Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLIX. A bicha de sete cabeças

Texte intégral

1Era uma vez um homem que vivia com uma sua irmã em muito boa amizade; vem uma má duma vizinha e disse-lhe: «Você aqui cheiinha de trabalho e seu irmão para ali a comer na venda mais uma amiga.» «Não diga tal; isso é falso.» A vizinha veio para onde ao irmão e encontrou-o a roçar mato e disse-lhe: «Você aqui mortinho de trabalho e sua irmã em casa com um amigo a comer bons bocados.» O irmão chegou a casa, vestiu-se com o fato melhor, pegou numa espingarda às costas e levou três carneiros, três broas de pão e três vinténs em dinheiro, que dinheiro não tinha mais. Pelo caminho pegou nos carneiros e no pão e deu tudo a um pobre que encontrou que era Nosso Senhor e lhe fez dos carneiros três cães que filavam a tudo que encontravam. Era muito feliz na caça; todos os caçadores o chamavam para irem à caça com ele.

2Um dia chegou a um monte e estava lá uma rapariga e, assim que o viu, disse-lhe: «Fuja, meu tio, que vem lá a bicha de sete cabeças e mata-o.» «Que bicha será essa a que eu não posso atirar?» «É uma bicha que todos os caçadores têm andado a ver se podem matar e não a matam e ela todos os dias come uma pessoa que vem ao monte, se lhe cai a sorte nela. Eu era filha do rei e caiu-me a sorte.» Ele disse: «Não tenho medo; eu hei-de matá-la, que trago aqui três cães que filam a tudo.» Nisto chegou a bicha, que a duas léguas de distância já se ouvia rugir.

3Chegou a bicha e ele açulou-lhe os cães e matou-a. Depois então a menina disse-lhe: «Venha comigo que há-de ter um grande prémio de meu pai, que até disse que se algum homem matasse a bicha me dava a ele em casamento.» «Eu agradeço, mas não quero.» «Então venha comigo, que meu pai dá-lhe um grande prémio.» «Eu não preciso de nada.» Ela então tomou um anel de ouro e deu-lho e ele aceitou-o.

4O homem foi à bicha e cortou-lhe as línguas das sete cabeças e embrulhou-as no lenço, que meteu no bolso.

5Isto constou por toda a parte e como o rei tinha dado a palavra que dava a filha a quem matasse a bicha, um preto que soube disto foi ao monte, cortou as cabeças à bicha e foi com elas ao rei, dizendo que tinha morto a bicha e que lhe desse a filha. «Minha filha, não tens remédio senão casar com o preto.» «Meu pai, quem matou a bicha foi um homem muito bonito que tinha três cães e disse que não queria o prémio, nem casar comigo e até eu por lembrança lhe dei o meu anel.» «Não tens remédio senão casar com o preto, pois foi ele quem trouxe as cabeças.»

6Nisto estava o casamento preparado e o homem que matara a bicha andava no monte à caça com uns caçadores e estes contaram que a filha do rei ia casar com o preto e disseram: «Que pena aquele ladrão ir casar com aquela rapariga.» O homem: «Então que casamento é esse?» «Foi um preto que matou a bicha de sete cabeças e o rei tem de dar a filha, como prometera, a quem matasse a bicha. A pobre menina diz que não foi o preto que matou a bicha e todos os dias reza a Santo António que lhe depare o homem que matou a bicha.»

7O homem calou-se e ao outro dia caminhou e foi a casa do rei. Chegou lá e disse que queria falar a sua majestade; o rei, como estava embebido no casamento do preto, não lhe quis falar. O homem repetiu outra vez o pedido e disse que, se ele não lhe queria falar, que ao menos lhe falasse a princesa duma janela sacada, que ele ia por causa da bicha de sete cabeças. Nisto o rei, que soube que o homem ia lá a troco da bichinha, mandou-lhe dizer que lhe falava e apareceu mais a filha e esta, apenas lhe botou os olhos, disse: «Oh, meu pai, aqui está o homem que matou a bicha!» Então disse o rei: «O que me contais da bicha? Como é que aqui me apareceram as sete cabeças da bicha?» «Como a bicha tinha sete cabeças, devia ter sete línguas e elas aqui estão.» O rei desembrulhou o lenço e viu as línguas; foi ver as cabeças e não lhe viu nenhuma; mandou matar o preto e disse ao que matou a bicha: «Então aí tendes a minha filha.» «Real Senhor, eu agradeço muito; mas não quero casar.» «Pois, enfim, pedi o que quiserdes que eu tudo vos dou.» «Real Senhor, eu nada preciso que tenho aqui três cães que faço quanto quero, entro onde quero, vou onde quero e acabo o que quero.» O rei então deu-lhe uma medalha e as maiores honras da sua corte.

8(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search