Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXXVII. O homem que busca estremecer

Texte intégral

1Era um homem rico e tinha um filho que nunca estremeceu com nada. Dava-lhe o signo dele de ir passar muitas terras e não seria timorato, nunca teria medo a coisa nenhuma. Disse para o pai: «Meu pai, dê-me o que me pertence, que eu cá vou viajar.» Deu-lhe moço, cavalo e dinheiro; chegou a uma terra; pediu se o acolhiam; disseram-lhe que não; que havia aí uma casa rica, mas que a família não vivia lá; andava lá um diabo estoirando dentro das casas. Ele foi pedir à dona da casa se ela lá o deixava ficar; ela consentiu. Foi e tarde da noite ouviu dizer: «Eu caio.» Disse ele: «Cai para aí!» «Caio junto ou aos bocados?» «Cai aos bocados.» Depois caiu uma perna; daí a bocado caiu outra e por fim caiu o resto. O rapaz disse: «Da parte de Deus te requeiro que te ponhas a pé e digas o que queres.» Uniram-se as partes do corpo e ficou um homem que disse: «Eu sou o dono desta casa; possuía uma quinta alheia, que não me pertencia; se a minha mulher não a restituir, vou para o inferno e toda a minha família; se a restituir, vamos para o céu.» O rapaz disse-lhe: «Pois eu digo-lho e estou certo que ela a há-de restituir.» «Na adega está também um caneco cheio de dinheiro debaixo da cuba grande; vai buscar um ramo de oliveira para eu o ir lá pôr.» O rapaz foi buscar um ramo de oliveira e o medo foi pô-lo na adega para se saber onde estava enterrado o dinheiro. Ao outro dia o rapaz foi ter com a viúva e disse-lhe como se passara todo o transe e que restituísse a quinta aos pobres a quem ela pertencia, senão ia o marido dela para o inferno e toda a família dela. «Pois, senhor, fico-lhe muito obrigado.» Foram à adega e acharam no sítio onde estava o ramo de oliveira o dinheiro enterrado e nos sítios onde o tal sujeitinho tinha deixado as pegadas estava queimado no chão. A senhora disse-lhe: «Há-de demorar-se até fazermos entrega da quinta aos seus donos.» Depois que isso fizeram, disse a senhora ao rapaz: «Eu de mim não tenho que lhe dar, só se quer a minha filha.» Ele disse: «O meu signo dá-me de andar a ver muitas terras e eu quero ir solteiro para a minha terra.» A filha disse: «Nós não temos nada que dar àquele senhor; demos-lhe um casal de pombas fechadas num gigo.» Ele levou o gigo e caminharam. Chegados a certo sítio, disse o criado para o amo: «Ó meu amo, vamos a ver o que vai aqui! Ele, o quer que é, bole.» O amo pegou no gigo, vai a desatá-lo e as pombas esvoaram-lhe pela cara e ele estremeceu; volta a casa para agradecer à tal senhora o obséquio que lhe fez com o presente que lhe quebrou o fado e casou com a filha dela e depois voltou para a terra.

2(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search