Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LII. São Jorge

Texte intégral

1Noutros tempos havia um homem que era casado mas que não tinha filhos e isto lhe dava motivo de grande desgosto. Tinha ele por costume ir pescar para se distrair de suas penas. Sucedeu que um dia lhe viesse na rede só um peixe e quando lhe ia tocar disse-lhe o peixe: «Não me mates.» O bom homem tomou a deitar o peixe na água, mas no dia seguinte sucedeu-lhe o mesmo quando foi pescar. Passaram-se três dias e ao fim deles tornou o mesmo peixe a aparecer na rede e então disse ao pescador: «Mata-me, e faz de mim seis postas; duas dá-las-ás a tua mulher; duas à tua égua e as outras duas enterra-las atrás da porta do teu quintal.»

2Fez o homem tudo quanto o peixe lhe disse e ao fim de nove meses a mulher deu à luz dois meninos; passado tempo, a água teve dois formosos cavalos e atrás da porta do quintal nasceram duas lanças, que significavam que os dois meninos haviam de ser guerreiros.

3Chegados que foram os meninos à idade em que haviam de servir o rei, chamou-os o pai e disse-lhes: «Ide servir a pátria e sede valentes guerreiros; aqui tendes dois belos cavalos e duas lanças que nunca devem quebrar.»

4Partiram os dois irmãos e o mais velho, que se chamava Jorge, disse ao mais novo: «É mister que nos separemos e ao fim de um ano havemos de reunir-nos para contar os nossos feitos. Aqui tens este ramo de manjericão; quando o vires murcho, vai à minha procura, pois é porque eu corro perigo.» Separaram-se os dois irmãos; Jorge foi assentar praça e o outro foi correr terras.

5Chegando à corte, ouviu dizer que havia grande terror naquela terra por causa de uma grande bicha de sete cabeças que vinha muitas vezes à cidade e já tinha matado muita gente e até se receava que ela fosse ao palácio do rei. Até aquele dia não tinha aparecido ainda quem fosse tão destemido que se atrevesse a lutar com tal dragão, apesar de o rei ter mandado anunciar que quem lhe apresentasse uma das cabeças da bicha casaria com a princesa sua filha. Jorge disse então que se Deus o ajudasse iria matar o dragão. Foi, confiado na divina providência, esperar que a bicha saísse da mata onde habitava e depois de lutar com ela espetou-lhe a lança no pescoço e logo a bicha expirou à sua vista. Apregoou-se este feito na cidade e logo o rei ordenou que fosse Jorge à sua presença que o queria nomear general das armas e dar-lhe a sua filha em casamento.

6No entanto, andava o irmão de Jorge de terra em terra em busca de aventuras e um dia notou que o ramo de manjericão estava murcho e foi logo ter à terra onde estava Jorge, pois receava que ele corresse perigo. Chegado lá, logo o encontrou e ele lhe contou tudo quando tinha passado e como o rei o queria fazer general e dar-lhe a sua filha em casamento, e disse-lhe mais ainda: «Meu irmão, tu sabes perfeitamente que eu, em virtude dos votos que fiz, não posso casar-me; vai pois tu ter com o rei, apresenta-lhe esta cabeça, que é uma das sete que tinha a bicha que eu matei, e como tu és muito parecido comigo, o rei julgará que sou eu e dar-te-á a sua filha em casamento, e depois disto concluído dirás ao rei que me faça general, pois desejo ganhar fama pelas armas.» Tudo assim se fez e Jorge fez tais façanhas pela pátria e foi sempre tão virtuoso que mereceu depois da sua morte ser canonizado.

7(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search