Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LXI. As filhas dos dois validos

Texte intégral

1Um rei tinha dois validos com quem costumava conversar e notou que um deles, a todo o momento, lhe falava em duas filhas que tinha, gabando a sua formosura, virtude e inocência, enquanto o outro nunca falava na filha única que tinha e que o rei ouvia dizer que era linda. Admirado do diferente modo de pensar dos dois, resolveu ele mesmo observar as filhas de um e de outro.

2Para isto, vestiu-se de mulher, mas muito pobremente, e foi a casa das primeiras pedir agasalho por uma noite, o que somente alcançou a custo e depois de muitos rogos. Ainda assim mandaram-no para a cozinha. De noite, o rei sentiu entrar gente em casa e, conforme pôde, foi espreitar e viu dois belos oficiais conversando com as duas filhas do valido. O rei, pegando na espada e na banda que os oficiais tinham deixado noutra sala, saiu, levando-as. Depois foi pedir agasalho à menina em quem o pai nunca falava. O rei disse que era uma estrangeira, que se tinha perdido no caminho e que pedia agasalho por aquela noite. A menina compadeceu-se muito da estrangeirinha, deu-lhe de cear e quis que dormisse próxima do seu quarto. Já era muito tarde e o rei sentia a menina a pé. Foi espreitá-la, mas ficou encantado quando a viu de joelhos defronte de um oratório, rezando uma oração. Depois levantou-se a menina, cheirou os pós que tinha numa caixa de prata e deitou-se. O rei, quando viu que ela dormia, entrou no quarto, furtou-lhe a caixa de prata e saiu muito depressa.

3Dois dias depois, convidou os seus dois validos para um banquete no palácio, dizendo-lhes que haviam de levar as suas filhas. Convidou também os dois oficiais que vira em casa das duas filhas de um dos seus validos. No fim do banquete o rei mandou vir para a mesa uma salva de prata que estava numa outra sala. A salva trazia a caixa de prata, a espada e a banda. As duas irmãs e os dois oficiais, ao verem os objectos que naquela noite passada lhe haviam sido roubados de casa, ficaram muito assustados, não dizendo nem uma palavra, porque conheciam o mal que tinham feito. A outra menina, como era virtuosa, não tinha medo de falar, e assim que viu a caixa, pegou-lhe e sorrindo olhou para o rei, dizendo:

Ah! estrangeirinha, estrangeirinha!
Que esta caixa era minha! ...

e o rei respondeu-lhe:

Pois se a caixinha era vossa,
Pela virtude sereis rainha!

4Dando esta lição às outras duas meninas, fez com que casassem com os dois oficiais.

5(Lisboa, de uma pessoa de Almeida, Beira Baixa)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search