Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXIV. Comera um bocadinho se tivera limão...

Texte intégral

1Era uma vez um conde, casado e com uma filha, de quem era muito amigo, por ser muito linda. Tinha-a escondida e nunca a levava a parte alguma, com receio de que houvesse algum cavaleiro que, vendo-a, lhe roubasse o coração. Houve por esta ocasião uma festa e a mulher do conde disse para este que visse se podia arranjar alguma maneira de a filha poder ver a festa, porque ela estava muito triste e talvez assim se distraísse alguma coisa. O conde ficou muito zangado com este pedido e começou a pensar no modo como havia a filha de assistir àquela festa, sem que ninguém pudesse vê-la. O palácio onde ele habitava tinha um grande jardim. Mandou ali abrir uma janela muito pequena e no dia da festa levou a filha para lá. No momento em que começava a festa, o príncipe, que ia no cortejo, olhou para a fresta onde estava a filha do conde e ficou surpreendido, pois nunca tinha visto um rosto tão formoso. Quando chegou ao palácio, ia muito triste; montou a cavalo e foi ver se se recordava do sítio onde tinha visto a bela desconhecida. O conde, porém, tinha mandado tapar imediatamente a janela, e por mais que o príncipe procurasse nada viu, e teve de voltar ao palácio ainda mais triste. No dia seguinte foi ter com uma fada e esta, pegando-lhe na mão, disse: «Príncipe, eu conheço a dama do vosso coração, e se vós me dais uma bolsa cheia de ouro, eu ainda esta noite a apresento no vosso palácio.»

2Estava a anoitecer e a fada dirigiu-se a casa do conde. Procurou a criada particular da filha e pediu-lhe para pernoitar aquela noite ali. A filha do conde, que tinha um coração muito bondoso, disse imediatamente que sim, mas que havia de ser sem a mãe saber, porque ela não gostava que se desse entrada a pessoa alguma estranha. A fada entrou para o quarto da filha do conde, e começou a contar-lhe histórias tão lindas que esta estava toda encantada. Quando deu meia-noite, disse-lhe a fada: «Se vós quisésseis ir a uma grande festa que dá o príncipe esta noite, eu levava-vos lá.» «Mas a mamã e o papá?» , disse a menina. «Não tenhais receio algum; eu tenho uma varinha de condão, e daqui vos levarei e aqui vos hei-de trazer, sem que ninguém dê pela nossa falta.» A menina, muito contente com as histórias da fada e por ir ver uma grande festa, disse que sim. Preparou-se com os melhores fatos e acompanhou a fada. Dali a poucos momentos chegou a um grande palácio, e a fada, abrindo uma porta, empurrou-a para uma grande casa forrada de seda azul, tendo ao meio uma grande mesa guarnecida de manjares, e desapareceu. Neste instante entrou o príncipe e reconhecendo a sua bela, deu um grito de alegria. Chegou-se então perto dela e beijou-lhe a mão, convidando-a a servir-se de alguns daqueles manjares. A menina, assustada por se ver só com um príncipe, que a olhava tão apaixonadamente, pedia a Deus uma ideia para que pudesse fugir dali. Vendo que na mesa não havia limão, quando o príncipe lhe rogava muito que se servisse, ela disse-lhe:

Comera um bocadinho,
Se tivera limão...

3O príncipe saiu imediatamente para ir buscar o limão e ela, vendo-se só, abriu a porta por onde tinha entrado e desapareceu. No caminho encontrou a fada e disse-lhe: «Leva-me já para casa de meu pai; tenho medo de estar aqui!» O príncipe, quando voltou e não encontrou a menina, ficou muito triste e quase louco de aflição. Andava todo o dia pelas salas passeando e repetindo estas palavras:

Comera um bocadinho
Se tivera limão...

4A filha do conde, que também se não esquecera do formoso príncipe, andava muito desejosa de saber notícias do palácio. Ouvindo o pai dizer que o príncipe andava muito triste e que só dizia:

Comera um bocadinho
Se tivera limão...

disse para a filha: «Olhe, papá, quando o príncipe estiver assim digam-lhe:

Fecharam-lhe a porta,
Tiveram-lhe mão.

5O conde riu-se deste pensamento da filha, por lhe parecer muito extravagante, mas quando no outro dia foi ao palácio, chegando-se ao pé do príncipe, cumprimentou-o. O príncipe, não fazendo caso, continuou no seu costumado passeio, dizendo sempre:

Comera um bocadinho
Se tivera limão...

6Apenas ouviu isto, o conde respondeu: «Olhe, meu príncipe,

Fecharam-lhe a porta,
Tiveram-lhe mão.»

7«Bem sei! Bem sei!», respondeu o príncipe muito depressa. «Eu é que tive a culpa.» Depois dirigiu-se à rainha pedindo-lhe que desse um beija-mão a todos os fidalgos da corte, e que estes viessem com suas famílias. A rainha, não podendo adivinhar qual fosse o motivo deste desejo, disse contudo ao príncipe que sim. O conde não queria de modo algum levar a filha ao palácio, mas como a ordem era expressa não teve remédio senão obedecer. A filha vestiu-se exactamente como no dia em que pela primeira vez viu o príncipe e foram para o palácio. O príncipe olhava com avidez para todas as damas que entravam, mas assim que as via perto de si, não lhes dava mais atenção. No momento em que se lhe aproximou a filha do conde, em vez de lhe estender a mão, levantou-se e apertando-a nos braços, exclamou: «Minha mãe, aqui tendes a princesa que desejo para esposa!»

8Imediatamente a rainha deu ordem à sua corte para comparecer ao casamento, e no outro dia a filha do conde casou com o príncipe.

9(Lisboa)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search