Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LX. A princesa abandonada

Texte intégral

1Era uma vez um rei que tinha uma filha. Um camarista do rei tomou amores com ela. O pai, quando viu que ela andava grávida, abandonou-a. Mandou-a deitar para uns campos e disse aos homens que a foram deitar que lhe cortassem a língua e que lha trouxessem. Eles tiveram dó de lhe cortarem a língua e, como levavam uma cadela cortaram-lhe a língua e trouxeram-na ao rei. A princesa ficou só nos campos e teve lá um filho que foi criado só das ervas do campo. Depois de o menino já ser crescido pediu à mãe para ir passear; foi a tanta distância que encontrou um caçador. Como nunca tinha visto homens, fugiu para onde estava a mãe e o caçador foi sobre ele. Chegou ao pé da princesa e perguntou-lhe que vida era a dela ali. Ela contou-lhe a sua vida. Ele disse-lhe se queria ir com ele. Ela disse-lhe que não, que queria ali acabar os seus dias de vida. Somente o que lhe pedia era que fosse baptizar o seu menino. O caçador foi-o baptizar. Depois ia visitá-la todos os dias. E um dia disse-lhe se deixava o afilhado ir com ele a uma feira. Na feira perguntou ao afilhado o que queria que lhe comprasse. E ele disse que queria uma espingarda e um cavalo. Todos os dias ia o principezinho à caça. Um dia foi à caça a tanta distância donde estava a mãe que avistou um palácio onde morava um gigante que matava toda a gente. O príncipe tinha um cabelo no peito que lhe dava sete voltas, e tinha sete forças de homem. O gigante, assim que o lá viu, disse-lhe se queria ir brigar com ele, julgando que ele era um simples homem com força igual aos mais e, que o poderia vencer. Depois de ir brigar com ele, o príncipe tinha-o quase morto e o gigante dise-lhe que o não acabasse de matar, e ensinou um alçapão por onde o havia de deitar. Ele deitou-o para lá, tapou o alçapão, e foi buscar a mãe e trouxe-a para aquele palácio. Disse-lhe que lhe dava ordem de ir por todas as casas menos àquele alçapão. A mãe, um dia, tirou-se dos seus cuidados e foi ver o que estava no alçapão. Viu o gigante quase morto e foi-lhe fazer um caldo e dar-lho. O gigante, assim que bebeu o caldo, saltou para cima. De dia estava fazendo vida com ela e quando vinha o príncipe ia para o alçapão. O gigante tratou de idear o modo de matar o filho. Disse para ela que se fingisse doente e dissesse para ele que se não achava boa sem que fizesse uma fomentação com a banha esquerda de um porco-espinho que havia na quinta do Rei Sábio, e ele, como era muito amigo da mãe, prontificou-se a ir buscá-la. Mas era um porco-espinho bravo que matava toda a gente. Quando ia para lá, passou à porta do Rei Sábio. Estava uma filha do rei à janela, e disse ao pai que ia ali um cavaleiro num cavalo branco, que ia muito apressado. O pai disse-lhe que o mandasse subir. E o rei perguntou-lhe o que ele vinha fazer. O príncipe contou-lhe a sua vida. E o rei disse-lhe: «Bem sei que andas iludido.» Diz ele: «Não tem dúvida que é por a muita amizade que eu tenho a minha mãe.» E o rei disse-lhe: «Pois então vai.» E deu-lhe uma espada ferrugenta e uma enxada. E disse-lhe que fizesse uma cova mesmo na cama do porco-espinho e que metesse o cavalo dentro da cova, e ele que se pusesse a cavalo. Quando o porco-espinho viesse, que se havia de deitar logo ao cavalo e ele que lhe espetasse a espada na cabeça. Ele assim fez. E depois abriu o porco-espinho e tirou-lhe a banha esquerda e veio-se embora com ela. Veio pela porta do Rei Sábio e a filha disse ao pai que vinha ali o mesmo cavaleiro que tinha levado a enxada e a espada. O pai disse-lhe que o mandasse subir, e quando ele pousasse a banha do porco-espinho na sala, que lha tirasse e pusesse uma outra de porco. Depois o príncipe veio-se embora para o palácio, entregou a banha à mãe, e ela ficou muito contente, mas muito desconsolada de ele ainda não ter morrido. No outro dia o gigante tratou de idear outra coisa para ver se o matava. Disse-lhe que não se achava boa, sem que bebesse um copo de água de uma quinta que tinha o Rei Sábio, e ele foi e passou à porta do Rei Sábio e a filha foi dizer ao pai que vinha outra vez o cavaleiro do cavalo branco. O rei perguntou-lhe para onde ele ia; ele disse-lhe que ia buscar um copo de água para a mãe que estava muito doente. O rei disse-lhe que fosse, que havia de ver dois tanques, um de água suja e outro de água limpa. Que não tirasse do mais