Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LIII. Os simplórios

Texte intégral

1Era uma vez uns pais que tinham três filhas faltas da pinha; vinha lá um rapaz que queria casar com uma delas, mas nem o pai nem a mãe queriam que elas falassem para lhes não conhecerem a toleima. Disse uma diante do namorado: «Ó fulana, o caldo vai-se!» Disse a outra: «Tira-le o telo e mete-le a toler.» «Disse minha mãe que não falasses tu.» Depois disse ele: «Pois bem, temos entendido; já estou ao facto de quem vocês são. Adeus. Eu cá vou-me embora.»

2A mãe ficou zangada e um dia levou as duas filhas que falavam mais mal e deixou a que falava menos mal em casa, para falar a um namorado que tinha e disse-lhe: «Olha, aí vem um rapaz para te ver e tu põe uma roçada grande na roca e põe-te a fiar para ele se agradar de ti e se ele disser: ‘Oh, que rica fiadeira!’, tu dize: ‘Eu destas despejo sete ao dia.’»

3A rapariguinha, assim que a mãe saiu, pousou a roca, foi à adega, trouxe uma infusa de vinho de meia canada para comer umas sopas; fê-las numa tijela grande e nisto chegou o rapaz. Assim que ele chegou e disse: «Adeus, menina», disse ela: «Olhe que eu destas despejo sete ao dia.» Ele disse: «Será da sua cuba, que não da minha.» E foi-se embora.

4Depois ao diante falou-se noutro casamento com um que era pouco mais fino que ela; ajustou-se tudo e um dia ele veio buscá-la a casa para se ir receber. Enquanto a noiva se foi preparar, ele deu volta e achou um porrão com mel; meteu-lhe um dedo e lambeu; achou doce; meteu a mão toda e não a pôde tirar; chamaram-no que a noiva estava pronta e ele lá vai para a igreja com a mão metida no porrão. Chegou à igreja; o padre perguntou-lhe se era vontade dele casar e ele disse que já devia ser há muito. «Pois então dê-me cá a sua mão direita.» «E vossemecê não remedeia com a esquerda?» . «Você tem a direita quebrada?» «Não, senhor, mas está ocupada.» «Deixe cá ver. Olhe, isso, faça assim» e o abade abanou com a mão. O outro assim fez e bateu com o porrão na cabeça do abade; este gritou «aqui del-rei!» e houve grande barulho e desmanchou-se o casamento.

5(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search