banca estas coisas todas. A menina mais nova abriu os olhos para ver a determinação do ladrão, e tomou-os a fechar. O ladrão acendeu o lume à mão do finado para as meninas ficarem mais pesadas no sono, e correu as casas para arrumar o que tinha que roubar. Abriu o alçapão que dava para a loja das fazendas, entrouxou o que quis, e abriu a porta da loja, e saiu a chamar a sua quadrilha. A menina mais moça levantou-se ao mesmo tempo que o ladrão saíra, viu as trouxas das fazendas prontas, e a toda a pressa trancou a porta da loja. O ladrão que já vinha com a quadrilha, ainda se pôs aos empurrões à porta, e dizia:

– Foi a mais mocinha que me enganou, e que não comeu a maçã dormideira.

509E começou adizer que ela lhe havia de pagar tudo. Teve ainda a confiança de tornar a bater à porta, pedindo à menina que lhe desse a sua mão de finado. Ela respondeu de dentro, que a mão estava em labareda, e que não sabia como a apagar. Disse o ladrão, que a deitasse numa tigela de vinagre, que ela se apagava. A menina veio cá acima buscar a espada que o ladrão tinha deixado, e disse-lhe:

– Aqui está a mão do finado.

510Ora na porta havia um buraco em cima em que cabia uma mão; e disse-lhe o ladrão:

– Meta a menina a mão pelo buraco.

– Se quer, meta a sua, que eu lhe darei a mão do finado.

511Vai o ladrão cai em meter a mão e a menina traçou-a com a espada. Os ladrões foram-se embora, e o capitão com a mão quebrada. A menina foi para o quarto onde as irmãs estavam dormindo, apagou no vinagre a mão do finado, e ao mesmo tempo as irmãs começaram a estremecer, e acordaram. A boa da menina fê-las levantar, contou-lhes tudo, e levou-as a ver os sinais da desgraça em que estavam. Elas ficaram muito assustadas, e choraram muito lembrando-se do que o pai diria quando chegasse e soubesse que lhe tinham desobedecido.

512Chegou o mercador da cobrança, e viu as filhas aparecerem muito tristes. Pediu a menina mais nova a seu pai que a escutasse; contou o que era passado e como se tinha livrado dos ladrões. O mercador chamou então as filhas e disse:

– Daqui por diante daremos obediência a sua irmã mais moça; eu com ser seu pai farei o que ela determinar, porque venho a conhecer que vos livrou da morte e de ficarmos desgraçados.

513Quando, por fim de muitos anos, o capitão dos ladrões, que tinha mandado fazer uma mão de ferro com engonços e andava de luvas, vestido como qualquer senhor, estabeleceu um armazém defronte da casa do mercador. Ora um dia o mercador, por lhe parecer boa pessoa convidou-o para com ele jantar. Ele aceitou de boa vontade, e as meninas ficaram satisfeitas de o pai convidar tão bom vizinho. A mais nova é que ficou muito triste, e o pai lhe perguntou o que era. A menina respondeu que não gostava que o pai convidasse o tal senhor para vir a sua casa. Chegou a hora do jantar e foram para a mesa; as duas outras irmãs, já se sabe, muito contentes. Houve uma conversa, e neste mesmo tempo o vizinho pediu em casamento a menina mais nova ao pai. O mercador ficou muito satisfeito e disse que sim; mas a menina respondeu:

– Aqui o desengano, pai, que com ele não quero casar.

514O vizinho ficou aborrecido, e pediu a mais velha, que ficou muito contente, e ele começou a enumerar os bens que tinha, e que morava em uns palácios longe da cidade.

515Chegou o dia do casamento, despediu-se a menina mais velha, e montou no carro mais o marido para fora da cidade. Lá no meio da estrada ele apeou-se, mais a mulher, pagou ao boleeiro para se não saber onde ele morava. Foram andando até que chegaram a umas casas metidas nuns matos. Assim que a sua companhia o avistou, vieram com seus oiros e jóias oferecer à senhora, dizendo ele que era a sua mulher. Entrou com ela para um quarto, e lhe deu um papel para escrever uma carta a seu pai, que ele notou, dizendo que estava muito satisfeita com ver tanta riqueza e que mandava buscar uma de suas irmãs para estar uns dias em sua companhia. Acabada a carta, que ele arrumou, tirou então a luva e a mão de ferro e mostrou-lhe o braço maneta, dizendo:

– Conheces quem me fez isto?

516Ela respondeu-lhe que não.

517– Bem sei que não tens culpa, mas o pagarás e tuas irmãs também.

Acabado isto pegou na espada e degolou-a. No fim de uns dias levou a carta ao sogro, que a sua mulher lhe mandava, e o pai leu-a, e disse à do meio que fosse.

518O ladrão levou-a consigo, fez com que ela escrevesse uma carta para vir a mais moça, e depois de a degolar, veio com a carta. O pai mandou a última filha que tinha em casa; ela não queria ir, mas para não desobedecer sempre se resolveu. Foi com o cunhado, que no meio da estrada a fez apear, e depois de irem a pé por muito tempo, descalçou a luva e mostrou-lhe a mão, dizendo:

– Tuas manas já pagaram; agora é a tua vez.

519Chegaram a casa; os ladrões apareceram-lhe todos, e ele disse:

– Façam de conta que é minha irmã.

520Pôs ao pescoço da menina uma pêra de oiro, e disse:

– Podes ir a todos os quartos deste palácio, menos a este.

521Partiu com a quadrilha, mas assim que voltou costas, a menina tirou a pêra do pescoço e foi ao quarto dos mortos. Viu lá um menino príncipe todo esfaqueado, que lhe disse:

– Esta casa é um covil de ladrões; o que faz a menina por aqui? Olhe que eles estão aí a chegar.

522A menina fechou outra vez tudo; botou a pêra ao pescoço, e nisto chega o cunhado.

– Fez o que lhe mandei?

– Fiz.

523Ele olhou para a pêra sem malha, ficou muito contente; destinou-lhe serviços para ela fazer, e foi-se outra vez embora para uma viagem de oito dias.

524A menina tirou a pêra, e foi ao quarto dos mortos levar um caldo ao menino príncipe, que ficou são. Sentiram uns carros do rei que levavam esterco e eles fugiram e foram ter com os carreiros para os levarem para o palácio. Chegaram aos carreiros e perguntaram:

– Que novidade há nessa cidade?

– Ofícios dobrados pela falta do príncipe.

– O príncipe sou eu; e esta menina deu-me a vida, na casa onde estava esfaqueado pelos ladrões. Agora, carreiro, deita esterco fora do carro de trás, põe meia sebe e deita em cima o esterco, que nós nos escondemos aí.

525O carreiro assim fez; eram três carros e puseram-se a andar. Os ladrões tinham encontrado um feiticeiro, e ele ofereceu-se para ir para a sua companhia. Chegaram a casa, o capitão não encontrou a menina, mas o feiticeiro logo lhe disse que ia fugida no carro de trás.

526Partiu um dos ladrões para a ir buscar; chegou ao carreiro, mandou-o parar, e cavar no carro de trás até meio, e vendo que não achava nada, foi-se. Os meninos passaram para o carro segundo. Chegando a casa, disse o ladrão:

– É mentira; não achei ninguém, pois despejei o carro até meio.

527Disse o feiticeiro:

528Despeja o carro todo, que eles lá estão.

529Parte o ladrão a toda a pressa, apanhou o carreiro, mandou despejar o carro todo, e como os meninos já tinham passado para o carro do meio, não achou nada. Foi-se embora furioso contra o feiticeiro. Diz o sábio:

– Vão agora no carro do meio.

530Partiu o ladrão, e mandou despejar o carro do meio; mas não achou ninguém. Diz outra vez o feiticeiro:

– Torna lá, que eles passaram-se para o carro da frente.

531Mas os carros chegavam já ao palácio e escaparam os meninos. O rei ficou muito contente por ter tornado a encontrar o seu filho, e soube da menina tudo desde a mão do finado até dar a vida ao príncipe, que quis logo casar com ela. O rei deu o sim, e no dia das festas do casamento veio um dos ladrões com obras de oiro, entrou para a igreja que estava preparada, e abriu uma saca, e dizia com ar de tolo:

– Tão bonito! tão bonito!

532Apareceu ali um vassalo e disse:

– Quando você se admira disto, que seria se visse a câmara real.

533Disse o que se fingia tolo:

– Eu dava todas estas obras de oiro a quem me levasse lá.

534O vassalo ofereceu-se, e o ladrão no meio de tanta gente sumiu-se e meteu-se debaixo da cama sem o vassalo ver. Casaram-se os príncipes, e foram para a câmara real; a princesa com uma grande agonia não podia dormir, e não se quis deitar.

535Diz o príncipe:

– Deita-te, que os ladrões não podem vir aqui matar-nos.

– O meu coração me diz que mesmo aqui me hão-de vir matar.

536O príncipe levantou-se, chamou um sentinela para fora da porta e um leão para a borda da cama. O leão mal entrou começou a farejar para debaixo da cama; a menina levantou-se e foi ver aonde o leão estava dando sinal. Chamou o príncipe para ver um dos ladrões que os tinham querido matar. Acudiu o sentinela, que fez sair o ladrão que ainda fingia de tolo, dizendo:

– Tão bonito! tão bonito!

537Mas levaram-no dali para a prisão, até confessar quem o tinha ali metido, sendo enforcado com o vassalo. O rei mandou tropa a rodear a casa dos ladrões, foram todos mortos e encontraram-se muitas riquezas, que o rei deu aos noivos, que foram muito felizes.

538NOTA – É uma versão popular do Barba-Azul. Gubematis, na Mit. Zoológica, t. i, p. 182, resume o xiv conto estoniano, de Fred. Kreuzenwald, pertencente a este mesmo ciclo. Na mesma obra, t. ii, p. 36, traz outra versão italiana deste conto com o título O Rei dos Assassinos, não coleccionada. Nos Contes populaires de la Grande Bretagne, trad. de Brueyre, vem uma versão de Yorkshire, coligida por Gould nos Curious Myths, com uma nota interessante a pág. 407. Segundo Brueyre, a parte mítica do conto é a mão de glória, que se liga ao mito do fogo. No Folclore Andaluz, p. 308, há uma versão do marido que mata as mulheres, até que a última vinga as irmãs. Este mesmo tema subsiste nos contos populares portugueses no romance do Rico Franco. Na Biblioteca de las Tradiciones populares espanolas, t. i, p. 149, vem uma versão de Sevilha, intitulada Mariquilla la ministra, em que se confunde também o conto da Maria Sabida.

O rei de Nápoles

539Um rei tinha um filho, e como era o único, queria que ele casasse; mas o príncipe respondia-lhe sempre, que não casaria senão com uma filha do rei de Nápoles se ele tivesse alguma.

540O príncipe tratou logo de indagar bem se o rei de Nápoles tinha alguma filha; mas não achava pessoa que lhe desse a certeza. Depois de muitas indagações partiu para Nápoles, e armou-se a deitar um pregão, dizendo que dava esmolas a todos os velhos que quisessem lá ir. Era para ver se algum lhe dava notícias se o rei tinha alguma filha. Todos com quem ele falava lhe diziam que tinham sido nados e criados e que tal coisa nunca tinham ouvido. Indo um dia à esmola a casa do príncipe uma velha, perguntou-lhe se ela sabia de o rei ter alguma filha?

541Respondeu a velha:

– Oh senhor, eu aqui nasci e daqui sou, mas nunca ouvi de ele ter nenhuma filha. Agora, passando eu o outro dia por uma esquina do palácio, vi de dentro de uma fresta uma cara tão linda, que me pareceu ser de princesa. Mas não posso dar maior certeza.

542O príncipe prometeu à velha de lhe pagar bem, se ela descobrisse que era a princesa. Um dia indo a velha pela esquina, viu à fresta a tal cara linda e chamou-a para lhe vir falar. Ela veio; perguntou-lhe a velha se queria comprar jóias, que sabia quem as tinha bem boas.

543A princesa disse que sim, e combinou a hora em que iriam ter à fresta. A velha foi muito contente dizer tudo ao príncipe. Como tinha visto a princesa, que tinha falado com ela, e combinado a hora de ele ir com as jóias. O príncipe vestiu-se em trajo de adelo, e chegou à esquina a apregoar jóias.

