Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LIV. O preto e o padre

Texte intégral

1Era uma vez um padre que tinha um preto por criado e mandou-lhe um dia lhe preparasse uma galinha para o jantar. Cozeu o preto a galinha e vai que fez? Comeu-lhe uma perna e arranjou-a de maneira que o amo não desse facilmente por isso; mas o padre notou que faltava uma perna à ave e disse ao criado: «Tu comeste uma perna da galinha?» «Não, meu senhor, não comi; ela era assim, tinha só uma perna.» «Qual perna, nem meia perna! Tu pensas que eu sou asno?» «Ó senhor padre, andam ali pelo quintal muitas outras galinhas que têm só uma perna! Quando eu vir alguma, hei-de chamar o meu amo.» «Pois sim.»

2Uma ocasião viu o preto uma galinha com uma perna encolhida e gritou logo: «Ó senhor amo, cá está uma galinha com uma perna só!» O padre acudiu e enxotou a galinha: «Xó galinha!» A galinha estendeu a perna e o padre disse: «Ó tratante, tu queres fazer de mim burro?» «Não, senhor, não quero; mas o senhor padre não disse à galinha que estava na mesa: ‘xó, galinha!’»

3Um dia o padre mandou fazer ao preto umas papas para que estivessem prontas quando ele voltasse de dizer missa. O preto fez as papas, mas, porque a farinha fosse pouca ou ele lhe deitasse muita água, as papas ficaram muito ralas. O preto pega em si, vai para o coro da igreja e cantou de lá: «É de papa in papa, é de rala in rala.» Virou-se o padre para trás e cantou:

Vai atrás do cancelinho
Que lá está o Filipinho
Para fazer bastioné mea.

4O «filipinho» era o saco da farinha e «bastioné mea» eram as papas. O preto entendeu e foi fazer as papas.

5(Oliveira) do Douro)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search