Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLV. Os figos verdes

Texte intégral

1Era uma vez um rei que tinha uma filha doente que desejava figos verdes da figueira no mês de Janeiro. O rei disse: «Quem trouxer figos verdes à minha filha se for moço casa com ela, se for velho dou-lhe bens.»

2Constou isto por terras ao longe.

  • 1 Este parêntese era dirigido pela narradora a quem a escutava.

3Havia uma mãe numa freguesia que tinha dois filhos, um tolo, outro avisado. Tinham uma figueira ao fim de uma casa onde havia ainda alguns figos em Janeiro, mas que não eram bons. O filho avisado contou o desejo da filha do rei à mãe e disse-lhe: «Minha mãe, eu vou levar-lhe os figos numa cesta.» Foi por um caminho adiante e encontrou Nossa Senhora e ela perguntou-lhe o que ele levava no cesto; o rapaz respondeu-lhe: «Levo [com licença1] cornos.» Nossa Senhora disse: «Pois [com licença] cornos te nasçam.» O rapaz, pensando que levava figos, chegou à porta do rei; este veio e o rapaz disse que levava aqueles figos que tinha no quintal. O rei pegou no cesto e foi a descobrir e viu [com licença] os cornos e mandou matar o moço.

4Depois disse o irmão tolo à mãe que ia levar ao rei o resto dos figos que estavam na figueira e que, demais, ia saber do irmão. Pegou nos figos o tolo e levou-os. Lá vai com eles no cesto; chegou ao meio do caminho e encontrou Nossa Senhora com o menino ao colo e ela perguntou-lhe o que ele levava e o tolo respondeu que levava figos para a filha do rei. A Senhora disse: «Figos vos nasçam.» Disse ele: «Deixe dar um figuinho ao menino, coitadinho; é tão bonitinho!» Deu o figo ao menino e foi para o palácio; os figos cada vez cresciam mais pelo caminho.

5Chegou ao palácio e bateu à porta; veio o rei, pegou nos figos.

6O rei, como tinha dito que quem levasse os figos que lhe dava a filha e como palavra de rei não volta atrás, foi-se aconselhar sobre o caso, porque não lhe agradava o rapaz. Os conselheiros deram-lhe o conselho que desse ao moço dois coelhos bravos e que lhe dissesse que os levasse para o monte e que os soltasse lá e que se ele não trouxesse os coelhos para casa ao sol-posto, o mandava matar. O tolo foi para o monte, soltou os coelhos e pôs-se a chorar. Apareceu-lhe Nossa Senhora: «Vós que tendes?» Ele contou-lhe o que o rei lhe mandara fazer. Nossa Senhora deu-lhe uma gaitinha e disse: «Toma esta gaitinha e ao sol-posto toca-a que os coelhos vêm para dentro do saco; tu ata-lo e leva-los e, assim que quiseres mais alguma coisa, toca a gaitinha.» E depois disto perguntou-lhe: «Não queres mais nada?» «Queria ser tão bonito como o Sol.» «E não queres mais nada?» «Quero que quando meter a mão no bolso tire sempre dinheiro.»

7Ele tocou a gaitinha; vieram os coelhos; meteu-os no saco e foi andando. Chegou ao meio do caminho e encontrou dois homens que iam de mando do rei para o matar, se não levasse coelhos. Chegou o rapaz e o rei foi-se outra vez aconselhar e depois disse ao rapaz que escolhesse ele ou uma quinta ou dinheiro e o rapaz escolheu dinheiro; comprou um cavalo e foi correr terras. Foi indo, foi indo até que chegou a uma terra onde estava um palácio e a filha do rei à janela. Disse ela para o pai: «Que lindo cavaleiro que acolá vem! E lindo como o Sol; quem me dera casar com ele!» O rei veio chamar o cavaleiro e disse-lhe que a filha queria casar com ele. «Sim, caso com a vossa filha se me deixardes dormir esta noite com ela.» O rei assinou e ele foi ficar com a filha; quando era meia-noite tocou a gaitinha que lhe tinha dado Nossa Senhora e disse: «Quem entrou aqui?» Respondeu-lhe uma voz: «Foi um estudante.» Pela manhã disse ao rei que ia à terra e que depois voltava para casar com a filha dele. Foi indo e chegou a outro reino, onde a filha do rei também quis casar com ele, e pediu para ficar com ela aquela noite. À meia-noite tornou a tocar a gaitinha e perguntou quem lá tinha entrado e a voz respondeu que tinha sido um preto. Foi-se embora dali, até que chegou ao palácio do rei aonde tinha ido levar os figos. A filha quis casar com ele; lá não o conheceram; ele pediu a mesma coisa e à meia-noite tocou a gaitinha e perguntou quem lá tinha entrado e a voz respondeu que ninguém. E ele casou com aquela princesa.

8No dia do casamento o rei fez uma boda e convidou os outros reis todos para irem ao jantar. Foram também as duas princesas com quem ele tinha ficado de ir casar e os pais delas começaram de clamar contra ele. Ele pegou e disse que casava com elas, mas que primeiro que haviam de ouvir o que ia dizer. Meteu a primeira num quarto e tocou a gaitinha e perguntou quem lá entrou e a voz respondeu que tinha sido um estudante; à segunda da mesma maneira e a voz respondeu que tinha sido o preto; à filha do rei a quem ele tinha levado os figos a voz respondeu que ninguém e ele casou com ela.

9(Foz do Douro)

Notes

1 Este parêntese era dirigido pela narradora a quem a escutava.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search