Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XV. O criado do estrujeitante1

Texte intégral

  • 1 Estrujeitante por estrejeitante (de es e trejeitar, de jeito) é um nome popular, no Minho, dos mági (...)

1Era uma vez um rapaz que foi procurar amo. Chegou a uma casa onde lhe perguntaram se ele sabia ler e, tendo ele respondido que sim, disseram-lhe que o não queriam. Foi a outra casa e, tendo-lhe feito a mesma pergunta, respondeu que não e lá aceitaram-no. O amo dele era um estrujeitante; de noite escrevia e o rapaz ia vendo o que ele escrevia sem que ele o suspeitasse.

2Foi o amo uma ocasião para fora de casa e o rapaz leu-lhe todos os livros mágicos por onde aprendeu a estrujeitar e foi depois disso para casa dos pais. Quando a mãe o viu, disse-lhe: «Ai, filho, tu vens tão magro!» «Deixe-se estar, que eu ainda hei-de engordar. Eu vou fazer-me em galgo e o meu pai leva-me à feira preso por uma fita, mas não venda a fita; traga-a, senão vende-me a mim.»

3Foi à feira feito em galgo; juntaram-se muitos caçadores e compraram o galgo; queriam também comprar a fita, mas o pai não a vendeu e meteu-a no bolso.

4Chegaram os caçadores que compraram o galgo a um monte e apareceu-lhes uma lebre; soltaram-lhe os cães todos mais o galgo; o galgo passou por um outeirinho, desaparecendo da vista dos caçadores, fez-se em homem e seguiu para os caçadores, que lhe perguntaram: «Ó homenzinho viu passar por aqui um galgo?» «Vi, vai aí adiante e tem pernas de prata.» «Custou-nos tantas moedas.» «Faça a tenção que elas foram como dadas.»

5Chegou o rapaz a casa e disse-lhe o pai: «Ó filhinho, tu tardaste tanto!» «Escute, meu pai, que eu já andei à lebre. Amanhã há outra feira e eu hei-de ir lá fingido num cavalo; venda o cavalo caro, mas não venda o freio, senão vende-me a mim.»

6Foi o pai à feira; mas lá estava o amo que conheceu o rapaz no cavalo e o comprou por todo o dinheiro, teimando em levar o freio; juntou-se muita gente que teimava que ele tinha comprado freio e cavalo, de modo que o pai não teve remédio senão deixar ir também o freio.

7O amo entregou o cavalo a um moço e, apontando-lhe para uma certa fonte, disse-lhe: «Tu não me deixes chegar o cavalo àquela fonte, senão eu mato-te.»

8Não passava ninguém ao pé que não gabasse o cavalo; o cavalo queria beber, saltava muito e todos pediam ao rapaz que deixasse ir beber tão lindo animal. O cavalo, assim que apanhou o rapaz descuidado, saltou por cima dele e foi para a fonte e fingiu-se num peixe e meteu-se pela fonte dentro. Chegou o amo e, não vendo o cavalo, ficou muito zangado; ralhou muito com o rapaz; ajuntou-se gente que disse: «Ele não teve culpa, porque o cavalo saltou por cima dele, fez-se num peixe e meteu-se pela fonte dentro.»

  • 2 Regaço.

9Nisto o amo fingiu-se numa lontra; meteu-se pela fonte dentro para comer o peixe; o peixe fingiu-se numa pomba e fugiu; a lontra fingiu-se num milhafre para comer a pomba; quando o milhafre ia quase a apanhar a pomba, ela viu umas senhoras numa janela, fez-se numa maçã e caiu na aba2 de uma das senhoras. O milhafre fez-se em homem e começou a pedir a maçã às senhoras. Elas disseram-lhe que não lha davam, que aquela maçã tinha caído do céu. Então o homem disse para elas: «Oh, minhas senhoras, dêem-me essa maçã, que eu morro se não ma derem.» E pôs-se a chorar e tanto pediu que elas iam a dar-lha; nisto a maçã fingiu-se em painço e caiu-lhe de entre as mãos. O estrujeitante fingiu-se numa galinha de pintos para comer o painço e o painço juntou-se muito juntinho e formou-se numa raposa, que comeu a galinha e os pintos. Depois disto fez-se em homem e foi para casa. Disse-lhe o pai: «Ai, filho, que te demoraste tanto!» «Olhe, meu pai: você podia ficar rico, mas mil forças que eu tivesse, poucas eram para o enforcar, porque você pela sua fraqueza de vender o freio foi a causa de eu ver a morte muitas vezes ao pé de mim.»

10(Ourilhe)

Notes

1 Estrujeitante por estrejeitante (de es e trejeitar, de jeito) é um nome popular, no Minho, dos mágicos e principalmente dos que fazem transformações, visualidades; estrejeitar, no sentido de fazer tours de passe-passe, encontra-se já em D. Duarte, Leal Conselheiro, c. 37: «E a estrologia, nygrumancia, geomancia, e outras semelhantes sciencias, artes, sprimentos e sotilezas, de modo de trejeitar per sotileza das mãos ou natural maneira não costumada, etc.»

2 Regaço.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search