Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLVIII. O senhor das Janelas Verdes

Texte intégral

1Certo rei tinha uma filha que muito desejava ver casada; para esse fim tinha mandado vir ao palácio muitos príncipes para que a princesa escolhesse o que mais lhe agradasse; mas ela não se agradava de nenhum e dizia que só casaria com o senhor das Janelas Verdes, que tinha os cabelos e a barba de ouro e os dentes de prata. Mandou o rei procurar por toda a parte o tal senhor, mas não foi possível encontrá-lo.

2Passaram-se anos e o rei sempre esperando pelo senhor das Janelas Verdes. Um dia que ele estava à janela do palácio viu passar uma carruagem com janelas verdes e cortinas da mesma cor e com dois lacaios também vestidos de verde. O rei mandou parar a carruagem para ver quem ia dentro, mas qual não foi a sua alegria quando viu dentro o senhor das barbas e cabelos de ouro e dentes de prata! Chamou logo a princesa e perguntou-lhe se era aquele o senhor das Janelas Verdes; ela disse que sim, mas logo se encheu de uma tristeza que a todos causou admiração.

3Então o senhor das Janelas Verdes disse: «Eu sei que há muito me procuram para casar com esta princesa e por isso aqui estou e desejo que se faça o casamento o mais breve possível.»

4Fez-se logo o casamento e o senhor das Janelas Verdes partiu para as suas terras com a princesa. A carruagem emque iam parecia que voava, ora atravessando matas, tapadas, ora passando por pontes e estradas e a princesa sempre triste. Chegados a uma floresta muito sombria, levantou-se tal tempestade que os raios caíam em grande quantidade e parecia que saíam da terra lavaredas de fogo. A princesa, toda assustada, gritou com todas as forças: «Jesus, Jesus, valei-me! Jesus, valei-me!» E logo cessou a tempestade e ao mesmo tempo desapareceram a carruagem, os lacaios, e o senhor das Janelas Verdes, porque ele era o demónio em pessoa, e logo que ouviu o nome de Jesus fugiu para as profundezas do inferno.

5A princesa, ao ver-se só em tal descampado, chamou por Nossa Senhora e prometeu-lhe que, se ali fosse alguém que a salvasse, havia de andar um ano sem dar uma só palavra. Foi sentar-se junto de uma árvore e logo viu chegar um príncipe que vinha caçar àqueles sítios, o qual, assim que viu a princesa, lhe perguntou:

6«Quem vos deixou aqui só, sujeita às tempestades, e sem receio que vos façam mal?»

7A princesa não respondeu, pois começava a cumprir a promessa que fizera a Nossa Senhora. O príncipe fez-lhe várias perguntas e, como visse que não respondia, convenceu-se de que ela era muda e levou-a para o palácio.

8Tratou o príncipe de ir indagar por várias terras se conheciam a princesa, mas não conseguiu saber nada. Assim se passou um ano e ao fim do ano o príncipe sentia grande paixão pela princesa, desprezando certa condessa com quem tinha o casamento tratado.

9Exactamente quando fazia um ano que a princesa viera para o palácio, mandou o príncipe que a vestissem com os fatos mais ricos que se pudessem encontrar.

10Depois de ela assim vestida, veio vê-la a condessa, a quem o ciúme e a inveja consumiam e disse-lhe:

Olha a muda, mundona!
Que traje! Que dona!

11Respondeu-lhe a princesa:

Olha a condessa, que inveja!
Que eu fale não deseja.

12Foi logo a rainha a correr participar ao príncipe, seu filho, que a menina tinha falado. Então o príncipe pediu à princesa que lhe contasse a sua história toda, o que ela logo fez. E o príncipe escreveu ao rei pai da princesa, participando-lhe como a encontrara e que ia casar com ela, pois a amava muito pela sua rara formosura. Casaram-se e viveram muito felizes e a condessa foi posta fora do palácio.

13(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search