Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXXII. O preto e a lâmpada de Santo António

Texte intégral

1Certo preto tinha por costume ir todos os dias molhar o pão na lâmpada de Santo António, e dizia:

Santo Antoninho, estais só?
Deixais-me molhar o pão
No vosso grijó?

2O sacristão da capela ia sempre achar a lâmpada seca, até que se resolveu um dia espreitar quem ia beber o azeite.

3O preto voltou e tornou a dizer:

Santo Antoninho, estais só?
Deixais-me molhar o pão
No vosso grijó?

4O sacristão respondeu: «Não.»

5E o preto, parecendo-lhe história, disse:

Santinho di pau a falá?!
Hei-de molhá e torná a molha!

6O sacristão saiu do esconderijo e bateu tanto no preto que ele não voltou mais a molhar o pão no grijó do Santo.

7(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search