Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XXI. João Pequenito

Texte intégral

1Havia noutros tempos um homem que tinha três filhos e, como fossem muito pobres, disse-lhes um dia: «Meus filhos, é tempo de ir correr mundo em busca de fortuna, porque eu nada tenho que lhes deixar quando morrer.» Então os filhos despediram-se do pai e partiram-se para muito longe, indo ter à corte de um rei turco muito mau. Logo que ali chegaram, pediram agasalho por aquela noite; o rei mandou-os entrar no palácio e, como ele tinha três filhas, mandou que deitassem os três rapazes nas camas das filhas e que lhes pusessem na cabeça umas carapuças de prata, que era para quando eles estivessem a dormir lhes ir cortar a cabeça.

2Lá pela noite adiante o rapaz mais novo, que se chamava João Pequenito (apelido que lhe puseram por ele ser muito baixinho), levantou-se e tirou a carapuça da cabeça e das cabeças dos irmãos; pô-las nas cabeças das filhas do rei e fugiu do palácio e mais os irmãos, escapando assim à morte.

3O rei turco, de noite, foi para matar os rapazes e matou as filhas, julgando serem eles que matava.

4Quando os rapazes já iam muito longe, disse o João Pequenito: «Agora é preciso separarmo-nos e cada qual busque a sua vida.» O João Pequenito foi ao palácio de certo rei e pediu para que o tomassem para criado; o rei nomeou-o seu jardineiro e ele de tal maneira se soube haver que o rei estimava-o mais que todos os outros criados. Entre estes começou a reinar muita inveja a pontos de irem dizer ao rei que o João Pequenito tinha dito que era capaz de ir furtar uma bolsa de moedas que o rei turco tinha debaixo da cabeceira. Chamou o rei o João Pequenito e disse-lhe o que os criados tinham dito e ele respondeu que sim, que iria, e disse mais: «Mande-me Vossa Majestade dar um navio para eu ir à corte do rei turco e verá de quanto eu sou capaz.»

5Foi o João Pequenito; subiu pela parede do palácio do rei turco, entrou pela janela e quando o rei dormia tirou-lhe a bolsa de debaixo do travesseiro e fugiu.

6O papagaio do rei turco começou a gritar: «Ó rei, olha que o João Pequenito leva a tua bolsa de moedas.» O rei foi ver à janela, mas ele já ia longe; o rei ainda lhe perguntou: «Tornarás cá, Pequenito?» «Tomarei, tomarei.» E foi todo contente levar a bolsa ao rei seu amo.

7Passados dias, foram dizer ao rei que o João Pequenito dissera que era capaz de ir furtar a coberta de campainhas que o rei turco tinha na cama. De novo é o Pequenito interrogado e lá volta à corte do turco, furta a coberta e foge. O papagaio do rei turco gritava: «Ó rei, ó rei, olha o Pequenito, que leva a tua coberta de campainhas.» O turco foi à janela e perguntou: «Tornarás cá, Pequenito?» «Tornarei, tornarei.» Chegou o Pequenito ao palácio do seu amo com a coberta e o rei de cada vez estava mais agradado dele por ver a sua valentia.

8De novo os criados foram dizer ao rei que o Pequenito dissera que era capaz de ir furtar o papagaio do rei turco. O Pequenito, logo que isto soube, aprontou-se e foi.Furtou o papagaio e este gritava pelo caminho: «Aqui d’el-rei, que me levam furtado.» E o Pequenito gritava: «Aqui d’el-rei, que furtado me levam.»

9Chegado o Pequenito ao palácio, novos trabalhos o esperavam. Disseram ao rei que o Pequenito dissera que era capaz de furtar o rei turco e de o trazer para o palácio. Então o rei disse-lhe: «Se tu fores capaz de me trazer aqui o rei turco, casarás com a princesa minha filha.» O Pequenito respondeu: «Dê-me Vossa Majestade um exército de homens e alguns navios e verá de quanto é capaz o Pequenito.»

10Aprontou-se tudo e o Pequenito arranjou uma grande dorna e foi ao palácio do turco e quando ele estava a dormir envolveu-o na roupa da cama; desceu com ele pela janela, meteu-o na doma e à frente do exército lá o levou para a corte do rei seu amo. Este quis logo que o Pequenito casasse com a sua filha; fizeram-se grandes festas e o Pequenito mandou ir para o palácio o seu pai e irmãos, dando-lhes altos cargos na corte. E assim acaba esta história de que

A certidão está em Tondela;
Quem quiser vá lá por ela.

11(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search