Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXV. O Carneirinho Branco

Texte intégral

1Havia uma rainha que vivia muito desgostosa por não ter filhos; tinha ela muita devoção com uma Senhora da Encarnação que tinha no oratório, e costumava muitas vezes ir pedir-lhe que lhe desse um filho, e dizia:

Senhora da Encarnação
Dai-me um filho
Ainda que seja um leão.

2Um dia que ela estava a uma janela viu passar um pastor com um rebanho de carneirinhos brancos; e foi para o seu oratório pedir à Senhora:

Senhora da Encarnação
Dai-me um filho
Ainda que seja um carneirinho.

3Passado algum tempo, deu a rainha à luz um cameirinho branco, que logo que chegou à idade de dois anos disse à rainha: «Minha mãe, eu quero casar com a filha do rei do conselho.» Respondeu-lhe a rainha: «Ó meu filho! Pois tu, um carneirinho, queres casar?» «Quero, sim, minha mãe.» Depois transformou-se num príncipe e foi a casa do rei do conselho, e disse à que estava para ser sua esposa: «Então a menina quer casar com um carneirinho?» Ao que ela respondeu: «Não tem dúvida, que eu, quando me for deitar, mato-o.» Casou o carneirinho com a filha mais velha do rei do conselho, e à noite, quando se foi deitar, viu que ela tinha uma faca debaixo da cabeceira para o matar; e ele então tirou a faca e matou a menina.

4Passado tempo, tornou o carneirinho a dizer à mãe: «Minha mãe, eu quero casar com a segunda filha do rei do conselho.» «Então tu, filho, queres casar outra vez?» Foi outra vez o carneirinho a casa do rei do conselho, e disse à que estava para ser sua esposa o mesmo que tinha dito à irmã, e ela respondeu também: «Deixá-lo, que eu mato-o.» Casaram, e sucedeu o mesmo que da primeira vez. Tornou outra vez o carneirinho a dizer à mãe: «Eu quero casar com a filha mais nova do rei do conselho.» A mãe deu-lhe a mesma resposta que das outras vezes. Foi o carneirinho, outra vez transformado em lindo príncipe, dizer à filha mais nova do rei do conselho: «Então a menina quer casar com um carneirinho?» Ao que ela respondeu: «Deixá-lo; é Deus que mo dá.»

5Ora, o carneirinho branco era nem mais nem menos do que um príncipe encantado, e para se transformar em príncipe despia sempre sete peles; na noite em que se casou pela terceira vez despiu também as sete peles, e disse à menina que ele era um príncipe encantado, mas que ninguém tal sabia, nem mesmo sua própria mãe, e que não dissesse ela nada disto a ninguém. A menina ficou muito contente, e não se pôde conter sem que no outro dia fosse dizer à mãe do carneirinho que seu filho era um príncipe encantado. À noite, quando se foi deitar, disse-lhe ele: «Recomendei-te que não dissesses que eu era um príncipe, e tu foste dizê-lo; tinha-se acabado o meu encanto, e tu fizeste com que eu tenha de andar mais sete anos encantado; eu agora vou-me embora para o rio Sul, e tu irás procurar-me.»

6Foi-se o carneirinho embora, e a menina e a mãe dele ficaram muito tristes. Passados alguns dias, saiu a menina do palácio para ir procurar o carneirinho; e depois de ter andado muito, foi ter ao reino da Lua. Tendo ali chegado, perguntou à mãe da Lua se ela lhe saberia dar notícia de um carneirinho branco, assim e assim. Respondeu-lhe ela que não sabia, mas que se metesse ela naquele buraquinho, mas que não o fizesse maior, até que viesse sua filha. Chegada a Lua, perguntou-lhe a mãe se ela dava notícia do carneirinho branco; ela respondeu que não sabia dele, mas que talvez o Vento ou o Sol soubessem. Caminhou a menina até chegar a casa do Vento, mas sucedeu-lhe o mesmo que em casa da Lua. Foi a casa do Sol, e a mesma coisa. Já se iam passando os sete anos, e a menina ia perdendo a esperança de encontrar o carneirinho, quando lhe apareceu uma velhinha e lhe perguntou o que ela andava fazendo ali. A menina respondeu que andava em procura do seu esposo, que era um carneirinho branco, e ele tinha partido havia sete anos para o rio Sul, mas que ela não o podia encontrar. Então a velha, indicando-lhe uma grande porta, disse-lhe: «Aquela porta vai ter ao rio Sul; a menina entre e logo verá muitos passarinhos; aquele que vier deitar-se a seus pés, esse é o carneirinho branco.»

7Foi a menina, e viu muitos passarinhos, e logo veio um e deitou-se aos pés dela, e começou a picar-lhos. Então a menina disse-lhe: «Tu és o carneirinho branco?» Ele então transformou-se em um príncipe e foi com a menina para o palácio de sua mãe; acabou-se o encanto, e viveram muito felizes.

8(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search