Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXXI. Pele-de-Cavalo

Texte intégral

1Era um rei que tinha três filhas e estava viúvo e queria casar outra vez; falou a uma dama para casar com ele e ela disse-lhe: «E as suas filhas, que rumo se lhes há-de dar?» «As minhas filhas, se isso é dúvida, eu hoje vou-as arrumar.» Chegou a casa e disse às filhas: «Meninas, preparem-se que vão ver o que nunca viram; havemos de ir à torre de Moncorvo.» As filhas prepararam-se e caminharam com ele. Ele chegou à torre e disse-lhes: «Meninas, ficai aqui que eu vou fazer uma visita a um amigo e volto por aqui para levar-vos.» Foi-se embora e deixou-as; enquanto não casou, deu-lhes de comer e fazia caso delas; depois de casado, não lhes mandava nada.

2Um dia, quando elas não tinham que comer, disse a filha mais velha para as outras: «Ai, Jesus, que fome eu tenho! O verdadeiro é vós matardes-me e comeres-me.» E nisto morreu; e depois, passados dois dias, a irmã que se lhe seguia na idade disse o mesmo e morreu. Ficou só a mais nova; subiu acima à torre e viu vir uma navegação que andava no mar e começou-lhe a acenar com um lenço. Os marinheiros disseram ao capitão do navio que viam acenar e ele veio buscá-la. Ela levou a roupa toda das irmãs e chegou a uma terra, topou uma velha e disse-lhe: «Ó minha velha, você não me arranja com que eu ganhe a minha vida?» «Arranjo se você quiser vir acarrar água para a casa para onde eu vou.» E ela disse-lhe: «E você para onde vai acarrar água?» «Vou acarrar água para o nosso rei.»

3A menina mandou fazer um vestido de uma pele de cavalo e andava acarrando água para o rei e na corte chamavam-lhe a Pele-de-Cavalo. E um criado da casa disse-lhe uma noite: «Ó Pele-de-Cavalo, queres tu cá ficar esta noite, que há cá um baile e o nosso rei tem dito que há-de fazer três bailes a eito e que aquela dama com quem ele dançar e de quem ele gostar lhe há-de dar um anel por lembrança e há-de casar com ela.» E ela disse: «Bem me importa a mim isso; eu vou mas é para onde está a minha velha.» Foi-se embora e à noite asseou-se muito asseada com a roupa da irmã mais velha e veio dançar e o rei dançou com ela; ao outro dia tornou ela a acarrar água e o criado repetiu-lhe o mesmo; ela disse: «Bem se me dá a mim disso; vou para onde está a minha velha.» Mas à noite vestiu-se com a roupa da sua segunda irmã e foi ao baileoutra vez. Ao terceiro dia disse-lhe o criado: «Pele-de-Cavalo, vem ao baile que hoje é a derradeira noite e o rei há-de dar o anel à dama de quem ele mais gostar. Ontem veio cá a mesma dama e ele dançou só com ela, de modo que as outras estão assanhadas com isso e dizem que é escusado cá vir, pois ele não as quer.» «Que me importa a mim isso? Vou-me para onde está a minha velha.»

4À noite vestiu-se com os seus fatos ricos e dançou com o rei, que no fim da dança lhe deu o anel. Ela, ao outro dia, continuou a acarrar água na forma do costume. O rei, como não sabia a quem dera o anel nem da dama, adoeceu. A enfermeira que o tratava disse à Pele-de-Cavalo-. «O rei está muito doente e é com paixão por uma dama com quem ele dançou as três noites a eito e não sabe quem é.»

5A enfermeira levava o caldo de galinha para o rei e a Pele-de-Cavalo deitou-lhe o anel que o rei lhe dera sem que aquela visse. O rei, vendo o anel, ficou muito contente e perguntou quem o lá tinha deitado; disseram-lhe que não sabiam; perguntou quem tinha passado ao pé do caldo e disseram-lhe: «Foi Pele-de-Cavalo.» O rei então mandou-a chamar e disse-lhe: «Quem foi que te deu o anel?» «Eu vou e volto e então direi quem foi.» Foi a casa, asseou-se com os seus fatos e disse ao rei: «Então Vossa Real Majestade conhece-me agora?» «Conheço. Sois a dama a quem eu dei o anel.» «Pois fui eu que o deitei no caldo.» «Pois como é isso?» Então Pele-de-Cavalo contou toda a sua história. O rei não a tomou a deixar ir a casa da velha e casou-se com ela.

6(Ourilhe)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search