Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLVI. O retrato da princesa

Texte intégral

1Era uma vez um príncipe que não achava mulher que lhe agradasse. Um dia foi a uma feira e viu lá o retrato de uma menina tão linda, tão linda que mal pode imaginar-se; perguntando de quem era, responderam-lhe que era da princesa de tal, mas custou-lhe a crer que houvesse uma dama tão formosa. Logo que chegou ao palácio, disse a el-rei seu pai que só casaria com a princesa de quem vira o retrato. Tratou-se do casamento, que foi feito por procuração e o príncipe, antes de levar a noiva para o palácio, quis vê-la sem ser conhecido; disfarçou-se e foi a umas cavalhadas que houve por aquela ocasião e a que a princesa havia de assistir. Quando a princesa chegou com a sua companhia, o príncipe perguntou qual das damas era ela e disseram-lhe que a noiva era uma muito feia que ia na frente; ele ficou sem pinga de sangue e, quando chegou o dia da noiva ir para a sua companhia, não a quis ver. Todas as noites, quando se ia deitar, apagava a luz e levantava-se antes do amanhecer para não lhe ver a cara. Andava a princesa por isso muito triste, mas não se queixava a ninguém. Um dia em que ela estava no jardim foi uma pobre pedir-lhe esmola e disse-lhe: «Eu bem sei a causa da vossa tristeza; mas posso dar-vos remédio, se quiserdes tomar os meus conselhos.» A princesa disse que sim e a pobre no outro dia voltou ao jardim e disse à princesa que fosse com ela a um sítio onde o príncipe tinha uma quinta. Chegadas que foram ao portão, a pobre mandou dizer ao príncipe se lhe dava licença para passear na quinta com uma filha que andava muito doente e a quem os médicos mandavam tomar ares. O príncipe deu a licença e quis ver a doente mas ficou maravilhado quando viu que a doente tinha a cara exacta do retrato da feira.

2A princesa voltou no dia seguinte e por conselho da pobre pediu ao príncipe um copo de água daquela fonte de neve, pois talvez lhe desse saúde. O príncipe mandou vir um rico copo que encheu de água e lhe ofereceu; mas ela, quando lhe ia a pegar, deixou-o cair e feriu um pé no vidro. O príncipe ficou muito aflito por ela se ter ferido, pois já estava deveras apaixonado; mas a princesa disse que aquilo não valia nada, que o pior era ter quebrado o copo; pediu mil desculpas e foi-se embora encostada à velha. Quando o príncipe à noite se foi deitar ainda com piores modos para a princesa, e tendo-lhe chegado a um pé, ela disse:

Ai meu pé ferido,
Em fonte de neve,
Em copo de vidro.

3O príncipe, julgando que ela dizia aquilo por saber do que se tinha passado na quinta, disse que não se importasse com o que ele fazia; mas ela continuou a repetir as mesmas palavras, até que ele acendeu a luz e conheceu que a princesa era a doente da quinta. Ela então disse-lhe que a dama feia que ele tinha visto nas cavalhadas era uma aia sua e que o tinham enganado, pois que o retrato que estava na feira era realmente dela. O príncipe ficou muito contente, não sabendo nunca que a velha fora quem tinha quebrado o encanto que trazia feia a princesa.

4(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search