544Neste tempo ouve uma voz, que vinha da fresta, chamar:

– Ó homem das jóias!

545O príncipe voltou para trás muito contente, e a princesa disse-lhe que entrasse por aquela escadinha. Assim fez; mostrou-lhe as jóias, ela estava satisfeita, e disse depois de escolher:

– Vamos agora ao preço.

– Se a senhora está contente com essas, em casa tenho outras ainda melhores, e trago-as cá amanhã.

546Quando chegou a casa a velha aconselhou-o a que vestisse por baixo os seus fatos de príncipe, e por cima com o trajo de vendilhão das jóias, para quando chegasse às escadinhas despir-se e falar à princesa como quem era. Assim fez; a princesa quando o viu feito príncipe assustou-se; mas ele expôs-lhe a sua prática e a diligência que tinha feito para chegar àquele lugar, e que o seu sentido era casar com ela.

547A princesa aceitou o pedido, e assentou a hora da noite muito em segredo em que ele a iria buscar, porque o rei seu pai não queria que ela casasse. O príncipe pelo muito desejo que tinha de a ir buscar, foi logo de serão para o lugar da escadinha; mas cansado de esperar, encostou o cotovelo sobre a sela do cavalo e pegou a dormir.

548Neste tempo passou um homem de meia-tigela pelo pé do príncipe, e quis ver se o conhecia; nisto ouviu uma voz que dizia:

– Vamos, vamos! que já está o escaler na água à nossa espera.

549O tal homem viu descer uma donzela muito linda, e pegou nela com toda a riqueza que trazia; meteram-se no escaler e partiram.

550O pobre do príncipe ficou ali até amanhecer. Quando acordou julgou que a princesa o tinha enganado, e foi para outra terra, e quando lá chegou começou outra vez a dar esmolas aos pobres para descobrir por algum se o rei de Nápoles tinha alguma filha.

551A princesa, quando amanheceu, que se viu com aquele homem, disse consigo:

– A primeira vista não é vista; mas isto não é o principe meu senhor.

552O ladrão do homem como a via desgostosa perguntou-lhe:

– Sabe a menina com quem vai?

– Com o príncipe meu senhor.

– Pois saiba que vai com um ladrão.

553A princesa começou a chorar, e foram andando, andando e chegaram lá a uma terra chamada das Junqueiras.

554Ele varou a lancha, deixou ficar ali a princesa e foi-se embora; havia ali só uma mulher viúva com a sua filha.

555A princesa ficou a chorar muito naquele escampado, por se ver sozinha, e tudo isto era de noite. Disse a filha à mãe:

– Estou ouvindo chorar, e parece-me ser mulher,

– Não, filha; isso podem ser os ladrões, para nos enganarem e virem roubar-nos.

556Tornou a dizer a filha:

Será tudo o que Deus quiser;
Mas aquele chorar é de mulher.

557Foram ambas, e deram com a princesa, que elas não conheciam, e tomaram-na para a sua companhia.

558O príncipe continuava a dar esmolas aos pobres, e perguntava a todos se o rei de Nápoles tinha alguma filha. Todos diziam que não, que nunca tal tinham ouvido.

559Afinal foi lá um velho e fez-lhe esmola, e repetiu a pergunta do costume; o velho respondeu:

– Se o senhor soubesse o que eu passei com ela! sempre se havia de rir um bocado.

560O príncipe puxa uma cadeira e senta o velho ao pé de si. O velho contou:

– Eu vinha um dia do jogo das távolas; e passei pelo palácio do rei; estava lá numa esquina um cavaleiro dormindo, por sinal com o cotovelo na sela do cavalo; foi ao pé dele para ver se o conhecia, e a este tempo ouvi dizer: «Vamos! que já está o escaler na água à nossa espera.» E foi contando tintim por tintim o caso do roubo da princesa até a ir deitar na terra das Junqueiras.

561Assim que chegou a este ponto, o príncipe não se teve em si, puxa de um punhal e crava-o na cabeça do velho e matou-o. Os outros velhos que estavam ali, gritaram logo:

– Aqui d’el-rei, que mataram o nosso irmão.

562Acudiu logo a Justiça para levarem o príncipe para o Limoeiro; chegou o dia em que ia a enforcar, e ele pediu mais uma hora de vida. Chamou um dos homens que ali estava, que fosse ao palácio pedir ao rei um livro de pastas vermelhas, que estava à cabeceira do príncipe. O rei assim que ouviu isto deu-lhe um baque o coração, e conheceu que só o príncipe é que podia fazer aquele pedido. E como já havia muitos anos andava ausente do reino, foi ver se seria ele; meteu-se na carruagem e foi ter com ele, trouxe logo para o palácio o filho, que lhe contou todos os seus trabalhos:

– Agora, meu pai, dê-me licença para ir à terra das Junqueiras buscar a princesa.

563O pai mandou aprontar uma das melhores naus, e o príncipe assim que chegou à terra das Junqueiras e viu uma casinha, bateu e quem lhe veio falar foi a dona. Às perguntas do príncipe, disse que morava com duas filhas. O príncipe disse se ela dava licença, que as queria ver. E ela disse, que não tinham roupinha capaz de aparecerem a Sua Alteza. Tanto teimou que elas apareceram, e o príncipe logo a reconheceu, e disse que ia por causa dela, para a levar para o palácio. A princesa disse que estava bem, e que para enganos só bastava uma vez. Ele disse que levaria também para o palácio as suas companheiras, que seriam tratadas como pessoas reais. Foram-se embora e casaram, e ficaram vivendo todos como Deus com os anjos.

564(Ilha de S. MiguelAçores)

565NOTA – Nas Nuits facecieuses, de Straparola (ed. elz), ix, fáb. 1.a, vem este conto com a mesma situação das jóias e da donzela escondida pelo pai.

O Matador dos Bichos

566Houve em certo tempo um rei, que era sozinho mais a rainha, e não tinha filho nenhum para bem de herdar a coroa. Desejaram muito um filho, e nasceu-lhes uma menina. O rei tratou logo de ir ver ao livro do Sino qual seria a sorte da menina, e viu o seguinte:

– Que ao cabo de doze anos ela seria metida numa torre sem porta, senão uma gateira por onde só aceitasse o comer, e em roda de sete anos a carne que lhe dessem para comer não havia de levar osso nenhum.

567Ao cabo de sete anos o rei seu pai foi convidado para ir jantar fora, e deixou recomendado às suas aias que quando mandassem o comer à princesa, que lhe não levassem carne com osso. Aconteceu por desgraça o contrário. Andava por ali um duque, vestido em trajo de mulher falando com ela pela gateira. Naquele dia em que lhe foi o jantar com osso ela tratou logo de fazer com isso um martelo, e esborralhou um lado da gateira por onde pudesse caber, e quando veio o duque conversar, disse por estas palavras:

– Minha sorte está acabada antes do tempo por via do osso do jantar, e o meu intento é sair já daqui.

568Aí vão os dois fugidos; o duque passou um rio que mais ninguém sabia passar, e estiveram por espaço de dois anos em uma brenha de pedra muito seguros. Ali teve a princesa um menino, e como já tivesse três anos, e como estivesse por baptizar, foi preciso tornar a passar o rio, para irem a uma ermida longe. Passou o duque o menino para a outra margem, e quando vinha para buscar a mãe, prendeu-se num passo e desapareceu, ficando a mãe de um lado e o filho de outro.

569A princesa ficou chorando muito a sua desgraça, porque não sabia o caminho.

570Respondeu-lhe o menino:

– Não tome a mãe moléstia, que sou eu quem a vou passar.

– Filho, vais pelo rio abaixo!

571E dobrou ainda mais o choro. Mas o menino passou o rio bem, e guiou a mãe, e lá foi a uma igreja onde pediu para ser baptizado, e quis o nome de José, Matador dos Bichos. Depois foram andando pela freguesia abaixo, e chegando a uma casa com um postigo meio aberto, ele meteu o braço, abriu a porta como se fosse sua, e entrou com a mãe. Não acharam ninguém; como não achassem que comer, ele foi pedir, e aconteceu ser ao palácio do rei, onde lhe deram muito. A mãe ficou admirada, e temendo que lá o conhecessem, pediu-lhe para não tomar ali mais. Ele das esmolas arranjou com que comprar uma espingarda, e começou a apanhar caça real que ia levar de presente ao palácio. Indo um dia para a caça lá para uns matos feios, avistou umas fortes casas e essas medonhas. Com o muito ânimo que tinha entrou e viu sete homens deitados a dormir. Não teve ele mais que fazer senão pegar numa machadinha que ali viu, e com ela foi picando os pescoços dos sete homens, cada um por sua vez. Agora, cuidando que estava sozinho, corre todos os quartos, mas chegou a um em que estava o quadrilheiro-mor, que era um gigante, que lhe perguntou:

– Que fazes por aqui, franguinho de vintém?

– Com eu ser franguinho de vintém talvez me não tema de ti.

572O gigante atira-lhe um pescoção, e o menino agarrou-se-lhe às gadelhas e traçou-lhe o pescoço. Viu então muitas riquezas, e correu a dar parte à mãe, para irem para lá viver; a mãe disse-lhe que fosse dar parte ao rei. Ora o rei, pasmado da valentia do pequeno, perguntou:

– De quem és tu?

– Eu, senhor, sou filho de uma princesa, que fugiu com um duque, de uma torre em que estava fechada.

573E como ia contando o acontecido, o rei interrompeu-o dizendo:

– Pelo que percebo, então és tu meu neto. Onde está tua mãe?

– Senhor, está numa pobre cabana de palha.

574E mandou-a buscar, para ela vir para o palácio, onde houve muitas festas. Ora o menino pediu ao avô para ir com uma força às tais casas dos ladrões buscar aqueles grandes massames que lá vira. Assim foi; e correndo todos os quartos ajuntou todos os empregos que ali havia de ouros e prata tudo num monte, pegaram a carregar quanto puderam, e mandou escangalhar as casas para não servirem mais de covil dos ladrões.

575Por morte do avô foi o menino rei, e lá está vivendo muito bem.

576(Ilha de S. MiguelAçores)

577NOTA – É uma das lendas mais queridas da Idade Média, do pai ou avô que conhece o filho ou neto abandonado, pela sua valentia extraordinária. As gestas desenvolveram este tema épico. Trogo Pompeu cita um fragmento de um poema dos Turdetanos, que é o conto do rei Abidis, neto do rei Gargoris, nascido de uma fragilidade de sua filha; tendo-o exposto a todos os perigos para que a criança morresse, sobrevive a tudo e é nomeado pelo avô sucessor do seu reino.

As nozes

578Havia um príncipe, que foi passear e no meio de uma estrada encontrou uma velhinha, e o príncipe pediu à velha a sua bênção. Ela deu-lhe três nozes e lhe disse:

– Meu príncipe, não partas estas nozes senão perto de água.

579Ele foi para diante, e partiu uma das nozes. Saiu uma menina muito linda, que lhe pediu água. Como ele não tinha ali água, ela morreu. Mais para diante, partiu outra noz; sucedeu o mesmo, não haver água e a menina morreu. O príncipe prometeu a si mesmo de não tornar a partir a última senão ao pé da água. Chegando a uma fonte, partiu a derradeira noz; saiu uma menina, que lhe pediu água, ele deu-lha e a menina viveu. O príncipe muito contente levou-a consigo até ao jardim do palácio do rei seu pai, e aí a meteu entre a ramada de uma árvore, que tinha uma fonte por baixo, e foi-lhe buscar vestidos para a trazer para a corte. Uma preta vinha à fonte com um potinho de barro e viu na água a cara da menina; pensando ser a sua cara, quebrou o pote dizendo:

– Uma cara tão linda não vem à fonte!

580A mãe batia-lhe, e ela. repetia sempre o mesmo; a mãe chamava-lhe tola, até que lhe deu um odre para ir à fonte, porque assim não o quebrava. A preta foi, e lavou a cara, e olhando para cima viu a menina, e foi a casa chamar a mãe. A mãe veio e perguntou à menina como é que ela tinha ido para ali. Ela contou; e a mãe chamou a menina e começou a dar-lhe matadelas na cabeça, e vai senão quando mete-lhe dois alfinetes reais nas fontes, donde a menina se tomou em pombinha branca e voou por esses ares fora. A preta pôs a filha no lugar da menina; veio o príncipe e ficou espantado de a ver tão negra. Ela respondeu-lhe:

– Os ardores do sol, o vento e a chuva me enegreceram.

