Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXXVIII. As três lebres

Texte intégral

1Havia noutros tempos um rei que tinha uma filha, que dizia que só casaria com o homem que fosse capaz de inventar uma adivinhação que ela não adivinhasse. Correram ao palácio muitos príncipes e fidalgos, mas todos se foram sem que as suas adivinhações ficassem por adivinhar. Foi-se passando muito tempo e estas notícias corriam por muitas partes, até que chegaram aos ouvidos de certo aldeão muito esperto e ele, ao saber isto, dispôs-se logo a partir para o palácio, sem saber ainda o que havia de perguntar à princesa. Montou a cavalo, sem mais bagagem do que o seu livro de orações, e sem farnel de qualidade alguma. Durante o caminho teve fome e sede, mas não havia ali em tal descampado nem comer nem água; então o aldeão, olhando, viu morto no chão um coelho, tomou-o, e depois de o esfolar, fez uma fogueira do seu livro de orações, assou o coelho e comeu-o. A sede era, porém, cada vez maior; ele então fez correr muito o cavalo até que o suor lhe caía em bica; apanhou-o no seu chapéu e bebeu-o, e depois continuou a sua viagem. Chegado ao palácio, viu muitos fidalgos que perguntavam adivinhações à princesa e ela tudo adivinhava. Então ele, depois de todos terem falado, levantou-se e disse:

«Comi carne sem ser caçada
Em palavras de Deus assada;
Bebi água que não foi do céu caída,
Nem também na terra nascida.

2Adivinhai agora, princesa, se de tanto sois capaz.»

3Então a princesa disse que pedia três dias para adivinhar, pois era esta a que maiores voltas lhe havia de fazer dar à cabeça. Ficou o aldeão no palácio à espera que a princesa adivinhasse; mas logo no primeiro dia foi ter com ele uma aia da princesa que lhe disse: «Explicai-me o que hoje perguntastes à princesa e far-vos-ei tudo o que me pedirdes.» Respondeu o aldeão: «Explicar-vos-ei tudo daqui a três dias, se me deixardes ficar esta noite no vosso quarto.» Disse logo a aia que sim, e fez uma cama no chão para o aldeão dormir nela. Deitou-se o aldeão e a aia, julgando que ele já dormia, deitou-se também; mas logo que viu que ela estava deitada, tirou-lhe uma saia que ela tinha despida e saiu do quarto. No dia seguinte foi ter com ele outra aia da princesa, a quem sucedeu o mesmo que à primeira. Finalmente, sem saber o que tinha sucedido às aias, foi a princesa ao terceiro dia ter com o aldeão, e ele disse-lhe também o mesmo que tinha dito às aias; mas em vez de tirar uma saia à princesa tirou-lhe o seu chambre de dormir, que era de finas rendas. No quarto dia, logo de manhã, foi o aldeão explicar a adivinhação às aias e à princesa; e à hora em que a corte estava toda reunida para ouvirem, a princesa respondeu logo: «A carne sem ser caçada, em palavras de Deus assada, era um coelho que enconwtraste morto no caminho e que assaste no teu livro das orações. A água sem ser da terra nascida, nem do céu caída, era o suor do teu cavalo.» «É verdade» , disse o aldeão. Então o rei, levantando-se, ordenou ao aldeão que se fosse para a sua terra pois nada tinha a esperar. Mas ele disse logo: «Já que a princesa é tão inteligente, peço-lhe que adivinhe agora esta:

Quando neste palácio entrei
Três lebres encontrei,
Todas três esfolei;
E as peles delas mostrarei.

4Ia para mostrar as saias das aias e o chambre da princesa, mas esta levantou-se logo e disse: «Basta, basta, serás meu esposo, pois és o homem mais esperto que aqui tem vindo.»

5(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search