Version classiqueVersion mobile

Contos tradicionais do povo português (I)

 | 
Teófilo Braga

Preliminar

Preliminar

Texte intégral

(Da 2.a edição de 1914)

1Quando publicámos em 1883 estes contos coligidos da tradição oral, andava um fervoroso entusiasmo pelas compilações e investigações do folclore português. Não foi possível formar-se um grupo ou associação para imprimir unidade a todas as curiosas boas vontades que surgiam pelas províncias, por antinomias doutrinárias e exclusivas iniciativas. Nós prosseguíamos num plano que visava ao intuito de estudar as tradições como fonte estética da Literatura, procurando servir o pensamento da revivescência do sentimento nacional pelos elementos de uma Biblioteca das Tradições Portuguesas. Era uma intuição. Vão passados bons trinta anos sobre esse plano, que está prestes a realizar-se completamente; e o trabalho sincero teve a maior das apoteoses. Dois dias depois da Revolução de 5 de Outubro de1910, publicava a Frankfurte Zeitung, sobre esse fenómeno de ressurgimento nacional: «Teófilo Braga, o presidente provisional da República Portuguesa há pouco fundada, assumiu uma situação absolutamente especial na civilização, na poesia e na ciência do seu país. O que ele fez pelo seu povo é nada mais nem nada menos do que a ressurreição do seu passado literário, a reanimação de todas as tendências nacionais e patrióticas como elas sobressaem da lenda e da moral, da poesia e das tradições de Portugal. Poder-se-ia comparar a sua acção com a de Jacob Grimm, que fez outro tanto na investigação do nosso passado alemão como ele se encontra no folclore popular e na literatura – A velha Universidade pátria de Coimbra, sobre a qual mais tarde elaborava uma apreciação histórica de longo alcance de vistas, expôs aos olhos do jovem estudante de Direito luminosas imagens do passado; em vez da praxística jurídica, brotou dos seus trabalhos de jurisconsulto uma obra sobre a Poesia do Direito. Se já aqui tinha coincidido com Grimm, nas investigações sobre o velho Direito, procurou ele depois aplicadas as suas tradições poéticas à civilização portuguesa o grande pensamento do Mestre alemão sobre a sondagem da maneira de ser de um povo. Entre as numerosas obras de ciência que produziu em sua laboriosa vida, e que com um admirável conhecimento da literatura universal, pela primeira vez se perscrutaram e sondaram toda a poesia portuguesa... – tesouro que logrou trazer à clara luz do dia o nobre teor da cultura e poesia portuguesa há muito soterrado.»

2Este julgamento mantém-nos todas as energias.

(Da 1.a edição de 1883)

3No plano do nosso vasto inquérito das tradições portuguesas, que temos realizado arquivando-as em colecções impressas sob o título de Cancioneiro e Romanceiro Geral Português (1867), entrava como parte integrante um outro corpo contendo o Novelário e Adagiário Nacional. Nos Estudos da Idade Média (1870) iniciámos pois esta ordem de investigações com os contos das Três Cidras do Amor e Cacheirinha, embora com o defeito dos arrebiques da fase romântica; continuámos trabalhando, e já em 1871, nas Epopeias Moçárabes (pág. 96) prometemos o livro das Lendas, Tradições e Contos Portugueses do Século XII a XIX. Em um artigo sobre a Literatura dos Contos Populares em Portugal, publicado em 1877 na Rivista di Letteratura popolare, de Roma, e na Evolução, de Coimbra (n.os 10, 11 e 12), tornámos a aludir à nossa colecção: «Este breve estudo servirá de introdução a uma série de contos que temos coligido das ilhas dos Açores, das províncias da Estremadura e do Minho, e que publicaremos mais tarde.» Fixamos estes dados para deixar bem patente que nos não atravessamos no caminho de outros colectores, e que obedecemos a um plano fundamental que, uma vez terminado, constituirá a Biblioteca das Tradições Portuguesas, base orgânica sobre que fomos criando a História da Literatura Portuguesa (1871 a 1881). Por estes estudos da tradição popular preparámo-nos para a compreensão do génio nacional e para a posse de uma disciplina de crítica. A mútua relação entre as concepções anónimas e a obra individual existiu vagamente entrevista no nosso espírito, antes de chegarmos à compreensão do seu alto valor científico.

