Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXXVI. A enjeitada

Texte intégral

1Era uma mulher que tinha uma filha e uma enjeitada em casa. A enjeitada era muito bonita e a filha muito mona; a mãe queria muito à filha e à enjeitada atirava-lhe muito. Tinha ela uma vaca; mandava a enjeitada guardar a vaca; dava-lhe um peso de estopa e ela havia de lho trazer fiado e dobado. Havia uma rapariga que andava no monte com ela e dobava-lhe o fiado nos braços. Um dia a rapariga assanhou-se com a enjeitada e esta pôs-se a chorar muito e a dizer que não tinha quem a ajudasse a dobar o fiado; nisto apareceu-lhe uma mulher e a mulher disse-lhe: «Ó menina, tu que tens?» «Tenho muito medo que minha ama me bata em chegando a casa; ela mandou-me dobar o fiado e uma rapariga que me ajudava a fiá-lo assanhou-se comigo e eu não tenho agora quem me ajude.» «Olha, menina, não chores; anda cá; tu hás-de dobar a tua meadinha nos chifres da tua vaca.» «Ela não está queda, que é brava.» «Há-de estar mansa.»

2E a mulher começou-lhe a dobar a meada em cirna da cabeça da vaca. Ficou a pequena muito contente e disse: «Ó senhora, se quiser que lhe dê alguma voltinha, eu dou-lha!» «Olha, quero que me vás buscar um cantarinho de água.

3Ela levou-lhe o cantarinho de água a casa e a mulher disse: «Abençoada sejas tu; quando tu falares, pérolas finas botes tu pela boca fora.»

4A rapariga, já se sabe, ia falando pelo caminho e iam--Ihe caindo pérolas muito ricas pela boca fora e ela ia-as colhendo no avental.

5Chegou a casa com a meada fiada e a mãe ficou muito contente com as pérolas e perguntou-lhe o que aquilo tinha sido; ela contou-lho e a mãe mandou lá a filha a ver se lhe sucedia o mesmo. A filha foi, procurou a mulherzinha e disse-lhe: «Ó mulher, quer que eu lhe leve um cântaro de água?» «Pois sim; vai por ele.»

6Ela foi, mas chegou à porta da cozinha e quebrou o cântaro e ela disse: «Amaldiçoada sejas; saramagos lances tu pela boca fora quando falares, já que me quebraste o meu cantarinho.»

7A rapariga chegou a casa e quando falava deitava saramagos pela boca fora.

8Soube-se que havia a rapariga que lançava as pérolas pela boca fora e houve muito quem quisesse casar com ela. Ajustou-se casamento com um rapaz e os pais combinaram que se havia de esconder a enjeitada e apresentar a filha com as pérolas da outra na aba e dizer que ela era muda.

9Fez-se o casamento e, quando iam para a igreja, ia uma voz em par do noivo e dizia:

Pérola fina fica na cuba
E o saramago vai na burra.

10Porque a enjeitada tinha sido metida numa cuba e a noiva ia numa burra. Depois o noivo disse: «Eu volto para trás que vou muito incomodado e receio deixar a menina viúva. Se melhorar, casaremos amanhã.»

11Ao outro dia vai lá a casa com a justiça e lá acharam a pobre da rapariga metida na cuba. Ela contou tudo em termos que o noivo deixou a outra e casou com a enjeitada.

12(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search