Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLIV. O príncipe das Palmas Verdes

Texte intégral

1Era uma vez uma rapariga muito pobre que um dia foi a uma horta roubar umas couves; viu lá um buraco e, levada de curiosidade, meteu-se por ele dentro e foi dar a uma casa onde estava a mesa posta. Comeu à larga e, como o comer fosse bom, deixou-se lá ficar; à noite deitou-se, e depois de deitada veio ter com ela uma pessoa que não viu.

  • 1 O tempo pelo qual andava encantada a personagem que falava.

2Ali esteve bastante tempo, repetindo-se todas as noites o mesmo, e um dia disse à pessoa que dormia com ela que desejava ir aonde a mãe levar-lhe alguma coisa de comer. A pessoa disse-lhe que fosse e que voltasse, que bastava chegar à porta do palácio para ela se abrir. Foi ela, e tendo contado à mãe o que se passara, esta disse-lhe que voltasse e que, para ver a pessoa que com ela dormia, petiscasse lume. Assim foi; mas quando ela petiscou o lume, a pessoa acordou e disse: «O diabo te leve, mais quem te deu o conselho, que eu tinha o meu triénio1 quase acabado e tu vieste-o dobrar. Vai-te embora e leva o que trouxeste, com o filho que tens de mim e, se algum dia quiseres saber de mim, pergunta pela casa do príncipe das Palmas Verdes.»

3Foi ela procurar os fatos ricos que encontrou no palácio, mas achou só os farrapinhos que levara; tendo vergonha de ir aonde a mãe com o filho ao colo, foi pelo mundo adiante pedindo esmola e perguntando pelo príncipe das Palmas Verdes. Chegada lá a uma terra, perguntou à Lua pela casa do príncipe das Palmas Verdes; mas ela respondeu-lhe que não sabia, que talvez o Sol que manda os seus raios mais longe o soubesse, e deu-lhe uma castanha que a quebrasse na maior aflição que tivesse. Perguntou ao Sol e o Sol disse-lhe que não sabia, mas que perguntasse ao Vento, que esse se metia por todas as bandas e lhe poderia dar notícias, e deu-lhe uma noz que a quebrasse na maior aflição que tivesse. Perguntou ao vento, que lhe respondeu: «Se eu o sei?! Ainda esta noite lhe bati à janela do quarto dele. Até ele se arrenegou bem comigo.» Ensinou-lhe o caminho e deu-lhe uma bolota que a quebrasse na maior aflição que tivesse.

4A mulher foi à terra do príncipe das Palmas Verdes e, tendo lá chegado, pediu uma esmola e perguntou a uma criada se o príncipe lá estava; a criada respondeu-lhe que ele tinha ido para a caça e que estava para casar, tendo a noiva já em casa. Enquanto a criada lhe foi buscar a esmola, quebrou ela a castanha: saiu-lhe uma roca de oiro e uma estriga de oiro; a criada chegou e viu aquela riqueza, foi aonde a ama e disse-lhe: «Ó senhora, sempre a pobre tem uma riqueza! Ela está a fiar oiro, tem fuso, maçaroca e roca tudo de oiro.» «Vai lá e diz-lhe se ela te quer vender isso.» A pobre respondeu: «Eu não lhe vendo isto que lho dou se me deixar ir ficar no quarto do príncipe das Palmas Verdes.» A dama ficou malcontente com isso e disse: «Não quero.» «Minha senhora, deixe-a ir que eu dou uma bebida a beber ao príncipe que ele adormece e não dá fé que está a pobre no quarto.» Assim fez. À noite a criada deu uma bebida ao príncipe e, logo que ele adormeceu, levou a pobre e meteu-a no quarto. Esta pegou no filho e deitou-o ao pé do príncipe e toda a noite esteve dizendo:

Príncipe das Palmas Verdes,
Não te lembres de mim;
Lembra-te de teu filho,
Que o tens ao pé de ti.

5De manhã a criada foi buscar a pobre para fora do quarto e levou-a para um curral. À tarde a pobre estava muito aflita e quebrou a noz que o Sol lhe dera e saiu-lhe uma dobadoura, meada e novelo, tudo de oiro. A criada, que isto viu, foi-o dizer à dama que quis comprar essa riqueza; mas a pobre disse, como na véspera, que lha dava se a deixassem ir ficar no quarto do príncipe das Palmas Verdes. À noite a criada deu uma bebida ao príncipe e logo que ele adormeceu levou a pobre e meteu-a no quarto. Esta pegou no filho e deitou-o ao pé do príncipe e toda a noite esteve dizendo:

Príncipe das Palmas Verdes,
Não te lembres de mim;
Lembra-te do teu filho,
Que o tens ao pé de ti.

6Ao outro dia a pobre, de cada vez mais aflita, quebrou a bolota e saíram-lhe uns parrecos de oiro; e a criada foi-o dizer à dama e a pobre disse que os dava se a deixassem ir ficar no quarto do príncipe das Palmas Verdes. Ora um criado do príncipe, que dormia por baixo do quarto dele, contou-lhe que havia duas noites que ouvia uma voz no quarto dele dizer:

Príncipe das palmas Verdes;
Não te lembres de mim;
Lembra-te de teu filho,
Que o tens ao pé de ti.

7O príncipe disse: «Eu não sei disso; a criada dá-me uma bebida para eu dormir bem, de modo que adormeço à noite e acordo só de manhã.»

8A criada à noite foi-lhe levar a bebida e o príncipe disse-lhe: «Dá-me cá um biscoito que me fica muito mau gosto com isto que me dás a beber.» Enquanto ela foi buscar o biscoito, o príncipe deitou fora a bebida para a criada julgar que ele a bebera.

9Depois de o príncipe estar na cama, a criada fez entrar a pobre, que repetiu as palavras do costume, que o príncipe esteve a ouvir um bocado, e depois disse-lhe: «Então como foi isso? Tu como vieste aqui ter?» Ela contou-lhe tudo o que tinha passado e ele disse-lhe: «Despe-te e deita-te.» E ao outro dia mandou-lhe fazer vestidos para ela e mandou embora a dama com quem estava para casar e casou com a pobre.

10(Ourilhé)

Notes

1 O tempo pelo qual andava encantada a personagem que falava.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search