Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LVI. O Rabil

Texte intégral

1Havia um lavrador muito rico que tinha um criado muito fiel, a quem confiava todos os haveres que possuía. Entre os bois da manada que o criado guardava havia um chamado Rabil, que o seu dono muito estimava e um dia, para experimentar a fidelidade do criado, dise o lavrador a uma filha que tinha que fosse ter com o criado e lhe dissesse que, se ele matasse o boi Rabil, casaria com ele. Ia a rapariga várias vezes ao campo ter com o criado e, como ela fosse muito alta e muito formosa, já o rapaz ia sentindo grande paixão por ela. Um dia disse-lhe ela: «Se queres que eu case contigo, mata o Rabil.» Ele respondeu: «Senhora, ainda que eu morra por não casar consigo, nunca mataria o Rabil, pois é o boi que seu pai mais estima.» Disse a rapariga: «Mas mata-o e diz a meu pai que ele apareceu morto.» «Tal nunca farei.» Afinal, tanto a rapariga teimou e tal paixão ia sentindo o criado que já estava quase resolvido a matar o Rabil. Dizia ele para consigo: «Como farei isto? Mentindo a meu amo, cometo um pecado e, dizendo-lhe a verdade, não me deixa ele casar com a filha; vamos a ver se eu sou capaz de matar o Rabil e de dizer a verdade a meu amo.» Então pegou no capote e no chapéu do amo, pô-los em cima de um pau para fingir o amo, pôs-se em frente e disse:

Senhor meu amo,
Pernas altas e cara gentil
Me fizeram matar o boi Rabil.

2Depois de repetir isto três vezes, disse: «Nada, eu não mato o Rabil-, antes quero morrer de paixão pela Cara-gentil da filha do meu amo.» Quando acabava de dizer estas palavras, apareceu-lhe o amo, que tinha estado a escutar e disse-lhe: «Já que tantas provas me tens dado da tua fidelidade hás-de casar com minha filha e o Rabil hei-de mandá-lo matar para ser comido no dia da boda.» E assim se arranjou o casamento do criado com a Cara-gentil.

3(Coimbra)w

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search