4Todo o nosso progresso literário deriva desta compreensão.

5A demora da publicação dos Contos Tradicionais do Povo Português fez-se sentir como uma lacuna na ampla investigação a que pertenciam o Cancioneiro e Romanceiro. (Carta do Sr. Sílvio Romero.) Obedecemos às condições da nossa livraria, e em parte à dificuldade de organização dos nossos materiais acumulados, de Contos, Casos, Histórias, Exemplos, Facécias, Lendas, Patranhas, Ditos e Fábulas. Nas Canções e Romances existe a forma métrica e assonantada, que coadjuva a memória do recitador e dispensa do trabalho de redacção ao colector; porém, nos contos e casos a área é extensíssima, a forma é na prosa falada, espontânea, pitoresca, descritiva e dialogada, cujos efeitos não se podem reproduzir, nem se devem imitar. Para conservar-lhes o carácter de documento humano, como diria Zola, é preciso ver nestas narrativas mais do que um texto para estudo de dialectologia popular, e fugir dos retoques artísticos; esse termo médio só se poderá achar visando a fixar o estado dos temas tradicionais. Diante de uma tal dificuldade é que fomos adiando de ano para ano a nossa publicação. Lucrámos com a demora, tomando conhecimento da importância científica que adquiriu na Europa a Novelística popular, cujos problemas têm sido tratados com a maior lucidez por Grimm, Köhler, Afanasieff, Liebrecht, Benfey, Comparetti, Gubernatis, Pitré, Ralston, Gaston Paris, Cosquin, Stanislao Prato e outros. Resultou da demora o ampliarmos a colecção a ponto de reconhecermos a necessidade de uma classificação deduzida da própria complexidade das ficções.

6Para alargarmos a colheita dos contos orais por todas as províncias, servimo-nos da influência pessoal de bons amigos, entre os quais citaremos Reis Dâmaso, para a novelística do Algarve, Dr. Ernesto do Canto e o falecido Dr. João Teixeira Soares para ilhas dos Açores; em casa achámos bastantes tradições da antiga divisão provincial de Entre Douro e Minho, e do contacto com os narradores populares colhemos directamente versões importantes, por onde vimos que era absurdo, senão impossível, pretender estenografar um ditado cheio de vacilações e sem nexo que prejudicam a compreensão dos temas tradicionais que se vão obliterando. Sobre o estado da tradição nos Açores, escrevia-nos o Dr. Teixeira Soares (Carta de 25 de Novembro de 1875). «Aconteceu o outro dia passar aqui uma noite a Maria Inácia. Chamei-a e à minha criada para junto desta mesa de trabalho para as interrogar sobre contos populares a que o povo chama Casos. Desculparam-se da falta de memória juvenil para entrarem francamente neste campo; contudo disseram bastante para me deixarem estupefacto. Que peripécias! que maravilhoso! que poesia! Afirmaram unanimemente que seria impossível ao investigador mais diligente formar uma colecção completa de todos os Casos sabidos do povo: – Todos escritos enchiam esta casa! – disse a Maria Inácia. A lista junta mostra aqueles de que se recordaram e a que se referiram. Por ela verá o meu amigo a inesgotável mina de Casos que aqui o espera;

  • 1 Muitos destes contos aparecem na tradição continental, donde foram coligidos para os Contos Popular (...)

