Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XIII. O coelho e o gato

Texte intégral

1Eram uma vez um gato e um coelho que se combinaram pra ir passear. Ao depois chegaram à beira do mato e disse o gato para o coelho se queria passear o mato; pegaram e foram. Viram um pinheiro e disse o coelho: «Ó gato, tens-te por muito forçante; vamos a ver qual de nós trepa primeiro acima deste pinheiro.» «Vamos lá.»

2O gato chegou primeiro e o coelho foi com raiva e tirou-lhe metade do rabo; como ele lhe tirasse metade do rabo, o gato pôs-se a chorar: «Coelho, dá-me o meu rabo.» «Não te dou o rabo, só se me deres leite.»

3Ao depois então chegaram a um lameiro e viram uma vaca e o gato disse: «Vaca, dá-me leite para eu dar ao coelho para o coelho dar o meu rabo.» «Dou-te leite se me deres erva.»

4Ele foi acima e viu um belo lameiro de erva e disse-lhe: «Lameiro, dá-me erva para eu dar à vaca, para a vaca dar-me leite para eu dar ao coelho, para o coelho dar o meu rabo.» «Dou-te erva, se me deres água.»

5O gato foi acima e viu uma presa: «Presa, dá-me água para eu dar ao lameiro, para o lameiro dar-me erva, para eu dar à vaca, para a vaca dar-me leite, para eu dar ao coelho, para o coelho dar o meu rabo.» «Bastante te dou eu, que bem esvaída estou, se tu me arranjares uma enxada para tapar os buracos.»

6Foi o gato ter com um ferreiro: «Ferreiro, faz-me uma enxada para eu dar à presa, para a presa dar a água, para eu dar ao lameiro, para o lameiro dar a erva, para eu dar à vaca, para a vaca dar-me leite, para eu dar ao coelho, para o coelho dar o meu rabo.» «Sim, faço-te a enxada, mas tu hás-de me arranjar uns sapatinhos que ando aqui descalço.»

7O gato foi para cima e encontrou um sapateiro: «Sapateiro, faz-me uns sapatos, para eu dar ao ferreiro, para o ferreiro fazer a enxada, para eu dar à presa, para a presa dar-me a água, para eu dar ao lameiro, para o lameiro dar-me a erva, para eu dar à vaca, para a vaca dar-me o leite, para eu dar ao coelho, para o coelho dar o meu rabo.» «Sim, faço-te os sapatinhos, se me arranjares dois ou três alqueires de pão que estou a morrer de fome.»

8Foi o gato ter com uns lavradores que andavam a malhar na eira e disse-lhes: «Lavradores, dais-me milho para eu dar ao sapateiro, para o sapateiro fazer os sapatos, para eu dar ao ferreiro, para o ferreiro fazer a enxada, para eu dar à presa, para a presa dar-me a água, para eu dar ao lameiro, para o lameiro dar-me a erva, para eu dar à vaca, para a vaca dar-me o leite, para eu dar ao coelho, para o coelhodaromeurabo?»

9Mas os lavradores atiraram com os malhos ao gato e ao coelho e mataram-nos todos dois.

10(Foz do Douro)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search