Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXVIII. Os meninos perdidos

Texte intégral

1Um pai tinha um filho e uma filha e costumava mandá-los ao mato buscar lenha. Um dia os meninos foram e perderam-se no caminho. Depois de terem caminhado muito, avistaram uma luz; foram-se aproximando e viram junto da luz uma casa; entraram e viram uma bruxa que estava fritando filhós; a bruxa tinha só um olho, no meio da testa, e por isso não viu logo os meninos. Ora os meninos, como iam com muita fome, tiraram com muito jeitinho as filhós, e a bruxa, julgando ser o gato que as tirava, dizia:

Sape, gato lambão,
Logo te dou teu quinhão.

2E continuava a fritar; e os meninos, vendo o engano da bruxa, deram uma gargalhada. Ela então olhou para eles e disse: «Sois vós, meus meninos? Vinde cá, vinde cá.» Pegou nos meninos e meteu-os dentro de uma arca de castanhas, recomendando-lhe que comessem bastante até estarem bem gordinhos. Os meninos iam comendo as castanhas, e a bruxa disse-lhes um dia: «Metei o dedinho pelo buraco da fechadura para eu ver se já estais gordinhos.» Os meninos, em vez de meterem os dedinhos, meteram o rabo de um ratito que tinham achado na arca. A bruxa disse ao vê-lo: «Ainda estais muito magrinhos; continuai a comer.» Passado tempo, tornou outra vez a dizer aos meninos que deixassem ver os dedinhos e eles não tiveram remédio senão mostrar-lhos, pois já não tinham o rabo do rato. Então a bruxa disse-lhes: «Agora já podeis sair da arca, pois já estais bem gordinhos.» Depois disse aos meninos que fossem buscar lenha para aquecer o forno; e deu-lhes um pão, recomendando-lhes que comessem só o miolo, mas que não o partissem; deu-lhes também uma cabaça de vinho, dizendo-lhes que o bebessem sem lhe tirar a rolha; deu-lhes mais dois punhados de tremoços, dizendo-lhes que os comessem e deitassem as cascas pelo caminho, para depois se guiarem por elas quando voltassem para casa. Partiram os meninos para o mato; e no caminho encontraram uma velhinha que lhes perguntou para onde eles iam. Os meninos contaram-lhe tudo o que lhes tinha sucedido e disseram-lhe que tinham fome, mas que não sabiam como haviam de comer o pão sem o partir. Então a velhinha fez-lhes um buraquinho no pão, tirou o miolo e deu-o aos meninos; depois fez também um buraquinho na cabaça para os meninos beberem o vinho e disse-lhes que fossem apanhar a lenha, que ela os esperava no caminho. Voltaram os meninos do mato e encontraram outra vez a velhinha, que lhes disse: «Meus meninos, a bruxa vai aquecer o forno para vos assar; ela há-de dizer-vos que danceis na pá e vós haveis de dizer-lhe; dançai vós primeiro que é paranós aprendermos; depois ela dançará, e vós direis: ‘Valha-me Nossa Senhora e São José’ e deitai-a no forno.» Levaram os meninos a lenha; a bruxa aqueceu o forno e disse aos meninos: «Dançai aqui na pá.» «Dançai vós primeiro para nós aprendermos.» A bruxa pôs-se a dançar na pá e os meninos disseram: «Valha-me Nossa Senhora e São José» e deitaram a bruxa para dentro do forno.

3A bruxa deu um grande estoiro e morreu, e os meninos voltaram para casa de seu pai e levaram o dinheiro que a bruxa tinha em casa.

4(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search