Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XLI. A machadinha

Texte intégral

1Um camponês tinha uma filha e casou-a com um rapaz da sua terra. No dia da boda, estando à mesa os noivos, os pais e as mães deles e muitos convidados, disse o camponês para a mulher: «Ó Maria, vai à adega buscar mais vinho, pois quero fartar os nossos convidados.» Foi a mulher à adega e ia-se passando muito tempo sem que ela voltasse. Então o camponês levantou-se da mesa e foi ver se tinha sucedido alguma coisa à mulher. Chegado à adega, viu a mulher parada a olhar para uma machadinha que estava pendurada no tecto e perguntou-lhe: «Ó mulher, que estás tu aí a fazer?» Responde-lhe ela: «Olha, homem, estava a lembrar-me que, quando a nossa filha tiver pequenos, se eles para aqui vierem brincar, que lhes pode cair aquela machadinha na cabeça e matá-los!» «Dizes bem, mulher. Ai se tal sucedia!» E ficou também a olhar para a machadinha. Vendo a noiva que o pai e a mãe não vinham, foi ter com eles à adega, e perguntou-lhes o que estavam fazendo ali. Então eles responderam: «Olha, filha, estavamo-nos lembrando que, em tu tendo meninos, se eles vierem brincar para aqui, lhes pode cair aquela machadinha na cabeça e matá-los.» «É verdade, senhora mãe, que pode isso acontecer.» E lá ficou também a olhar para a machadinha. Pouco a pouco todos os convidados que estavam à mesa foram para a adega olhar para a machadinha.

2Restava só o noivo, que foi por último, mas, ao ver a doidice daquela gente, fugiu em busca de uma terra onde não houvesse gente tão doida. Ao chegar a uma terra, viu muita gente a fugir, outros subindo para cima das árvores e de muros, e outros fechando as portas e as janelas. Finalmente havia o terror e o medo por toda a parte; parecia o acabamento do mundo. O rapaz perguntou então o que era a causa de tantos medos como iam naquela terra; e responderam-lhe que andava lá um bicho que comia gente e que ninguém se atrevia a matá-lo. O rapaz, ao ver o bicho, soltou uma gargalhada, pois a causa do terror daquela gente não era mais de que um perú; e ofereceu-se para o matar, sob condição de lhe darem muito dinheiro. Morto o peru, recebeu o rapaz grandes somas de dinheiro e partiu para outra terra. Ali andavam muitas mulheres e crianças com joeiras ao sol. Ele então perguntou o que andavam fazendo e responderam-lhe que andavam a apanhar o sol para o levarem para casa, pois não entrava lá nem de Verão nem de Inverno. O rapaz respondeu-lhes que elas não eram capazes de apanhar o sol, mas que, se lhe pagassem bem, ele era capaz de lho pôr dentro das casas. As mulheres deram todas muito dinheiro ao rapaz e ele tirou-lhes algumas telhas dos telhados e logo elas viram o sol dentro das suas casas. Partiu o rapaz para outra terra, já muito admirado do que tinha visto, quando se lhe depara uma mulher que estava enfeitando uma porca com muitos cordões de ouro, fitas e flores; e perguntou-lhe: «Para onde quereis mandar esse animal que estais enfeitando?» Ao que a mulher respondeu; «Saiba vossemecê que eu sou viúva e que o meu homem fazia hoje anos, e por isso quero ver se encontro um portador para o paraíso, para lhe mandar esta porca e esta bolsa de dinheiro.» Respondeu o rapaz: «Nunca vossemecê falou mais a tempo, pois para o paraíso é que eu vou.» A mulher entregou-lhe a porca e o dinheiro.

3O rapaz já não cabia em si de contente com tanto dinheiro que levava e, convencido de que no mundo já não havia gente de juízo, resolvia-se a voltar a casa da sua noiva. No caminho, porém, deteve-se por causa de muitos gritos de «Ai, quem me acode, quem me acode!» que ouviu e, tendo-se aproximado do sítio donde partiam os gritos, viu muitos homens deitados uns sobre os outros e perguntou-lhes: «Porque estão aí a gritar? Porque não se levantam?» Eles responderam: «Estamos aqui há três dias sem nos podermos levantar, pois não sabemos quais são as pernas de cada um.» Respondeu-lhes o rapaz que ia já fazer com que eles se levantassem, mas que lhe haviam de dar muito dinheiro. Eles logo disseram que todos lhe haviam de pagar muito bem. O rapaz pegou então num cajado e começou a bater nas pernas dos homens, e eles puseram-se a gritar: «Ai, ai, as minhas pernas!» e começaram todos a levantar-se. Depois deram muito dinheiro ao rapaz, e ele lá voltou muito rico para casa da sua noiva, e mandou tirar a machadinha da adega; e viveu sempre muito feliz.

4(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search