Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXVII. O conde encantado

Texte intégral

1Uma avó tinha uma neta a quem queria muito mal, e um dia disse-lhe que a havia de queimar em vida; e mandou-a buscar lenha para aquecer o forno. A menina foi, muito triste, e em vez de apanhar a lenha foi caminhando, caminhando, até que avistou um palácio; aproximou-se dele e bateu; depois apareceu-lhe um conde e perguntou-lhe o que ela queria.A menina respondeu que ia ver se a queria para criada e o conde respondeu que sim. Vivia a menina muito feliz no palácio; até que ele disse-lhe um dia que se sentia muito doente e por isso que ia para casa de sua mãe para se tratar; que de vez em quando a viria visitar, mas que era preciso que ela pusesse na janela uma bacia com água para ele se lavar e uma toalha para se limpar; e recomendou muito à menina que não chegasse à janela porque podia passar algum homem da terra dela e ir dizer à avó que a tinha visto. Punha a menina a toalha todos os dias na janela, e o conde vinha transformado em passarinho; lavava-se na água e entrava em casa, aparecendo à menina já transformado outra vez em homem.

2Um dia a menina ficou mais um bocado à janela, e nisto passou um homem da terra dela, viu-a e foi contar à avó da menina que a tinha visto e que ela tinha na janela uma bacia com água e uma toalha. Então a avó disse ao homem que fosse ele deitar no fundo da bacia uma roda de navalhas bem afiadas, mas que a neta não percebesse. Foi o homem lá pôr as navalhas e quando o passarinho se foi lavar na água, cortou-se todo nas navalhas e limpou-se à toalha deixando-a toda ensanguentada; depois foi-se embora sem aparecer à menina. Passaram-se muitos dias sem a menina ter notícia do conde e, como ela visse a roda das navalhas na bacia e o sangue na toalha, andava muito triste por se lembrar que o conde teria morrido. Finalmente, o conde mandou por um criado dizer à menina que estava muito doente e que era preciso que ela o fosse ver, mas que levasse uns fígados de rolas, para com eles o curar. Partiu a menina sozinha por esses caminhos, pois a casa da mãe do conde ficava muito longe daqueles sítios; quando anoiteceu, deitou-se debaixo de uma árvore, esperando que aparecesse alguma rola para lhe tirar os fígados. Quando amanheceu, já a menina tinha apanhado algumas e depois foi pedir a um pastor que lhe ensinasse o caminho para o palácio da mãe do conde.

3Chegada ali, pisou os fígados das rolas em um almofariz e começou a tratar o conde com eles, de forma que em pouco tempo já ele estava bom. Então o conde disse à mãe que queria casar com a menina. Só ela tinha feito com que acabasse o seu encanto, pois nunca tinham conseguido arranjar os fígados de rolas para o curar. Casaram e tiveram muita fortuna.

4(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search