Version classiqueVersion mobile

Contos populares portugueses

 | 
Adolfo Coelho

Contos populares portugueses

X. O rabo do gato

Texte intégral

1Era uma vez um gato que foi ao barbeiro para que lhe fizesse a barba. O barbeiro disse ao gato: «Se tu tivesses o rabo mais curto, ficarias muito mais bonito.» Disse-lhe o gato: «Pois corta-lhe um bocado.» Cortou o barbeiro o rabo do gato e ele foi-se embora; mas no meio do caminho disse para consigo: «E o barbeiro que me ficou com o meu rabo! Deixa-me ir pedir-lho.»

2Foi ter com o barbeiro e disse-lhe: «Dá-me o meu rabo, senão furto-te uma navalha.» Como o barbeiro lhe não desse o rabo, furtou-lhe a navalha.

3Foi-se o gato por ali fora e viu uma peixeira que não tinha faca para cortar o peixe e disse-lhe: «Toma lá esta navalha.» Mais adiante voltou atrás e disse à peixeira: «Dá cá a navalha, senão furto-te uma sardinha.» «Como a peixeira lhe não desse a navalha, furtou-lhe a sardinha.

4Foi-se e mais adiante viu um moleiro a comer pão seco e disse-lhe: «Toma lá esta sardinha.» Mais adiante voltou atrás e disse ao moleiro: «Dá cá a minha sardinha, senão furto-te uma taleiga de farinha.» Como o moleiro já tivesse comido a sardinha, furtou-lhe a taleiga de farinha.

5Foi o gato ter a uma mestra de meninas que não tinha que lhes dar à merenda e disse-lhe: «Toma lá esta taleiga de farinha para papas.» Mas depois arrependeu-se e voltou atrás e disse à mestra: «Dá cá a minha taleiga de farinha, senão furto-te uma menina.»

6Saiu com a menina e foi ter com uma lavadeira e disse-lhe: «Tu estás a lavar a roupa sozinha; toma lá esta menina para te ajudar.» Deixou ficar a menina, mas depois voltou atrás a pedi-la à lavadeira e, como esta lha não quisesse dar, furtou-lhe uma camisa.

7Foi-se mais para diante; viu um violeiro sem camisa e disse-lhe: «Coitado, estás sem camisa; toma lá, vai-te vestir.» Enquanto ele foi vestir a camisa, furtou-lhe o gato uma viola e depois subiu para cima de uma árvore e começou a tocar viola e a cantar:

Do meu rabo fiz navalha;
Da navalha fiz sardinha;
Da sardinha fiz farinha;
Da farinha fiz menina;
Da menina fiz camisa;
Da camisa fiz viola;
Frum, fum, fum,
Vou para a minha escola.

8(Coimbra)

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search