Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

LI. Pedro e Pedrito

Texte intégral

1Havia noutros tempos um príncipe chamado Pedro que tinha um irmão de leite chamado Pedrito. Viviam os dois como se fossem verdadeiros irmãos e tinham jurado valerem sempre um ao outro nos trabalhos que a sorte lhes destinasse. Pedro estava para partir para um reino estrangeiro para se ir casar com certa princesa muito formosa que havia muito lhe estava destinada para esposa. Pedrito devia acompanhá-lo, mas como desejasse mais ir por terra do que por mar pediu a Pedro que o deixasse ir só que ele lá estaria no dia do casamento. Partiram, Pedro por mar e Pedrito por terra. Já tinha Pedrito caminhado bastantes léguas quando lhe anoiteceu e viu-se obrigado a ficar no caminho debaixo de umas árvores para descansar aquela noite. Mas mal se tinha deitado quando ouviu umas vozes saídas das árvores que lhe diziam: «O príncipe Pedro vai casar com a princesa de tal, mas desgraçado dele, pois a princesa ao passar por certo rio há-de pedir água e, se lha derem e ela beber, morrerá.

Quem isto ouvir e contar
Em pedra se há-de tomar.»

2Pedrito, ao ouvir isto, apressou a jornada na intenção de ir avisar o príncipe, não receando, para salvar a princesa, tornar-se em pedra. Durante todo o caminho foi sempre ouvindo as mesmas vozes que lhe diziam: «A princesa há-de passar por uma ponte; ela a passar e a ponte a cair.

Quem isto ouvir e contar
Em pedra se há-de tornar.»

3Já perto da terra da princesa ouviu Pedrito as mesmas vozes que lhe diziam: «A princesa há-de ter sono pelo caminho e há-de pedir para descansar; mas enquanto ela dormir, há-de ser mordida por uma serpente e ali mesmo morrerá.

Quem isto ouvir e contar
Em pedra se há-de tornar.»

4Chegou Pedrito ao palácio e logo tratou de avisar o príncipe Pedro das grandes desgraças que esperavam a princesa; mas qual não foi o seu espanto ao verem que, ao passo que Pedrito ia contando o que ouvira pelo caminho, se ia transformando em estátua de pedra.

5Foi grande a dor de Pedro, que tratou logo de mandar chamar muitas fadas e alguns sábios para que lhe dissessem a maneira de tornar Pedrito ao que ele era. As fadas disseram a Pedro que só com o sangue dele derramado sobre Pedrito o podia tornar em homem. Pedro cortou um dedo para salvar o seu irmão, mas ao mesmo tempo que Pedrito se tornava em homem ia-se Pedro transformando em estátua. Pedrito, logo que isto viu, foi-se ter com certa feiticeira para que lhe valesse em tal aflição. A feiticeira disse-lhe então: «Irás a tal sítio onde há um pátio que tem uma entrada guardada por um leão; tirarás a chave da boca do leão; entrarás no palácio e verás uma bicha de sete cabeças; então matá-la-ás; mas, toma cautela, não a mates pelas cabeças, porque ao passo que lhe cortes uma cabeça logo outra lhe nascerá e isso é muito perigoso para ti; mata-a pelo pescoço, colhe o sangue dela e o deitarás por cima da estátua de Pedro e ele voltará à vida.»

6Saiu-se Pedrito muito bem desta empresa e o prémio que ganhou foi casar com uma princesa, irmã de Pedro, sendo muito felizes.

7(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search