Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXXI. A beata e o Senhor dos Passos

Texte intégral

1Uma beata tinha por costume ir todos as noites rezar a uma capela onde estava um Senhor dos Passos, e um São Francisco; e dizia: «Ai, meu senhor! Quem me dera receber-vos em minha casa; mas eu não mereço essa graça.» Por baixo da casa da beata morava um sapateiro, e vendo-a sair todas as noites, foi espreitar para onde ela ia, e viu-a a orar ao Senhor dos Passos. O sapateiro calou-se muito calado, e no dia seguinte pediu à criada da beata que lhe levasse lá o livro de missa da ama. A criada levou-lhe o livro; e o sapateiro, sem que ela visse, escreveu-lhe numa folha: «O teu Deus lá vai à noite.» Quando a beata abriu o livro e leu aquelas palavras, ficou muito contente e disse à criada que era preciso preparar muito bem a casa, porque à noite esperava pela visita de Nosso Senhor. Forraram a casa com damascos e encheram o quarto da beata de flores; a criada foi buscar muito doce e licores para o Senhor. Ora o sapateiro vestiu-se de Senhor dos Passos, e o aprendiz de São Francisco, e à noite foram bater à porta da beata; e ela, como tinha mandado deitar a criada, foi abrir a porta e levou-os para o quarto. Depois a beata beijava os pés do sapateiro e dizia:

Ai, meu Deus, meu tudo!
Até pelas pernas,
Sois cabeludo!

2Depois comeram todos muito doce e beberam muitos licores, a ponto de já não saberem onde tinham as cabeças; e despediram-se então da beata, e ela foi acompanhá-los até à porta da rua; ali começaram à pancada, fazendo tal desordem que ficaram todos com as cabeças partidas.

3(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search