Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XVII. A herança paterna

Texte intégral

  • 1 De «longe» faz o povo um adjectivo.

1Era uma vez um pai que tinha dois filhos, dos quais o mais novo lhe disse um dia: «Meu pai, dê-me a minha tença que eu quero ir correr terras a ver se junto fortuna.» Então o pai deu-lhe o que lhe pertencia da parte da mãe e ele partiu-se para longes terras1.

2Passaram-se alguns tempos e o rapaz, vendo que não juntava fortuna, antes ia gastando a sua tença, resolveu-se a voltar à casa paterna. Chegado à sua terra natal, soube logo que seu pai havia falecido e que seu irmão transformara a casa num palácio onde vivia regaladamente. Então o rapaz foi ter com o irmão, contou-lhe a sua vida e o irmão respondeu-lhe: «Eu nada te posso fazer, pois o nosso pai nada me deixou, e a ti deixou-te essa caixa velha, recomendando-me que não a abrisse.»

3Recebeu o rapaz a herança paterna e partiu para outras terras; no caminho desejou ver o que continha a caixa e abriu-a; eis que lhe sai de dentro um pretinho, muito pequenino, que lhe diz: «Mande, senhor.» «Mando que me apresentes um palácio com tudo quanto lhe é dado, carruagens e lacaios para me servirem.»

4Dito e feito; tudo apareceu como ele desejava. Vivia o rapaz muito feliz no seu palácio, que era muito mais belo que o do rei, quando um dia recebeu a notícia de que seu irmão o ia visitar. Foi o irmão recebido ali com grandes festas e ele então perguntou-lhe como é que em tão pouco tempo tinha arranjado tanta coisa. «Foi a herança que me deixou o nosso pai.» «Mas» , retrucou o irmão, «a tua herança foi uma caixa velha.» «Foi o que tu dizes, na verdade; mas dentro dessa caixa é que está o segredo.»

5Então o irmão tratou de lhe roubar a caixa e, sem que ele desse por isso, saiu do palácio. Chegado à sua terra, abriu a caixa e logo o pretinho disse: «Mande, senhor.» «Mando que meu irmão fique sem o seu palácio e apareça metido numa prisão e que o meu palácio se transforme num mil vezes melhor do que era o dele.»

6Tudo assim se fez e ele disse mais ao pretinho: «Ordeno que faças com que a filha do conde de tal case comigo e que eu fique com o título de conde.»

7Cumpriu-se tudo como ele desejava e para não lhe roubarem a caixa trazia-a sempre consigo e dormia com ela debaixo da cabeça.

8Ora o irmão que estava preso tinha um cão e um gato que, logo que souberam que o seu dono estava preso, trataram de ir ter com ele à prisão. Chegados lá, souberam que o conde irmão do seu dono lhe tinha roubado a caixa e cuidaram ambos de ir ao palácio dele para trazerem a caixa. Para esse fim fizeram um batel de casca de abóbora, pois tinham de atravessar o mar.

9Chegados ao palácio do conde, souberam logo que ele dormia com a caixa debaixo da cabeça e então o cão disse ao gato: «Eu meto-me debaixo da cama e tu vais à cozinha molhar o rabo no vinagre e chegas com ele ao nariz do conde e, enquanto ele espirra, eu tiro a caixa e depois fugimos com ela.»

10Assim fizeram e, logo que se acharam fora do palácio, embarcaram no batel e foram navegando; e então avistaram um navio de ratos que, assim que os viram, içaram bandeiras de guerra; mas eles, que iam de paz, não fizeram mal aos ratos e contaram-lhes o motivo que ali os levava; então os ratos disseram: «Se formos precisos ao seu serviço, aqui estamos.» «Obrigados» , responderam o cão e o gato.

11Quando já estavam quase no termo da viagem, tiveram grande questão por causa de decidirem qual havia de ir levar a caixa ao dono, e neste dize-tu-direi-eu, deixaram cair a caixa ao mar. Então o cão, todo aflito, disse: «Valha-me aqui o rei dos peixes.» E logo apareceu um grande peixe que lhe disse: «Aqui estou; dize o que queres.» «Eu vinha em viagem mais o gato e trazíamos uma caixa que nos caiu ao mar e só Vossa Majestade nos pode valer.» «Eu não sei disso mas vou chamar os meus vassalos, pois talvez eles saibam.» Então vieram muitos peixes e uma lagosta que trazia uma perna quebrada disse: «Eu vi essa caixa, por sinal que me caiu sobre uma perna e ma partiu.» O rei dos peixes ordenou-lhe que fosse buscar a caixa e deu-a ao cão e tanto este como o gato, depois de mil agradecimentos, partiram para a prisão do seu dono, resolvendo levarem ambos a caixa às costas.

12O dono ficou muito contente, abriu a caixa e disse para o pretinho: «Quero desfeita esta prisão; quero um palácio em frente do de meu irmão e quero casar com a filha do rei.»

13Tudo assim foi e ele então foi ter com o irmão e disse-lhe: «Podia fazer-te muito mal, mas não quero; antes hei-de repartir contigo a minha riqueza e seremos de hoje em diante muito amigos.»

14Esquecia-me de dizer que o cão e o gato tiveram coleiras de ouro fino e pedras preciosas e morreram muito velhos.

15(Coimbra)

Notes

1 De «longe» faz o povo um adjectivo.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search