581O príncipe ficou pelo que ela dizia, levou-a para o palácio, e estava já para recebê-la, quando lhe veio uma grande doença, que nada lhe sabia com o fastio. O jardineiro viu uma pombinha, que falava e dizia:

Eu ando de galho em galho,
De flor em flor,
Ai que dor!

582E a pombinha voava e tornava adizer:

Eu ando da hortelã para o loureiro,
À roda da minha horta,
Como irá o príncipe
Com a sua esposa preta Carlota?

583O jardineiro foi contar tudo ao príncipe, que mandou untar todas as árvores de visgo, para apanhar a pombinha. Apanhou-se a pombinha, e a preta logo desejou os fígados dela. O príncipe não quis que ela se matasse; indo-lhe a fazer festa, ao passar a mão pela cabeça da pombinha achou os dois alfinetes e puxou-os; ela tomou-se outra vez na menina, e o príncipe muito contente casou com ela, e mandou matar a preta e a mãe da preta.

584(Ilha de S. MiguelAçores)

585NOTA – É o conto das Três Cidras do Amor, modificado segundo os frutos predilectos de cada terra, cidras, laranjas ou nozes. Sobre os paradigmas deste conto universal, vid. p. 190 Don Agustin Duran, no Romancero general, t. i, p. 2, nota ao romance n.° 4, resume este conto, bastante vulgar em Espanha. Na versão italiana de Perugia, tem também o título Le tre noci fatale. (Ap. Prato, Quattro novelline, p. 28).

As três cidras do amor

586Era uma vez um príncipe, que andava à caça; tinha muita sede, e encontrou três cidras; abriu uma, e logo ali lhe apareceu uma formosa menina, que disse:

– Dá-me água, senão morro.

587O príncipe não tinha água, e a menina expirou. O príncipe foi andando mais para diante, e como a sede o apertava partiu outra cidra. Desta vez apareceu-lhe outra menina ainda mais linda do que a primeira, e também disse:

– Dá-me água, senão morro.

588Não tinha ali água, e a menina morreu; o príncipe foi andando muito triste, e prometeu não abrir a outra cidra senão ao pé de uma fonte. Assim fez; partiu a última cidra, e desta vez tinha água e a menina viveu. Tinha-se-lhe quebrado o encanto, e como era muito linda, o príncipe prometeu casar com ela, e partiu dali para o palácio para ir buscar roupas e levá-la para a corte, como sua desposada. Enquanto o príncipe se demorou, a menina olhou dentre os ramos onde estava escondida, e viu vir uma preta para encher uma cantarinha na água; mas a preta vendo figurada na água uma cara muito linda, julgou que era a sua própria pessoa, e quebrou a cantarinha dizendo:

– Cara tão linda a acarretar água! Não deve ser.

589A menina não pôde conter o riso; a preta olhou, deu com ela, e enraivecida fingiu palavras meigas e chamou a menina para ao pé de si, e começou a catar-lhe na cabeça. Quando a apanhou descuidada, meteu-lhe um alfinete num ouvido, e a menina tornou-se logo em pomba. Quando o príncipe chegou, em vez da menina achou uma preta feia e suja, e perguntou muito admirado:

– Que é da menina que eu aqui deixei?

– Sou eu, disse a preta. O sol crestou-me enquanto o príncipe me deixou aqui.

590O príncipe deu-lhe os vestidos e levou-a para o palácio, onde todos ficaram pasmados da sua escolha. Ele não queria faltar à sua palavra, mas ria calado a sua vergonha. O hortelão, quando andava a regar as flores, viu passar pelo jardim uma pomba branca, que lhe perguntou:

– Hortelão da hortelaria.
Como passou o rei
E a sua preta Maria?

591Ele, admirado, respondeu:

– Comem e bebem,
E levam boa vida.
– E a pobre pombinha
Por aqui perdida!

592O hortelão foi dar parte ao príncipe, que ficou muito maravilhado, e disse-lhe:

– Arma-lhe um laço de fita.

593Ao outro dia passou a pomba pelo jardim e fez a mesma pergunta; o hortelão respondeu-lhe, e a pombinha voou sempre, dizendo:

– Pombinha real não cai em laço de fita.

594O hortelão foi dar conta de tudo ao príncipe; disse-lhe ele:

– Pois arma-lhe um laço de prata.

595Assim fez, mas a pombinha foi-se embora repetindo:

– Pombinha real não cai em laço de prata.

596Quando o hortelão lhe foi contar o sucedido, disse o príncipe:

– Arma-lhe agora um laço de ouro.

597A pombinha deixou-se cair no laço; e quando o príncipe veio passear muito triste para o jardim, encontrou-a e começou a afagá-la; ao passar-lhe a mão pela cabeça, achou-lhe cravado num ouvido um alfinete. Começou a puxá-lo, e assim que lho tirou, no mesmo instante reapareceu a menina, que ele tinha deixado ao pé da fonte. Perguntou-lhe porque lhe tinha acontecido aquela desgraça, e a menina contou-lhe como a preta Maria se vira na fonte, como quebrou a cantarinha, e lhe catou na cabeça, até que lhe enterrou o alfinete no ouvido. O príncipe levou-a para o palácio, como sua mulher, e diante de toda a corte perguntou-lhe o que queria que se fizesse à preta Maria.

– Quero que se faça da sua pele um tambor, para tocar quando eu for à rua, e dos seus olhos uma escada para quando eu descer ao jardim.

598Se ela assim o disse, o rei melhor o fez, e foram muito felizes toda a sua vida.

599(Porto)

600NOTA – Aparece pela primeira vez citado na tradição portuguesa, por Soropita, Prosas e Versos, p. 103. Este escritor pertence ao fim do século xvi. Cita-se nas obras de Nicolau Tolentino, p. 93. (Ed. J. Torres). Publicámos uma versão popular nos Estudos da Idade Média em 1869. p. 65, quando iniciámos estas investigações. Há outra versão nos Contos Populares Portugueses, e nos Contos Populares do Brasil, n.° xiv, vem com o título A Moura Torta, e variantes. Stanislao Prato, no seu opúsculo Quattro Novelline popolare livornesi, p. 11 e seguintes, traz bastantes versões italianas deste conto: La bella dei sette Cedri, I tre cocomeri, Le tre melangele d’amore, Bianca como la neve e rosa como il sangue, Le tre noci fatale, II giardino del orso, La dea Venere. Sobre esta novela apresenta em seguida um largo estudo comparativo (pp. 46 a 91, in-4.°) sobre as versões coligidas por Pittré, Basile, Imbrianni, Berti, Comparetti, Corazzini, Gubernatis, Gradi, Gozzi, Laura Gonzenbach, Schneller, Lippi, Busck, Ive, Visentini, Deulin, Afanasieff, Makban, Buemosci, Schott, Grimm, Kennedy, Brueyre, Asbjörnsen (Dasent), Köhler, Maspons y Labrós, Schmidt, Eredelgi Stier, Hahn, Benfey, Stefanovic, Jawis Schiefner, Zingerle, Cavallius, nas Legendas da România, de1874; e nos contos da Córsega, I tre aranci, etc. Todos estes nomes representam colecções de novelas populares italianas, gregas modernas, alemãs, húngaras, russas, inglesas, escocesas, espanholas, suecas, aváricas, suíças, por onde se vê que este conto é verdadeiramente universal. Stanislao Prato interpreta este conto como sendo o mito de Hércules roubando os pomos de ouro do jardim das Hespérides. Gubernatis, na Mythologie des plantes, t. ii, p. 81, também apresenta uma interpretação mítica.

601Na colecção de Maive Stokes, Indian Fairy-Tales, n.° xxi, The Bel-princess, há uma versão oriental deste conto. – Na Biblioteca de las Tradiciones populares espanolas, t. i, p. 100, vem uma versão, La Negra y la Tórtola, coligida no Chile, na povoação de Santa Joana; traz os estribilhos: – Hortelanito del rey, / Que hace el rey con su negra mora? / A veces canta y a veces llora. /Hui, hui, hui! triste de mi, / Por el campo sola.

A bengala de dezasseis quintais

602Era uma vez um ferreiro, que tratava muito mal a mulher com pancadas, e de uma vez tantas lhe deu, que sem se importar que ela andava ocupada de meses a pôs fora de casa. A mulher foi para os montes, e coitadinha, lá se agasalhou numa lapa e comia ervinhas do campo. Passado tempo teve um menino, e quando chegou à idade dava-lhe também a comer ervas; mas ele tornou-se muito forte, e subia às árvores mais altas e agarrava coelhos, lebres, raposas e lobos tudo à mão. Vai de uma vez, pelas conversas que tinha tido com a mãe, pediu-lhe para ir por aí abaixo ver esses territórios e casarias da cidade; e foi.

603Chegante lá, estava um ferreiro a trabalhar à açafra, e ele disse:

– Ó mestre! quero que me faça uma bengala de ferro de doze arrobas!

– O freguês sabe o que diz? Olhe que doze arrobas não é lá qualquer coisa.

604O rapaz conheceu pela cara e modos do ferreiro, que ele era o seu pai, mas calou-se consigo; depois disse:

– Então se doze arrobas ainda é pouco, faça-me a bengala de dezasseis arrobas.

– Ó freguês! olhe cá para mim direito.

– Olho, sim senhor; que eu não estou a mangar; e já que você acha pouco, faça-me a bengala de dezasseis quintais.

605O ferreiro disse que sim, e não ajustou preço; o rapaz foi-se embora e contou tudo à mãe. Chegou o dia em que a obra devia ficar pronta, ele foi à porta do ferreiro e viu muitos homens e uma junta de bois a puxarem a bengala de dezasseis quintais para a porem na rua. O rapaz bota logo a mão à bengala e começa ensarilhar com ela no ar, como se fosse um junco. O ferreiro e os outros homens com medo de ficarem esborrachados, começaram-se a esconder por todos os cantos; diz ele:

– Ó mestre, quanto custa a bengala?

– Não é nada; não é nada; pode-se ir embora.

606O que o ferreiro queria era vê-lo pelas costas; disse o rapaz:

– Pois amanhã cá torno para ajustarmos as contas. Assim foi; no outro dia trouxe a mãe a casa do ferreiro:

– Ó mestre! então você não conhece esta mulher?

– Não senhor.

– Pois você atreve-se a dizer que a não conhece, tendo-a recebido, dormido com ela e sendo eu seu filho? Pois agora aqui a tem, e veja como a trata.

607O ferreiro conheceu a mulher, levou-a para casa, quis abraçar o filho, e pediu para viverem todos juntos; diz agora o rapaz:

– Eu vou por esse mundo adiante, que não me falta que fazer.

608Foi-se embora; passando lá por umas matas, viu um homem a arrancar pinheiros à mão, como se fossem tremoceiros; ficou pasmado da valentia, e disse:

– Ó homenzinho! Você como se chama?

– Eu chamo-me o Arranca Pinheiros; mas dizem-me que há outro homem mais valente do que eu, que é o da Bengala de Dezasseis Quintais.

– Quer você vir comigo por esse mundo além?

– Iria, mas só com homem da minha igualha.

609Ele então puxou da bengala e ensarilhou-a no ar. O outro ficou pasmado, e foram-se ambos por aí fora muito amigos. Andaram, andaram, até que foram dar a um sítio onde estava um homem que infincava as mãos no chão, e com os pés descoroava os montes e punha-os rasos como uma cachada.

610Disse o da bengala:

– Ó homem! você como se chama?

– Eu sou o Arrasa Montanhas; mas olhe que há um homem mais valente do que eu, chamado o Bengala de Dezasseis Quintais, que eu ainda dava alguma coisa para vê-lo.

611O rapaz ensarilhou no ar a bengala, e ficaram todos três conhecidos. Combinaram ir por esse mundo e do que arranjassem repartirem-no entre si. Foram dar a uma praia muito linda, onde estavam duas raparigas a banharem-se; ora o Bengala de Dezasseis Quintais viu que elas atiravam uma para a outra duas bolas de vidro, que se atravessavam no ar. E enquanto estavam neste jogo, ele foi-se chegando sorrateiro, estendeu a mão e apanhou de uma só vez as duas bolas de vidro. Meteu-as na algibeira, e as duas raparigas desapareceram.