7«Do Gado GajãoDa GaroupinhaDom José PequenoMaria do PauzinhoMaria SubtilO Rei Que Achava a Quinta DespedaçadaCanarinho VerdeRainha do VerdeOs Três Homens Que Queriam Comer sem GastarD. FilipeA DuquesaRei Dom JoãoRei de ÓstiaFilho da BurraA Árvore Que Fala e o Pássaro Que CantaO Padre das Mãos BonitasA Princesa Que Rompia Sete Pares de Calçado de NoiteA Branca FlorO Filho do LadrãoO Afilhado de S. JoãoO Forte no meio do MêsO Preto FingidoO Monte de OuroSão PedroA Vaca e o LoboO ParvoO Celeiro.»1

8Os contos remetidos pelo Sr. Dr. Ernesto do Canto, foram passados à escrita por uma criança, e traziam na redacção toda a ingenuidade da dicção popular. Cortadas as repetições usuais, explicadas pela conhecida locução – Quem conta um conto acrescenta um ponto – fixamos uma redacção pura, sem a incongruência do improvisador momentâneo, nem o artifício do literato. Parece-nos este o verdadeiro meio de obter a forma definitiva, simultaneamente étnica e artística do conto: fazê-los redigir por crianças, verdadeiro ponto de transição entre a alma popular e a inteligência culta. Os contos passados a escrita por meninas adultas vêm eivados de divagações românticas, tais como explicações dos actos, nomes de personagens e considerações religiosas. Assim encontrámos preciosos contos do Algarve, muitos dos quais tivemos de rejeitar da nossa colecção. O nosso excelente amigo Reis Dâmaso também nos descreve em uma carta o processo da investigação novelística no Algarve, donde é natural: «Esqueceu-me também marcar-lhes a proveniência, porque não obstante as tradições que entreguei ao meu bom Amigo e Mestre serem escritas por três senhoras, elas não são todas da mesma terra. Acabo de receber uma carta do Algarve, em que se me diz que tem havido grandes dificuldades para se obterem os contos, porque as velhas não os querem narrar nem à mão de Deus-Padre. É preciso gastar dinheiro e tempo; paciência, sobretudo, é que é muito precisa. Só o amor que tenho por estas coisas me força a fazer despesas extraordinárias, como uma correspondência aturada para cá e para lá, quase todos os dias, devendo também satisfazer a algumas exigências de amigos. Um me diz, por exemplo, que teve de ir de um para outro ponto distante, gastando na diligência uns tantos réis, só para me obsequiar, e que uma velhinha de cem anos recebeu também uns vintenzitos pelo trabalho de contar.»

  • 2 É extremamente curioso o Diálogo X: Da maneira de contar histórias na conversação.
  • 3 Na colecção dos Contos Populares do Brasil acham-se os seguintes com paradigmas no nosso presente t (...)
  • 4 Os contos em verso da tradição madeirense são: A Mulher do Almocreve (Rom., p. 321), As Três Cidras (...)

9Na exploração que fizemos na província do Minho soubemos da existência de um patranheiro de fama, por alcunha o Cuco, quase narrador de profissão; ouvimos-lhe muitos contos, que passámos à escrita, mas a sua dicção era sobretudo notável pelas construções linguísticas, formas dialectais, locuções de gíria, com uma prolixidade de repetidos paralelismos e com uma incongruência verdadeiramente infantil. Temos aqui representados os três mais puros veículos das tradições populares, as crianças, como na ilha de São Miguel, as mulheres e velhas, como em São Jorge e no Algarve, e os homens do povo, como nos contos do Minho. O estilo prolixo dos contos foi conhecido por Soropita no século xvi, e Francisco Rodrigues Lobo imitou-o habilmente em um conto da sua Corte na Aldeia2; é este o vício que amesquinha o alto valor tradicional dos Contos e Histórias de Proveito e Exemplo de Gonçalo Fernandes Trancoso, que pela primeira vez vulgarizamos, destacando-os dos exagerados preâmbulos e divagações do nosso quinhentista. Para completar a tradição portuguesa nas suas ramificações coloniais, poderíamos incorporar na nossa colecção alguns contos brasileiros publicados pelo Sr. Sílvio Romero3, e formas metrificadas, coligidas na ilha da Madeira pelo Sr. Dr. Álvaro Rodrigo de Azevedo no Romanceiro daquele arquipélago4. As formas metrificadas do conto são de uma extraordinária importância; em muitas versões ainda se conservam fragmentos em verso, sobretudo nas partes em que se reclamava mais atenção, e donde parece inferir-se que a redacção mais genuína e primitiva fora em verso. Só na tradição da ilha da Madeira é que se têm encontrado com frequência contos completos em verso, talvez de elaboração secundária da tradição popular pela facilidade espontânea da formação da redondilha assonantada. Da ilha de S. Miguel também recebemos o Caso do Tio Jorge, que é um fabliau da Idade Média, em forma metrificada.

