Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXX. Conto do fuso

Texte intégral

1De uma vez era uma mulher que nunca fiava e fazia o homem para ela: «Ó mulher, tu nunca fias?» «Não tenho fuso.» «Deixa estar que eu hei-de ir à cidade e hei-de comprar um fuso.» Ao depois então foi à cidade e trouxe-lhe um fuso; ela fez-se toda contente na presença do homem; mas, mal ele voltou costas, quebrou-o, mas era para não fiar. Ele chegou à noite e perguntou-lhe se ela fiava e ela disse-lhe que tinha quebrado o fuso. Ele então disse: «Ora todos os fusos que eu te compro tu os quebras; deixa estar que amanhã hei-de ir à tapada; hei-de cortar um pinheiro e hei-de mandar fazer um fuso de encomenda a ver se tu o quebras.» No dia seguinte pôs os bois ao carro e foi para a tapada para cortar o pinheiro e mandar fazer o fuso; amarrou a corda ao pinheiro para o botar abaixo, mas o pinheiro caiu sobre os bois e matou-os ambos. Deixou ele os bois mortos e o pinheiro cortado e veio dar parte à mulher da desgraça que tinha acontecido e levava o machado às costas com que cortara o pinheiro. Chegou ao pé de um rio muito fundo onde andavam uns peixes muito bonitinhos e atirou-lhe com o machado a ver se os matava; fugiram os peixinhos e ele–o que fez?–despiu-se e meteu-se dentro do rio pra mor de ir buscar o machado; foi um ladrão e roubou-lhe a roupa, tendo ele de ir em pelote para casa. Chegou a casa e contou a passagem à mulher, e quando chegou a casa, estavam dois carneirinhos a berrar e ele soltou-os do aido e veio pô-los debaixo de um alpendre onde tinha uma pipa de vinho e logo por acerto os amarrou com a soga à torneira do vinho e começaram os carneiros a espernear cada um para seu lado e abriu-se a torneira e entornou-se o vinho. Ele disto não quis dizer nada à mulher: o que achou mais pronto foi um saco de farinha de cinco alqueires que deitou em cima do vinho para a mulher não o ver entornado. E a mulher, que viu isto, ficou lastimando as suas desgraças que lhe sucediam em casa.

2(Oliveira) do Douro)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search