Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXXIX. A pele do piolho

Texte intégral

1Era um rei que tinha uma filha que costumava catá-lo e um dia encontrou-lhe um piolho na cabeça e disse: «Meu pai e senhor, Vossa Majestade tem aqui um piolho.» Então o rei respondeu: «Deixa-o ficar, pois quero que ele cresça.» Cresceu tanto o piolho que já não cabia na cabeça do rei; e então este ordenou que se matasse e que da pele se fizesse um tambor. Assim se fez, e então a princesa disse ao rei que mandasse reunir a corte toda, e toda a gente que ele quisesse, e que aquele que adivinhasse de que tinha sido feito o tambor seria o seu esposo. Ora o rei andava com muitos desejos de casar a filha, e por isso aceitou logo a proposta, e deu ordens para que se reunisse muita gente; e que aquele que adivinhasse de que tinha sido feito o tambor casaria com sua filha. Havia na corte um fidalgo de que a princesa muito gostava e que também se apresentou para adivinhar, e quando estavam já muitos homens reunidos, chegou o rei e a princesa e perguntaram: «De que foi feito este tambor?» e mostraram o tambor que era levado por um velho criado do rei. A princesa então aproximou-se do fidalgo que amava e disse-lhe: «Pele de piolho» , mas ele não ouviu, e o criado que conduzia o tambor, como estivesse atrás da princesa, ouviu o que ela dizia; e então aproximou-se do rei e disse; «Saiba, Vossa Majestade, que este tambor foi feito da pele de um piolho.» Então o rei respondeu logo: «Adivinhaste, e como palavra de rei não volta atrás, casarás com a princesa.» Então, ela toda lavada em lágrimas, chegou-se ao pé do velho e disse-lhe:

Se eu casar contigo, velho,
Há-de ser com tal tenção,
De eu dormir em boa cama,
E tu, velho, nesse chão.
E tu, velho, se falares,
Hás-de levar com um bordão.
Eu hei-de comer pão alvo,
E tu, velho, de rolão,
E se tu, velho, falares,
Hás-de levar com um bordão.

2Em vista disto, o velho não quis casar com a princesa, e disse-lhe que casasse ela com o fidalgo; e assim se fez.

3(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search