Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXXIV. O ovo partido

Texte intégral

1Era uma vez um homem que tinha uma filha e tinha um criado, e veio por lá um brasileiro e disse-lhe: «Se me deixasse ir o seu criado até eu passar aquela serra que levo o meu dinheiro e tenho medo que me roubem?» Ele mandou-lhe o criado e o criado, de volta, disse: «Ó senhor, não me dá a sua filha que quero casar com ela?» E ele disse-lhe: «Sempre és muito malcriado! Se não fora eu ter-te amizade, punha-te já fora da porta com uma carregadeira de pau.» «Senhor, olhe que eu estou rico, que eu matei o brasileiro e tirei-lhe este dinheiro.» E mostrou-lhe o dinheiro. «Eu não duvido dar-te a filha, mas hás-de ir três vezes a eito à volta da meia-noite onde o mataste escutar o que ouvires.» O moço foi. Perguntou-lhe o amo: «Tu que ouviste?» «Eu ouvi dizer: ‘Tu pagarás.’» «Torna lá e hás-de lhe perguntar: ‘Eu quando é que hei-de pagar? ’»

2O criado foi lá e a voz disse-lhe: «Daqui a trinta anos.» E o amo disse-lhe: «Daqui a trinta anos já eu não sou vivo. Casa com a minha filha.» Fez-se o casamento, já se sabe.

3Passados trinta anos, andavam dois pobres a pedir e foram pedir àquela casa. E o pai da rapariga disse: «Venham para dentro.» E ao tempo que eles iam a entrar embarraram numa cesta que tinha ovos e quebraram um e o dono da casa ralhou com eles. Eles disseram: «Ó senhor, não ralhe connosco a troco do ovo que nós pagamos-lho, ainda que ele custe uma moeda.» E ele disse: «Não é por isso; é que a roda, enquanto anda, anda e, quando começa a desandar, má vai ela. Há trinta anos que dei a casa a minha filha; há trinta anos não dei nenhuma esmola e até hoje não tive nenhuma perda, só agora a de um ovo!»

4Os homens deitaram-se e um disse para o outro: «Tu dormes?» «Eu não; vamo-nos daqui embora; casa que há trinta anos não dá esmola nem teve perda senão hoje, aqui acontece alguma desgraça.» O outro disse: «Mas nós aonde havemos de ir agora dormir? Isto é fora de horas; não achamos pousada.» «Pois, enfim, vamo-nos, como nós fiquemos fora dos beirais dela, fiquemos mesmo detrás de uma parede.»

5Saíram; ficaram aí perto das casas atrás de uma parede e de noite ouviram um grande ruído, e disse um para o outro: «Tu ouviste aquilo? «Eu ouvi.» «Olha que foram certamente as casas do fidalgo a cair.»

6Ao outro dia, assim que foi dia, foram ver e nem viram casas, nem telhas, nem nada, e no lugar da casa havia uma grande cova.

7(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search