Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLVII. O preço dos ovos

Texte intégral

1Era uma vez um rapaz que foi embarcar não sei agora para onde; chegou a uma estalagem; perguntou se havia que comer; a dona da estalagem disse-lhe que não tinha senão ovos cozidos e ele respondeu-lhe: «Pois ponha cá um vintém deles.» Comeu os ovos; deu-lhe um pinto para ela trocar; ela disse-lhe que não tinha troco: «Quando você por aqui passar me pagará.» O homem embarcou. Dava ele sempre uma esmola na terra para onde foi pelas almas do purgatório e, se via o diabo pintado ao pé das almas, dizia: «Pelas almas que me ajudem e tu, diabo, que nem me ajudes, nem me estorves.» Passados alguns anos, voltou ele à terra e passou aonde a estalajadeira e disse-lhe: «Ó mulher, vou-lhe pagar uma dívida que lhe devo!» E ela disse: «Que dívida é?» Respondeu: «Quando eu fui que embarquei, comprei-lhe um vintém de ovos e não lhos paguei.» E ela disse: «Ah, você cuida que me paga com um vintém os ovos? Eu vou-lhe mandar fazer a conta. Seis ovos eram seis galinhas que punham ovos...» e mandou-lhe assim fazer a conta que botava a uns poucos de centos de mil-réis. O homem não trazia tanto dinheiro; não trazia com que lhe pagar: foi para a cadeia. No dia em que haviam de lhe dar a sentença apareceu-lhe um homem às grades da cadeia e disse-lhe: «Então tu não tens quem te acuda? Olha que hoje às tantas horas é que tu és sentenciado; mas eu lá apareço para te defender.» Assim fez; e depois chegou lá ao tribunal muito sujo e enfarruscado de cara e o juiz disse-lhe: «Você não se podia lavar antes daqui chegar?» E ele disse: Saiba Vossa Senhoria que eu estive a assar umas poucas de castanhas para semear num souto.» E a mulher da estalagem, como lampeira, disse: «Ó homem, castanhas assadas dão castanheiros?!» E ele virou-se para o juiz e disse-lhe: «Este homem não deve; esta mulher queria fazer-lhe pagar por pintos seis ovos cozidos; pode-o pôr na rua.» O juiz assim fez. O advogado era o diabo.

2(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search