Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLIII. O Conde de Paris

Texte intégral

1Havia um rei que tinha uma filha em idade de casar e tratou-lhe o casamento com o conde de Paris. Convidou o rei o conde um dia para jantar, e quando estavam à mesa, o rei, a princesa, o conde e a corte toda, começou o jantar que foi muito animado, falando-se muito do próximo casamento da princesa. À sobremesa deixou o conde cair um grão de romã na barba e depois apanhou-o com o garfo e comeu-o.

2Então a princesa disse que já não queria ser sua esposa, pois que ele, em vez de deixar cair o grão de romã na toalha, o comia. O conde levantou-se da mesa e jurou vingar-se, dizendo à princesa que ela o desprezava por tão pouco, mas que ainda havia de comer pão de romeiro, beber água de um charqueiro e comer papas em palheiro. Passados dias, foi oferecer-se ao rei um preto para jardineiro e logo foi aceite. Mas o preto tinha umas maneiras tão delicadas, fazia raminhos tão bonitos, que oferecia à princesa, e tais artes buscou que ela se enamorou dele e fugiram ambos. Pelo caminho, disse a princesa que tinha fome, e como ali não houvesse de comer, disse-lhe o preto que, se ela queria, ele iria pedir um bocado de pão àquele romeiro que viram no caminho; ela então comeu o pão e disse: «Ai, conde de Paris, conde de Paris!» Responde o preto: «Porque o não quis?»

3Foram mais adiante, e a princesa disse que tinha sede, e o preto respondeu que ali só havia água de um lameiro. A princesa bebeu e tornou a repetir: «Ai, conde de Paris!» E o preto respondeu: «Porque o não quis?»

4Mais adiante disse o preto à princesa que tencionava ir ver se o conde de Paris os queria admitir ao seu serviço, quando mais não fosse ao menos na cavalhariça. Chegaram ao palácio do conde e mandaram-nos recolher em um palheiro; o preto deixou a princesa só e voltou muito tarde, trazendo uma taça grossa cheia de papas, e disse à princesa que com muito custo as arranjara. Então a princesa perguntou com que as havia de comer e ele disse-lhe que com a mão, e como não podia esperar pela taça, que as deitava na palha, e que as comesse ela de lá. A princesa, como tinha muita fome, comeu como pôde. Ao outro dia, foi o preto dizer-lhe que, como era preciso que ela se empregasse em alguma coisa, fosse ajudar a amassar o pão, mas que visse em todo o caso se roubava alguma farinha pois aquela gente não lhes dava comer que lhes apagasse a fome. A princesa com muito custo roubou a farinha, mas não tinha remédio senão obedecer ao preto. Depois disto apareceu o conde de Paris muito bem vestido e disse que era preciso revistar as mulheres para que não roubassem alguma farinha. Como encontrassem a farinha à princesa, puseram-na na rua com grande vergonha dela e mandaram-na outra vez para o palheiro. Foi o preto ao palheiro e ela contou-lhe o sucedido, e ele respondeu-lhe que ela não tinha jeito para nada. No dia seguinte, disse o preto à princesa que estava para se bordar um vestido para uma princesa que ia ser mulher do conde, e como ela sabia bordar que se podia encarregar disso, mas que visse sempre se roubava algum bocadinho de ouro. Sucedeu-lhe porém o mesmo que lhe sucedera com a farinha. Noutro dia, estando ela toda chorosa, apareceu-lhe o preto acompanhado de muitos criados e trazendo ricas toalhas e bacias de prata e disse-lhe que era preciso que ela se deixasse preparar, porque a mãe do conde desejava ver o vestido antes de a mulher do conde o vestir, e como ela era da estatura da dona do vestido, que era preciso que o vestisse para se ver se estava bom. Enquanto a princesa se vestiu, desapareceu o preto; depois, apareceu o conde e disse à princesa que o preto era ele e que tudo quanto tinha feito era pelo grande amor que lhe tinha. Casaram e viveram sempre muito felizes.

5(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search