limpo, mas tirasse do mais sujo; mas que se aviasse depressa porque o portão da quinta, em dando meio-dia, fechava-se e quem lá estava já não saía. Ele assim fez. Depois, quando vinha para casa, passou à porta do Rei Sábio e a filha foi dizer ao pai que estava ali o cavaleiro do cavalo branco. O pai disse-lhe que o mandasse subir, e, quando ele pousasse o copo de água na sala, que lho trocasse, que tirasse aquele e pusesse outro. Ela isso fez. O rei disse-lhe para ele que bem sabia que ele andava iludido, e que se alguma vez se visse aflito que dissesse à mãe que o fizesse em quatro quartos e que o embrulhasse num lençol de linho e o pusesse em cima do cavalo e que deitassem o cavalo ao destino. O príncipe chegou ao palácio, e o gigante, como visse que ele ainda não tinha morrido, disse para ela que lhe dissesse a ele que se não achava boa sem comer uma laranja da quinta do Rei Sábio. Ele, quando ia para lá, passou à porta do Rei Sábio-, a filha disse ao pai que ia ali passando o cavaleiro do cavalo branco. O pai disse-lhe que o mandasse subir. O rei perguntou-lhe aonde ele ia. E ele disse-lhe que ia buscar uma laranja para a mãe, que estava doente. E o rei disse-lhe que fosse, mas que havia de ver uma laranjeira carregada de laranjas muito maduras, e outra carregada de laranjas muito verdes, mas que não apanhasse das mais maduras, que apanhasse das mais verdes, e que se não demorasse porque, em dando meio-dia, se fechava o portão da quinta e quem lá estivesse já não saía. O príncipe apanhou uma laranja das mais verdes, e quando vinha a sair fechou-se logo o portão nas costas dele. Quando voltava para o palácio, tomou a passar por casa do Rei Sábio. E a filha estava à janela e disse ao pai que vinha lá o cavaleiro do cavalo branco. O pai mandou-o subir e disse-lhe que, quando ele pousasse a laranja na saleta, lha tirasse e pusesse outra. Quando ele voltou para onde estava a mãe, a mãe e o gigante ficaram muito zangados de ele ainda não ter morrido, e disse o gigante que havia de arranjar imediatamente maneira de ele morrer. Disse à mãe que tratasse de arranjar modo de lhe cortar o cabelo que ele tinha no peito. A mãe, um dia, disse-lhe que deitasse a cabeça no colo dela. E quando o apanhou a dormir foi com uma tesoura e cortou-lhe o cabelo. Ele, quando sentiu, disse: «Ai, minha mãe, que me perdeu!» O gigante, apenas ouviu isto, saltou-lhe logo para cima, e disse para ele se queria ir brigar. Ele, julgando ainda que tinha alguma força, foi brigar com o gigante. Já o gigante o tinha quase morto, pediu-lhe que o não acabasse de matar, que o fizesse em quatro quartos, que o embrulhasse num lençol de linho e o pusesse em cima do cavalo e assim fizeram. O cavalo, como estava acostumado a ir para casa do Rei Sábio, foi lá ter. A filha do rei, quando viu o cavalo e não o viu a ele, foi dizer ao pai, muito admirada, que vinha lá o cavalo, mas que não vinha o cavaleiro. O pai disse-lhe: «Não tem dúvida, manda lá dois criados, que tirem o que vem em cima do cavalo com muito jeito.» Estenderam o lençol no meio da casa, uniram os quartos e untaram com a banha do porco-espinho, e a laranja partiram-na ao meio e deram-lha a cheirar. Depois ele ficou vivo como era. Foi vivendo em casa do rei, e o cabelo do peito foi crescendo. Quando ele já tinha seis voltas no cabelo à roda do corpo, disse-lhe o rei: «Olha, não sabes? Tua mãe já tem uma filha do gigante.» E ele disse-lhe: «Eu vou lá.» E o Rei Sábio disse-lhe: «Não, porque ainda não tens as tuas forças todas.» Depois esperou que tivesse sete forças. Foi a casa do gigante, foi ao pé da irmã e cortou-lhe a cabeça. E o Rei Sábio tinha dito que, quando ele brigasse com o gigante, lhe dissesse que não acabava de o matar sem que ele lhe desse os olhos do Rei Sábio que tinha cegado. Depois ele chegou ao pé da mãe e cortou-lhe a cabeça. E foi brigar com o gigante. Quando o tinha quase morto, disse para ele que lhe havia por força de ir buscar os olhos do Rei Sábio que tinha cegado. O gigante, conforme pôde, foi-lhos buscar e entregou-lhos. Depois ele levou-os para o Rei Sábio e puseram-lhos na cara e lavaram com a água que ele tinha trazido. Ficou o rei com vista. Depois ele foi ao palácio do gigante. Tirou tudo quanto lá estava e levou-o para casa do Rei Sábio, e casou com a filha do rei, tendo muitos filhos e sendo muito feliz.

2(Abrantes)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search