Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXII. O homem da espada de vinte quintais

Texte intégral

1Era uma vez um homem e uma mulher e não tinham filho nem filha; a mulher já era velha e disse assim para o homem: «Homem, nós não temos um filho para herdar o que nós temos.» E depois o homem disse assim: «Tu, mulher, que queres? É vontade de Deus, que se lhe há-de fazer?»

2Deus deu-lhe um filho, mas ele crescia da noite para o dia e na primeira noite que nasceu comeu dois pães moletes de pataco, a ponto que a mulher não tinha leite para criar o menino; compra (com sua licença) uma jumentinha para ele mamar. Chamavam-lhe o Mama-na-Burra.

3Ela já não tinha mais que lhe dar que comer; o menino já tinha sete anos e disse ao pai que queria uma espada que tivesse vinte quintais de ferro; o pai foi encomendá-la ao ferreiro; a espada no fim de dois meses estava feita e o ferreiro disse que a fosse buscar e que levasse dois carros e duas juntas de bois e depois então o pai mandou o filho buscar a espada; ele chegou ao ferreiro pediu a espada e diz o ferreiro assim: «Que é dos bois e do carro?» «Não é preciso os carros, que eu pego nela.»

4O ferreiro apostou como ele não pegava na espada; se ele pegasse na espada, o ferreiro devia dar-lhe seis contos de réis e, se ele não pegasse, dar-lhe-ia o Mama-na-Burra outro tanto.

5Ele foi pedir o dinheiro a um tio rico, que tinha, para depositar ao ferreiro; pegou na espada e andou com ela e o ferreiro perdeu assim a aposta.

6Ele foi levar ao tio o dinheiro que lhe tinha pedido emprestado; o tio disse que o desse a sua mãe para os fins da vida dela. Ele chegou a casa do pai e deu-lhe quatro contos e ficou com dois e foi viajar terras e levava a espada.

7Chegou a dois caminhos e viu um lavrador a lavrar e perguntou-lhe que caminho havia de seguir e ele pegou no carro e nos bois e arado e tudo numa mão e foi ensinar-lhe o caminho.

8E diz o moço assim para o lavrador: «Vossemecê é tão valente! Pega em tudo numa mão e vem-me ensinar o caminho!» «Sou valente, mas consta-me que há um chamado Mama-na-Burra que ainda é mais valente que eu.» Mas o moço nunca lhe disse que era o Mama-na-Burra.

9Ele foi indo, indo, e chegou a um pinheiral e viu um homem a deitar pinheiros abaixo; o homem já tinha oito pinheiros no chão e andava a botar mais quatro para fazer o feixe e diz-lhe ele: «Você é tão valente que é preciso doze pinheiros para fazer o feixe para botar às costas.» «Sou, mas consta-me que há um chamado Mama-na-Burra que ainda é mais forte que eu.» E ele disse-lhe se ele queria ir com ele que lhe dava oito vinténs por dia.

10Foram indo ambos e encontraram um homem a arrasar montanhas; cada vez que botava a enxada à terra arrancava três carros. O Mama-na-Burra disse-lhe assim: «Vós sois tão valente que botais três carros de terra abaixo.» «Sou; mas consta-me que há um chamado Mama-na-Burra que ainda é mais forte que eu.»

11Depois ele disse-lhe o mesmo e foram andando todos três e depois foram indo e encontraram umas casas no meio do caminho e perguntaram a uma mulher se ali havia alguém que desse dormidas. A mulher respondeu-lhes que estava ali uma casa, mas que quem lá entrava não tomava a sair. O Mama-na-Burra foi e bateu à porta e depois falou-lhe uma mulher e disse-lhe só se eles quisessem ir para a cozinha e ele foi.

12A primeira noite ficou lá o Tomba-Pinheiros e quando era meia-noite, veio o diabo pela chaminé abaixo e veio lidar com o homem a ver se o podia matar para o levar para o inferno. E depois Tomba-Pinheiros pôde mais que o demónio e este foi-se embora. Ao outro dia Tomba-Pinheiros estava muito triste, mas não disse aos outros o que lhe tinha acontecido.

13À segunda noite ficou lá o Arrasa-Montanhas e o diabo tornou a vir e o Arrasa-Montanhas pôde mais que ele e o diabo pegou, foi-se embora.

14À terceira noite ficou o Mama-na-Burra; veio o diabo pela chaminé abaixo e o Mama-na-Burra quando o viu disse: «És tu?» E pegou na espada e traçou-o ao meio e o diabo meteu-se por uma rama abaixo e o Mama-na-Burra chegou pela manhã e disse para os outros: «Havemos de arrumar aquela rama.»

15Arrumaram a rama e viram um poço fundo redondo; arranjaram umas cordas e um cesto e uma campainha; primeiro foi o Tomba-Pinheiros metido no cesto e os outros a segurar na corda; chegou ao meio do poço e viu muitos bichos e não pôde passar para baixo e tocou a campainha para os outros o içarem para cima.

16Chegou acima e foi o Arrasa-Montanhas-, chegou ao meio do poço e viu muitos bichos e não pôde também passar. Por fim disse o outro, dando-se só então a conhecer aos companheiros: «Agora é que cá vai o Mama-na-Burra.»

