Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LVII. Patranha

Texte intégral

1Era uma vez um homem, caseiro de um fidalgo; tinha um filho tolo e outro que estudava para padre. Como o ano foi muito seco, o caseiro não tinha as medidas para dar ao fidalgo; disse-lhe o fidalgo que, se ele lhe dissesse uma mentira do tamanho do padre-nosso, lhe perdoava as medidas. Respondeu-lhe o caseiro: «Eu tenho um filho que estuda só em mentiras; eu hei-de ver se ele tem em casa algum livro em que haja mentira do tamanho do padre-nosso.» Foi o caseiro para casa muito triste e perguntou ao filho que estudava para padre se ele sabia alguma mentira do tamanho do padre-nosso; respondeu-lhe que nos livros não tinha encontrado mentira tamanha. Nisto o tolo, que os ouvira, disse ao pai: «Vocês que diabo têm que não podem ver a gente?» «Es um tolo», disse o pai, «não dás remédio ao meu mal.» «Talvez dê; diga o meu pai o que tem.» «É o nosso senhorio que disse que me perdoava as medidas se eu lhe dissesse uma mentira do tamanho do padre-nosso; mas o teu irmão não a encontra nos livros.» Foi o tolo ter com o fidalgo e disse-lhe: «Meu pai não é tão pobre como se finge; tem uma cerca que lhe rende quatrocentos carros de pão e em redor da cerca tem uma celha de abelhas e foi um dia para contar os cortiços e não os pôde contar, mas contou as abelhas; depois faltava-lhe uma; numa mata foi encontrá-la a ser comida por dois lobos; já não tinha senão os quartinhos e ele atirou-lhes com um cutelo que levava; não pôde chegar ao cutelo; veio a casa; levou lume e queimou a mata para os lobos fugirem e apanhar o cutelo; mas o ferro queimou-se e ficou só o cabo; foi dali ao ferreiro para lhe fazer outro cutelo e ele, em vez do cutelo, fez-lhe um anzol; foi com ele aos peixes e depois sai-lhe debaixo da água um burrinho preso por um beiço, com canastra e tudo; ele montou o burro e foi-se procurar os quartinhos da abelha; espremeu os quartinhos e cada um deles lhe deu uma pipa de mel; não tendo em que o botar meteu a mão no traseiro do burro e envasilhou lá o mel; como o burro ia tenro da água, criou mataduras e o caseiro foi ao alveitar com o burro; o alveitar mandou-lhe deitar farinha de favas e ele, em vez de lha deitar, deitou-lhe favas inteiras: nasceu-lhe um faval no burro e um melão e quando o ia para partir com um machado, o machado caiu-lhe dentro do melão; desceu abaixo para apanhar o machado; lá encontrou um homem que lhe disse andar ali havia oito dias à busca de dois bois apostos a uma grade; que se fosse embora e não fosse tolo. Meu pai botou um escadão ao burro e subiu dele ao céu, onde estão todas as cadeiras dos fidalgos, só a de Vossa Excelência não.» O fidalgo disse-lhe: «Mentes, ladrão.» «Então estão as medidas de meu pai perdoadas...»

2(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search