612Foram-se os três amigos andando, e chegaram lá a um escampado, onde estavam umas casarias; entraram. Havia muita mobília, camas, cozinha, mas não aparecia ninguém. Disse o da Bengala de Dezasseis Quintais:

– Fiquemos aqui a descansar. Mas o melhor era irem vocês ambos apanhar alguma caça, enquanto eu vou cozinhar esta que trago aqui.

613Os outros assim fizeram. Bengala de Dezasseis Quintais amanhou os coelhos e lebres que trazia, pôs tudo ao lume, e enquanto foi buscar uma pedra de sal, sai-lhe debaixo de uma mesa, por um alçapão, um molequinho de bota vermelha, vai à panela, furta-lhe tudo e mija-lhe dentro. Bengala de Dezasseis Quintais ainda agarrou numa acha para o arranjar, mas o molequinho safou-se, que foi um alho. Quando os companheiros vieram, ele contou-lhes tudo, mas os outros não quiseram acreditar, dizendo que ele se tinha regalado com a comida. Disse ele:

– Pois fique agora o Arranca Pinheiros cozinhando esta caça, que nós vamos apanhar mais.

614Ficou Arranca Pinheiros; veio o molequinho das botas vermelhas, furtou tudo e mijou-lhe na panela. Ele ainda correu atrás dele, mas viste-lo. Vieram os outros, mas só o Arrasa Montanhas é que não queria acreditar. Ficou ele desta vez para o cozinhado; mas como campava de esperto, aconteceu-lhe o mesmo. Disse agora o Bengala de Dezasseis Quintais:

– Deixa-te estar, meu molequinho, que quem te vai agarrar sou eu.

615E tiraram a mesa que estava em cima do alçapão, e viram um poço muito fundo e escuro lá para dentro. Ele mandou o Arranca Pinheiros, que fosse buscar troncos de árvores e ramalhoças, que as torcesse e fizesse um calabre para um deles descer lá abaixo. Assim fez; quando estava tudo pronto, e o calabre chegava ao fundo do poço, disse o Bengala de Dezasseis Quintais:

– Quem vai lá abaixo sou eu.

616Desceu, desceu, e chegou ao fundo, enquanto os outros ficaram segurando na corda; lá em baixo era um grande alpendre com muitas portarias. Bateu a uma com a bengala, mas ninguém lhe respondeu; tornou a bater, e disse:

– Se não respondem, meto a porta dentro.

617Falaram de lá:

– Quem é que está aí?

– É o Bengala de Dezasseis Quintais; abra.

618Abriram; era uma mulher que fazia de porteira:

– Ó homem, vai-te embora, que aqui mora a Bicha de Sete Cabeças, que te encanta e nunca mais sais daqui.

– Deixe estar; com ela é que eu me quero.

619Chega a Bicha bufando toda assanhada:

– Aqui cheira-me a carne de gente.

620Vai o Bengala de Dezasseis Quintais, ferra-lhe tamanha estourada de meio a meio, que a deixou logo ali esborrachada. A primeira gota de sangue que derramou desencantou-se a menina, e ele conheceu que era uma daquelas que vira no banho na praia do mar. Para se desenganar perguntou-lhe:

– De quem é esta bola de vidro?

– É minha; e ainda hás-de ter na algibeira outra que é de minha irmã, que está ali naquela outra porta encantada.

– Deixa estar, que eu é que vou livrá-la; mas antes de tudo vou-te pôr lá em cima.

621Deu sinal, e os dois companheiros puxaram a corda. Enquanto eles iam subindo a menina tirou um anel do dedo, e disse:

– Toma lá a minha memória; enquanto estiver ao pé de i é que poderei falar; sem tu estares ficarei muda.

622O Bengala de Dezasseis Quintais tornou a descer ao poço e chegou à outra porta; bateu, e só depois de muito bater, é que lhe abriram; era outra mulher, que lhe disse:

– Fuja daqui, homem, quando não vem o molequinho que o mata.

– Ai o molequinho das botas vermelhas! Com esse é que me eu quero.

– Olhe que ele não tarda, que foi buscar de comer; ainda que se lhe bata, não lhe faz mal; só se for com aquela espada preta que está ali pendurada. Nisto chega o molequinho:

– Aqui cheira-me a carne de gente.

623Bengala de Dezasseis Quintais tinha-se escondido detrás da porta, e assim que o apanhou a jeito deu-lhe tamanha estourada, que o açapou no chão. Mas o molequinho levantou-se como se nada fosse, e disse:

– Ah, se isso vai assim, então vamos fazer aqui rusga. Pega nesta espada branca, que eu pego na preta.

624O rapaz que já estava avisado pela mulher, disse:

– Nessa é que eu não caio; ou há-de ser com a minha bengala, ou senão com a espada preta.

625O molequinho, que não queria os ossos amassados, antes quis ceder a espada preta; vai o rapaz ao primeiro golpe, corta-lhe uma orelha, e meteu-a na algibeira. Assim que derramou sangue a menina desencantou-se, e ele mostrou-lhe a outra bola de vidro. Então ela contou-lhe que estava com sua irmã encantada, e que eram filhas de um rei, e deu-lhe também o anel da sua memória, para não poder ter fala para outra pessoa senão a ele. Bengala de Dezasseis Quintais meteu-se com a princesa no cesto, e deu sinal para o içarem. Os companheiros ficaram muito contentes; e vai ele viu que se tinha esquecido da bengala no poço, e disse que esperassem um bocadinho enquanto a ia buscar. Assim que os outros o apanharam a meio do poço largaram cordas e tudo e ele caiu lá em baixo; safaram-se ambos com as duas princesas. O rapaz viu-se perdido, porque não podia sair do poço; mas lembra-se da orelha do molequinho, e ferra-lhe uma dentada. Apareceu-lhe logo o das botas vermelhas:

– O que é que tu queres?

– Quero que me leves daqui para fora.

626O molequinho transformou-se logo num bode e subiu pelo poço até meio caminho; depois tornou a cair:

– Só te boto lá em cima, se me deres a minha orelha.

– Pois sim.

627Foi num pronto. Assim que Bengala de Dezasseis Quintais se achou cá fora, molequinho a dizer:

– Dá-me a minha orelha.

– Só ta dou, se me levares para onde foram os meus companheiros.

628O molequinho transformou-se logo num begueiro, e foi por aí fora dar ao palácio do rei. Havia lá festa, porque o rei estava muito contente por se terem desencantado as filhas, e já se tratava das festas do casamento delas com os dois valentões. Mas o rei tinha muita pena de as filhas serem mudas. Disse o molequinho ao da Bengala:

– Dá-me agora a minha orelha!

– Só se me levares aonde estão as princesas.

629O begueiro subiu pelas escadarias, e foi por corredores dar ao quarto das princesas. Elas assim que o viram começaram logo a falar e contaram-lhe tudo. Foram dizer ao rei que estava um homem no quarto das princesas, e que elas falavam. Veio o rei, e a princípio queria mandar matar o homem, mas as princesas, contaram que ele é que as tinha desencantado, e que só ele é que tinha os anéis da memória, e por isso só com ele é que podiam falar.

630Disse o molequinho ao rapaz:

– Dá-me agora a minha orelha.

– Dou-ta, mas só depois de ter casado com a princesa herdeira do reino.

631O rei consentiu no casamento, e aconteceu que a primeira que ele tinha desencantado é que era a princesa herdeira, e por isso a outra não teve de que ter ciúmes. Os dois valentões que tinha fugido com elas, tiveram medo dos poderes do Bengala de Dezasseis Quintais, e não estavam para flostrias, deram à perna. Torna o molequinho a aparecer ao rapaz:

– Dá-me agora a minha orelha.

– Só ta dou, quando arranjares as coisas de jeito que eu entre a reinar.

632O caso é que ao rei deu-lhe uma doença, e foi indo a ficar chupadinho, que morreu. Bengala de Dezasseis Quintais foi aclamado rei, e só depois de subir ao trono é que deu a orelha a seu dono.

633(Santa MariaFamalicão)

  • 1 Na tradução francesa de Fr. Baudryn vem Os Seis Companheiros (p. 172) e o Gigantinho (p. 274) com a (...)

634NOTA – Acha-se este conto na Foz do Douro, com o título O Homem da Espada de Vinte Quintais (Contos Populares Portugueses, n.° xxi). Na Revista Ocidental, vol. ii, p. 329, vem uma outra redacção, de Ourilhe (Celorico de Basto) a que a narradora deu o título de O Homem da Bengala de Cem Quintais, ou da Bengala de Ferro, não reunido na colecção citada, por não ter diferenças essenciais. Há uma versão andaluza, coligida por Feman Caballero (Cuentos populares, p.51, ed. Leipzig.) Este conto acha-se coligido por Schiefner, nos seus Awarische Texte, n.°ii. (Nas Mem. de l’Academie imperiale des sc. de Saint Petersbourg, vii série, t.xix.) O conto chama-se Orelhas de Urso e é de uma grande importância para a determinação da origem de uma grande parte das novelas populares europeias, pelas relações entre os ávaros caucásicos com os ávaros mongólicos. A tradução deste conto acha-se na Revista Ocidental, vol. ii, de p.337 a 343. Há versões deste mesmo conto na Rússia, como se vê pelas colecções de Erlenwein e de Afanasieff, traduzido para inglês no Russian Folk-Tales by Ralston, pp. 73-80; e para francês com o título de O Monstro Norka, por Brueyre. (Contes populaires de la Russie, p.77). Há elementos episódicos no Koschei o Imortal. (Ibidem, p.105). Nos Contos Populares da Sérvia, de Vuk Stefanovic, vem este conto com uma forma deturpada, e uma variante coligida pela Sociedade da Jovem Bósnia, ambos traduzidos para inglês pela dama Mijatovies (pp. 32 e 36, e p. 123). Na colecção de Hahn, Contos Gregos e Albaneses, n.° 70 do i vol., e p. 294, do vol. ii. Na Itália aparece nas colecções de Pittré, n.°80 e 83 das Ott Fiabe, e p. 208 do vol. ii das Fiabe, Novelle e Raconti popolari siciliani; e nos Contos Sicilianos de Laura Gonzenbach, aparece sob os n.os 58, 59, 61, 63 e 64; nos Contos Populares Venezianos, de Wiedter e Wolf, n.° 4, e nas Novelline popolari italiane, de Domenico Comparetti, n.° 19. As notas de Reinhold Köhler alargam imensamente a área das comparações na tradição europeia; acham-se nas colecções de Schiefner, Gonzenbach, Wiedter, Hahn, Vuk Stefanovic e Bladé, donde se aproveitam todos os críticos com leves ampliações; pertencem a este ciclo novelesco, contos magiar, eslavónico e polaco, das colecções de Gaal, Vogel e Woyciki; contos alemães das colecções de Grimm1, Wolf, Sommer, Colshorn, Curtze e Vernalecken; Mullenhoff, Birlinger, Haltrich; conto boémio, na colecção de Waldau, lituânico na de Schleicher, tirolês na de Zingerle e Schneller, dinamarquês na de Grundtvig, e eslavo na de Schmaler, e em suíço, de Suttermeister, finlandês em Bertram, e gaélico em Campbell. O estudo comparado deste conto português com os elementos tradicionais europeus coligidos pelo erudito Köhler, acham-se na citada Revista Ocidental, Lisboa, 1875, vol. ii, pp. 239 e 245.