17Chegou ao meio do poço e com a espada conseguiu passar para baixo; chegou lá abaixo e viu uma sala muito bonita e viu lá três meninas encantadas que eram todas três irmãs filhas de um rei e elas perguntaram-lhe: «Menino, quem vos trouxe aqui?»

18E ele disse: «Fui eu que quis vir.»

19Disse uma: «Vai-te embora, senão vem o meu encanto e mata-te.»

20Perguntou ele: «O que é o teu encanto?» «É uma serpente.» «Não tem dúvida.»

21Veio o encanto e disse à princesa: «Tens cá carne humana.» «Não tenho.»

22O encanto entrou e o menino deu-lhe com a espada e matou a serpente. Ele desencantou a menina, que lhe deu um lenço marcado em todas as pontas com o nome dela. Ele meteu-a dentro do cesto, tocou a campainha e os companheiros içaram-na. Ele foi à segunda que também o mandou embora. Perguntou-lhe o que era o encanto dela e ela disse-lhe que era uma bicha. Veio o encanto que perguntou se tinha carne humana e o Mama-na-Burra matou-o. Ela deu-lhe uma maçã doirada e ele fê-la também içar.

23Depois foi à derradeira [princesa] e perguntou-lhe o que era o encanto dela e ela disse-lhe que era o diabo maioral. Quando o menino viu o demónio, disse: «Oh, a ti mesmo é que eu cá queria!» Pegou na espada e cortou-lhe uma orelha fora [ao diabo] e meteu-a no bolso e a menina passou-lhe a mão por cima do cabelo e dourou-lhe o cabelo e ele tocou a campainha para a guindarem.

24Ele ficou sozinho dentro da casa e meteu uma pedra dentro do cesto e tocou para içarem e eles quando viram que estava o cesto no meio do poço deixaram-no cair, pensando que era o Mama-na-Burra. Eles fugiram com as três princesas e ele trincou a orelha do demónio dentro do poço e o demónio apareceu-lhe e disse-lhe: «Tu que queres?» «Quero que me botes lá em cima.» «Dá-me a orelha.» «Dou; põe-me lá em cima que eu dou-ta.»

25O demónio pegou nele e pô-lo lá em cima do poço e o Mama-na-Burra não lhe deu a orelha. Avistou os outros dois muito longe a fugir com as princesas para o palácio. Pegou ele e seguiu atrás deles; não podia ir pelo caminho que todos lhe cobiçavam o cabelo; foi a um matadoiro onde se matavam bois; pediu uma bexiga de boi para meter na cabeça e foi indo, indo, até à casa de um lavrador defronte do palácio do rei; pediu que fazer e o lavrador deu-lhe que fazer.

26O lavrador não tinha mais que lhe dar a fazer, nem mais que lhe dar a comer. Num domingo tinha de haver uma corrida de cavalos à porta do palácio do rei; o demónio foi-lho dizer e ele disse-lhe que lhe aprontasse o melhor cavalo que houvesse e foi para a corrida sem ser convidado. Era o melhor cavaleiro que lá andava; perguntavam-lhe donde ele era e ele dizia que era um viajante que ia correr terras.

27Convidaram-no para lhe fazer um circo de espadas e peças; se ele não obedecesse e não dissesse donde era que o matariam; o demónio soube-o e foi avisá-lo e disse-lhe que ele que se livrasse das espadas que ele, diabo, o livrava do fogo.

28O Mama-na-Burra não obedeceu a nada; o cavalo, que era o próprio diabo, pinchava por cima das espadas; e quando iam a atirar o fogo, este não pegou, porque o diabo tinha-lhe ido mijar. Assim o Mama-na-Burra escapou. Pescaram para onde ele entrou; foi o rei convidá-lo para jantar; o demónio disse-lhe que fosse e ele foi.

29Quando entrou pelo palácio dentro as princesas viram-no da janela; elas diziam sempre ao pai que não tinham sido aqueles homens que as tinham desencantado e depois começaram a dizer ao pai que aquele homem é que as tinha desencantado; disseram que lhe tinham dado prendas. O rei perguntou-lhe por elas e ele mostrou-as todas três e perguntou às princesas se eram aquelas e elas disseram que sim. O rei disse que escolhesse delas a que quisesse e ele não escolheu; trincou a orelha ao demónio e o demónio apareceu-lhe e disse-lhe: «Que queres?» E pediu-lhe a orelha. «Dou-te a orelha, mas hás-de dizer-me qual delas é que tem melhor génio.» E ele respondeu-lhe: «Leva-as todas três para dentro e cá de fora pede-lhe o dedo mendinho da mão direita pelo buraco da fechadura.» A que tivesse uma cova na cabeça do dedo era a que tinha melhor génio.

30Ele assim fez; a primeira que veio era a que tinha a covinha e tinha sido a que lhe dourara o cabelo.

31O rei perguntou-lhe o que queria que se fizesse aos outros dois. «A um mandai-o deitar de um poço abaixo; e ao outro andar em volta do jardim agarrado ao rabo [com licença] do cavalo e um homem a chicotá-lo até ele morrer.» [Acabou.]

32(Foz do Douro)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search