Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XII. O cuco e a poupa

Texte intégral

1O cuco era marido da poupa e a poupa era muito estragada; quando era no princípio do ano comia tudo e depois andava a pedir misericórdia. Foi pedir uma vez à melra para irem ambas pedir às formigas se lhes davam algum socorro e as formigas disseram para a melra: «Enquanto tu andaste de silveira em silveira–cheiro, merlo, merlo, merlo, cheiro –, ganharas pão para o Inverno.»

2O mocho era o rendeiro nesse tempo; o cuco mandou lá a mulher pedir-lhe um carro de pão. O rendeiro disse-lhe: «Pois sim; eu empresto-te esse carro de pão, mas hás-de dormir cá esta noite, que eu amanhã mando-te lá o pão pelos meus moços no meu carro e com os meus bois.»

3A poupa ficou lá e o mocho mandou-lhe ao outro dia o carro de pão; o cuco, assim que o carro lá chegou, ficou com carro, bois e tudo, dizendo que a mulher tinha ganho tudo.

  • 1 Poupa., poupar–jogo de palavras.

4Nisto o mocho mandou obrigar o cuco pelos bois e carro; depois foram a juízo e o juiz deu-lhes de sentença: o cuco que andasse a publicar por esse mundo todo que era cuco, porque o quis, e o mocho que andasse de terra em terra em busca dos bois; faz ele: «Bois, Bois»; a poupa que havia de andar recomendando às outras mulheres para pouparem1 o que tinham a fim de não se verem obrigadas a ir pedir a mariolas como o mocho.

5(Ourilhe)

Notes

1 Poupa., poupar–jogo de palavras.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search