Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LIX. O menino e a lua

Texte intégral

1Era uma vez um pai que tinha um filho que desde muito pequenino costumava ir para o alto de um monte olhar para a Lua. Um dia o pai foi ter com ele e perguntou-lhe para que estava ele olhando para a Lua. O menino respondeu: «E que a Lua tem-me dito muitas vezes que meu pai ainda me há-de querer deitar água nas mãos e eu recusar.» Foi o pai para casa e contou à mulher o que o menino lhe tinha dito e ela respondeu-lhe: «Vejo que o nosso filho quer dizer que nós ainda havemos de ser criados dele; o melhor será deitá-lo ao mar.» Foi o pai buscar um caixão, meteu o menino dentro e deitou-o ao mar. O caixão andou três dias no mar até que foi ter a uma terra muito longe e os pescadores, julgando que nele houvesse algum tesouro, foram levá-lo ao rei. O rei mandou-o abrir para ver o que tinha e, vendo que era um menino muito formoso, disse que tomava conta dele e seria seu filho adoptivo.

2Mandou o rei educar o menino como se ele fosse um príncipe e, quando chegou à idade de vinte anos, deu-lhe dinheiro para viajar com uma grande companhia de gente, como lhe era dado. Ora o pai e a mãe do menino tinham caído na pobreza e foram pôr uma estalagem em uma terra para ganhar para viver e tinham sempre grandes remorsos pelo que tinham feito ao filho.

3Chegou o príncipe com a sua companhia àquela terra e foi hospedar-se em casa de seu pai, sem que o conhecesse. Apenas ali tinha chegado, veio logo o pai para deitar água nas mãos do príncipe para ele se lavar; mas o príncipe recusou e o pai estremeceu. Então o príncipe, notando isto, perguntou-lhe: «Porque é que estremeceste quando me deitaste água nas mãos?» O pai respondeu-lhe: «É que me lembrei agora de que tive um filho que, se agora fosse vivo, teria a vossa idade e que o deitei ao mar, porque ele me disse um dia que eu lhe havia ainda de deitar água nas mãos para ele as lavar e ele recusar.» «Mas que tenho eu com o teu filho?» respondeu o príncipe. «Não tendes nada; vós sois filho do rei e eu sou um pobre estalajadeiro.» Foi o príncipe contar tudo ao rei e, depois de muitas perguntas e respostas, veio-se ao conhecimento de que o príncipe era filho do estalajadeiro. Então este já queria que o seu filho fosse viver com ele e com sua mãe, mas o rei ordenou que fossem eles para o palácio, pois por sua morte o príncipe havia de ficar no lugar dele, como rei.

4(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search