Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXXII. A sina

Texte intégral

1Era uma vez um rei que tinha dois filhos, um macho e outro fêmea. Como era de uso, logo que cada um tinha nascido, lhe mandou ler a sina. A da donzela foi que antes dos dezoito anos havia de ter um naufrágio, o que queria dizer que havia de ter um filho de um homem solteiro; e a do rapaz que havia de matar o pai a punhal. O rei ficou muito triste com esta sorte e, para os livrar dela, mandou fazer uma torre onde não entrasse a luz do dia e meteu nela a filha com uma aia a guardá-la e ao filho mandou fazer um caixãozinho de pau todo forrado de seda e veludo por dentro e por fora e foi ele deitá-lo a um rio que passava muito longe do palácio. Passou muito tempo e a filha nem conhecia pai nem mãe, só falava com a aia e mais ninguém. Vem uma tempestade e um raio parte uma pedra da torre. Um dia estava ela a espreitar para o jardim e viu um lindo moço que era criado de palácio; perguntou à aia o que era aquilo e ela disse-lhe que era um escudeiro do rei. O moço, que tinha também visto aquela cara a espreitar, todos os dias vinha àquela mesma hora vê-la. Uma ocasião ele perguntou-lhe porque vivia assim fechada, ao que ela respondeu encolhendo os ombros; se lhe deixava ir fazer companhia; ela disse-lhe que sim e deitou abaixo um lençol da sua cama e ele subiu. Ao fim de nove meses achou-se pejada; disse-o à aia; teve um menino; começaram ambas a chorar e a chorar muito e por fim a aia levou a princesa a matá-lo. Estavam a degolá-lo quando entrou o rei que tinha ouvido chorar uma criança; perguntou o que era aquilo que tinham escondido, porque elas, assim que ouviram passos, trataram de o esconder; ele foi ver e ficou sem pinta de sangue e, cheio de raiva, matou-as a ambas.

2Muitos anos se passaram e ninguém soube mais nada do filho. A rainha chorava e andava sempre triste a chamar pelo seu filhinho. Quando o rei deitou o caixão ao rio, ele foi levado pela corrente e foi parar na roda de uma azenha. Vivia nesta azenha um moleiro e uma moleira que eram casados havia muito e que não tinham filho nem filha. Ouviram chorar, foram ver e agarraram no caixão e abriram-no. Ficaram muito contentes por verem um menino tão gordinho e tão lindo como uma estrela. Disseram um para o outro: «Já que Deus não nos deu nenhum, criemos este.» E foram-no criando. Chegando já a grande, perguntaram-lhe o que ele queria ser; disse que queria ser alfaiate. Ensinaram-lhe este ofício e ele dentro em pouco era o melhor mestre daqueles arredores. Correu fama e chegou isto ao palácio. A rainha, às escondidas do rei, mandou-o chamar; ele foi e ela, para experimentar, mandou que fizesse um vestido à sua aia que era uma escrava moira chamada Isabel que o rei tinha cativado numa guerra com os moiros. O alfaiate olhou para o corpo da escrava e não foi preciso mais nada, dizendo à rainha: «Amanhã cá lho trarei pronto.» Admirou-se a rainha da pressa, mas no dia seguinte mais admirada ficou quando ele o trouxe porque assentava no corpo tão bem que era uma maravilha. Mandou logo fazer um de damasco para si dizendo: «Amanhã pagarei tudo.» Ele trouxe-lho e a rainha lhe perguntou quanto lhe devia, ao que ele respondeu: «Nada me deveis.» Ela então abriu um cofre que tinha, todo de ouro e pedras ricas, cheio de jóias de prata e de oiro e de tudo que havia de riqueza e lhe disse: «Tomai dali o que quiserdes.» Ele viu um punhal de cabo de marfim, todo cravejado de brilhantes e foi isto que tomou. Estava para se ir em boa paz quando entrou o rei, que, vendo ali no quarto da rainha um desconhecido, tirou da espada para o matar e ele defendeu-se com o punhal. O rei cresceu para ele e este deu-lhe uma punhalada que o fez cair redondo ao chão. A rainha e a aia principiaram a gritar; acudiu toda a gente do palácio. Logo que viram o rei cheio de sangue, prenderam o criminoso e o rei mandou-o logo ali despir e açoitar. Despiram-no da cinta para cima e já lhe tinham dado muitos açoites quando a rainha disse: «Não batais mais; este sinal que ele tem nas costas é o sinal que o meu filho tinha.» «Perguntem quem é o pai deste homem já» , disse o rei. Correram por toda a parte quando, depois de dois dias, veio um criado com o moleiro, que contou o sucedido e «para prova ainda aqui trago o caixão.» Desembrulhou e o rei disse então que ele era seu filho e morreu. Ele ficou governando o reino de seu pai até que de tanto chorar cegou. Procuraram-se remédios e médicos por toda a parte e nada lhe dava vista. Foram a uma fada e ela disse que só quem fosse muito longe buscar a baba do passarinho azul que estava empoleirado na árvore mais alta do mundo; que havia de ser virgem e filha de reis. Foram lá muitas virgens, mas o passarinho voava, até que Isabel lembrou-se de ir também; foi e, logo que chegou ao sítio, viu o passarinho e subiu à árvore, e ele deixou-se pilhar e tirar a baba de um baldinho que trazia dependurado ao pescoço. Trouxe Isabel a baba ao palácio e untou com ela os olhos do rei e ele logo viu. Casou com ela e houve bodas que duraram muitos dias. Viveram sempre muito felizes e acabou.

3(Espadanedo)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search