635Gubernatis, na sua Mitologia Zoológica, t. i, p. 207, traz o resumo de um conto russo coligido por Erlenwein, e no t. ii, p. 197, traz o episódio da descida ao poço e da salvação das princesas filhas do rei de Portugal, coligido da tradição oral da Toscana. Portugal, nos contos populares europeus, é o país das maravilhas, e as laranjas, como pomos dourados das Hespérides são chamadas Portogalotes; uma grande parte dos assuntos novelescos narram-se como tendo acontecido em Portugal. Por último citaremos ainda uma versão catalã, coligida por Maspons y Labrós, nos Rondellaires, com o título Jean de l’Ours, e a versão francesa colhida recentemente por Emmanuel Cosquin, nos Contes populaires lorrains, t. ii, p.135, com o título La Canne de cinq cents livres. É evidente a universalidade deste conto, e com certeza desenvolveu-se pela obliteração do seu sentido mítico primitivo. Gubernatis determina essa interpretação pelo conto iv da colecção de Erlenwein, Narodnija skarski sabrannija selskimi uciteliami: «os três irmãos aparecem sob nomes míticos interessantes; uma mulher dá à luz três filhos; um nasceu-lhe à noite, e por essa razão lhe chamam Vecernik, ou da noite; o segundo, à meia-noite, e por isso o seu nome é Polunocnik; e o terceiro ao alvorecer, pelo que o chamam Svetazor, ou o ladino.» Segundo a universalidade da tradição este é o mais esperto, e gira com uma clava de ferro de doze puds, e vai com os irmãos libertar três princesas encantadas, que são a princesa do castelo de cobre (Aurora da Tarde), a princesa do castelo de prata (a Lua Argêntea), e a princesa do castelo de ouro (a Aurora da Manhã) que casa com Svetazor (o Sol.)» Op. cit., p. 209.

636Nos Contos Populares do Brasil, há uma variante, n.° xix, intitulada Manuel da Bengala.

A Torre de Babilónia

637Era uma vez um pescador, que indo certo dia ao mar encontrou o rei dos Peixes; vendo-se apanhado, pediu-lhe que o não levasse. O pescador consentiu, mas a mulher tanto fez com ele, dizendo que lhe levasse o rei dos Peixes, que o pescador não teve remédio senão levá-lo. A pescada mandou então ao homem que a partisse em cinco postas: uma para a mulher, outra para a égua, outra para a cadela, e duas para serem enterradas no quintal. Assim aconteceu.

638Da mulher nasceram dois rapazes; da égua dois cavalos; da cadela dois leões, e do quintal duas lanças. Os rapazes cresceram; quando estavam já grandes, pediram ao pai que os deixasse ir viajar. Partiram cada um com sua lança, e seu leão e seu cavalo.

639Ao chegarem a um sítio onde havia dois caminhos. Um tomou por um, e outro por outro, prometendo auxiliarem-se se algum deles precisasse de socorro. Um deles foi ter a um monte onde viu uma donzela quase a ser vítima de uma bicha de sete cabeças. O rapaz matou a bicha e casou com a donzela. Um dia, estavam ambos à janela, e o rapaz ao avistar ao longe uma torre, disse a esposa:

Era a Torre de Babilónia,
Quem lá vai nunca mais torna.

– Pois hei-de ir lá eu, e hei-de tornar.

640Fez-se acompanhar do leão, pegou na lança, montou acavalo e seguiu. Na torre havia uma velha, que ao ver o cavaleiro, cortou um cabelo da cabeça, e disse:

– Cavaleiro, prende o teu leão a este cabelo.

641O cavaleiro assim fez; mas vendo que a velha se dirigia contra ele, disse:

– Avança meu leão.

– Engrossa, meu cabelão.

642Nisto o cabelo da velha transformou-se em grossas correntes de ferro e o cavaleiro caiu num alçapão da torre.

643Algum tempo depois o outro rapaz chegou a casa do irmão mas como ambos eram muito parecidos (só este tinha na face um sinal) a cunhada facilmente o tomou pelo marido e deu-lhe pousada nesta noite.

644Ao outro dia estavam ambos à janela e o cunhado ao avistar a torre velha, perguntou:

– Que torre é aquela?

– Já te disse, homem, que

Era a Torre de Babilónia,
Quem lá vai nunca mais torna.

– Pois hei-de eu lá ir e hei-de voltar.

645Aprontou-se exactamente como o irmão, e marchou em direcção à torre. Assim que a velha o viu, disse-lhe para prender o leão ao cabelo. O rapaz fingiu que o prendia, mas deixou cair o cabelo. Então a velha correu para ele. O rapaz disse:

– Avança, meu leão!

646E a velha:

– Engrossa, meu cabelão.

647O cabelo engrossou mas o leão avançou. A velha:

– Não me mates, e aqui tens um vidrinho que desencanta todas as pessoas encantadas na torre.

648O cavaleiro recebeu o vidro, mandou avançar o leão, e matou a velha. Depois desencantou todos que estavam na torre. O irmão, porém, apenas soube que a mulher por engano havia quebrado os laços conjugais, assassinou o seu salvador.

649(Porto)

650NOTA – Segundo uma nota de Consiglieri Pedroso, também tem o título da Torre da Sonolência, o que nos explica o sentido do título com que o ouvimos em uma versão de Abrantes, A Torre da Madorna. Acha-se nos Contos Populares Portugueses, n.° xiv; seguimos o texto da Vanguarda, n.° 39. Há uma outra versão nos Portuguese Folk-Tales, de Consiglieri Pedroso, n.° xi. Nos Contos Populares do Brasil, é denominado O Bicho Manjaléu. Este mesmo conto é comum à tradição espanhola com o título El Castillo de irás y no volverás em Maspons y Labrós Rondellaires y quentos populars catalans, Série i n.° 5; acha-se também na colecção de Fernan Caballero, com o título Los caballeros del pez. Nos Contes populaires lorrains, de Emm. Cosquin, as versões francesas têm os títulos Le fils du Pêcheur e Les dons des trois animaux. Aparece uma versão italiana na Fiabe, Novelle e Raconti popolari siciliani n.° 16, de G. Pittré. Aparece uma versão sérvia, intitulada Bash Chalek, na trad. inglesa de Mme Mijatovies. Serbian Folklore. Reinhold Köhler, nas suas notas aos Awarische Texte, de Schiefner, n.° iv, onde compara o conto dos Cunhados Animais.

651– Stanislao Prato, na revista Il Preludio, de1881, n.° 6.

652– Chodzko, Contes des paysans et pâtres slaves, p. 51, Koveland.

653Em Souvestre, Les derniers Bretons, p. 70: La Mary Morgan de l’Etang au Duc.

Desanda cacheira

654Um pai tinha três filhos, que foram pelo mundo correr sua ventura; tomou cada um para a sua banda. O mais velho encontrou-se com um viandante, e foi conversando com ele; chegados lá muito longe o viandante disse:

– Paremos aqui para comer.

655E desenrolou uma toalha que levava à cinta, dizendo: «Põe-te mesa!»

656Logo ali apareceram muitos manjares e vinhos e coisas boas, e comeram ambos. Como era já lusco com fusco, a toalha fez-se em uma barraca, e ali passaram também a noite abrigados. Ao outro dia cortou cada um para o seu lado e não se tornaram a ver. Ora o rapaz perdeu-se no caminho, e foi dar a um grande barroco, e aconteceu ir encontrar o companheiro, dono da toalha, cercado de lobos, que trabalhavam para lhe chegar. Pôs os lobos em debandada com um pandeiro, e o viandante em paga de o ter salvado deu-lhe a toalha do encanto.

657O rapaz voltou para casa, sem ter mais necessidade de trabalhar para comer.

658O filho segundo não foi menos feliz; encontrou um velhinho, que ia tangendo uma burra e foi conversando com ele; chegando lá a uma encruzilhada separaram-se, e foi cada um para a sua banda. Mas ouvindo lá pela noite adiante uns gritos de aflição foi-se chegando, e acertou de ir dar a um sítio onde estavam uns salteadores a maltratarem o velho para lhes dizer onde é que levava o dinheiro. O rapaz, que era valente, caiu em cima dos ladrões, que fugiram, e assim livrou o velho. Este, agradecido, deu-lhe em paga a burra, dizendo:

– Quando tu lhe disseres: «Mija dinheiro», essa burra dá-te o dinheiro que quiseres.

659Assim, voltou para casa tanto ou mais rico do que o irmão.

660O filho mais moço também era esperto; encontrou no seu caminho um homem que levava às costas uma cacheira. Nisto vieram uns ladrões sair-lhe à estrada, e ele disse.

– Desanda, cacheira!

661O pau começou logo no ar a despedir pancada para a direita e para a esquerda, e os ladrões ficaram estendidos com pernas, cabeças, braços quebrados, que era um louvar a Deus. Os dois companheiros foram andando; vai o rapaz, e diz-lhe:

– Quer você vender-me a sua cacheira?

– Só se me deres todo o dinheiro que levas.

662O rapaz deu-lhe tudo quanto o pai lhe tinha dado para arranjar a sua felicidade.

663Voltou para casa muito contente com a cacheira às costas. O pai assim que o viu, perguntou-lhe:

– Então o que é que trazes, que sejas tão feliz como teus irmãos?

– Comprei esta cacheira com o dinheiro que levei.

664E contou o poder que tinha a cacheira. O pai pôs-se a rir, e disse que não admirava que ele se deixasse enganar porque era muito criança; e que a cacheira não servia para nada. O rapaz andava triste.

665Havia uma grande festa na igreja da terra, e o irmão mais velho foi lá; como andava sempre com a toalha, temendo que ela perdesse o encanto, deixou-a à porta a uma velha que lha guardasse, recomendando-lhe que não dissesse: «Põe-te, mesa!»

666Se bem o disse, pior o fez a felha; e vendo logo aparecer uma rica mesa posta, foi a toda a pessa esconder a toalha. Veio também à festa o irmão do meio, e trazia consigo a burra, e deu-a a guardar à velha, recomendando-lhe que tivesse mão nela, e que não dissesse: «Mija dinheiro!» Mal virou as costas, a velha disse as palavras, e começou a correr da burra dinheiro a rodo. A velha safou-se com a burra.

667Quando os dois irmãos saíram da igreja não acharam a velha, e vieram para casa muito tristes com o roubo de toda a sua fortuna. Disse o mais novo.

– É tempo de saber para que serve esta cacheira.

668Foi ter à porta da igreja, e fingiu que queria dar a guardar a cacheira; vem a velha ter com ele. Deu-lhe a cacheira:

– Guarda-ma até já, e não digas: «Desanda, cacheira!»

669A velha, pelo vezo, faltou à promessa, e assim que disse: «Desanda cacheira!» como não estava ali em quem batesse, a cacheira começou a bater na própria velha, que foi a gritar procurar o rapaz para fazer parar aquele castigo. O rapaz veio de dentro da igreja, e deixou a cacheira malhar, até a velha confessar onde é que tinha escondido a toalha e a burra. Só quando ela entregou tudo, é que a cacheira, de que o pai fez escárnio, parou de bater, salvando os outros tesouros que ficariam perdidos para sempre.

