Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

XI. O pinto borrachudo

Texte intégral

1Era uma vez um pinto borrachudo que andava a esgravatar em um monte de terra e achou lá uma bolsa de moedas e disse: «Vou levar esta bolsa ao rei.»

2Pôs-se a caminho com a bolsa no bico, mas como tivesse de atravessar um rio e não pudesse disse: «Ó rio, arreda-te para eu passar!» Mas o rio continuou a correr e ele bebeu a água toda.

3Foi mais para diante e viu uma raposa no caminho e disse-lhe: «Deixa-me passar.» Como a raposa se não movesse, comeu-a.

4Foi andando e encontrou um pinheiro e disse-lhe: «Arruma-te para eu passar.» Como ele se não arrumasse, engoliu-o.

5Mais adiante encontrou um lobo e comeu-o; depois encontrou ainda uma coruja e fez-lhe o mesmo.

6Chegado ao palácio do rei, disse que lhe queria falar e entregou-lhe a bolsa das moedas e o rei ordenou logo que o metessem na capoeira das galinhas e que o tratassem muito bem. O borrachudo, logo que ali se viu, começou a cantar:

«Qui qui ri qui,
Minha bolsa de moedas
Quero para aqui.»

7E como visse que lha não levavam, lançou a raposa que tinha comido, e ela comeu as galinhas todas.

8Foram dar parte a el-rei do sucedido e ele ordenou que metessem o borrachudo dentro da copeira. Cumpriram-se as ordens, mas o borrachudo continuou sempre a cantar:

Qui qui ri qui, etc.

9Depois, como lhe não levassem o dinheiro, lançou o pinheiro e os copos da copeira foram todos quebrados.

10Então o rei ordenou que metessem o borrachudo na cavalariça e ele sempre cantando:

Qui qui ri qui, etc.

11Lançou fora o lobo e o lobo comeu os cavalos.

12O rei mandou então que o metessem no pote do azeite, mas ele lançou lá a coruja e ela bebeu o azeite.

13Então o rei, não sabendo já o que havia de fazer, mandou que aquecessem o forno e que metessem lá o borrachudo; mas ele mesmo dentro do forno começou a gritar:

Qui qui ri qui, etc.

14E foi lançando o rio que tinha bebido e já o palácio do rei estava quase a afundar-se quando o rei ordenou que fossem levar a bolsa de moedas ao borrachudo e o mandassem embora, antes que ele lançasse o rio todo.

15E lá se foi embora outra vez o borrachudo com a bolsa das moedas no bico.

16(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search