Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXXIII. A moura encantada

Texte intégral

1Um homem foi viajar e chegou a uma terra e pediu agasalho; mas não o quiseram acolher; havia lá uma casa rica, mas a família da casa não estava; andava lá medo e eles fugiram; ele foi para lá e sentou-se numa varanda deixando-se ficar ali até à noite; veio, apenas foi noite, uma mão com uma luz e acenou-lhe que fosse para dentro; ele foi dentro e encontrou uma mesa muito bem arranjada com comida; ele comeu e, acabando de comer, encostou-se a um braço e adormeceu. Enquanto dormia tiraram-lhe de um dedo um anel de ouro que trazia e puseram-lhe outro. Tendo acordado, a mão acenou-lhe de novo e indicou-lhe um quarto de dormir para onde ele foi. Ele notou que o anel estava mudado. Estando na cama, sentiu movimento como de pessoa que se queria deitar na mesma cama e ele, não vendo nada, disse: «Sempre queria saber quem se quer deitar comigo, se é homem, se é mulher.» Responderam: «Eu sou uma mulher; sou uma moura que aqui está encantada há muito ano; se tu me desencantas, ficas rico para a tua vida. Hás-de estar aqui três noites, hão-de vir ao pé de ti, deitar-te da cama abaixo e dizer-te: ‘Justiça, quem te trouxe aqui’ e arrastar-te pelas casas e dar-te muita pancada; mas tu, no fim de cada vez que isso te fizerem, vai debaixo desta cama; aqui estão três garrafas, bebe uma gota de cada uma que ao outro dia estás são. Se tu ficares estes três dias, aqui te ficam três saquinhos de dinheiro; podes gastá-lo que, em tu dizendo: ‘Ai de mim, que não tenho dinheiro’, as bolsas se encherão sempre de novo. O meu pai era viso-rei em terra de mouros.»

2Ficou o homem três dias e ao fim dos três dias, em que tudo se passou como a moura dissera, ele esperou por almoço que não veio e, vendo que o jantar também não vinha, resolveu-se a ir embora. Foi-se dali andando e pelo caminho comprava terras que dava aos pobres; por fim foi dar à terra de mouros. Comprou uma quinta; nisto a moura estava para casar. Disse a moura ao pai: «Ó pai, será bom chamar aquele fidalgo que comprou aquela quinta para assistir à boda do casamento.»

3Convidaram-no e à mesa pediram-lhe que fizesse ele os pratos para os comensais. Por acaso olhou ele para o dedo da moura e reconheceu o anel que no palácio encantado lhe tinham mudado e de então em diante sempre que fazia saúdes à princesa estendia a mão para o lado dela para que visse o anel que ele trazia; logo que ela viu o anel, disse:

4«Ó meu pai, vou dizer uma coisa; todos estes senhores me darão licença; eu perdi as chaves do mostrador e depois mandei fazer umas novas; depois achei as velhas; agora quero que me digam de quais me hei-de servir, se das novas se das velhas.» Respondeu-lhe o pai: «Minha filha, deves-te servir das velhas, pois já as conheces, podes-te servir delas mesmo às escuras.» «Pois, meu pai, eu hei-de casar com este senhor que foi quem teve o trabalho de me desencantar.»

5Casou com o homem e o outro foi-se embora.

6(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search