670(Porto)

671NOTA – Nos Contos Populares Portugueses, n.° xxiv, vem uma versão de Coimbra. Nos Estudos da Idade Média, p. 70, publicámos pela primeira vez este conto com uma redacção literária. Acha-se na tradição alemã: A Mesa, o Burro e o Bastão Maravilhoso. (Contes choisis, de Grimm, trad. Baudry, p. 155.) Gubematis traz uma variante italiana nas Novelline di Santo Stefano. (Rev. des deux mondes, p.145, Nov. De 1877.) No conto xi da colecção estoniana, resumida por Gubernatis, a cacheira que desanda por si, é interpretada como a expressão mítica do raio. (Myth. zoologique, t.i, p.174.) Sobre estes talismãs da toalha que dá de comer, há nos Contos dos Pastores Eslavos, de Chodzko, O Anão e o Tapete Volante. Brueyre, nos Contes populaires de la Grande Bretagne, fala nos episódios fundamentais deste conto: A bolsa sempre cheia de dinheiro é uma forma do Asno Mija-Dinheiro, da Pata dos Ovos de Ouro, dos Cinco Reis Eternos do Judeu Errante. A toalha cheia de iguarias é figurada na mitologia antiga pelo corno de Amalteia, ou a vaca da fertilidade dos Vedas, ou a taça de Graal da Távola Redonda, ou o corno de Oberon no poema de Huon de Bordeaux (p. 139). A toalha do Põe-te Mesa, aparece nas colecções bretã, eslava e norueguesa; em Luzel, no Corpo sem Alma; em Chodzko, na Toalha Que Alimenta; em Asbjörnsen, O Homem Que Vai ao Vento do Norte, Mestre Tabaco, o Rei Valemond e o Urso Branco. – Nos Contos Populares do Brasil, n.° xli, edição de Lisboa, acha-se com o título O Preguiçoso. Este tema acha-se largamente desenvolvido pelo Prof. Stanislao Prato, no opúsculo Una Novellina popolare monferrina, Como, 1882. Aproveitamos as suas indicações. Acha-se este tema no ii conto calmuco, da tradução de Bernhard Jülg; no conto indiano do Rei Patraka, no Kathá Sarit Ságara, de Somadeva Bhattra. Cita uma outra história na colecção indiana do Bahar Danusch, e uma tradução do indostânico de Garcin de Tassy. Nos Avadanas chineses, traduzidos por Stanislao Julien, t.ii, p.8, vem sob o título A Disputa dos Dois Demónios. Na colecção do Touti Nameh (vol. ii, p.28, da trad. alemã de Iken), há outra variante; na colecção polaca de Glinski, traduzida por Chodzko, e por Prato (op. cit., p. 21). e em outro conto (Glinski, t.iii, p. 81) aparece a toalha mágica. Nos contos xi e xxiii da colecção estoniana figura a cacheira, ou o pau que bate por si mesmo. O tema do Asno Faz-Dinheiro acha-se nos Old Deccan Days, de Miss Frere, p. 166. O sentido mítico é evidente na toalha, que figura a nuvem, e na cacheira que é o raio. Vide Brueyre, p. 48, notas, p. 58, dos Contos da Grã-Bretanha. Nas Fiabe, Novelle e Raconti popolari siciliani, n.° xxix, vem este conto do qual Consiglieri Pedroso coligiu outra variante portuguesa com o título A Velhinha e São Pedro.

O sal e a água

672Um rei tinha três filhas; perguntou a cada uma delas por sua vez, qual era a mais sua amiga? A mais velha respondeu:

– Quero mais a meu pai, do que à luz do Sol.

673Respondeu a do meio:

– Gosto mais de meu pai do que de mim mesma.

674A mais moça respondeu:

– Quero-lhe tanto, como a comida quer o sal.

675O rei entendeu por isto que a filha mais nova o não amava tanto como as outras, e pô-la fora do palácio. Ela foi muito triste por esse mundo, e chegou ao palácio de um rei, e aí se ofereceu para ser cozinheira. Um dia veio à mesa um pastel muito bem feito, e o rei ao parti-lo achou dentro um anel muito pequeno, e de grande preço. Perguntou a todas as damas da corte de quem seria aquele anel. Todas quiseram ver se o anel lhes servia; foi passando, até que foi chamada a cozinheira, e só a ela é que o anel servia. O príncipe viu isto e ficou logo apaixonado por ela, pensando que era de família de nobreza.

676Começou então a espreitá-la, porque ela só cozinhava às escondidas, e viu-a vestida com trajos de princesa. Foi chamar o rei seu pai e ambos viram o caso. O rei deu licença ao filho para casar com ela, mas a menina tirou por condição que queria cozinhar pela sua mão o jantar do dia da boda. Para as festas do noivado convidou-se o rei que tinha três filhas, e que pusera fora de casa a mais nova. A princesa cozinhou o jantar, mas nos manjares que haviam de ser postos ao rei seu pai não botou sal de propósito. Todos comiam com vontade, mas só o rei convidado é que nada comia. Por fim perguntou-lhe o dono da casa, porque é que o rei não comia? Respondeu ele, não sabendo que assistia ao casamento da filha:

– É porque a comida não tem sal.

677O pai do noivo fingiu-se raivoso, e mandou que a cozinheira viesse ali dizer porque é que não tinha botado sal na comida. Veio então a menina vestida de princesa, mas assim que o pai a viu, conheceu-a logo, e confessou ali a sua culpa, por não ter percebido quanto era amado por sua filha, que lhe tinha dito, que lhe queria tanto como a comida quer o sal, e que depois de sofrer tanto nunca se queixara da injustiça de seu pai.

678(Porto)

679NOTA – É uma forma popular da lenda do Rei Lear. Nos contos de Grimm (p. 209 da versão de Fr. Baudry) vem como episódio na Guarda Patas. Nas Fiabe, Novelle e Raconti, de Pittré, n.° 10, vem este mesmo tema tradicional. No Pantchatantra (trad. Lancereau, p. 244) há uma princesa casada com um príncipe-serpente, a qual é expulsa de casa pelo pai. Adiante reproduziremos a forma literária desta lenda como se lê no Nobiliário do Conde D. Pedro, do século xiv. Nos Contos Populares do Brasil, n.° iii, vem com o título de Rei Andrada. (Vide supra págs. 117 e 119). Há uma versão portuguesa, coligida por Pedroso, Pedro Cortiçolo. Na colecção de Maive Stokes, Indian Fairy-Tales, n.° xxiii, vem com o título The princess who loved her father like salt.

As crianças abandonadas

680Um pobre homem casado tinha muitos filhos, sem ter que lhes dar a comer; de uma vez, quando os pequenos já estavam deitados, disse ele para a mulher:

– O melhor é levá-los comigo para o monte quando for à lenha, e deixá-los lá.

681O filho mais novo apanhou a conversa e levantou-se sorrateiro, e foi à ribeira e trouxe para casa muitos seixinhos. Ao outro dia pela madrugada o homem saiu com os filhos para o monte, e o mais novo foi espalhando os seixos pelo caminho. Ao cair da tarde o homem carregou a lenha, e disse aos filhos que ficassem guardando o resto, que já vinha por eles. Mas, voltou o pai? Assim que anoiteceu, os pequenos começaram a chorar; ora o mais novo, disse:

– Eu sei o caminho.

682E foi procurando os seixinhos brancos que tinha deixado cair pelo caminho; o que é certo é que deu com o caminho de casa, mais os irmãos. Estava porta fechada e estava-se à ceia. Dizia a mulher:

– Está este caldinho tão bom. Quem me dera aqui agora os nossos filhos! Onde estarão a estas horas?

– Estamos aqui, mãezinha.

683A mãe foi abrir-lhes a porta. Passaram tempos, a pobreza aumentou, e o pai combinou outra vez em deixá-los no monte; assim fez. O pequeno apanhou a conversa, e desta vez, como não pôde ir buscar os seixos, encheu uma algibeira de tremoços, e foi-os espalhando. À noite quando o pai se veio embora, o pequeno começou a procurar os tremoços, e os pássaros tinham-nos comido, e não pôde achar o caminho. Ele mais os irmãozinhos perderam-se no descampado, até que foram dar a uma casa onde morava um homem ruim; a mulher assim que os viu, disse:

– Ai meninos, que vindes aqui fazer, que o meu homem come gente!

– O que nós queríamos era comer alguma coisinha, disse o mais esperto.

684Entraram; a mulher deitou os seus filhos em uma cama, e pôs-lhes umas carapucinhas e levou os pequenos perdidos, para outra cama. O pequeno mais esperto não pregava olho, e lá pela noite adiante, viu entrar o homem ruim, de dentes arreganhados:

– Cheira-me aqui a gente nova!

685A mulher confessou-lhe tudo; ora o pequeno tinha ido tirar as carapucinhas aos outros e tinha-as metido nas cabeças dos irmãos e da sua. O homem mal passou pela cama das crianças, e pensando que eram os seus filhos foi ter à outra cama, e como os não viu com as carapucinhas, degolou-os logo a todos, e começou a comer neles. Os pequenos pelo aviso do irmão escapuliram-se, e quando já iam muito longe é que o homem ruim deu pelo engano; calçou umas botas de sete léguas, e tal passada deu que os pequenos lhe ficaram atrás; andou, andou e de cansado voltou a adormecer no caminho. O pequeno roubou-lhe as botas de sete léguas, e assim pôs-se a salvamento mais os irmãos, e como o rei tinha guerras muito longe, ele levava as ordens, e trazia as notícias, e assim ganhou muito dinheiro com que tirou toda a sua família da pobreza.

686(A irão)

687NOTA – Há outras versões de Guimarães e Vila Real (ap. Leite de Vasconcelos, Tradições Populares de Portugal, pp. 264 e 266); outra nos Contos Populares Portugueses, e nos Portuguese Folk-Tales, de Consiglieri Pedroso, tradução de Ralston, n.° xiv, aparecem duas versões com o título As Duas Crianças e a Feiticeira. Sobre este conto Ralston cita um paradigma norueguês, Boots and the Troll. (Op. cit., p. vii). As botas de sete léguas são interpretadas como uma forma mítica do vento; acha-se nos contos estonianos de Frederico Kreuzenwald, n.° xi. (Ap. Gubernatis, Myth, z.ool., t.i, 174). No xvi conto estoniano também se marca o caminho deixando cair cascas. (Ib.. p. 178).

O Afilhado de Santo António

688Um homem tinha muitos filhos, e já não achava a quem convidar para compadre; nasceu-lhe mais um, e ele disse: – Seja teu padrinho Santo António. O pequeno cresceu, e andava com os outros irmãos no monte, quando se perderam e foram dar a uma cabana, onde morava uma velha, que lhes fez muita festa:

– Entrai para aqui, meus meninos, que eu dou-vos biscoitos.

689Os pequenos entraram; a velha assim que os apanhou de dentro meteu-os em uma arca, segura para os engordar e comer depois. De vez em quando dizia:

– Botai de fora o dedinho.

690O afilhado de Santo António metia pelo buraco o rabo de um ratinho que tinha apanhado e a velha deixava-os ficar mais tempo; por fim o rato fugiu, e a velha vendo que estavam gordos, abriu a caixa e disse:

– Ide-me, meus meninos, buscar uma manadinha de lenha.

691Quando eles andavam à lenha, veio Santo António, e avisou-os, que a velha o que queria era assá-los no forno porque ela não tinha amassadura; e que a tudo quanto ela lhes mandasse fazer, dissessem sempre que não sabiam, e que ela os ensinasse. Foram para casa; a velha atarricou o forno de lenha, e aqueceu-o; depois foi buscar a pá, e disse para os pequenos:

– Saltai aqui um bocadinho.

– Saltai vós, tia, primeiro, para sabermos como é.

692A velha põe-se a saltar na pá, e os pequenos à uma pregam com ela dentro do forno, dizendo:

Pela graça de Santo António,
Carregue-se para o Inferno este demónio.

693Assim que a velha começou a arder, saíram-lhe dos olhos dois cães lobados, que ficaram à obediência dos meninos e caçavam toda a caça para eles. Soube-se que havia um dragão numa terra, que comia uma pessoa por dia, e tocava a vez à filha do rei. Ora o rei dava a filha em casamento fosse a quem fosse que a salvasse. O afilhado de Santo António foi com os seus cães lobados e matou o dragão; cortou as pontas das sete línguas, e soltou a princesa. Quando o rei viu a filha, clamou:

– Quem foi que te deu a vida?

– Foi um pobre rapaz, com dois cãezinhos que trazia.

694O rei deu ordem que viesse à sua presença o rapaz; mas um embusteiro que tinha cortado as cabeças do dragão é que se apresentou; o rei queria que a filha casasse com ele. Ela não quis, e pôs-se à janela a chorar, quando passou o rapaz:

– É aquele, meu pai. É aquele.

695O rei chamou-o; veio todo envergonhado, e ainda trazia as pontas das línguas do dragão. Não havia que duvidar; fez-se o casamento com a princesa, e foi o afilhado de Santo António que fez feliz toda a sua família.

696(Airão)

697NOTA – Há versões de Guimarães e Cabeceiras de Basto, ap. Leite de Vasconcelos, Tradições Populares de Portugal, pp. 271 e 274. Nos Contos Populares do Brasil, n.° xxiii, João e mais Maria.

A filha do Diabo

698Era uma vez um rei; tratava mal a rainha porque não tinha filhos, e como esta andava com uma grande aflição, numa hora de desespero, reclamou:

– Quem me dera um filho, ainda que fosse por obra do Diabo.

699Passado tempo, a rainha teve uma menina muito linda, e o rei andava tão contente que não cabia em si. A criança medrava a olhos vistos, mesmosem comer nem beber. Em pouco tempo ficou uma senhora com um tino que maravilhava; sabia ler, escrever, bordar, cantar, tinha todas as prendas do mundo sem ter aprendido nada.