10Na linguagem popular existem muitas designações para estas narrativas novelescas, como: Histórias, Casos, Contos, Exemplos, Lendas, Patranhas, Ditos, Fábulas, sintetizando-se todas na locução de Contos da Carochinha, da mesma forma que em França há a expressão genérica de Contes de la mère Oie e Contes du vieux Loup. Embora o povo confunda essas variadas designações, existem entre elas diferenças conforme a narrativa é maravilhosa, anedótica ou moral; em todos os povos europeus destacam-se estas três categorias, como na Alemanha o Märchen, a que correspondem o Conto, Cuento, Conti ou Racconti das nações românicas, e os Tales da Inglaterra; depois o Sagen, ou a nossa Lenda, História, Storie, e com intuito moral o Exemplo, Exempi, Conseja; por último o Schwank, a que correspondem as nossas Facécias, Patranhas, Ditos, Chistes e Contrafavole. Uma grande parte destas designações novelescas tomou sentidos especiais; as Lendas tornaram-se hagiológicas, os Exemplos converteram-se em sermões parabólicos, as Fábulas e Novelas tornaram-se exclusivamente literárias, os Ditos entraram na exploração das enciclopedianas, vindo por último as narrativas tradicionais a serem designadas por uma expressão geral mas característica.

11Sobre esses três tipos novelescos classificamos os complicados elementos da nossa colecção, separando os contos de evidente carácter mítico para um lado, as facécias para outro, e destacando os exemplos de tema tradicional e forma literária em que houve um manifesto intuito moral. A importância destes elementos da tradição popular resulta do seu estudo comparativo, por onde se vê que a humanidade elaborou em todos os pontos do globo, entre diferentes raças e diversos graus de civilização, um certo número de temas fantasistas com que exprimiu as suas concepções dos fenómenos cósmicos e morais. É incalculável a soma de materiais bibliográficos que existe hoje em todas as literaturas para este processo comparativo.

12A erudição sobre a novelística comparada está feita e ao alcance de todos; as notas opulentíssimas de Reinhold Köhler, as colecções das Novelas Sicilianas de Laura Gonzenback, as de Widter e Wolf, as de Bladé e as de Stefanovic, prestam-se a pôr em caminho os que investigarem contos que tenham paradigmas nas referidas colecções; para o elemento oriental temos as notas ao Pantchatantra de Benfey; a tradução de algumas novelas de Straparola, por Schmidt, acompanhada por notas, bem como as notas de Grimm e as comparações com os contos russos por Gubernatis, não deixam ter vaidades sobre este indispensável aparato crítico. Há monografias especiais, como a de Gaston Paris sobre o Petit Poucet, de Comparetti sobre o Sindabad, de Max Müller sobre a Bilha de Leite e Baarlão e Josafat; sobre Os Dois Irmãos, por Lenormant; a das Três Cidras do Amor, por Stanislao Prato, bem como de Liebrecht sobre o mito de Psique. Hoje o difícil é não nos aproveitarmos do trabalho dos outros.

  • 5 Trad. Cousin, t. ix, p. 105 e 106. Du Méril, Fable ésopique, p.32.

