Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLII. Esvintola

Texte intégral

1Era uma vez um rei que tinha três filhas e depois foi chamado à guerra e deu um ramo a cada filha e disse-lhes: «Filhas, eu vou para a guerra, e se vós procederdes bem, estes ramos que vos entrego, entregar-mos-eis frescos como eu vo-los dou; e se vós tiverdes alguma desordem, eu logo o sei, porque os ramos secam.» Caminhou o rei para a guerra. Havia um conde ao pé do palácio e tratou logo de conversar a filha mais velha; secou-se o ramo que o pai lhe tinha entregado. Nisto começou a namorar a chegante à mais velha e o ramo dela secou também. Ficou a mais nova, e como as outras lhe tinham raiva por ela ter o ramo como o pai lho deixara, trataram de fazer que o conde a seduzisse também e disseram-lhe um dia se ela ia ao pomar do conde buscar umas alfaces e ela disse: «Eu encontro lá o conde; não vou.» «Olha, vai; é a hora do descanso; ele não está lá.» Elas tinham justo com ele as horas marcadas em que devia estar à espera no pomar. Ela foi e ele estava lá; lançou-lhe a mão ao vestido; ela puxou, rasgou-o e foi-se embora.

  • 1 Caiu porque lhe embaraçavam os pés os canos das botas.

2Ao outro dia justaram outra vez com ele de lá estar e mandaram a irmã mais nova lá buscar um limão. Ela foi e o conde botou-lhe a mão e caçou-a. Ele disse-lhe: «Venha cá, menina, vamos conversar um bocado.» Sentaram-se e ela disse-lhe: «Olhe que seria bom estar um bocadinho ao fresco com os pés descalços; quer que eu lhe tire as botas?» «Eu quero tudo o que a menina quiser.» Ela tirou-lhe as botas, que eram de montar, até ao meio da perna, e fugiu; ele que ia a correr atrás dela, não pôde andar e caiu1.

3Chegou a casa e disse às irmãs: «Tomai, que eu não torno lá.» «E porque não hás-de tomar?» «Porque lá estava o conde e botou-me a mão, mas eu paguei-lha; tirei-lhe as botas até ao meio da perna e ele caiu no canelo.» «És tola; ele é muito boa pessoa.» «Pois prova lá a bondade dele, que eu a não quero provar.»

4Tornaram elas a pedir-lhe para ela lá lhes ir buscar um cacho de uvas. «Não vou lá, que está lá o conde.» «Não está; não é hora dele lá estar.» Ela foi, chegou lá; o conde caçou-a e disse-lhe: «Menina, já me fez duas desfeitas, mas agora não me faz outra.» «Eu não lhe fiz desfeita nenhuma; isto em mim foi a brincar; eu gosto muito da sua pessoa; até, se quiser, vamos descansar.» Ele disse: «Eu aceito: veja onde a menina quer.» «Há-de ser ali ao pé daquele poço; mas olhe que eu da banda do poço não fico que eu sou muito medrosa.» O conde ia a deitar-se da banda do poço e ela empurrou-o e botou-o abaixo.

5Foi-se embora e disse às irmãs: «Tomai lá as uvas; e eu agora sempre arrumei com ele.» «Tu que lhe fizeste?» «Botei-o ao tanque do quintal.»

6As irmãs mais velhas foram tratar de fazer tirar o conde do poço. Ele estava muito doente com a queda e a filha mais nova passou-lhe à porta com um letreiro no braço que dizia: médico milagroso. Como o conde estava muito doente, mandaram-na ir dentro e ela disse que lhe dava remédio, mas que era necessário que saísse a família toda do quarto e que ainda que lá ouvissem gritos dentro que não fossem lá que era ela a sará-lo. Levava uma corda e disse ao conde: «Lembras-te de quando me puxaste pelo vestido que mo rasgaste?» E deu-lhe uma tosa. «Lembras-te de quando te tirei as botas?» Outra tosa. «Lembras-te, diabo, de quando te deitei ao poço?» E deu-lhe outra tosa. No fim saiu e disse às pessoas da família: «Eu cuido que ele já ficou melhor, mas eu hei-de voltar aqui à tarde e dar-lhe outro remédio que ele há-de acabar de sarar.» E o conde gritou lá de dentro: «Não venha, não venha, que eu já estou curado; paguem-lhe e mandem-no embora.» Pagaram ao falso médico e ele foi-se embora.

7Por fim, o conde melhorou e o rei voltou da guerra; chegou a casa e disse-lhe a filha mais nova: «Meu pai, quer os ramos juntos ou cada um por sua vez?» «Quero-os cada um por sua vez, como eu os dei.» Ela mostrou o seu ramo ao pai e depois passou-o às outras que, cada uma por sua vez, o mostraram ao pai, que julgou ver os três ramos e ficou muito contente por eles estarem verdes.

8O conde foi pedir ao rei a filha mais nova e o rei disse-lhe que sim; disse-o à filha e ela respondeu: «Não, meu pai, não o quero.» «Filha, dei a minha palavra: tu hás-de casar com ele.» «Meu pai, não quero.» Por fim, não teve remédio senão casar com o conde; mas enquanto esteve o ajuntamento dos convidados a beber e a jogar e a dançar, ela vai ao quarto em que havia de dormir e pegou num odre de mel e pô-lo na cama e apertou uma parte dele com uma corda fingindo assim uma cabeça e meteu-se debaixo da cama, segurando a ponta da corda. Ele veio-se deitar. Chegou dentro do quarto e fechou a porta e disse: «Ora, D. Esvintola, hoje é o teu dia derradeiro. Lembras-te de quando eu te rasguei o vestido?» E deu com a espada no odre, supondo ser ela, e Esvintola por baixo puxava pela corda para acenar que sim, que se lembrava. «Lembras-te de quando me descalçaste as botas?» E ela acenava que se lembrava e ele dava no odre com a espada. «Lembras-te de quando me botaste ao poço? E ela acenava que sim que se lembrava e ele dava-lhe com a espada. «Lembra-te a ti, diabo, quando me deste a coça?» E ela acenava que sim e ele deu com toda a força no odre e o mel saltou-lhe aos beiços e ele exclamou:

Ai, D. Esvintola,
Tão brava na vida
E tão doce na morte!

9E ela saiu de debaixo da cama e disse: «Ai, meu marido, aqui estou viva! Perdoa-me que, se eu fosse tão tola, não estava agora aqui.»

10(Ourilhe)

Notes

1 Caiu porque lhe embaraçavam os pés os canos das botas.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search