Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXVII. Ciência, sabedoria e capacidade

Texte intégral

1Era uma vez uma mulher que era casada, e como ela fosse muito formosa, tinha muito quem gostasse dela. Entre os que lhe dirigiam finezas, havia um médico, um advogado e um padre, que cada um por sua vez lhe pediram que os recebesse em casa dela, uma noite. A mulher contou isto ao marido antes de lhes dar a resposta, e ele disse-lhe: «Olha, diz ao médico que o recebes às dez horas, ao advogado às onze e ao padre à meia-noite, e quando vier o advogado, tu finges que sou eu, e metes o médico num dos escaninhos do armário; quando vier o padre, metes o advogado no outro escaninho, fingindo sempre que sou eu que bato à porta; finalmente, metes o padre no outro escaninho, e deixa o resto por minha conta.» Às dez horas em ponto chegou o médico; pouco depois bateu o advogado à porta, e então a mulher disse para o médico: «Ai, que estamos perdidos, que vem lá meu marido! ... Meta-se neste armário até que eu o mande sair.» Depois fez o mesmo ao advogado e ao padre, que sem saberem uns dos outros ficaram fechados no armário. No dia seguinte era dia de feira, e o marido da mulher levantou-se muito cedo, pôs o armário às costas e encaminhou-se para a feira, indo sempre apregoando pelo caminho: «Quem merca ciência, sabedoria e capacidade?» Todos queriam comprar as três coisas, mas só quando estava já muita gente na feira é que o homem abriu o armário e disse: «Aqui está a ciência» , e mandou sair o médico, que estava em camisa e fugiu envergonhado. Depois, mandou sair o advogado, que estava em ceroulas, e disse: «Aqui está a sabedoria.» E por fim mandou sair o padre, que estava em cuecas, e disse: «Aqui está a capacidade.» Os três fugiram todos envergonhados, e o padre punha a mão na coroa para não lha verem. Toda a gente ria a bom rir, e o marido voltou para casa muito satisfeito com a lição que tinha dado aos que pretendiam roubar-lhe a mulher.

2(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search