13Os contos tradicionais são imensamente simpáticos às crianças, e já Platão os considerava como um excelente meio de educação. No seu tratado da República escrevia: «Tu não sabes que os primeiros discursos que se dizem às crianças são fábulas!... Consentiremos que elas ouçam toda a casta de fábula forjada pelo primeiro que se aproxima? Recomendaremos às amas e às mães para só contarem aquelas que forem escolhidas e servirem-se delas para lhes formar as almas com mais cuidado do que o que empregam em tratar-lhes dos corpos.»5 Este emprego foi sempre seguido nas escolas greco-romanas, como se vê pela transmissão das fábulas esópicas, adoptaram-no os pregadores da Idade Média nos sermões com exemplos, e ainda M.me De Beaumont o generalizou no fim do século xviii. O intuito pedagógico desnaturou o conto com o exclusivo fim moral; perdeu-se a intuição da beleza tradicional, da singeleza popular, e a poesia espontânea do passado achou-se substituída pela invenção pedante dos mestres. Só depois da renovação da pedagogia como ciência aplicada da psicologia, é que os contos tradicionais e os jogos infantis foram considerados como elementos de educação, aproveitando antes de tudo as primeiras curiosidades do espírito e a coordenação dos movimentos, Visámos também a este fim, velando a nudez de algumas narrativas, ou deixando fora da da nossa colecção contos cujas situações perturbariam a ingenuidade infantil. Para pôr a mão sobre este problema pedagógico é preciso uma grande pureza de alma, sem os rancores das mediocridades autoritárias, que pensam mais em impor-se do que em ser úteis. Se a importância dos contos tradicionais é evidente para a educação das crianças, é extraordinário o seu alcance como documento de psicologia popular. É no conto que se conservam os vestígios das concepções da inteligência primitiva do homem emocional, como diria Spencer, acerca dos fenómenos da natureza, personificados nessa forma tão complexa, tão variável e tão pitoresca do Mito, esse fundo de subjectivismo donde saíram as Religiões, as Superstições, as Epopeias, os Contos, Provérbios, os Enigmas e as formas simbólicas da Arte e o Direito. Pelo estudo comparativo dos contos, simultâneos e comuns às raças amarelas, cuchito-semitas e áricas, desde as tribos selvagens às civilizações europeias, é que se descobre a importância deste documento étnico, fazendo da novelística um importante capítulo da psicologia colectiva, como a conceberam Herbart e Waitz.

Notes

1 Muitos destes contos aparecem na tradição continental, donde foram coligidos para os Contos Populares Portugueses, Lisboa, 1879; tais são: José Pequeno (n.° 21), Maria Subtil (n.° 42), Duquesa (n.° 60). O Filho da Burra (n.° 22), Branca Flor (n.° 14), O Afilhado de S. João (n.° 19), São Pedro (n.° 28). Além destes, não incorporamos outros, posteriormente publicados na citada colecção de1879, como: A Cobra Que Ia Dar Destroço à Cidade (n.° 49), O Passo Franco Galante (n.° 27), Os Três Irmãos Que Iam Vender Fruta à Cidade (n.° 45), Carvoeiro Que Vende as Três Filhas (n.° 16), Pedreiro Que Foi Pedir Obra ao Rei (n.° 24), Maria das Silvinhas (n.° 58).

2 É extremamente curioso o Diálogo X: Da maneira de contar histórias na conversação.

3 Na colecção dos Contos Populares do Brasil acham-se os seguintes com paradigmas no nosso presente trabalho: Os Três Coroados, Rei Andrada, O Pássaro Preto, Dona Pinta, A Moura Torta, Maria Boalheira, A Madrasta, João Gurumete, Manuel da Bengala, Cova da Linda-Flor, João e mais Maria, A Formiga e a Neve, O Matuto João, A Mulher Dengosa. Este facto confirma as palavras de Barbosa Rodrigues sobre os contos brasileiros: «alguns contos tenho coligido, posto que tenham a singeleza infantil e mesmo uma poesia natural, não constituem lendas; são simples histórias quase todas eivadas de superstição e seladas com o cunho europeu, e raras vezes mesmo africano.» (Revista Brasileira, t.X, p.24.).

4 Os contos em verso da tradição madeirense são: A Mulher do Almocreve (Rom., p. 321), As Três Cidras do Amor (Rom., p. 340), A Gata Borralheira (ib., p. 364), Os Encantos da Grande Fada Maria (ib., 391), O Macaco (ib., p. 454), A Carochinha (ib., p.457).

5 Trad. Cousin, t. ix, p. 105 e 106. Du Méril, Fable ésopique, p.32.

© Etnográfica Press, 1987

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search