Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XL. A menina e o figo

Texte intégral

1Uma madrasta tinha uma enteada muito linda e com uns cabelinhos muito loiros; e costumava mandá-la para o quintal guardar um figo que tinha na figueira, recomendando-lhe que não o deixasse comer pelos pássaros, pois, se tal sucedesse, a matava. Um dia que a menina estava descuidada, veio um passarinho e levou o figo no bico. A menina chorou e tornou a chorar, mas a madrasta não se comoveu e enterrou a menina no quintal. Passado tempo, nasceu uma roseira de toucar na sepultura da menina. Ora, a mestra que tinha ensinado a menina a ler, notando a falta dela, foi um dia a casa da madrasta e perguntou o que era feito da menina. A madrasta respondeu que não sabia e mandou-a passear para o quintal com as outras meninas. Uma das meninas, vendo a roseira, arrancou uma rosa e ouviu vozes que diziam:

Não me arranques o meu cabelo,
Que minha mãe mo criou,
Meu pai mo penteou,
Minha madrasta me enterrou,
Pelo figo da figueira,
Que o passarinho levou.

2A mestra foi logo dar parte disto à justiça, e esta mandou cavar a terra e encontrou a menina ainda viva. Mandou prender a madrasta, a menina foi para a companhia da mestra e veio a ser muito feliz.

3(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search