700O rei todo orgulhoso da sua filha mandou deitar um pregão: Que s. houvesse alguém que fizesse uma pergunta a sua filha não sendo ela capaz de responder, se fosse homem havia de casar com ela, e se fosse mülher dar-lhe-ia uma tença. Veio muita gente de toda a banda, mas a tudo ela dava troco e deixava de boca aberta.

701Um camponês, quis campar de esperto, e também se lembrou de in ao chamado do pregão; meteu-se a caminho, andou, andou, e depois de multo cansado viu uma casa na encosta de um monte e foi ali descansar das calmas. O camponês encontrou aí um moço, e perguntou-lhe – se ele vivia ali sozinho?

– Não senhor; vivo com meu pai, que foi dar uma jeira a quem não pode dar outra, e com dois irmãos, que foram ver a seara dos arrependidos.

702O camponês não percebeu nada destas palavras e pediu-lhe a explicação.

– A explicação é clara; meu pai foi dar uma jeira a quem não pode dar outra, quer dizer que foi acompanhar um morto à sepultura; os meus irmãos foram ver a seara dos arrependidos, porque se ela estiver boa, ficam arrependidos por a não terem semeado toda, e se estiver ruim também ficam arrependidos por terem semeado essa mesma.

703O camponês seguiu o seu caminho muito satisfeito, até que chegou ao palácio. Pediu para o levarem à princesa, e contou-lhe o seu caso. A princesa deu-lhe logo a explicação de tudo. Depois virou-se de novo para o campónio, e disse-lhe:

– Já que és tão sábio, diz-me lá a razão, por que é que eu vivo sem comer, sem beber, nem dormir.

– Perdoe-me Vossa Alteza, mas eu não me fio nisso.

– Pois então hás-de ficar três dias no meu quarto para veres com os teus olhos.

704O rapaz susteve-se o primeiro dia sem dormir para espreitar tudo o que se passava; custou-lhe muito a aguentar-se, e quando veio o terceiro dia disse:

Princesa, minha senhora,
Cá pr’a mim mulher que não come,
Nem bebe, nem dorme,
É a filha do Diabo, que não d’outro home.

705Assim que a princesa ouviu isto foi ter com a mãe para que lhe explicasse o seu nascimento. A rainha contou-lhe tudo o que dissera quando o marido a tratava mal por não ter filhos; e assim que acabou de falar sentiu-se no palácio um barulho como de um furacão que passasse. O palácio ficou livre daquele encantamento, e todos ficaram obrigados ao campónio, a quem o rei deu a princesa em casamento em paga de a ter livrado daquela coisa ruim.

706(Algarve)

707NOTA – Liga-se à lenda medieval do Roberto do Diabo, que anda na literatura de cordel em Portugal. Vide o nosso estudo sobre Os Livros Populares Portugueses. (Era Nova, n.° 1 e 2).

As três maçãzinhas de ouro

708Havia três irmãos; o mais novo tinha três maçãzinhas de ouro, e os outros para ver se lhas tiravam mataram-no e enterram-no num monte. Depois nasceu na sepultura uma cana. Certo dia passou por lá um pastor, que cortou um pedaço da cana para fazer uma frauta. O pastor começou a tocar, mas a gaita em vez de tocar, dizia:

Toca, toca, ó pastor,
Os meus irmãos me mataram,
Por três maçãzinhas de ouro,
E ao cabo não as levaram.

709O pastor quando ouviu isto, chamou um carvoeiro, e deu-lhe a frauta. O carvoeiro começou também a tocar, mas a frauta dizia:

Toca, toca, ó carvoeiro,
Os meus irmãos me mataram...

710Assim foi a frauta andando de indivíduo para indivíduo, até que chegou às mãos do pai e mãe do morto. A frauta dizia ainda:

Toca, toca, ó meu pai...
Toca, toca, ó minha mãe,
Os meus irmãos me mataram
Por três maçãzinhas de ouro
E ao cabo não nas levaram.

711Chamaram o pastor, que disse onde tinha cortado a cana. Foram lá e encontraram o cadáver com as três maçãzinhas de ouro.

712(RebordainhosBragança)

713NOTA – Gubernatis, (Mit. zoolog., t.ii, p.342) cita o conto n.° xxii do seu Novelline di Santo Stefano de Calcinaia, no qual: «dois irmãos mais velhos roubam uma pena de pavão ao seu irmão mais moço e o matam (isto é o pavão, da mesma forma que num conto russo, a irmã mata o irmão mais moço para lhe tirar as botinas vermelhas). No lugar em que o irmão da pena de pavão é morto e enterrado, cresce uma árvore, de que se faz um cajado, depois um assobio, que, quando toca, conta o caso fúnebre da morte do irmãozinho por causa da pluma de pavão.»

714Eis como o ilustre mitógrafo explica o conto: «Quando o céu luminoso ou quando o Sol está oculto pelas nuvens, quando as penas brilhantes são arrancadas, quando o pavão está enterrado, a árvore que está plantada sobre a sua sepultura (a nuvem) fez ouvir a sua voz na volta da Primavera… a árvore toma-se uma cana, uma flauta mágica, um coquila melodioso.»

715Acha-se este conto na vasta colecção russa de Afanasieff, liv. v, n.° 17; e liv. vi, n.° 25. Além da forma italiana citada, Vittorio Imbrianni coligiu uma outra sob o título de Passo Grifo, nos seus contos de Pomigliano. (Rev. des deux mondes, Nov. de1877, p. 145). Este mesmo conto foi coligido por Bladé, em gascão, com o título Lu Flauto, nos Contes et proverbes populaires rec. en Armagnac; já aparece neste a laranja, ou o pomo de ouro. Por ele se vê quanto o conto português já se acha deturpado.

716Há uma outra versão alemã, O Osso Que Canta, citado por Bladé, na Hausmãrchen; X. Marmier, nos Chants populaires du Nord, p. 76, traz uma balada parecida com este conto, na revelação do fratricídio por uma canção. Husson, na sua obra La chaine traditionelle, interpreta o sentido mítico por esta forma: «como uma transformação de um antigo mito relativo aos fenómenos da luz. Estes dois irmãos, correspondem aos Dióscuros e aos Açvins, isto é, aos génios da luz no seu nascimento e ocaso» (p. 59). Gubematis, na Mythologie des plantes, t.ii, p. 129, traz um conto húngaro, em que uma irmã mais nova é morta pelas duas mais velhas, e uma flauta é que revela o crime. Segundo a sua interpretação mítica as duas irmãs são as duas metades da noite. O poder da flauta aparece no conto da Çakuntala, no de Polidoro, e em um conto toscano; no Rig Veda (x, 135) Yama toca uma flauta, à sombra da árvore que canta, com que acorda todos os antepassados mortos. (Gubematis, ib., t.i, p.94).

717A nossa versão publicada na Vanguarda, n.° 39, em 1881; há outra versão nos Contos Populares Portugueses, n.° xii. Vide Stanislao Prato, Quattro novelline livomesi, p.37, onde discute este tema nos mitos helénicos, na Eneida e Divina Comédia.

718Há uma versão de Revilha, intitulada La Flor de Lililá, publicada na Biblioteca de las Tradiciones populares espanolas, t.i, p. 196.

719Nos Contos Populares de Lorena, Le sifflet enchasté, t.i, p.263; Emm. Cosquin fez um estudo comparativo deste tema de charamela acusadora: Siffle, siffle, berger, / C’est mon fiè qui m’a tué / Dans la firet des Ardennes.

720«Nos contos alemães da colecção Grimm e na de Mullenhoff, e da Transilvânia figura o instrumento assobio, flauta, que denuncia o assassino. Mas é no conto da Lorena unicamente que o assobio foi dado à vítima para conseguir a sua empresa.

721«Sobre este ponto, os contos desta família dividem-se em dois grupos. No primeiro (conto francês de Loire, o picardo, o alemão, o de Tirol, o napolitano, o siciliano e o espanhol), o assobio ou qualquer outro instrumento que fala, foi feito por um pastor, com um osso do irmão ou a irmã assassinada. No segundo grupo (conto do país saxão da Transilvânia, o polaco, o morês, o tercans, o catalão, o valenciano, o português da colecção Braga) o pastor faz a sua flauta de uma cana (de sabugueiro no conto alemão) nascida no lugar onde a vítima está enterrada.» (Ib., p. 206).

O sargento que foi ao inferno

722Havia numa terra um sargento, que era muito bom rapaz; um rico mercador tomou-lhe amizade, arranjou-lhe a baixa e tomou-o para seu empregado. Como o mercador tinha filhas, o sargento apaixonou-se por uma delas; ora o mercador era muito desconfiado e nunca deixava sair as filhas de casa, mas pela grande conta em que tinha o rapaz ele mesmo lhe falou para se fazer o casamento. Tudo corria muito bem; vai, acontece ir uma peça muito linda no teatro, e como as filhas desejassem ver, pediram ao sargento, que só ele é que era capaz de apanhar licença do pai para as deixar ir ver. O mercador ficou carrancudo, mas deu licença, dizendo:

– Deixo ir as minhas filhas com o senhor, e é com a condição, que quando der a última badalada da meia-noite hão-de estar aqui à porta.

723Disseram todos que sim, e partiram.

724Quase perto da meia-noite, o rapaz disse para a sua noiva, que era bom retirarem-se para casa. Mais um bocadinho, mais um bocadinho; pede daqui, pede dali, o certo é que já tinha dado a meia-noite, eles ainda longe de casa.

725Assim que o rapaz bateu à porta, abriu-se logo de repente, e o mercador começou a bradar:

– Foi assim que o senhor cumpriu as ordens que eu lhe dei? Pois trate já de arranjar as suas coisas que nem já esta noite me fica em casa.

– Oh senhor, então só por isto! E quando estava já para casar com sua filha!

726O velho respondeu-lhe:

– Só tem um meio de poder casar com minha filha, e voltar para casa.

– Qual?

– Vá ao Inferno, e traga-me três anéis que o Diabo tem no corpo, dois debaixo dos braços, e outro num olho.

727O rapaz achou aquilo impossível; mas que remédio teve senão pôr-se a caminho. Na primeira terra a que chegou, pregou um edital em que dizia: «Quem quiser alguma coisa para o Inferno, amanhã parte um mensageiro.» Isto causou grande curiosidade, até que chegou aos ouvidos do rei, que mandou chamar o rapaz. Perguntou-lhe o rei:

– Como é que você vai ao Inferno?

– Real senhor, por ora ainda não sei; ando em procura dele, e irei lá, dê por onde der.

– Pois bem, disse o rei, quando encontrares o Diabo, pergunta-lhe se ele sabe de um anel de muito valor que eu perdi, do que ainda tenho grande desgosto.

728Chegou o rapaz a outra terra e botou o mesmo anúncio. O rei também o mandou chamar:

– Tenho uma filha que padece uma doença muito grande, e ninguém lhe acerta com o mal. Já que vais ao Inferno quero que saibas por lá onde é que estará a cura.

729O rapaz partiu sempre à procura do Inferno, e foi dar a uma encruzilhada em que estavam dois caminhos, um com pegadas de gente, e o outro com pegadas de ovelhas. Pensou, e por fim seguiu pelo caminho das pegadas de gente; ao meio dele encontrou um ermitão, de barbas brancas, que rezava em umas camândulas muito grandes, e lhe disse:

– Ainda bem que tomaste por este caminho, porque esse outro é o que vai para o Inferno.

– Oh, senhor! E eu há tanto tempo que ando à procura dele!

730O rapaz contou-lhe todo o acontecido; o ermitão teve compaixão dele, e disse:

– Já que tens de ir ao Inferno, vai, mas sempre leva contigo estas contas, porque antes de lá chegar tens de passar um rio escuro, e há-de ser um pássaro que te há-de levar para o outro lado; e quando ele te quiser afundar no rio, joga-lhe as contas ao pescoço. Daqui em diante não sei mais o que te sucederá.

731Assim aconteceu. Chegado ao Inferno o rapaz teve um grande medo, e viu para ali um forno vazio e escondeu-se dentro dele. Quando estava todo agachado, passou uma velha muito velha e viu-o.

– O menino aqui! Ora coitadinho, que é tão lindo; se o meu filho o visse matava-o, com certeza. O que veio cá fazer?

