Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXXV. O soldado que foi ao céu

Texte intégral

1Eram uma vez dois rapazes e foram para a praça; assentaram praça num dia ambos; eram muito amigos e tiveram baixa também ambos num dia. Vieram uma parte de caminho juntos e depois separaram-se, que eram cada um da sua banda. Quando se despediram um do outro, disseram: «Tu hás-de fazer um convite e eu hei-de ir a ele e eu hei-de fazer um convite e tu hás-de vir a ele.» Passados tempos, aí se apresenta um deles aonde ao outro, e disse-lhe: «Fulano, o meu convite está pronto; quero que apareças a ele.» E ele disse: «Eu não sei para onde hei-de ir.» «Vai à esquina da tua casa que achas lá uma burra aparelhada; monta a cavalo que ela lá te leva.» O homem assim fez; a viagem era comprida; chegou a um sítio e encontrou uns padres a fazerem um ofício numa capela e ele foi para dentro e assistiu à missa. Caminhou; seguiu a sua jornada e chegu a um palácio muito asseado onde estava o camarada. Esteve lá; havia lá muito que comer; muito que tocar; muitas alegrias; o homem esteve ali numa regalia. O camarada disse-lhe: «Camarada, é preciso ires-te embora.» «Não, eu não vou daqui embora mais.» «Camarada, vai-te embora que isto por ora não é para ti; ainda há-de vir a ser.» O homem montou a cavalo outra vez na burra e caminhou. Chegou onde era a tal capelinha e ela estava cheia de silvas e ele disse para uma mulher que estava a fiar na roca: «Isto que desgraça foi aqui?» «Que é?» «Pois isto, esta capelinha tão linda deixaram-na alagar e encher de silvas?» A mulher disse-lhe: «Ela já está alagada há muitos anos.» Ele disse: «Ainda aqui passei ontem e ouvi aqui missa.» «Vá-se embobora, homem; você está tolo; essa capela está alagada há muito ano.» «Ainda aqui passei ontem.» «Vá-se embora, homem; você está tolo.» Foi-se o homem embora; chegou a casa e daí a três dias morreu e foi para o céu.

2(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search