Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXV. A velha fadada

Texte intégral

1Havia duas velhas muito feias e ambas queriam casar. Como eram, porém, muito feias, não falavam nem apareciam a ninguém. Punham uns anúncios na porta, mas se acaso vinha alguém procurá-las para o efeito desejado, elas mandavam dizer que só apareceriam na ocasião de irem para a igreja. Houve um homem que as quis conhecer e tratou o casamento com uma delas. A velha disse que sim e, chegando ao dia da boda, fez-se muito bonita e foi para a igreja. Quando veio de lá ainda era cedo e foi para o quarto com o marido. Começou a despir-se e ele então, principiando a afirmar-se, percebeu que a velha tudo quanto trazia era postiço. Não tinha no corpo nada que lhe pertencesse, e depois de algum tempo o marido, farto de ver a velha desfazer-se e ficar feia como a noite, deu-lhe um empurrão e ela foi cair da janela abaixo. Como, porém, debaixo da janela houvesse um telhado, a velha ficou presa pela camisa a uma telha e ali esteve toda a noite. De manhã passaram duas fadas e olhando para a pobre velha disseram: «Coitada! Estás aí talvez por seres feia. Pois eu te fado para que sejas a cara mais linda que haja.» A velha tornou-se lindíssima e de rara formosura. Quando o marido pela manhã se levantou, disse para consigo: «Deixa-me ver se o diabo da velha ainda está na rua.» Olhou para o telhado e qual não foi o seu espanto quando, em vez da velha feia como a noite que na véspera deitara pela janela, viu uma rapariga linda. Ficou doido de contente e tratou de a tirar para dentro, desfazendo-se em desculpas e dizendo que estava por força cego quando a tinha deitado pela janela. A velha escutava tudo com paciência, porque bem sabia o que lhe tinha acontecido. A outra irmã, quando a viu tão bonita, começou a perguntar-lhe o que tinha ela feito para tal. Mas como estava ali o marido, a velha fadada não podiafalar alto, e por isso dizia baixinho para a irmã: «Fadaram-me.» A outra, que era surda e não ouvia quase nada, tornava a perguntar-lhe: «Que te fizeram para estares assim tão linda?» «Fadaram-me» , respondia aquela, sempre em voz baixa. A irmã, que entendeu que a tinham esfolado, mandou chamar um barbeiro e pediu-lhe que a esfolasse também. O barbeiro não queria por coisa nenhuma fazê-lo, mas ela tanto teimou que o homem começou a esfolá-la. Apenas, porém, lhe esfolou um braço, a velha morreu. O barbeiro mandou chamar a irmã e disse-lhe o acontecido. Ficou esta com muita pena, mas, como nada já pudesse fazer, pediu ao barbeiro que guardasse segredo porque Deus o livrasse que o seu marido soubesse. Mas o que ela queria era que o marido não desconfiasse que ela tinha sido fadada.

2(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search