732O rapaz contou tudo à mãe do Diabo; a velha teve pena dele, e disse-lhe:

– Olhe; pois deixe-se ficar aqui escondido, porque eu não sei quando o meu filho virá; ele está assistindo à morte do Padre Santo, que está nas agonias, e quer-lhe apanhar a alma. O rapaz pediu à velha se sabia do Diabo as perguntas de que trazia encomenda. Quando estavam nestas conversas chegou o Diabo bufando; a velha escondeu-o logo, e disse:

– Anda cá, filho, para descansares; deita-te aqui no meu colo.

733O Diabo deitou-se e ficou logo a dormir. A velha foi muito devagarinho com as unhas e arrancou-lhe um anel que tinha debaixo do braço. O Diabo mexou-se desesperado, gritando:

– Isto o que é?

– Ai, filho, fui eu que me deixei dormir, e dei uma pendedela em cima de ti. Estava a sonhar com aquele rei que perdeu o anel, e que nunca mais o tornou a achar.

– Pois é verdade esse sonho, respondeu o Diabo; está debaixo de uma laje ao pé do repuxo do jardim.

734O Diabo tornou a ficar a dormir; a velha sorrateira arrancou-lhe o segundo anel. O Diabo tornou a acordar desesperado:

– Tem paciência, filho; tornei-me a deixar dormir e a sonhar com a filha daquele rei que nenhum médico sabe curar.

– Também é verdade; a doença dela é o sapo-sapão, que está metido no enxergão.

735Tornou o Diabo a dormir. Para arrancar o anel do olho é que foram os trabalhos.

736A velha tirou-o com um espéculo, e o Diabo com a dor e zangado com as pendedelas, saiu pela porta fora. O rapaz recebeu tudo da velha; voltou para o mundo, quando ela chamou o pássaro: «Menino, menino, menino.» Foi dali entregar as contas ao ermitão. Depois passou pela terra do rei que tinha perdido o anel, que lhe deu muito dinheiro quando o tornou a achar debaixo da laje. Depois passou pela corte do rei que tinha a filha doente, disse onde estava o sapo-sapão. A princesa melhorou logo, e o rei pediu-lhe para que dissesse a paga que queria.

– Quero que Vossa Majestade me dê o seu poder por oito dias.

737O rei mandou deitar um pregão para ele governar oito dias; o rapaz partiu logo para a terra do sogro, e deu ordem logo que lá chegou para o mercador dentro em meia hora lhe vir falar à sua presença. O mercador foi, mas quando chegou era já mais de uma hora. O rapaz disse:

– Podia-o mandar matar, por me ter desobedecido, em vir depois da meia hora.

– Oh senhor, não me demorei por minha vontade.

– Pois sim. Mas porque não soube em tempo desculpar aquele pobre sargento que pôs fora de sua casa?

738O mercador conheceu então o antigo noivo de sua filha, que tinha sempre chorado, confessou o seu erro, e pediu-lhe de joelhos muitos perdões. O rapaz entregou-lhe os anéis do Diabo, e nesse mesmo dia casou com a sua namorada, por quem tinha metido um pé no Inferno.

739(Algarve)

740NOTA – Aparece este conto na versão alemã de Grimm, Os Três Cabelos de Ouro do Diabo. (Vid. Contes choisis, trad. Baudry, p. 133).

A Princesa que adivinha

741Havia uma princesa que adivinhava tudo, e o rei tinha prometido que se houvesse alguém capaz de lhe apresentar um caso que ela não explicasse, se fosse mulher dava-lhe uma grande tença, e se fosse homem casaria com ela; mas também quando a princesa adivinhava, mandava matar as pessoas que tinham vindo à corte apresentar-lhe o caso. Já não havia quem quisesse ir à corte apresentar adivinhas à princesa; vai senão quando uma mulher tinha um filho que passava por tolo, e diz-lhe o filho:

– Minha mãe, eu quero ir à corte dizer uma adivinha à princesa.

– Não sejas tolo, filho; o que é que tu lhe vais dizer que ela não adivinhe?

742O tolo tanto teimou, que se meteu a caminho, e como era longe agarrou de uma espingarda velha, e ei-lo se vai por aí fora. Andou, andou, e lá no meio do caminho viu estar um coelho num fraguedo e zás, ferra-lhe um tiro. Com tanta felicidade que matou caça; pegou nela, e com uma navalhinha esfolou-o, e nisto conheceu que era uma coelha, que trazia uma barrigada de coelhinhos. Não se importou com isso, e foi mais para diante e viu à beira da capelinha de um ermitão um breviário esquecido, e pegou nele, petiscou fogo e assou com as folhas do livro a coelha, comeu e foi andando sempre. Até que chegou à corte; não o queriam deixar entrar, porque parecia tolo, porém ele tanto teimou dizendo que queria apresentar uma adivinha à princesa, que o deixaram entrar, na certeza de que ele iria a morrer como os outros que tinham vindo campar por espertos. Chegou a hora da audiência, e veio a princesa; o toleirão disse-lhe esta adivinha:

– Atirei ao que vi,
Matei o que não vi,
Entre palavras de Deus
Assei e tudo comi.

743A princesa ouviu, tornou a ouvir, e pediu três dias para dar a explicação. O tolo ficou no palácio à espera da resposta, comendo e bebendo, de perna estendida, sem se lembrar que o podiam mandar matar. A princesa por mais voltas que deu ao miolo não atinava com a adivinha, e temendo de ter de casar com o tolo, mandou uma sua aia, muito em segredo, que lhe fosse pedir que dissesse como coisa particular o sentido da adivinhação. Foi a aia, mas o tolo disse que só se ela dormisse aquela noite no quarto com ele; a aia não queria, mas como a princesa lhe prometeu muitas riquezas, sempre se sujeitou e foi. O tolo teimava em não dizer, enquanto ela não tirasse a camisa, porque a queria em leitão; depois disse umas coisas que não eram a verdadeira explicação, e quando a aia adormeceu, escondeu-lhe a camisa, de modo que de madrugada, quando ela se foi, não teve tempo de a procurar. A princesa não se contentou com a explicação e mandou outra dama; aconteceu também o mesmo. Por fim foi a própria princesa, fiada em que a não conhecia; mas ele logo viu pela marca da camisa quem era, e escondeu-lha também, mas desta vez disse a verdadeira explicação da adivinha. Acabados os três dias ajuntou-se a corte, e a princesa veio e disse:

– A explicação da adivinha do aldeão é: Atirei ao que vi e matei o que não vi, é porque atirou a uma coelha que achou no caminho, a qual estava prenhe, morrendo por isso os coelhinhos. Entre palavras de Deus assei e comi, é porque assou tudo nas folhas de um Breviário com que fez uma fogueira.

744O rei ficou muito admirado do talento da sua filha, e disse que como ele aldeão tinha perdido, já não podia pretender a mão da princesa, e que se preparasse que ia a morrer. Vai ele, que se fazia mais tolo do que era, diz:

– A princesa ainda não adivinhou tudo, porque ainda tenho a dizer outra adivinhação que juro que ela não é capaz de dar com o sentido.

745A princesa mandou que ele falasse; e então disse:

Quando no paço fiquei,
Três pombinhas apanhei,
E três penas lhe tirei;
Se for preciso as mostrarei.

746A princesa ainda se pôs a considerar, mas ele tirou do seio a primeira camisa, e todos viram de que dama era; tirou a segunda, e ia para tirar a última quando a princesa, temendo a vergonha de se ver delatada diante da corte toda, virou-se para ele:

– Não mostres, não mostres, porque já vejo que és o homem mais ladino que tem vindo a esta corte, e caso contigo.

747(S. João de AirãoMinho)

748NOTA – É vulgar em Espanha (Carmona e Arahal); acha-se com o título Las tres adivinanzas, em Demofilo, Collección de Enigmas, p. 310. Nos Contos Populares Portugueses, n.° xxxviii, intitula-se As Três Lebres, e traz os seguintes estribilhos em verso: Comi carne sem ser caçada; / Em palavras de Deus assada; / Bebi água não do céu caída, / Nem também na terra nascida. // Quando neste palácio entrei / Três lebres encontrei; / Todas três esfolei, / E as peles delas mostrarei.

749No Folclore Andaluz, p. 470, cita-se uma redacção castelhana. Nos Contes populaires lorrains, de Emm. Cosquin, acha-se esta mesma tradição com o título La princesse et les trois frères. Nos Contos Populares do Brasil, n.° xxxv, há uma variante com o título O Matuto João. Leite de Vasconcelos (Rev. Científica, p. 510) cita uma versão do Porto, com o seguinte estribilho: Saí de casa / Com Pita e massa; / Massa matou Pita, / Pita matou sete; / De sete escolhi a melhor; / Atirei ao que vi, / Matei o que não vi; / Com palavras santas / Assei e comi. / Bebi água que não estava / No céu nem na terra; / Se bom era o fruto / Melhor a raiz era; / Já vi um burro / com sessenta burros em cima.

750Em outra versão de Viseu, cita também o estribilho: Atirei ao que vi / Matei o que não vi.

751Nas Novelle popolari toscane, de G. Pittré (Archivio per lo studio delle tradizioni popolari, p. 64), no conto de Soldatino, vem o estribilho: Tirai ai chi viddi, / Chiappai chi non viddi. / Mangiai carne creata, e non nata, / Cotta a il fumo di parole. / Striccia ammazzò Paola, / Il morvido consuma il sodo. / Enne e nè, / S’indovina cosa gli è.

752No Florilégio delle Novelline popolari, p. 313, Gubernatis traz este conto com o título L’Indovinelli e gli Animali reconscenti.

A adivinha do rei

753Tinha um rei um ministro em quem depositava toda a confiança; mas uma vez tal teiró lhe ganhou que resolveu dar cabo dele e disse:

– Não tenho outro remédio senão mandar-te matar; mas como em tempo te estimei muito, ainda te deixo uma esperança, e é que me mandarás cá a tua filha, para ver se ela é capaz de adivinhar o meu pensamento, o qual vem a ser: Que não há-de vir nem de noite, nem de dia; nem nua, nem vestida; nem a pé nem a cavalo.

754Foi o ministro para casa, muito aflito, como era de esperar, e contou as suas tristezas à filha. Ela como esperta, disse:

– Deixe estar, meu pai, que eu já sei qual é o pensamento do rei, e desta lhe juro que o hei-de salvar.

755Preparou-se, no dia seguinte arranjou as suas coisas, de modo que entrou no palácio ao lusco com fusco; ia com uma camisa fina de cambraia em cima do corpo, e levada às cavaleiras de um criado velho que tinha. O rei assim que a viu, conheceu que o lusco com fusco não era nem noite nem dia; que vindo em camisa não vinha vestida, mas também não estava despida; e que às costas do criado não estava a cavalo, mas também não estava a pé. Louvou muito a esperteza da menina, e disse-lhe que fosse dali dar parte ao pai que estava perdoado, e que tomava a entrar na sua confiança, porque quem tinha filhas assim espertas era homem de capacidade.

756(Porto)

757NOTA – O editor dos Awarische Texte, Schiefner, traz uma versão fínica deste conto: «Um rei ordena ao filho de um aldeão de vir ter com ele à sua presença, nem de noite nem de dia, nem pelo caminho nem por atalho, nem a pé nem a cavalo, nem vestido nem nu, nem dentro nem fora. O inteligente moço veste-se com uma pele de cabra, faz-se levar à cidade, no crepúsculo da manhã, deitado no fundo de um cofre, com um crivo num pé e uma escova no outro; depois parou no limiar da porta do rei, tendo uma perna fora e outra dentro.» (Gubernatis, Mythologie zoologique, t.i, p.154). O ilustre filólogo considera como pertencendo à classe dos enigmas astronómicos. Nos Contos de Grimm intitula-se A Bávara Astuta; Brueyre, nos Contes populaires de la Grande Bretagne, p. 169, nota i, citando o enigma de Diarmaid, transcreve também uma pequena lenda irlandesa de Kennedy análoga à portuguesa.

Notes de fin

1 Na tradução francesa de Fr. Baudryn vem Os Seis Companheiros (p. 172) e o Gigantinho (p. 274) com analogias.

© Etnográfica Press, 1987

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search