Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXIII. Comadre morte

Texte intégral

1Havia um homem que tinha tantos filhos, tantos que não havia ninguém na freguesia que não fosse compadre dele e vai a mulher teve mais um filho. Que havia o homem de fazer? Foi por esses caminhos fora a ver se encontrava alguém que convidasse para compadre. Encontrou um pobrezito e perguntou-lhe se queria ser seu compadre. «Quero, mas tu sabes quem eu sou?» «Eu sei lá; o que eu quero é alguém para padrinho do meu filho.» «Pois, olha, eu cá sou Deus.» «Já me não serves; porque tu dás a riqueza a uns e a pobreza a outros.»

2Foi mais adiante; e encontrou uma pobre e perguntou-lhe se queria ser comadre dele. «Quero; mas sabes tu quem eu sou?» «Não sei.» «Pois, olha, eu cá sou a Morte.» «És tu que me serves, porque tratas a todos por igual.»

3Fez-se o baptizado e depois disse a Morte ao homem: «Já que tu me escolheste para comadre, quero-te fazer rico. Tu fazes de médico e vais por essas terras curar doentes; tu entras e, se vires que eu estou à cabeceira, é sinal que o doente não escapa e escusas de lhe dar remédio; mas, se estiver aos pés, é porque escapa; mas livra-te de querer curar aqueles a que eu estiver à cabeceira, porque te dou cabo da pele.»

4Assim foi. O homem ia às casas e, se via a comadre à cabeceira dos doentes, abanava as orelhas; mas se estava aos pés, receitava o que lhe parecia. Vejam lá se ele não havia de ganhar fama e patacaria, que era uma coisa por maior! Mas vai uma vez foi a casa de um doente muito rico e a Morte estava à cabeceira; abanou as orelhas; disseram-lhe que lhe davam tantos contos de réis se o livrassem da Morte e ele disse: «Deixa estar que eu te arranjo» , e pega no doente e muda-o com a cabeça para onde estavam os pés e ele escapa.

5Quando ia para casa, sai-lhe a comadre ao caminho: «Venho buscar-te por aquela traição que me fizeste.»

6«Pois, então, deixa-me rezar um padre-nosso antes de morrer.» «Pois reza.»

7Mas ele rezar, qual rezou! Não rezou nada e a Morte, para não faltar à palavra, foi-se sem ele.

8Um dia o homem encontra a comadre que estava por morta num caminho; e ele lembrou-se do bem que ela lhe tinha feito e disse: «Minha rica comadrinha, que estás aqui morta, deixa-me rezar-te um padre-nosso por tua alma.»

9Depois de acabar, a Morte levantou-se e disse: «Pois, já que rezaste o padre-nosso, vem comigo.»

10O homem era esperto, mas a Morte ainda era mais, pois não era?

11(Vila Nova de Gaia)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search