Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXX. João Mandrião

Texte intégral

1Era uma vez uma mãe que tinha um filho que tinha quinze anos e ainda andava ao colo; até que lhe botaram o nome de João Mandrião. Passaram lá uns poucos de rapazes e convidaram-no para ele ir à lenha; ele disse que sim, que se eles o levassem a cavalo que ia; eles pegaram e levaram-no às costas. Chegaram ao pinheiral, mandaram-no apanhar lenha e eles foram apanhar a deles; chegaram ao pé de João Mandrião, ainda estava sentado no mesmo sítio; foram-lhe apanhar o feixe a ele; ele pôs-se de escacha-perna em cima do feixe de lenha e disse-lhes: «Se vós me levardes às costas, eu vou para casa.» Deixaram-no ficar e depois foram por casa dizer à mãe que o tinham deixado ficar; ele esteve lá três noites e três dias. Estava um ribeiro de água ao pé dele; saltou um peixinho acima dos joelhos dele; não fez caso do peixe; tomou o peixe para a água; depois tornou o peixe a saltar acima dos joelhos dele a ver se ele lhe pegava. O peixe disse-lhe: «João, pelo bem e amor que Deus te deu, pega em mim e bota-me à água e, assim que quiseres alguma coisa, com a tua mão direita meio fechada pede-me e diz: peixinho, pelo poder e bem que Deus te deu, pega em mim e põe-me aqui ou acolá ou dá-me isto ou aquilo, que tudo faço.» Ele pediu ao peixe que pegasse nele em cima do feixe e que o levasse para casa. Depois o feixe começou a andar com ele em cima. Em antes dele chegar a casa, estava um palácio e estava a princesa à janela e ele disse assim: «Peixinho, pelo poder e amor que Deus te deu, quero que aquela princesa tenha um filho meu, sem eu ter contrato com ela.» Ao fim de nove meses, a princesa teve um menino com a mão direita fechada; o rei admirou-se por a filha ter o menino; correu tudo quanto havia por mor de saber de quem era aquele filhinho e como não achou ninguém que lho dissesse foi chamado o João Mandrião. O criado chegou à porta do João Mandrião, bateu e ele perguntou quem era e o criado disse que era o rei que o mandava chamar e o João Mandrião disse: «Moço de rei em casa de João Mandrião grande novidade é: sim, se tu me levares a cavalo, vou.» Chegou o cavalo e o criado disse: «João, monta-te a cavalo!» «Se tu me levares ao colo, eu monto.» O criado levou-o ao colo para o cavalo. Chegou à porta do rei e o criado disse-lhe: «João, agora anda cá acima ao senhor rei.» O criado não teve remédio senão levá-lo ao colo. O rei disse: «Eu quero que tu me digas aquele menino de quem é filho e oque ele tem na mão direita fechada.» Ele disse assim: «Peixinho, pelo poder e amor que Deus te deu, quero que abras a mão àquele menino.» O menino abriu a mão e tinha lá um papel que dizia: «O meu pai será o João Mandrião.» O rei viu aquilo e mandou fazer um tonel de madeira para os meter a todos dentro, o João Mandrião, a filha e o neto. A rainha deu uma saquinha de biscoitos à filha para dar ao menino pelo mar e depois então o rei mandou acender uma corveta de fogo e mandou-os deitar nas alturas da Índia. A saquinha de biscoitos, quando a princesa ia para dar ao menino um biscoito, o João Mandrião tirava-lhe o biscoito; ela disse: «Deixa, que este biscoito é para o menino; nós somos grandes, podemos passar.» «Menino por menino, menino sou eu.» Quando o João Mandrião viu que estava sobre as águas do mar, pediu ao peixinho que o deitasse em seco, na praia; depois pediu ao peixe que destapasse o tonel e lhe desse uma roupa por mor dele se vestir. Ele disse para a princesa: «Fica aqui, que eu vou buscar um carro e roupa por mor de tu ires.» Ele foi e a princesa começou a declamar a sua sorte, pensando que ele ia e não a vinha buscar; ele, quando viu que estava ao pé do palácio do pai da princesa, viu um largo e disse assim: «Peixinho, pelo poder e amor que Deus te deu quero que me aqui apresentes imediatamente um palácio e um carro e roupa para eu ir buscar a princesa.» E chegou com ela ao palácio e ele tinha pedido que o peixinho pusesse à porta o nome dele que era o dono do palácio. O rei ia um dia a passear e leu o letreiro do palácio e disse: «João Mandrião! Eu é que o impus; aqui não havia outro; quem será?» Pediu licença ao guarda do palácio do João Mandrião, se o deixavam lá ir passear; o guarda disse-o ao João Mandrião e este mandou-o logo entrar; mas o rei não o conheceu e ele conheceu este. O João Mandrião foi mostrar-lhe o palácio até que lhe mostrou uma macieira com sete maçãs de ouro; o João Mandrião contou sete maçãs diante do rei; deu uma volta e tornou a vir contar e contou só seis, foi ver os bolsos dos hortelãos todos e depois foi ao bolso do rei e achou lá a maçã de ouro que faltava; mandou-o prender; esteve oito dias na cadeia; ao fim de oito dias foi lá o João Mandrião, a princesa e a rainha e o João Mandrião disse assim: «Você lembra-se de quando me mandou matar a mim, à sua filha e ao seu neto nas alturas da Índia? Assim havia eu de fazer agora; mas enfim perdoo-lhe.» Fizeram as pazes; o João Mandrião casou com a princesa e viveram muito felizes.

2(Foz do Douro)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search